Uma análise objectiva sobre a polémica do cabo de fibra óptica lançado da Venezuela para Cuba

Tem havido muita especulação e até algazarra, com o destino do cabo de fibra óptica lançado de Venezuela para Cuba, o que, segundo cálculos iniciais estaria em funcionamento no final do ano de 2011. A imprensa estrangeira com a sua dose de ma intenções históricas e incitação permanente, bem como alguns sites dentro de Cuba têm publicado até a saciedade sobre o assunto, sem aportar elementos de peso ou procurar “o que o aconteceu com o pelo do contrapelo” (que pasó con la pelusa de la contrapelusa).

Depois de muito pesquisar, ler e re-ler uma dúzia de artigos sobre o tema que estamos a tratar, eventualmente, chocámos com aquele que objectivamente escrito e ainda sem encontrar o pelo do contrapelo, faz uma análise totalmente despojado dos males da imprensa sensacionalista e que colocamos à sua disposição.

A era de pedra da informática ¿ Para Cuba ou para o mundo? Artigo de Dunnia Castillo Galán, Rebelión.

Em várias ocasiões alguns amigos e pessoas que lêem o que eu escrevo tinham sugerido que escrive-se algum artigo que diz respeito a conectividade de Cuba à Internet e, claro, o tema recorrente como o cabo de fibra óptica; no entanto, nem sempre estou de acordo com a ideia, alegando não ter os elementos necessários para abordar tais temática medular; contudo, leia uma história publicada por El Nuevo Herald há poucos dias foi a musa ou o motor de accionamento para este artigo.

Sob o título “Fibra óptica internet para Cuba: da euforia ao mistério”, a jornalista Andrea Rodriguez, um correspondente em Havana da imprensa americana agência a Associated Press ou AP, publicou um artigo enorme e tendencioso onde plasma a análise sobre a questão.

Era quarta-feira 9 de Fevereiro de 2011. Entre sorrisos e discursos, vários funcionários do governo cubano recebiam na praia Siboney ao leste da Ilha, o cabo de fibra óptica que atravessou parte do mar do Caribe, da Venezuela, que tinha prometido para remover a ilha da era de pedra informática na qual vive (…) Nessa altura, os funcionários prometeram que no Julho de 2011 a fibra óptica iria entrar em funcionamento, Mas há mais de um ano desde o anúncio da ligação de Cuba à rede de redes continua a ser um dos piores do continente e, até agora, ninguém explica que passo com uma infra-estrutura que pagou aproximadamente US$ 70 milhões.

Com estas palavras começa o discurso do colega Rodriguez, no entanto, gostaria de vos mostrar alguns outros critérios que eu acho que deveriam ser igualmente analisados. Enquanto é verdade que a Internet é hoje o meio de comunicação de massa mais completa dado que complementou a recursos, textos, Imagens e sons; além de alcançar uma verdadeira interacção entre as fontes e usuários (e perdoem-me pelo meu contributo teórico), nós não podemos deixar de reconhecer que o turbilhão de informações que aparece não é directamente proporcional às realidades do mundo e muito menos, é sempre a veracidade dos factos.

Ninguém pode acreditar que com apenas navegar pelos bits você pode encontrar a verdade absoluta. O músico Cubano Sílvio Rodríguez ilustrou muito bem ao expressar: “Parece-me demasiado optimista pensar que a internet é uma garantia de democracia, quando existem tantos países com muita internet e democracia tão duvidosas. Penso que é mais adequado do que um país de produzir e operar correctamente que têm banda larga (olho que não exclui internet) “.

É real que todos nós em Cuba alegramo-nos com a opção de ser capaz de ter uma maior cobertura para a rede, todos nós, não só os funcionários do governo cubano que estavam na praia de Siboney. Os Que já estavam acostumados a usar a rede, sonhamos com uma ligação mais rápida e eficaz, e aqueles que nunca haviam tido essa oportunidade, maquinaram explorando um mar cheio de peixes raros onde talvez alguns possam afastá-los fora no início, mas sempre com a melhor disposição para aprender e poder dominar.

Por outro lado, disser que Cuba está localizada na “era da computação de pedra” parece-me um pouco aberrado quando o número de usuários de Internet no mundo em 2011 ascendeu a aproximadamente 2.100 milhões de pessoas, 30% da população do planeta, de acordo com o relatório do portal Pingdom, e esta bela ilha caribenha é apenas 0,15 % no mapa.

No entanto, não devemos esquecer que a maioria dos internautas, 920 milhões vive na Ásia e quase 480 milhões na Europa. Em terceiro lugar é América do Norte, então existem América Latina e África, e conclui a lista, com a região da Austrália e Oceânia.

Na perspectiva da iminente realidade que são os países desenvolvidos ou de primeiro mundo os principais consumidores da rede, então parece-me que temos que disser que a metade da população vive na era da computação de pedra.

Cuba tem uma largura de banda de 323 megabits por segundo (Mbps) por satélite, porque até agora o bloqueio de Washington impede o acesso a qualquer uma das dezenas de fios que atravessam áreas próximas de suas costas.

Apesar de o acesso limitado, um por cento (1%) da nossa população, embora não significa que todo o que queremos, podem aceder aos polémicos serviços, os que são oferecidos através das instituições médicas, organizações educacionais, ou entidades do governo, embora não existe uma política que se opõe à prestação de serviço directo aos indivíduos, só que isto só e possível quando os recursos financeiros e técnicos permita-lo.

Em relação ao cabo de fibra óptica, não é nenhum segredo que puxar a mais de 1.600 quilómetros, atravessando o mar das Caraíbas, da praia de Camuri na Venezuela até povos Siboney em Cuba, foram investidos US$ 70 milhões; mas imagino que não é desconhecido que a causa do enorme investimento reside na recusa do governo norte-americano, através do seu histórico bloqueio, para permitir o acesso a quaisquer dos fios que rondam a ilha, quando apenas a 32 quilómetros de distância das suas costas passa o mais próximo de uma extensa rede.

É verdade que quando no Fevereiro de 2011 foi anunciada a chegada do cabo para o litoral cubano as previsões indicam que em Julho seria possível ter seu funcionamento; também é verdade que eu, como a maioria das pessoas, tenho todos os dados do ocorrido; e, devo reconhecer, que muito é espalhado sobre se a causa do atraso foi um processo de corrupção.

Como diriam os colegas da jovem cuba: “Eu discordo que não expliquem à população que acontecido com o cabo de fibra óptica. Eu discordo de muitas coisas, mas ser um dissidente não tornar-me um adversário do governo e essa é a diferença entre um revolucionário e um involucionario”.

Se todos fazemos parte e defendemos esta revolução, temos o direito de ser consciente dos processos que ocorrem a fim de poder tomar partido na luta contra tudo aquilo que possa vir a afectar, que é o mesmo, que nos afecta individualmente.

No entanto, estou confiante em que no caso de um processo de corrupção o facto de o assunto, apesar da discrição e eles conhecerão as razões, os dirigentes cubanos deve ter uma medida fiscal exemplar para os culpados. Basta passar pano quente quem não satisfizesse os interesses colectivos colocando os individuais como mais importantes.

Muito bem descrito por Andréa Rodriguez: “Ligar-se à internet em Cuba é uma operação que desafia a paciência de quem já teve contacto com a tecnologia DSL… e a existência do fio permitirá à Cuba multiplicar por três mil vezes a velocidade actual da transmissão de dados, imagens e voz”.

Ojalá todos en el mundo pudiéramos tener una computadora personal. Ojalá que todos en el mundo pudiéramos tener acceso a la red de redes. Ojalá que todos en el mundo aprovecháramos las nuevas tecnologías más que para diversión y muerte, para ampliar cultura e intercambiar experiencias.

Mas parece-me que ela esqueceu-se de dizer que em Janeiro de 2010, a Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos ratificou a Cuba na lista de exclusões para investimentos em infra-estruturas no sector, e em Março, O Escritório de Controle de Activos Estrangeiros do Departamento do Tesouro autorizo à prestação de serviços de mensagens instantâneas para a ilha, mas descartou a conectividade em qualquer forma.

Desejo que todos no mundo tivéssemos um computador pessoal.

Desejo que todos no mundo tivéssemos acesso à rede das redes.

Desejo que todos os habitantes do mundo aproveitem as novas tecnologias e não para se divertirem e para falar da morte, para expandir cultura e trocar experiências.

Desejo que ninguém morra de fome.

Desejo que a saúde e a educação de todos fora livre e de qualidade.

Desejo que não tenham medo de guerras.

Desejo que muitas pessoas não estejam ameaçadas pela utilização de aeronaves não tripuladas.

Desejo que as Nações Unidas irão garantir a paz mundial e não os interesses de alguns.

Desejo que a crise global não tenha tantas pessoas à beira de um abismo.

Desejo que…

Então, acho que a agência AP e seus jornalistas, devem ter coisas mais importantes e urgentes para pensar neste momento, em vez de criticar os níveis de acesso da República de Cuba a internet especialmente, quando historicamente tem sido recusado para a ilha essa possibilidade e quando é um assunto interno que devem ser resolvido, criticado, sem medo, mas com uma visão construtiva, por aqueles de nós que vivemos nesta terra, e sentimo-nos cubanos.

Categories: BLOQUEIO VS CUBA, ECONOMIA, POLÍTICA | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.