Daily Archives: 20 de Junho de 2012

OS DESAFIOS DAS “TERRAS MONTANHOSAS” II.

Obra do jovem pintor haitiano Vladimir Pascal, que faz parte do grupo “Folie ouverte” (que se inspira na reconstrução nacional), exposta no Museu do Panteão Nacional em Porto Príncipe.

Cont. Artigo de Martinho Junior

4 – É nesse ambiente que duas opções de ajuda se têm manifestado:

– Dum lado aqueles que presos à lógica capitalista afinal pouco mais conseguem sustentar que suas próprias promessas e ilusões (“Dois anos após terremoto, o Haiti mal começou a reconstrução” –http://www.google.com/hostednews/afp/article/ALeqM5hou7rkY_PecnYx-xv5Ar8eojwrkA?docId=CNG.812f80aea3dce17a9c886cf8de4bae96.d1);

– Do outro lado aqueles que lutam dando prioridade ao homem e incutindo a força da educação e da saúde para que ele seja por si capaz das grandes realizações respondem com inteligência, persistência e eficácia aos agravos da história. (“Haïti et Cuba : une coopération diplomatique fructueuse” http://www.lematinhaiti.com/contenu.php?idtexte=28134)

A Revolução Cubana tem levado a cabo um imenso trabalho nos campos da educação e da saúde, que pelo seu exemplo tem motivado outras ajudas latino-americanas ao nível do Brasil, da Argentina, da Venezuela e da Nicarágua, que se identificam com o Haiti e sentem responsabilidades comuns com vista a alterar assimetrias, desigualdades e problemas ambientais, grande parte deles provocados pela acção humana, provocados dentro, mas particularmente fora das fronteiras do Haiti (“Une convention tripartite signée entre Brésil-Cuba-Haiti” –http://www.lematinhaiti.com/contenu.php?idtexte=28751“artgentina, Venezuela e Cuba reforçam cooperação com o Haiti” – https://tudoparaminhacuba.wordpress.com/2012/05/31/argentina-venezuela-e-cuba-reforcam-cooperacao-com-o-haiti/).

5 – África ainda hoje se mantém distante dos problemas que o subdesenvolvimento crónico coloca ao Haiti, mas a partir do exemplo latino-americano, que agora também abrange as questões ambientais que actuam de forma tão evidente sobre a segunda ilha das Caraíbas, tem uma ponte disponível para dar a sua contribuição solidária, em especial em tudo o que diga respeito à reconstrução:

– Por um lado e no que conforma a CPLP, o Haiti, Moçambique e a Guiné Bissau possuem, apesar das características físico-geográficas distintas, das questões humanas e geo-estratégicas distintas, um grau de subdesenvolvimento crónico semelhante, de acordo com os próprios Índices de Desenvolvimento Humano (“Ranking do IDH 2011” – http://www.pnud.org.br/pobreza_desigualdade/reportagens/index.php?id01=3880&lay=pde).

– Por outro, Angola e Moçambique, que enfrentam as questões que se prendem à reconstrução e construção de infra estruturas e estruturas imediatamente a seguir às enormes devastações provocadas pelas guerras, assim como a problemas de povoamento e de ocupação do território, têm um acumular de experiências que poderiam ser úteis e até aproveitadas no caso do Haiti e reciprocamente.

Absorver alguma migração haitiana de regresso a África, poderia ser um dos contributos, tal como o Brasil faz neste momento.

 – Por fim e ainda, o Brasil (membro do CPLP) tem aumentado a sua disposição em contribuir para solucionar os problemas do Haiti em vários domínios, buscando em parte a integração de projectos nas aptidões nacionais haitianas e nos relacionamentos com outros latino americanos, entre eles Cuba.

As nações que surgiram da rota dos escravos, nos dois lados do Atlântico, necessitam ir muito mais longe nos seus relacionamentos, tendo em conta todas as experiências acumuladas no quadro do subdesenvolvimento a que têm sido votadas, como no quadro das imensas potencialidades sócio-culturais e de resistência, tal como ainda no quadro das questões ambientais.

A Conferência Rio+20 deveria reflectir sobre a situação específica do Haiti, inclusive como um ponto de partida para a introdução das respostas que não podendo ser dadas no âmbito da lógica capitalista esbanjadora e consumista, sê-lo-ão com uma planificação geo-estratégica que, tirando partido de energias renováveis, assim como do fornecimento de combustíveis baratos de acordo com as decisões da Venezuela (como o está a fazer a PETROCARIBE), seja assente na lógica duma economia fundamentada nos recursos cada vez mais diminutos que estão à disposição da humanidade, respeitando a Mãe Terra.

A reflorestação do Haiti, um programa que está a entusiasmar o actual executivo do país, deveria fazer confluir apoios substanciais em termos de solidariedade de outros povos e nações por que o Haiti, o país com Índices de Desenvolvimento Humano mais baixos da América, tornou-se num desafio para toda a humanidade (“Le gouvernement s´engage pour la améloration de l´environement haitien” – http://www.lematinhaiti.com/contenu.php?idtexte=30861).

6 – “Haiti pais ocupado”, vale a pena revisitá-lo sob a condução rigorosa de Eduardo Galeano:

“Consulte usted cualquier enciclopedia. Pregunte cuál fue el primer país libre en América. Recibirá siempre la misma respuesta: Estados Unidos. Pero Estados Unidos declaró su independencia cuando era una nación con 650 mil esclavos, que siguieron siendo esclavos durante un siglo, y en su primera Constitución estableció que un negro equivalía a las tres quintas partes de una persona.

Y si a cualquier enciclopedia pregunta usted cuál fue el primer país que abolió la esclavitud, recibirá siempre la misma respuesta: Inglaterra. Pero el primer país que abolió la esclavitud no fue Inglaterra sino Haití, que todavía sigue expiando el pecado de su dignidad.

Los negros esclavos de Haití habían derrotado al glorioso ejército de Napoleón Bonaparte, y Europa nunca perdonó esa humillación. Haití pagó a Francia, durante un siglo y medio, una indemnización gigantesca, por ser culpable de su libertad, pero ni eso alcanzó. Aquella insolencia negra sigue doliendo a los blancos amos del mundo.

De todo eso sabemos poco o nada.

Haití es un país invisible.

Sólo cobró fama cuando el terremoto del año 2010 mató más de 200 mil haitianos.

La tragedia hizo que el país ocupara, fugazmente, el primer plano de los medios de comunicación.

Haití no se conoce por el talento de sus artistas, magos de la chatarra capaces de convertir la basura en hermosura, ni por sus hazañas históricas en la guerra contra la esclavitud y la opresión colonial.

Vale la pena repetirlo una vez más, para que los sordos escuchen: Haití fue el país fundador de la independencia de América y el primero que derrotó a la esclavitud en el mundo.

Merece mucho más que la notoriedad nacida de sus desgracias. 

***

Actualmente, los ejércitos de varios países, incluyendo el mío, continúan ocupando Haití. ¿Cómo se justifica esta invasión militar? Pues alegando que Haití pone en peligro la seguridad internacional. 

Nada de nuevo 

Todo a lo largo del siglo xix , el ejemplo de Haití constituyó una amenaza para la seguridad de los países que continuaban practicando la esclavitud. Ya lo había dicho Thomas Jefferson: de Haití provenía la peste de la rebelión. En Carolina del Sur, por ejemplo, la ley permitía encarcelar a cualquier marinero negro, mientras su barco estuviera en puerto, por el riesgo de que pudiera contagiar la peste antiesclavista. Y en Brasil, esa peste se llamaba “haitianismo”.

Ya en el siglo xx, Haití fue invadido por los marines, por ser un país “inseguro para sus acreedores extranjeros”. Los invasores empezaron por apoderarse de las aduanas y entregaron el Banco Nacional al City Bank de Nueva York. Y ya que estaban, se quedaron diecinueve años.

***

El cruce de la frontera entre la República Dominicana y Haití se llama “El mal paso”.

Quizás el nombre es una señal de alarma: está usted entrando en el mundo negro, la magia negra, la brujería…

El vudú, la religión que los esclavos trajeron de África y se nacionalizó en Haití, no merece llamarse religión. Desde el punto de vista de los propietarios de la civilización, el vudú es cosa de negros, ignorancia, atraso, pura superstición. La Iglesia Católica, donde no faltan fieles capaces de vender uñas de los santos y plumas del arcángel Gabriel, logró que esta superstición fuera oficialmente prohibida en 1845, 1860, 1896, 1915 y 1942, sin que el pueblo se diera por enterado.

Pero desde hace ya algunos años las sectas evangélicas se encargan de la guerra contra la superstición en Haití. Esas sectas vienen de Estados Unidos, un país que no tiene piso 13 en sus edificios, ni fila 13 en sus aviones, habitado por civilizados cristianos que creen que Dios hizo el mundo en una semana.

En ese país, el predicador evangélico Pat Robertson explicó en la televisión el terremoto del año 2010. Este pastor de almas reveló que los negros haitianos habían conquistado la independencia de Francia a partir de una ceremonia vudú, invocando la ayuda del Diablo desde lo hondo de la selva haitiana. El Diablo, que les dio la libertad, envió al terremoto para pasarles la cuenta.

*** 

¿Hasta cuándo seguirán los soldados extranjeros en Haití? Ellos llegaron para estabilizar y ayudar, pero llevan siete años desayudando y desestabilizando a este país que no los quiere 

La ocupación militar de Haití está costando a las Naciones Unidas más de 800 millones de dólares por año.

Si las Naciones Unidas destinaran esos fondos a la cooperación técnica y la solidaridad social, Haití podría recibir un buen impulso al desarrollo de su energía creadora. Y así se salvaría de sus salvadores armados, que tienen cierta tendencia a violar, matar y regalar enfermedades fatales.

Haití no necesita que nadie venga a multiplicar sus calamidades. Tampoco necesita la caridad de nadie. Como bien dice un antiguo proverbio africano, la mano que da está siempre arriba de la mano que recibe.

Pero Haití sí necesita solidaridad, médicos, escuelas, hospitales, y una colaboración verdadera que haga posible el renacimiento de su soberanía alimentaria, asesinada por el Fondo Monetario Internacional, el Banco Mundial y otras sociedades filantrópicas. 

Para nosotros, latinoamericanos, esa solidaridad es un deber de gratitud: será la mejor manera de decir gracias a esta pequeña gran nación que en 1804 nos abrió, con su contagioso ejemplo, las puertas de la libertad.

(Este artículo está dedicado a Guillermo Chifflet, que fue obligado a renunciar a la Cámara de diputados cuando votó contra el envío de soldados uruguayos a Haití.”

http://www.brecha.com.uy/inicio/item/9182-haiti-pais-ocupado

 

Categories: SAÚDE, SOCIEDADE | Etiquetas: | Deixe um comentário

NOVO FÔLEGO PARA O “ CARLOTA II ”

Artigo de Martinho Júnior, Luanda

Ao render o posto mais elevado de sua Representação Diplomática, Cuba reitera, por via de sua nova Embaixadora em Angola, a sua contribuição em prol do esforço na educação, formação e saúde do povo angolano, ao mesmo tempo que pretende incrementar os relacionamentos sócio-culturais e em outros sectores de actividade, tais como na agricultura e na construção civil.

A Revolução Cubana, que em relação a África, em apoio dos movimentos de libertação na sua longa luta contra o colonialismo e o “apartheid”, tantos tributos de dignidade prestou, continua a sua saga dando prioridade ao homem, colocando-o no centro de todas as atenções.

O homem é um actor único na luta contra o subdesenvolvimento num universo tão assimétrico e desequilibrado como o que hoje a globalização capitalista neo liberal impõe, mas para o ser, ele tem de estar preparado para tal, o que só se pode conseguir por via da educação, da saúde e com a melhoria substancial das condições de vida e do ambiente, respeitando a natureza, respeitando a Mãe Terra!

Para a Revolução Cubana a prioridade que o homem constitui não pode ser manipulação, nem equívoco, nem motivo para qualquer tipo de ingerência, ou margem de manobra, nem se pode passar à margem do respeito para com a natureza…

O homem, para efectivamente se assumir como actor da luta contra o subdesenvolvimento, tem de ser um homem consciente, profundamente conhecedor do ambiente e do meio humano que o cerca, tal como de si próprio, tem de estar capacitado para aprofundar a democracia, participando e exercendo a cidadania com pedagogia e amor solidário, tem de ser um criador e promotor de paz!

Esse tipo de homem não cabe nos “direitos humanos” que o império impõe com toda a sua arrogância e perversidade, conforme o que de forma tão oportuna espelha o nosso companheiro Rui Peralta em “O Bosque em Flor – O império dos drones (1)”. http://paginaglobal.blogspot.com/2012/06/o-bosque-em-flor_15.html

A experiência da Revolução Cubana contrasta com o entendimento bizarro da aristocracia financeira mundial do que são os “direitos humanos”, conforme o que tem sido evidenciado pelo império, por que o seu sinal visa equilíbrio com sentido de vida, não visa a exclusão, não visa a marginalização, não pretende exercer domínio perverso, nem arrogante, nem hipócrita de uns poucos sobre os demais, diz não ao terrorismo e à guerra, por que só em paz se pode construir um futuro para toda a humanidade nesta “casa comum” que constitui o planeta Terra! (“Declaração Universal dos Direitos Humanos” –http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Pages/Language.aspx?LangID=por).

O contraste entre Cuba e os Estados Unidos sobre o entendimento do que são efectivamente os direitos humanos, tem como charneira a heroicidade dos 5 prisioneiros cubanos do império e como rescaldo o facto de ter sido, a partir do momento que os Estados Unidos se decidiram à sua prisão, que efectivamente diminuíram, finalmente, os actos terroristas contra a Revolução e o povo cubano, apesar de não ter diminuído a intensidade do bloqueio, nem as manipulações e ingerências!

Três desses heróis deram o seu contributo a Angola na altura difícil da luta contra as sequelas do colonialismo e contra o “apartheid” e são portanto também heróis para Angola e para todos os povos amantes da paz sem equívocos, nem hipocrisia, nem fronteiras!

O exemplo cubano e dos seus heróis tem motivado outros povos nos esforços pela educação e saúde um pouco por todo o Mundo e sobretudo ali onde o homem foi sujeito à opressão, nas nações surgidas da antiga rota dos escravos e emergindo do domínio colonial!

A Embaixadora Gisela Beatriz García Rivera que no dia 12 de Junho apresentou as cartas credenciais, concentrará as atenções na luta contra o analfabetismo, na melhoria da situação de saúde e nos relacionamentos históricos e sócio-culturais (http://www.prensalatina.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=515963&Itemid=1).

Com o programa “Yo si puedo” espera-se que mais de 8 milhões de pessoas sejam alfabetizadas em Angola até 2017!

A chegada da nova Embaixadora coincidiu com a chegada de mais de 200 médicos cubanos a Angola (http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/saude/2012/5/24/Perto-200-medicos-cubanos-chegam-brevemente,c73a2f34-7122-4205-a463-b63cb88a3006.html), no quadro dos mais de 1.300 previstos (http://jornaldeangola.sapo.ao/20/0/cuba_envia_mais_medicos)!

No âmbito dos relacionamentos históricos e sócio-culturais, um campo onde tanto há a fazer tendo em conta as nações surgidas a partir da rota dos escravos e da luta contra o colonialismo, o ano de 2013 terá Angola como Convidado de Honra na Vigésima Segunda Feira Internacional do Livro de Cuba (http://tudoparaminhacuba.hazblog.com/Primeiro-blog-b1/Angola-como-convidado-de-honra-na-VigesimaSegunda-Feira-Internacional-do-Livro-de-Cuba-no-2013-b1-p39.htm)!

 

A “Operação Carlota II” está a ser reforçada e no momento em que o Angola se vai motivar mais ainda para as questões sociais, pois ao longo destes 10 anos em que se alcançou a plataforma de paz possível se recuperaram sobretudo infra estruturas e estruturas, há todo um enorme resgate histórico a realizar em termos de luta contra o subdesenvolvimento (http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/politica/2012/1/6/Discurso-proferido-pelo-Presidente-Jose-Eduardo-dos-Santos-abertura-sessao-ordinaria-Comite-Central,0909275c-bf16-4eb0-bfe2-2fcf72c38c71.html)!

PAZ SIM, NATO NÃO! – CUBA PARA A CPLP!

 

 

*Foto tirada a 14 de Junho de 2012, durante entrevista da Embaixadora Gisela Beatriz García Rivera aos órgãos de informação angolanos presentes no acto comemorativo do 84º aniversário natalício do Che e dos 53 anos da Prensa Latina.

A trilha da “Operação Carlota”:

– Operação Carlota – Gabriel Garcia Marquez – http://www.granmai.cubasi.cu/portugues/2005/noviembre/juev3/45carlota.html

– Operação Carlota II – A possível nova ajuda internacionalista cubana em prol da educação, formação e saúde do povo angolano – http://paginaglobal.blogspot.com/2012/02/angola-cuba-operacao-carlota-ii.html

– Operação Carlota II – Hoje (5 de Fevereiro de 2009) – http://paginaglobal.blogspot.com/2012/02/angola-cuba-operacao-carlota-ii-hoje-5.html

– Operação Carlota III – I – A forja dos sonhos – http://paginaglobal.blogspot.com/2012/02/operacao-carlota-iii-i-forja-dos-sonhos.html

– Operação Carlota III – II – Investigar em nome do futuro – http://paginaglobal.blogspot.com/2012/02/operacao-carlota-iii-ii-investigar-em.html

– Operação Carlota III – III – Cuba para a CPLP – http://paginaglobal.blogspot.com/2012/02/operacao-carlota-iii-iii-cuba-para-cplp.html

Categories: ÁFRICA, CUBA - ÁFRICA | Etiquetas: | Deixe um comentário

OS DESAFIOS DAS “TERRAS MONTANHOSAS” (I)

 

“Jeu de la reconstruction”, uma obra do jovem pintor haitiano Walguens Pierre Jea, que faz parte do grupo “Folie ouverte” (que se inspira na reconstrução nacional), exposta no Museu do Panteão Nacional em Porto Principe

Artigo de Martinho Junior

“Para os que concebem a História como uma disputa, o atraso e a miséria da América Latina são o resultado de seu fracasso.

Perdemos, outros ganharam.

Mas acontece que aqueles que ganharam, ganharam graças ao que nós perdemos: a história do subdesenvolvimento da América Latina integra, como já se disse, a história do desenvolvimento do capitalismo mundial.

Nossa derrota esteve sempre implícita na vitória alheia, nossa riqueza gerou sempre a nossa pobreza para alimentar a prosperidade dos outros: os impérios e seus agentes nativos.

Na alquimia colonial e neo-colonial, o ouro se transformou em sucata e os alimentos se convertem em veneno.

Potosí, Zacatecas e Ouro Preto caíram de ponta do cimo dos esplendores dos metais preciosos no fundo buraco dos filões vazios, e a ruína foi o destino do pampa chileno do salitre e da selva amazônica da borracha; o nordeste açucareiro do Brasil, as matas argentinas de quebrachos ou alguns povoados petrolíferos de Maracaibo têm dolorosas razões para crer na mortalidade das fortunas que a natureza outorga e o imperialismo usurpa.

A chuva que irriga os centros do poder imperialista afoga os vastos subúrbios do sistema.

Do mesmo modo, e simetricamente, o bem-estar de nossas classes dominantes – dominantes para dentro, dominados para fora – é a maldição de nossas multidões, condenadas a uma vida de bestas de carga”. – Eduardo Galeano em “As veias abertas da América Latina” – versão completa  português AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA

1 – Desde que Cristóvão Colombo chegou à América, pondo pé na segunda maior ilha das Caraíbas, que a vida não foi fácil para muitos povos, a começar para os povos ameríndios nativos que rapidamente foram desaparecendo, por um lado por que as mulheres foram sendo forçosamente tomadas para suas pelos espanhóis, por outro por que muitos morreram vítimas de doenças para as quais não estavam imunes, doenças ocorridas a partir do simples contacto com os europeus “Taínos”

Os Taínos, habitantes autóctones da ilha, que segundo as estimativas seriam 250.000 à chegada da primeira frota espanhola em 1492, estavam reduzidos a 14.000, apenas 15 anos depois!…

A mestiçagem foi fluindo entre colonizadores, autóctones e negros escravos africanos das plantações.

Se hoje ainda existirem algumas comunidades originais, serão resíduos inexpressivos para uma população que atingiu praticamente, em toda a ilha, cerca de 20 milhões de habitantes, 10 na República Dominicana (cuja superfície equivale a dois terços) e outros 10 no Haiti, o terço ocidental.

Esse sinal de desaparecimento e morte que marcou os primeiros dias da América à mercê do deslumbramento das classes dominantes da Europa, ficou lavrado na história da primeira ilha a ser “descoberta”, bem como em cada uma das Caraíbas, tal como dos imensos espaços africanos e americanos, como um anátema cujas repercussões se manifestam até aos nossos dias: é um homem forjado nas mais difíceis condições, enfrentando as mudanças climatéricas e ambientais e a opressão dos poderosos, que se move ainda sobrevivendo no meio do subdesenvolvimento crónico a que tem sido votado.

O terço ocidental da ilha Haiti “Terras Montanhosas” de acordo com a língua do povo autóctone Taíno é um desses exemplos, apesar do seu enorme contributo em prol da dignidade e da libertação do homem: os seus habitantes, salvo as elites corruptas que foram agenciadas pelos poderosos, têm sido tratados como alienígenas hostis nesta “casa comum” que é a Terra e são ainda hoje assim considerados pelos mesmos que os colonizaram, herdeiros das usurpadas fortunas, do trabalho escravo e por fim da mão-de-obra barata ao dispor dos expedientes neo coloniais!

Condenados a serem reserva barata de mão-de-obra, os descendentes dos escravos auto-libertados do Haiti, os escravos que venceram Napoleão, não desapareceram porém como as nações autóctones de Jaragua e Marién!

2 – O domínio dos colonizadores europeus levou à exploração das riquezas naturais e, com isso, à escravatura intensificada nas plantações que se foram disseminando desde a primeira hora da “descoberta” “História do Haiti”

“descoberta” de África, da América e da Ásia mereceu sempre duma visão antropocêntrica do europeu, depois transposta para o norte americano, sobretudo das culturas anglo-saxónicas, gaulesas e hispânicas, em função do pendor da Revolução Industrial, que derivou para o exercício do seu poder à custa de terceiros, pelo que o mundo, durante séculos e até aos nossos dias, jamais foi “nossa casa comum”.

É essa visão antropocêntrica que perdura na aristocracia financeira mundial, nas oligarquias e elites agenciadas, no império e no que a partir dele tem sido gerado com a globalização, cujas fórmulas neo coloniais são resíduos consolidados do passado de rapina, suor, sangue e lágrimas por todo o “Terceiro Mundo”! 

Tem sido assim no Haiti, apesar das conquistas feitas em nome da liberdade por parte dos escravos rebeldes que derrotaram Napoleão e é aí que se afirma a resistência mais acirrada, a resistência que se abre para a dignidade, a solidariedade, o respeito para com a humanidade e para com a Mãe Terra. “Os jacobins negros”

Cuba, que fica a menos de 100 km da costa haitiana, tem absorvido uma pequena parte da migração haitiana, sobretudo na região oriental da maior das ilhas do Caribe e esses descendentes deram a sua contribuição à Revolução Cubana, a quem transmitiram também sua rebeldia e seus anseios por liberdade.

No Congo, a coluna do Che que procurou dar a sua contribuição à luta de libertação, reforçando os que apoiavam os ideais de Patrice Lumumba depois da sua morte, integrou mesmo um médico haitiano, o único elemento além do próprio Che que não possuía nacionalidade cubana, o Dr. Adrián Zanzalli, que veio a falecer no seu país em 1966 (“El sueno africano de Che”).

Para além das razões históricas, há razões culturais e sócio-políticas que se converteram em fórmulas de resistência e de identidade, entre pelo menos três povos: o cubano, o haitiano e o porto-riquenho, este último um dos povos sujeitos ao colonialismo, neste caso imposto pela hegemonia norte americana “Cuba pide en la ONU la independência de Puerto Rico” 

3 – Se a história tem sido tão adversa para com os escravos auto-libertos do Haiti, também os fenómenos naturais mais adversos têm assolado o lado ocidental da ilha: furacões, terramotos…

Desse modo, o Haiti, transformado em depósito de mão-de-obra barata, um universo subdesenvolvido preso às limitações de recursos próprios do terço ocidental da ilha, resulta dramaticamente causticado, agravando as implicações da sua situação histórica e sócio-política e influindo na resistência cultural.

O ambiente reflecte a passagem dos furacões, o terramoto de Janeiro de 2010, assim como a desflorestação sistemática por acção humana, em função de necessidades que não acautelaram a natureza por manifesta má gestão do espaço disponível “La dénudation d’Haïti : une catastrophe presque irréversible” 

Ao Haiti tudo lhe caiu em sorte nos primeiros anos deste milénio, até a transmissão do vírus da cólera por contaminação de um dos seus pequenos cursos de água!… Cólera amenaza seguridad alimentaria en Haití” 


Categories: ÁFRICA, CUBA - ÁFRICA, CULTURAIS, EDUCAÇÃO, SAÚDE, SOCIEDADE | Deixe um comentário

Cuba: nação pobre em recursos, mas rica em capital humano

A  Escola Latino-americana de Medicina (ELAM)  é parte do programa Saúde Integral (PIS), com a qual Cuba amplia a solidariedade da colaboração médica para vários países e é um exemplo do que pode fazer uma nação pobre em recursos, mas ricos em capital humano e com a necessária vontade política para ajudar outras pessoas.

É o resultado do pensamento e política do Presidente cubano Fidel Castro, arquitecto deste projecto.

A instituição educa gratis em ciências médicas a humildes jovens da América Latina, África e Estados Unidos, que, após um período de seis anos, retornam para suas comunidades para contribuir para a sustentabilidade dos seus sistemas de saúde.

Referência do discurso inaugural de Fidel Castro Ruz, na ocasião da IX Cimeira Ibero-americana de Chefes de Estado e de governo em Havana, CUBA, em 15 de novembro de 1999:

” …A ideia de um programa global de saúde e uma escola latino-americana de ciências médicas nasceu de dois furacões terríveis que assolou o Caribe e América Central, causando um número impressionante de acidentes mortais e danos materiais incalculáveis.

Entre as Nações afetadas foram as dois mais pobres do hemisfério.

As imagens de milhares de cadáveres flutuando sobre as águas ou envolvidos na lama foram mostradas  para o mundo.

Estes são os dias da oferta generosa e quantidades milionárias. O impacto desaparece em poucas semanas. Tudo é logo esquecido. As grandes promessas nunca são cumpridas. Morte sistemática continua silenciosamente arrancar mais vidas cada ano do que as catástrofes naturais todas juntos.

Em sectores com mais falta de médicos na América Latina e no Caribe estão morrendo cada ano mais de um milhão de pessoas, das quais 500 mil são crianças, pelas doenças curáveis e previsíveis. Dezenas de milhões de latino-americanos não têm qualquer acesso a serviços de saúde. Isso ocorre mesmo em um país tão imensamente rico como Estados Unidos.

Aqueles que estão prestes a morrer não podem esperar…” 

Continuar a ler

Categories: CUBA - ÁFRICA, EDUCAÇÃO, ESTADOS UNIDOS, SAÚDE | Deixe um comentário

A censura do Google para Cuba: mídia e blogueiros da ilha, eles não podem acessar estatísticas

O serviço do Google Analytics esteve bloqueado para os usuários da ilha, como você verificou este mana por Marche. Quando a partir de uma máquina em Cuba que você tenta acessar o serviço, que usa a maioria dos blogueiros e a mídia digital no país, aparece uma mensagem que refere-se à página do departamento do tesouro que monitora o cumprimento das sanções estabelecidas pelo bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba

 

Mais informações AUCA EN CAYO HUESO

Categories: BLOQUEIO VS CUBA | Deixe um comentário

Estados Unidos, Pune unilateralmente ao banco ING: linguagem ameaçador e desrespeitoso

Em 12 de junho, o escritório de controle de estrangeiros de ativos do departamento do Tesouro dos Estados Unidos (OFAC, por sua sigla em inglês), anunciou a aplicação de uma penalidade de 619 milhões de dólares para o banco holandês “ING”.

O governo dos Estados Unidos sanciona unilateralmente o banco ING e as suas filiais na França, Bélgica, Países Baixos e Curaçao, pelas operações financeiras e comerciais com  entidades cubanas proibidas pela política criminal do bloqueio a Cuba. 

Esta é a maior multa imposta pela OFAC na sua história, de alegadas violações dos regimes de sanções unilaterais existentes contra vários países.

O diretor de OFAC Adam Szubin, usado uma linguagem ameaçador e desrespeitoso:

“ Nossas sanções legais refletem nossos interesses principais em segurança nacional e os interesses da política externa e OFAC prossegue-los completamente. O anúncio histórico de hoje deve servir como um aviso claro para qualquer pessoa que planeja tirar vantagem de evitar as proibições dos Estados Unidos”

Coloca em evidência, mais uma vez, o  carácter extraterritorial da política norteamericana, observando que. O Governo de Cuba denuncia este novo ultraje, que faz uma paródia à afirmação universal de que os Estados Unidos pôr termo à sua política de bloqueio a Cuba.

Original: MINREX DENUNCIA

Categories: BLOQUEIO VS CUBA, ECONOMIA, ESTADOS UNIDOS, Relações Estados Unidos Cuba, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

Ciberguerra dos Estados Unidos e Israel contra o Irão

Os Estados Unidos e o Israel crearon conjuntamente el complejo vírus informático FLAME (1) para recabar datos com vistas um un cibersabotaje dirigido contra Irão.

O vírus  controlado os computadores dos funcionários iranianos, enviando um fluxo constante de informações a fim de preparar o terreno para uma guerra cibernética. O esforço conjunto da Agência de Segurança Nacional (NSA) norteamericana, a CIA e os representantes militares de Israel, enfoca o uso de software destrutivo, como o vírus Stuxnet para causar falhas no equipamento de enriquecimento de urânio de Irã.

‘Está a preparar o campo de batalha para outra ação secreta’, disse um antigo sênior de U.S. intelligence services ao The Washington Post.

FLAME veio à luz última, após irão detectar uma série de ataques cibernéticos em sua indústria de óleo. O transtorno foi orquestrado por Israel no âmbito de uma operação unilateral que, aparentemente, pegou de surpresa a seu aliado, os Estados Unidos. UU.

De acordo com especialistas, Flame é um dos programas ‘mais sofisticados e subversivos’ projetados para replicar as redes de informação, mesmo de alta segurança e controlar as funções cotidianas de um computador, enviando as informações para seus criadores.

“A maioria dos pesquisadores de segurança não tem habilidades ou recursos para fazer algo como isso,” disse Tom Parker, diretor de tecnologia da Ironsx, uma empresa de segurança especializada em simulação de ataques cibernéticos patrocinado pelo Estado.

Artigo original: RT

Flame  (1) (em português: chama), também conhecido como Flamer, sKyWIper e Skywiper,é um malware modular descoberto em 2012[ e que ataca computadores que executam o sistema operacional Microsoft Windows. O programa vem sendo utilizado para espionagem cibernética em países do Oriente Médio. A sua descoberta foi anunciada em 28 de maio de 2012 pela MAHER (Equipe de Resposta ante Emergências Informáticas do Irã) (CSIRT),Kaspersky Labe CrySyS Lab. da Universidade de Tecnologia e Economia de Budapeste

Categories: ESTADOS UNIDOS | Etiquetas: , , | 1 Comentário

O direito à independência de Porto Rico

Porto Rico, oficialmente Estado Livre Asociado de Porto Rico para os Estados Unidos tem sido denunciada por 23 anos consecutivos pelo Comité de descolonização da ONU como um caso colonial e seu povo já atuou em uma longa luta para o reconhecimento de sua independência.

Cuba tem apresentado segunda-feira uma ( Resolução apresentada no Comitê de Descolonização das Nações Unidas) suportada por Bolívia, Equador, Nicarágua e Venezuela, que reconhece o direito inalienável do povo Porto-riquenho à sua autodeterminação e independência e chama para andamento em um processo que lhe permite exercer essa prerrogativa, em correspondência com os acordos da Assembléia Geral das Nações Unidas.

A resolução exorta Washington para celebrar o retorno para o povo de Porto Rico de todas as terras anteriormente ocupadas e instalações de Vieques e Ceiba. Também reitera o pedido para o Presidente dos Estados Unidos da liberação de três presos políticos com penas em prisões dos Estados Unidos, casos relacionados com a luta pela independência de Porto Rico.

Eles são Oscar López Rivera, que permaneceu na prisão por 31 anos, Avelino Gonzalez Claudio e Norberto González Claudio.

Fontes:

Juventud Rebelde

Ecured

Categories: ESTADOS UNIDOS | Etiquetas: , , | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: