Os verdadeiros violadores dos direitos humanos nunca são punidos.

Por Artur González.

Os Estados Unidos violam diariamente os direitos humanos de milhares de pessoas em seu país e no mundo, mas nunca são sancionados pelas organizações que se dedicam a esta questão. Claro que não, porque foram criados e financiados pelos próprios ianques para atacar os países que não se submetem aos seus ditames.

O caso mais recente de violação de direitos humanos nos Estados Unidos é o escandaloso assassinato de Tire Nichols, de 29 anos e pesando apenas 68 kg, pelas mãos de cinco policiais do Departamento de Polícia de Memphis, em 7 de janeiro de 2023. parou Nichols no meio da estrada, sem motivo, e deu-lhe uma surra feroz até a morte. Os cinco agentes têm um peso corporal superior a 450 kg.

Este fato se repete nos Estados Unidos, especialmente contra os negros americanos, mas nunca foram aprovadas resoluções que os condenassem no Parlamento Europeu, na OEA ou nas Nações Unidas, apesar de evidências suficientes apoiadas por vídeos, confirmando tais violações dos direitos humanos mais básicos , como o direito à vida.

Se algo semelhante acontecesse em Cuba, Venezuela, Nicarágua, Irã, Síria, Rússia ou China, o escândalo criado pela imprensa ocidental, pelo Departamento de Estado e pela Comissão de Direitos Humanos da ONU seria colossal, mas estando no país das “liberdades e do paraíso dos direitos humanos”, tudo passa por uma má prática de 5 policiais, que foram demitidos sem serem processados ​​por esse crime.

O que é significativo nesse caso é que os assassinos também são negros, fato que expõe a violência intrínseca daquele regime para reprimir as pessoas.

Por que a organização Human Rights Watch não condena o regime ianque por cometer esses abusos aberracionais perpetrados pela polícia, como faz diariamente contra os governos da Venezuela, Nicarágua e Cuba, sem atos semelhantes?

Nem uma linha é escrita pelos europeus para reprovar esse crime, que também não é levado aos tribunais, pois nos Estados Unidos as mortes causadas por policiais não são punidas porque em seus regulamentos estão autorizados a matar, apenas por assumir que “a vítima estava armada e pretendia agredir um agente da ordem pública”.

Os cinco policiais pararam Nichols no meio da rua, supostamente por “direção imprudente”, mas três dias após o fato, o Tennessee Bureau of Investigation informou oficialmente que “a morte foi causada por ferimentos sofridos em um incidente envolvendo o uso da força por policiais”. ” e o chefe da polícia de Memphis, Cerelyn Davis, declarou: “Desde a ocorrência do incidente, as autoridades não conseguiram encontrar nada para comprovar a causa provável de direção imprudente por parte de Nichols antes do encontro com os cinco policiais.

Provas suficientes para demonstrar as violações dos direitos humanos e deter e processar legalmente os comissários, em vez de deixá-los em liberdade e apenas serem demitidos “por violar as políticas sobre o uso excessivo da força”, apesar do fato de o chefe da Polícia ter dito aos repórteres que o vídeo mostrava “atos que desafiam a humanidade e o desprezo pela vida, comparáveis ​​apenas ao espancamento fatal do taxista Rodney King em 1991 pela polícia de Los Angeles.

Nas próximas conversões entre Cuba e Estados Unidos, onde os ianques afirmam que a questão dos direitos humanos deve estar sempre em pauta, devem explicar os motivos pelos quais matam à vontade e não consideram tais ações como repressão. sua polícia, nem violações dos direitos humanos de seus cidadãos, especialmente se sua pele for negra.

A falta de vergonha dos Yankees se reflete nas recentes declarações de uma funcionária do Departamento de Estado sobre a Ilha, nas quais ela afirmou:

“Nossa primeira prioridade é promover a responsabilização por abusos de direitos humanos, para os quais anunciamos várias rodadas de sanções direcionadas a indivíduos e entidades com vínculos diretos com abusos de direitos humanos. Continuamos a condenar esses abusos e exigimos a libertação das centenas de manifestantes e ativistas presos. Além disso, o presidente nos orientou a explorar maneiras significativas de apoiar o povo cubano”.

Para ensinar lições de direitos humanos a outros; Olhem primeiro para dentro de vocês e parem de fabricar falsas violações contra nações que não se submetem ou se deixam intimidar por suas ameaças.

José Martí não se enganou quando afirmou:

“A vergonha tem que virar moda e a falta de vergonha sair de moda.”

.

União Europeia vai treinar 30 mil soldados ucranianos

Von der Leyen e Zelenski se cumprimentam durante coletiva de imprensa em Kyiv, em 2 de fevereiro de 2023. Foto: AFP/Getty Images.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, e o principal representante estrangeiro do bloco, Josep Borrell, em visita a Kyiv, anunciaram na quinta-feira um plano da UE para treinar soldados ucranianos em meio à guerra com a Rússia.

Von der Leyen e Borrell chegaram a Kyiv com mais de uma dezena de funcionários do bloco de 27 países, onde anunciaram assistência adicional para apoiar a Ucrânia no conflito armado com Moscou.

O presidente do Executivo Comunitário manteve uma reunião com o presidente Vladimir Zelenski e Borrell anunciou que a UE vai dobrar o número de soldados ucranianos que treina.

“A Missão de Assistência Militar da UE (Eumam) treinará mais 15.000 soldados ucranianos, elevando o número total de pessoal treinado da Eumam para 30.000”, disse o alto funcionário em um tweet.

Borrell deve se encontrar com Zelensky nesta sexta-feira, em meio ao que foi descrito pela UE como uma cúpula na Ucrânia.

Referindo-se à sua chegada a Kyiv, von der Leyen twittou que “estamos aqui juntos para mostrar que a UE está firmemente do lado da Ucrânia”.

Durante uma conferência de imprensa conjunta com Zelensky em Kiev, o presidente da CE referiu-se a novas sanções contra a Rússia.

“Juntamente com nossos parceiros do G7, introduziremos um limite adicional nos preços dos produtos petrolíferos russos”, disse ele, acrescentando que até o final de fevereiro “queremos ter o 10º pacote de sanções em vigor”.

As conversas incluiriam o debate sobre o envio de mais armas e ajuda financeira para aquela nação, bem como maior acesso de produtos ucranianos ao mercado da UE, assistência a Kyiv para cobrir suas necessidades energéticas e sanções a Moscou, entre outros assuntos.

O caminho da Ucrânia para uma possível adesão ao bloco europeu será uma questão chave na discussão, então a campanha anticorrupção da Ucrânia, uma condição chave para a adesão, também deve estar na agenda.

As últimas alegações de corrupção na Ucrânia coincidiram com movimentos de aliados ocidentais para alocar bilhões de dólares para ajudar Kyiv a combater as forças de Moscou e com as reformas do governo ucraniano com aspirações de um dia ingressar na UE.

É a primeira reunião desse tipo na capital ucraniana desde o início da guerra e segue promessas recentes de governos ocidentais, incluindo Estados Unidos e Alemanha, de fortalecer as defesas da Ucrânia, incluindo a entrega de tanques, Leopard 2 e outros veículos de combate.

O governo ucraniano está buscando mais ajuda militar ocidental, além dos tanques prometidos na semana passada. Espera-se que os dois lados lancem novas ofensivas quando o inverno terminar. Agora Kyiv ordenou caças, informou a AP.

A Alemanha enviará tanques Leopard 2 para a Ucrânia e permitirá que outros países façam o mesmo, de acordo com a imprensa

Bolton: EUA devem impedir que França e Alemanha negociem com a Rússia

“Os Estados Unidos devem frustrar qualquer tentativa da França, Alemanha ou outros aliados de entrar em negociações com a Rússia”, disse o ex-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA John Bolton em uma conversa com os brincalhões russos Vladimir Kuznetsov e Aleksei Stoliarov, mais conhecidos como Vovan e Lexus.

Os comediantes, que se fizeram passar pelo ex-presidente ucraniano Piotr Poroshenko, compartilharam um vídeo de sua conversa com Bolton na quinta-feira.

“É essencial continuar a exercer pressão militar contra os russos”, disse o político americano, que considera que a OTAN está em condições de “vencer esta guerra”.

“É importante impedir as tentativas dos franceses, alemães ou de qualquer outro que pretenda negociar com os russos”, acrescentou.

Além disso, ele pediu para reforçar a política de sanções contra Moscou. “Nos próximos meses, no Ocidente, em seu sentido mais amplo, devemos nos concentrar em aumentar a pressão das sanções econômicas. Acho que não fizemos o suficiente para impor as restrições. A Rússia continua a evitá-los”, disse ele.

Segundo Bolton, o teto de preço do petróleo russo pode não ser eficaz, pois “ajudará a fugir das sanções”.

O ex-conselheiro de Segurança Nacional dos EUA acrescentou que “a China os ajudou muito nesse sentido. Eles [os chineses] fingem que querem se desassociar da Rússia, mas acho que eles fornecem uma ajuda significativa de várias maneiras.”

Quanto à expansão da OTAN para as fronteiras da Rússia, Bolton, que no início dos anos 1990 atuou como Secretário de Estado Adjunto para Assuntos de Organização Internacional, revelou alguns detalhes das falsas promessas feitas por Washington.

Ele lembrou que, em 1990, o então secretário de Estado, James Baker, prometeu ao líder soviético Mikhail Gorbachev não expandir o bloco militar para o leste.

“Naquela conversa com Gorbachev, o que Baker realmente fez foi raciocinar abstratamente procurando maneiras de evitar o confronto. Temos um ditado: ‘Se o seu oponente está cometendo suicídio, não interfira’. A União Soviética e o Pacto de Varsóvia estavam desmoronando, e Baker e [o então presidente] George H. W. Bush não pretendiam interromper esse processo.”

Para Bolton, quanto mais cedo a Ucrânia e a Geórgia se tornarem parte da OTAN, “mais seguro será para todos”.

(Com informações da Reuters, DW, AP e RT em espanhol)

Câmara Municipal de Minneapolis pede à Casa Branca e ao Congresso que retirem Cuba da lista de países que patrocinam o terrorismo

“Em vez de manter as políticas fracassadas do passado, é hora de buscar um caminho a seguir em nossas relações”, apontam os signatários da carta a Biden e ao Congresso. Foto: P. L.

A Câmara Municipal da cidade de Minneapolis, no estado norte-americano de Minnesota, exigiu que o presidente Joe Biden e o Congresso retirassem Cuba da arbitrária lista de países que patrocinam o terrorismo, onde a Ilha foi injustamente incluída.

Em carta dirigida à diretora do Gabinete de Assuntos Intergovernamentais da Casa Branca, Julie Chávez Rodríguez, os ativistas lembraram que desde 1960 Washington impôs um bloqueio econômico, comercial e financeiro contra Cuba.

Além de impedir as relações comerciais normais de Cuba com os Estados Unidos, o cerco implementou punições para outros países interessados ​​em interagir com o país caribenho e inflige dificuldades e privações ao povo cubano, disse a carta.

Eles denunciaram que esta política cria escassez de alimentos e remédios em meio a uma crise de saúde global, gera severas restrições financeiras, limita oportunidades comerciais e impede Cuba de obter equipamentos e suprimentos médicos vitais.

Eles lamentaram que o governo do ex-presidente Donald Trump (2017-2021) tenha destruído a aproximação iniciada entre os dois países durante o mandato de Barack Obama (2009-2017).

A Administração Trump não só reverteu arbitrariamente o progresso na relação bilateral e colocou Cuba de volta na lista de Estados patrocinadores do terrorismo, como também impôs 243 novas medidas coercitivas, incluindo restrições ao envio de remessas de dinheiro por cubano-americanos a famílias e sanções à Ilha, que apontou.

A carta condena a inclusão de Cuba na lista arbitrária e unilateral de países que, na opinião da Casa Branca, patrocinam o terrorismo, classificação pela qual o país caribenho sofre uma série de restrições financeiras internacionais que restringem sua capacidade de realizar importantes operações, incluindo as necessárias para combater a pandemia de covid-19 e dinamizar a sua economia.

Cuba não cumpre nenhum critério para estar nessa lista, alertaram os signatários, acrescentando que ela pode ser retirada por ordem executiva do presidente Biden, que prometeu durante sua campanha eleitoral revisar essa designação.

“Em vez de manter as políticas fracassadas do passado, é hora de buscar um caminho a seguir em nossas relações que promova nossos interesses e valores nacionais e melhore a vida dos cidadãos de ambos os países”, disseram os ativistas.

“O Conselho da Cidade de Minneapolis, recordando sua resolução unânime de 2021, insta o presidente Biden e o Congresso, e cada representante federal em sua jurisdição, a pedir ao governo que retire Cuba da lista dos Estados Unidos de Estados patrocinadores do terrorismo”, diz o texto. carta.

(Com informações da Imprensa Latina)

Quase 1.000 crianças migrantes ainda separadas de seus pais, vítimas da política da administração Trump

Crianças migrantes são conduzidas em uma fila pelo pessoal da Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA em um centro de detenção perto da fronteira mexicana na cidade de Tornillo, Texas, junho de 2018. Foto: Reuters. Separadas de seus pais na fronteira Estados Unidos-México pelo No governo do ex-presidente Donald Trump, 998 crianças permanecem sem serem reunidas com suas famílias dois anos depois de Joe Biden, após assumir a presidência em janeiro de 2021, emitir uma ordem executiva e estabelecer um grupo de trabalho para reverter a situação.

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos (DHS) informou na quinta-feira que, das 998 crianças ainda separadas, 148 estão em processo de reunificação.

A administração Trump separou milhares de famílias migrantes sob uma política geral de “tolerância zero” que exigia o julgamento de todos os atravessadores de fronteira não autorizados na primavera de 2018.

Comitês de supervisão e advogados descobriram que as separações começaram antes e continuaram depois do início oficial dessa política.

O DHS disse que o trabalho árduo da força-tarefa revisando informações fragmentadas mantidas pelo governo Trump sobre a política descobriu até agora que 3.924 crianças, a maioria centro-americanas, foram separadas na fronteira.

Muitos foram localizados e reunidos antes de Biden assumir o cargo por meio de um processo judicial depois que a American Civil Liberties Union (ACLU) entrou com uma ação para impedir a política de separação.

“O número de famílias recém-identificadas continua a aumentar à medida que as famílias se apresentam e se identificam”, disse o DHS em uma ficha informativa sobre o trabalho da força-tarefa divulgada na quinta-feira.

Até o momento, o mutirão já reuniu 600 famílias.

(Com informações da Reuters)

Vice-presidente colombiana Francia Márquez prepara visita a Cuba para a Feira Internacional do Livro

Foto: Reuters.

A vice-presidente da Colômbia, Francia Márquez, fará uma visita oficial a Cuba no âmbito da Feira Internacional do Livro de Havana, que dedicará esta edição ao país do político e lutador social latino-americano.

“Retornar a Cuba como vice-presidente da República da Colômbia, depois de ter vindo alguns anos atrás como membro da mesa de vítimas nas negociações de paz entre o Estado colombiano e as FARC, é uma prova de que na Colômbia estamos realizando nosso desejo realidade. de paz total”, disse o vice-presidente.

Ele destacou que, claro, o papel de Cuba neste caminho tem sido fundamental, citou o Itamaraty em nota dirigida à imprensa.

Os laços culturais entre as duas nações são um bem binacional que deve ser fortalecido e a 31ª edição da Feira do Livro de Havana é a oportunidade de ouro nesse sentido, afirmou France.

Ele destacou que Cuba é um dos países latino-americanos que mais desenvolveu suas relações diplomáticas com os países africanos e possui o maior número de consulados e embaixadas.

“Como vice-presidente da Colômbia, tenho, por mandato presidencial, liderar a estratégia África-Caribe, bem como a política de cooperação internacional do Governo Nacional com os movimentos afrodescendentes e indígenas”, enfatizou.

“Essas são outras prioridades de nossa visita oficial a este belo país caribenho”, destacou o vice-presidente da Colômbia.

“Participar da Feira do Livro de Havana é uma excelente oportunidade para continuar fortalecendo os laços de amizade já existentes entre os dois países e que foram construídos por homens e mulheres das artes e culturas, como nosso grande escritor Gabriel García Márquez, cuja literatura é muito conhecido em Cuba”, enfatizou.

(Com informações do PL)

Senador garante que Bolsonaro o convocou para golpe contra Lula

Foto: Senado de Brasil.

O senador Marcos do Val, do conservador Podemos, garantiu que o ex-presidente Jair Bolsonaro tentou convencê-lo a dar um golpe contra Lula, valendo-se de sua experiência militar, durante reunião com o ex-deputado Daniel Silveira, agora parado.

“Fiquei com raiva quando me chamaram de Bolsonaro. Você esperava que eu jogasse uma bomba. Na sexta-feira a tentativa de Bolsonaro de me convencer a dar um golpe com ele vai sair na ‘Veja’ (revista brasileira), “ele revelou à noite esta Quarta-feira ao vivo através de suas redes sociais.

Depois de denunciar as supostas aspirações golpistas de Bolsonaro, Do Val usou seu perfil no Instagram para anunciar que após quatro anos como senador pelo estado do Espírito Santo, ele estava definitivamente deixando a política e voltaria para os Estados Unidos com sua família para continuar sua corrida.

No entanto, ele recuou e confirmou que continuará ocupando sua cadeira no Senado. Horas antes, ele havia afirmado que as ofensas que havia recebido pesavam muito sobre sua família e que seu tempo e sua saúde não davam mais do que eles.

Por sua vez, o primogênito do ex-presidente brasileiro, o também senador Flávio Bolsonaro, confirmou a existência daquela reunião ocorrida em dezembro, mas descartou que o que nela foi discutido constituísse crime.

“Na nossa legislação, pelo menos, isso não é crime. Mesmo que seja verdade, porque não sei se é, falar sobre isso não é crime. Praticá-lo seria. Um crime, a meu ver de vista, menor”, avaliou.

Flávio Bolsonaro, no entanto, criticou que Do Val tenha usado aquele clima de “liberdade” e “confiança” que existia naquela reunião para gravar e “prejudicar” Silveira. “Isso não está em nossos princípios e não concordo com isso de forma alguma”, protestou.

Ao mesmo tempo, criticou o facto de Do Val estar a mudar de versão “de uma hora para a outra” e pediu-lhe que analise toda a situação “com calma”. Mesmo assim, ele disse que o senador do Podemos o avisou que aquela ideia era “coisa” de Silveira e que Bolsonaro não queria “não ter nada a ver com isso”.

Já o desembargador Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, autorizou o interrogatório, após a Polícia Federal apresentar pedido após Do Val divulgar “informações relevantes” nas redes sociais para a investigação aberta pelos atentados golpistas de 8 de janeiro. A nomeação está marcada para esta quinta-feira.

A ameaça de renúncia de Do Val ocorreu poucas horas após a posse de deputados e senadores das duas casas do Congresso brasileiro. Na Câmara dos Deputados, Arthur Lira foi reeleito presidente, não só confirmando as expectativas, mas também obtendo uma votação recorde, com mais de 92% dos votos após o acordo de quinze bancadas.

No Senado, a votação foi um pouco mais apertada, mas finalmente Rodrigo Pacheco revalidou seu mandato, e venceu Bolsonaro, Rogério Marinho, em parte graças à pressão do Partido dos Trabalhadores (PT) de Luiz Inácio Lula da Silva, que assim impôs no primeiro embate do legislativo.

(Com informações da Europa Press)

Ministro cubano da Justiça julgado em Londres: “Nossa posição é defender a verdade”

Tribunal Superior da Inglaterra, Londres. Foto: Tirada de @OscarCubaMinjus.

Por: Humberto López

Nesta quinta-feira, 2 de fevereiro, concluiu-se o julgamento correspondente à ação movida pelo fundo abutre CRF I Limited contra o Banco Nacional e a República de Cuba perante o Tribunal Superior de Londres.

Durante quarta e quinta-feira foram apresentados os relatórios finais dos advogados de cada parte, aos quais contou com a presença do ministro cubano da Justiça, Oscar Manuel Silvera Martínez. Terminadas as sessões, ele concordou em responder a algumas perguntas.

Por que você considerou importante ir para Londres?

– O Estado cubano foi processado no Tribunal Superior de Londres. Presido a um sistema de trabalho de defesa da posição do Banco Nacional e do Estado, integrado por prestigiados advogados e representantes das instituições encarregadas destas questões.

“Como se sabe, durante essas duas semanas ocorreu o julgamento que examinou as provas. Pela importância do assunto, e considerando a transparência da posição que defendemos, decidimos comparecer em juízo. Problemas de trabalho me impediram de estar fisicamente durante todos os dias, mas felizmente pudemos estar nas alegações finais de nossos advogados.

Qual é a sua percepção sobre o desenvolvimento do julgamento?

– De Havana, na primeira etapa, e daqui depois, nos mantivemos permanentemente informados sobre o andamento do julgamento. O cronograma programado foi cumprido. Quero destacar a seriedade e o estrito cumprimento das regras por parte do tribunal inglês e suas autoridades na organização de cada um dos momentos do processo.

“Várias testemunhas propostas por nossos advogados depuseram de Havana em tempo real, e também quero destacar a organização que permitiu o cumprimento dos protocolos tecnológicos e legais exigidos pelo tribunal inglês”.

Houve revelações substanciais que mudaram a posição do BNC e de Cuba?

-Não. Nossa posição continua a mesma. Como sempre afirmamos, o CRF é um fundo abutre, não é nosso credor, nem nunca foi. O que o CRF tem feito é tentar se apropriar das posições da dívida cubana por meio de atos ilícitos. O desenvolvimento das audiências durante todos esses dias não muda nada do acima.

“Há inclusive provas, documentos que foram mostrados durante o processo, que mostram que o fundo abutre, intencionalmente, em um momento tão delicado como a passagem do furacão Irma, tentou pressionar Cuba a obter o pagamento de uma dívida da qual é não o proprietário e, além disso, estabelecer esta reivindicação legal.

“Então, com uma suposta decisão desfavorável a nós, ele tentaria impedir o livre fluxo de fundos de e para Cuba e, assim, bloquear efetivamente o acesso do país aos mercados financeiros internacionais.”

Notícias falsas sobre o julgamento e ataques da mídia foram publicadas. Qual é a sua opinião sobre isso?

–Eles mentem e enganam, porque não estão certos. Se eles estiverem certos, seja objetivo. O que eles tentaram fazer foi desacreditar o país usando como base um processo judicial que, como já foi dito, é de natureza comercial. Alguns desrespeitaram as regras do tribunal, com condutas ilegais que foram advertidas e notificadas à polícia pelo próprio tribunal.

“No momento, uma investigação está em andamento a esse respeito. Inclusive, contornando as regras de liberdade de expressão, enfatizaram ataques, ameaças, calúnias e assédio contra nossos advogados e a delegação cubana presente em Londres”.

A propósito, ministro, como é formada a equipe de defesa cubana?

–Estruturamos nossa estratégia de defesa com os serviços jurídicos de um escritório internacional de primeira linha na América Latina. Esse escritório coordena as ações por meio dos barristers e solicitors exigidos pela lei inglesa.

“Todos os nossos advogados são de reconhecido prestígio profissional, foram contratados para fazer face a um processo jurídico de elevada complexidade em matéria financeira, comercial e contencioso internacional.

“Os advogados têm trabalhado com profissionalismo, ética e rigor jurídico, pelo que ratificamos o nosso apoio e confiança. Do seu dever profissional, cumprem a missão de nos defender num processo complexo e longo”.

Agora que o julgamento acabou, o que vai acontecer?

– Concluída toda a produção de prova, os advogados das partes apresentaram suas alegações finais perante o juiz, nas quais refletiram as provas e argumentos jurídicos que sustentam as posições de cada um.

“A partir de agora, cabe ao tribunal proferir a sentença, que será produzida de acordo com o fluxo das questões que forem resolvidas em tribunal. A prática deste órgão é que a sentença não seja proferida imediatamente. Por fim, ratifico que nossa posição é de defesa da verdade”.

Oscar Silvera Martínez

Me encuentro en Londres. Participaré en jornadas finales de la audiencia en la Alta Corte de Inglaterra. Defendemos la verdad: Banco Nacional y Cuba ratifican que CRF no ha sido ni es su acreedor. @CubaMinjus

Imagen

Imagen

CUBADEBATE

Notícias científicas falsas: a contradição da disseminação do conhecimento

Por: Manuel A. Iturralde-Vinent. Acadêmico de Mérito, Assessor Científico da Redciencia, Citmatel.

Nos últimos tempos, foram publicadas na mídia algumas informações que beiram o sensacionalismo que seriam consideradas confiáveis, e pior, que exageram e confundem as implicações de alguns resultados científicos, além de todos os limites éticos e racionais. São o que se pode chamar de “notícias falsas de ciência” ou “notícias falsas de ciência” que, infelizmente, são reproduzidas incessantemente em mídias alternativas e locais, promovendo uma visão totalmente confusa da realidade. O pior é que, quando aparecem críticas ou reinterpretações dessas falácias, alguns meios de comunicação não publicam ou dão continuidade a essa informação para esclarecer a verdade, ou pelo menos mostrar interpretações alternativas. Com esse procedimento, os leitores ficam com informações falsas e exageradas.

A explicação para esse comportamento pode estar ligada ao desejo de atrair leitores, principalmente em mídias que vivem de propagandas e doações. Talvez em Cuba devêssemos optar por estabelecer a fonte original da notícia e consultar a opinião de especialistas antes de reproduzi-la.

Lembro-me de alguns anos atrás, quando ocorreu o derramamento de óleo no Golfo do México, do poço Macondo. Logo após este evento, foi publicada uma notícia que repercutiu na mídia nacional. Segundo essa “fonte”, um submarino russo teria descoberto que o óleo não estava vazando apenas do poço, mas de uma enorme rachadura no fundo do oceano que se estendia além do Golfo. Essa informação estava bem camuflada, pois especificava o nome do navio e seu capitão, que eram verdadeiros. Quando investiguei este caso a pedido de um jornalista, descobri que o referido submarino e seu capitão não estiveram no Golfo do México durante ou após o vazamento de Macondo, mas estavam navegando longe no Atlântico Norte e, é claro, não realizou Nenhuma observação relacionada ao derramamento de óleo. Neste e em muitos outros casos, o relato é baseado em fatos reais, mas mal interpretados e deturpados pelo comunicador.

Desde então, tenho curiosidade de seguir essas Fake Science News (FNC) e compartilhar comentários com meus amigos e na minha página do Facebook. Como esta edição da FNC parece ter vindo para ficar, neste breve artigo vou avaliar um pouco dessa “informação” –ou mais propriamente, desinformação– que nas últimas semanas teve eco em diversos meios de comunicação nacionais e internacionais.

O canal de magma de Galápagos ao Panamá

Esta notícia informou que um estudo científico descobriu a existência de um “canal ou túnel subterrâneo” entre as Ilhas Galápagos e o Panamá, através do qual o magma incandescente estava fluindo para este último local. Para aumentar o grau de confusão dos leitores, as informações foram ilustradas com uma foto que mostrava a boca de uma caverna.

Ao revisar este caso, descobri que havia um resultado científico publicado em uma revista absolutamente séria, onde os autores do estudo haviam determinado que a composição geoquímica das rochas basálticas coletadas no Panamá e nas Galápagos era semelhante e sugeriram que possivelmente havia sido um fluxo subhorizontal de magma, ao nível do manto superior, que carregou o magma fluido do “ponto quente” ou “ponto quente” de Galápagos para o leste. Nada a ver com um canal ou caverna, nem é um vulcão. Esses fluxos de magma foram detectados em outros locais como parte da termodinâmica do interior da Terra.

A Figura 1A constitui uma representação dos campos de temperatura no manto e na crosta terrestre, com base em técnicas de tomografia sísmica, onde foi aplicado um algoritmo para converter a velocidade das ondas sísmicas em temperatura. A imagem mostra que o manto e a crosta não são homogéneos, mas que na sua composição existem sectores de diferentes temperaturas (os mais frios são mais rígidos; os mais quentes são mais plásticos).

Modelo de tomografia terrestre onde são observados setores com diferentes temperaturas, que representam materiais de diferentes composições, plasticidades e rigidez. As linhas e setas segmentadas sugerem o curso e a direção dos movimentos das massas, onde as mais frias e pesadas tendem a afundar em direção às profundezas do manto.

Modelo simplista onde é delimitada a espessura aproximada de cada camada.

Outras investigações mostraram que os materiais mais frios provenientes da crosta terrestre tendem a descer na forma de enormes placas até atingirem a superfície do núcleo, onde se depositam e provavelmente se fundem, de modo que uma parte flui de volta como magmas para A superfície da Terra. Um desses setores de onde o magma sobe à superfície da interface manto-núcleo está localizado abaixo das Ilhas Galápagos.

Portanto, a possibilidade de que esses magmas fluidos tenham migrado do hotspot de Galápagos para o leste é inteiramente viável, mas esse fluxo não ocorreu por uma cavidade ou caverna, mas pelos materiais plásticos sólidos que constituem o manto da Terra.

O núcleo da Terra está crescendo?

Outras informações distorcidas foram divulgadas no ano passado, quando alguns meios de comunicação revelaram a descoberta de que “o núcleo interno da Terra está crescendo mais rápido de um lado do que do outro”; e especificou que, sob o Mar de Banda, na Indonésia, o núcleo está crescendo mais rápido do que sob o Brasil, porque “o calor é absorvido mais rapidamente em algumas partes do núcleo interno do que em outras”. Esta é uma afirmação mal formulada, pois até agora não foi possível estabelecer com precisão que o núcleo está crescendo.

No interior da Terra podemos distinguir o núcleo, o manto e a crosta, rodeados pela atmosfera. No núcleo, destaca-se o núcleo interno, uma esfera sólida de ferro e níquel com raio médio de 1.270 quilômetros, submetida a uma temperatura que chega a 5.400°C. A pressão a que está submetido faz com que se comporte como uma esfera sólida. Esse elemento é circundado pelo núcleo externo, uma camada de metal em estado líquido, com cerca de 2.200 km de diâmetro. As propriedades desta camada permitem que o núcleo interno gire em relação ao manto e ao resto do planeta. O manto tem cerca de 2.850 km de espessura, com composição bastante heterogênea, onde materiais sólidos e fundidos circulam em todas as direções. O manto é recoberto pela litosfera, cuja espessura varia entre 20 e 70 km e sua composição é extremamente variada, tanto vertical quanto lateralmente. A litosfera é dividida em um conjunto de placas tectônicas, que deslizam lateralmente sobre o manto, e em algumas regiões afundam em direção ao manto profundo através de zonas de subducção (Fig. 2).

Basta inspecionar a figura 1A para perceber que na superfície do núcleo existem setores com temperaturas muito diferentes, ou seja, onde as ondas sísmicas atingem diferentes velocidades, de modo que a determinação da profundidade da superfície externa do núcleo tem um certo grau de incerteza, ambigüidade. Esta “superfície” é determinada em função da profundidade dos pontos de ressalto das ondas sísmicas, através de cálculos baseados num conjunto de pressupostos que dependem dos modelos físico-matemáticos que são assumidos. A ciência funciona assim, porque quando faltam alguns dados, os valores são simplesmente assumidos para se obter uma aproximação da realidade.

Outra questão que gera muita confusão entre os leitores não especializados é quando os textos de divulgação utilizam representações do interior da Terra, superadas pelos conhecimentos atuais, que mais parecem desenho animado do que realidade (Fig. 1B). Neste caso, a ilustração mostra as superfícies “lisas”, sem irregularidades, entre as diferentes camadas que se distinguiram no interior da Terra, como se fossem camadas muito diferentes e homogêneas. No entanto, graças às modernas técnicas de processamento de imagem e à aplicação da tomografia sísmica, foi possível inferir a constituição física do interior do planeta com muito mais detalhes, resultando na heterogeneidade tanto da litosfera quanto do manto (Fig. 1A). . ).

Observando atentamente a figura 2A, fica evidente que o manto da Terra não é uma camada de composição e propriedades físicas estáveis, mas que apresenta fragmentos de placas tectônicas provenientes da superfície (em azul) que desceram a diferentes profundidades, algumas até o núcleo superfície. Dessa interpretação também deriva o conceito de que a área do manto mais próxima do núcleo é altamente dinâmica, pois ali ocorrem processos termodinâmicos extremamente complexos. O acúmulo de segmentos de placas tectônicas na superfície externa do núcleo de alguma forma dá origem a protuberâncias e depressões ao redor do núcleo. Os setores da litosfera que descem da superfície (azul) incluem rochas, água e gases, que afundaram no manto através das chamadas zonas de subducção (Fig. 2B). Em geral, são materiais mais frios que os que compõem o restante do manto, conforme mostra a figura. Em outros setores do manto existem materiais muito quentes incluindo câmaras magmáticas cujos materiais fundidos tendem a fluir para as partes superiores do manto e atingir a superfície da Terra, onde brotam na forma de gases, água e sólidos, através de fumarolas, rachaduras , vulcões e outras condutas. Alguns lugares na superfície da Terra, onde o magma irrompe diretamente da superfície externa do núcleo, são chamados de “pontos quentes”, como o Havaí ou as Galápagos, onde existem vulcões muito ativos. Outras efusões de magma são encontradas em ilhas vulcânicas e dorsais meso-oceânicas (Fig. 2B).

A ciência reconhece que é bem possível que a interface núcleo-manto realmente apresente relevo complexo com depressões e protuberâncias, portanto é perfeitamente possível que a superfície núcleo-manto atinja diferentes profundidades em diferentes locais, como resultado da geodinâmica terrestre. Seguindo esse pensamento, não se pode afirmar que o núcleo esteja crescendo de tamanho, pois enquanto em alguns lugares são adicionados materiais vindos da superfície, em outros lugares do manto profundo se formam magmas que penetram nas camadas superiores do manto e saem para a superfície, como explicado acima. Este é um processo que ocorre ao longo de bilhões de anos. No entanto, em alguns momentos da história da Terra, os fluxos e erupções de magma quente atingiram proporções enormes, provocando o acúmulo de imensos volumes de rocha basáltica que cobrem grandes extensões de terra no fundo dos oceanos e no interior do oceano. continentes.

Em suma, no interior da Terra ocorrem processos extremamente complexos e interessantes, que são objeto de estudo científico, mas não convém transformar esse conhecimento em alarmes desnecessários. Vejamos outra notícia que pode ser descrita como desnecessariamente alarmista.

Representação da complexa constituição do interior do planeta, onde os setores azuis são relativamente frios e os vermelhos muito quentes. As placas que compõem a litosfera terrestre descem para o manto através de zonas de subducção até se romperem e repousarem na superfície do núcleo, uma jornada que leva bilhões de anos. De alguns setores externos do núcleo emergem materiais muito quentes que atingem a superfície da Terra, dando origem a “pontos quentes” como o Havaí ou as Galápagos.

Estrutura profunda de um setor do Oceano Indo-Pacífico onde se observa a complexa constituição do interior planetário.

O núcleo da Terra parou de girar?

Anos atrás foi estabelecido que o núcleo interno do planeta gira em relação ao manto e à superfície da Terra, e essa rotação determina a existência do campo magnético da Terra. Isso significa que a intensidade e a polaridade do magnetismo dependem da velocidade e do sentido de rotação do núcleo, que é formado por ligas de ferro-níquel e outros componentes menores, submetido a imensas pressões e altas temperaturas.

Uma notícia científica falsa (FNC) publicada repetidamente nos dias de hoje, afirma que o núcleo parou de girar e que isso pode ter consequências importantes para a duração dos dias, comunicações e orientação magnética. Essas afirmações superam as conclusões do estudo científico publicado na revista Nature Geoscience.

Para entender o significado desta pesquisa, é necessário saber que a velocidade de rotação do núcleo é estabelecida em relação à superfície terrestre, por meio de cálculos baseados na trajetória e duração do percurso das ondas sísmicas causadas por terremotos e altas explosões nucleares de intensidade. Essas medições, realizadas por diferentes grupos de cientistas ao longo do tempo, determinaram que o núcleo às vezes gira mais rápido, ou mais devagar, ou se move na mesma velocidade, caso em que parece que parou. Esses cálculos referem-se a um ponto selecionado na superfície da Terra.

movimentos rotativos

Para ilustrar o movimento relativo de dois corpos, podemos usar o exemplo de dois trens (A e B) movendo-se em linhas paralelas e no mesmo sentido, de modo que o observador esteja no trem A olhando para o trem B. Em Nesta situação, em nenhum caso é possível estabelecer se os trens estão parados, se movem na mesma velocidade ou qual dos dois diminui ou acelera. Por exemplo, se o trem B ultrapassar, é possível supor que ele está acelerando ou que o trem A está desacelerando. Mas se o trem B ficar para trás, pode-se supor que o trem A aumentou sua velocidade ou que o trem B está diminuindo a velocidade. E se os dois trens continuarem frente a frente sem nenhum deslocamento aparente, pode ser que ambos estejam se movendo na mesma velocidade ou que ambos tenham parado.

Com base nisso, a “parada” do núcleo foi mal interpretada, quando o que os cálculos realmente mostraram é que o núcleo estava girando na mesma velocidade da superfície da Terra, simplesmente porque se tivesse parado, o campo magnético teria sido cancelado, e isso não aconteceu.

Mudanças na orientação do polo magnético da Terra nos últimos cinco milhões de anos. Observe que a duração de cada intervalo normal ou reverso é irregular, sugerindo que a polaridade magnética não é um processo cíclico regular.

regular.

Para se aprofundar nesse assunto, basta saber que o campo magnético da Terra não é estável, pois foi possível estabelecer que sua polaridade e intensidade variaram ao longo da história geológica. E sabendo que o campo magnético depende da rotação do núcleo, pode-se inferir que as variações do magnetismo são consequência das mudanças na rotação do núcleo.

As medições das oscilações do campo magnético terrestre se estendem ao passado geológico quando o interior do planeta se diferenciou e se formaram as diferentes camadas que o compõem. As medições estabeleceram que houve momentos em que o pólo norte magnético coincidiu com o pólo norte geográfico (chamado de campo normal), e em outros momentos a polaridade foi invertida. Esse processo não ocorre regularmente, como pode ser visto no gráfico da figura 3, que inclui apenas os últimos cinco milhões de anos da história da Terra. A última das inversões da polaridade do campo magnético ocorreu há 40.000 anos e foi relativamente breve, durando apenas 250 anos.

Em geral, supõe-se que as oscilações magnéticas não representam um perigo para a espécie humana, já que há mais de 4,6 bilhões de anos uma infinidade de formas de vida floresceu em nosso planeta, sem catástrofes ligadas à variação do magnetismo. A única preocupação aceitável é que a mudança de polaridade e força do campo, que pode ocorrer a qualquer momento, pode afetar os sistemas de orientação e comunicações baseados em campo magnético.

Continentes colidem ou se separam

Duas notícias que derivam de investigações bem fundamentadas têm sido repetidas tantas vezes que acabam se tornando informações falsas, devido aos “ajustes” introduzidos pela mídia. Uma dessas notícias que reaparecem de tempos em tempos afirma que a América do Norte vai colidir com a Europa, e a outra reitera que o continente africano está se dividindo em dois enquanto um novo oceano está nascendo. Esta é uma informação derivada de estudos da dinâmica das placas tectônicas, e pode ser encontrada em qualquer livro moderno de Geologia.

No entanto, a colisão entre a América do Norte e a Europa não está acontecendo agora, muito pelo contrário, já que as placas tectônicas que contêm esses dois continentes estão se afastando uma da outra. A sutura localiza-se ao longo da “Cordilheira Atlântica Norte”, um sistema de elevações submarinas cujo abismo se expõe à superfície em Islanda, onde se observa a formação de fendas e trincheiras associadas a intensa actividade vulcânica, pelo facto de as placas estão se afastando um do outro (Fig. 4A). A hipótese da colisão é baseada em alguns modelos que prevêem a ocorrência, no futuro, dentro de 50 a 200 milhões de anos, de uma mudança transcendental na dinâmica das placas, de modo que a Eurásia e a América se fundiriam em um novo supercontinente chamado Amasia, que estaria localizado perto do Pólo Norte.

A formação de um novo oceano na África decorre de um estudo que mostra como esse continente está se dividindo em duas porções, ao longo de uma gigantesca fratura conhecida como Great Rift Valley. Este processo está em desenvolvimento há cerca de 30 milhões de anos, e deu origem a um sistema de falhas que cortam de NNE a SSW o extremo leste do continente (Fig. 4B). Essa estrutura se estende por milhares de quilômetros e se estende para o norte até o Mar Vermelho. No ritmo em que está ocorrendo o fraturamento da atual placa africana (cerca de 7 milímetros/ano), dezenas de milhões de anos devem se passar antes que a formação de um novo oceano se torne evidente na paisagem.

Cordilheiras (setas amarelas) formadas pela extensão de terra na Islândia, no meio do Oceano Atlântico Norte, onde as placas norte-americana e eurasiana estão se afastando atualmente. As setas vermelhas mostram a direção da separação.

Vale do Rift Africano. Veja a extensão dessa estrutura desde o Mar Vermelho até a costa do Oceano Índico.

a mentira está por aí

Com este título, parafraseando o slogan dos “Arquivos X”, a revista Juventud Técnica publicou há alguns anos um artigo baseado em informações fornecidas por este autor, que visava esclarecer a notícia publicada pelo Russia Today em 21 de outubro de 2012, com o título: “É Atlântida?: Eles confirmam a existência de uma cidade submersa no Triângulo das Bermudas”.

Segundo este título, sugere-se a descoberta da Atlântida mitológica no Triângulo das Bermudas, ao qual foi incorporada a península de Guanahacabibes.

Este caso serve para exemplificar como os fatos científicos podem ser manipulados e deturpados. Em duas palavras, a base para propor a existência de uma “cidade submersa” no fundo da enseada de Guanahacabibes, a mais de 500 metros de profundidade, é a descoberta de uma série de irregularidades na superfície do fundo do mar com o uso de equipamentos laterais sonar de varredura. Foi elaborado um mapa bastante detalhado deste local e foram feitos vídeos, fotografias e amostras de areia e rochas a mais de 700 metros de profundidade, por meio de um mini-submarino.

Em vários relatos constava a existência de blocos de rocha granítica no fundo do mar, quando na verdade eram calcários; afirmava-se que havia pirâmides e paredes, quando havia apenas blocos isolados enterrados na areia; Afirmou-se que a área havia afundado por atividade vulcânica, quando a única evidência são alguns pequenos pedaços de escória basáltica, cuja origem é desconhecida; e assim por diante. A isso se soma a publicação de ilustrações da “cidade” com enormes pirâmides e avenidas, que ninguém observou. Não menos surpreendente é que em diferentes relatórios, a localização deste local foi restabelecida, sem nenhuma base, ao largo de Gibara e Cienfuegos (Fig. 5).

O artigo da Juventud Técnica transcreveu as conclusões de um estudo que fiz com base nos dados existentes sobre esta cidade, onde afirmei que: “Há sempre pessoas dispostas a acreditar no que lhes dizem, porque os anunciantes devem ter uma ética , e se afirmam algo é porque têm provas. No entanto, neste caso prevaleceu a especulação, embora do ponto de vista científico permaneçam alguns mistérios que seria interessante esclarecer, que só serão elucidados quando tivermos suficientes dados para chegar a uma explicação sólida.

A dura realidade, muitos anos depois daqueles acontecimentos, é que se trata de uma localidade extremamente interessante, onde as investigações que vinham sendo realizadas não puderam ser concluídas por motivos alheios aos pesquisadores, resultando no surgimento de um “mistério” que baseia-se na falta de informação necessária e na especulação. Portanto, pode-se afirmar, neste exemplo, que: “a verdade ainda está por aí”.

Localização da zona (MEGA) onde se encontraram um conjunto de formas parcialmente cobertas pelas areias do fundo do mar, cuja interpretação está longe de estar resolvida.

. Localização da zona (MEGA) onde se encontraram um conjunto de formas parcialmente cobertas pelas areias do fundo do mar, cuja interpretação está longe de estar resolvi

CUBADEBATE

Fórum de Negócios Angola-Polónia acontece em Fevereiro.

#Angola #AIPEX

JA Online

A Agência de Investimento Privado e Promoção das Exportações (AIPEX) e a Embaixada da Polónia acreditada em Angola vão realizar, no próximo dia 9 de Fevereiro, o Fórum de Negócios Angola-Polónia, em Luanda, afim de reforçar os laços de cooperação económica bilateral.

© Fotografia por: DR

O JA Online soube junto de uma nota da AIPEX que o evento vai servir igualmente, para facilitar o estabelecimento de potenciais parcerias entre empresários dos dois países, nos mais diversos sectores.

A mesma fonte adianta também que o referido fórum vai contar com as intervenções do secretário de Estado para a Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas do MIREX, Domingos Custódio Vieira Lopes, o secretário de Estado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da República da Polónia, Pawel Jablonski, o Presidente do Conselho de Administração da AIPEX, Lello Francisco e o Presidente do Conselho de Administração da Agência de Investimento e Comércio da Polónia, ZdzislawSokal.

Para o fórum prevê-se igualmente, a participação de mais de 15 empresas polacas nos mais variados sectores, nomeadamente: Energia e Águas, Ambiente, Tecnologia e Inovação, Agricultura e Florestas, Pescas, Recursos Minerais, Saúde e Banca, como refere o documento.

Ministra Belga chega a Luanda

#Angola #Bélgica

JA Online

A ministra dos Negócios Estrangeiros e dos Assuntos Europeus e do Comércio Externo da Bélgica, Hadja Lahbib, foi recebida pelo homólogo angolano, Téte António, na terça-feira, em Luanda, no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.

© Fotografia por: Cedida

O JA Online soube através de uma nota enviada que a visita de trabalho da diplomata belga terá uma duração de 72 horas. 

O documento refere ainda que dia 1 de Fevereiro, na quarta-feira, a ministra vai ter um encontro bilateral com o chefe da diplomacia angolana em Luanda e deslocar-se-á à Cidade Alta para uma visita ao Palácio Presidencial

%d bloggers gostam disto: