#Cuba: dinàmica demográfica, um desafio inadiável (#dadosdemográficos #Censo #saúde #esperançadevida #fertilizaçãoinvitro #infertilidade #ICRT #Economia )

Fonte: Granma Internacional

ALGUNS teóricos do jornalismo explicam que o excesso de números pode enrarecer a leitura, torná-la escura, difícil de decodificar. E, se usados ao começo do texto, o mal pode ser maior. Contudo, em determinados temas não resta outra opção que recorrer a eles como tábua salvadora para o entendimento.

De tal forma, a análise da dinâmica demográfica em Cuba deverá partir de números que gerem interpretações confiáveis. Segundo dados preliminares, oferecidos pelo mais recente Censo de População e Moradias, 18,3% dos cubanos tem 60 anos ou mais. Outros estudos indicam que para o ano 2030 este setor populacional aumentará em 30%. Ainda, atualmente, a esperança de vida é em torno dos 78 anos.

Os níveis de fecundidade, por outro lado, mantêm-se baixos: há mais de 30 anos Cuba não cobre a taxa de substituição populacional, ou seja, as mulheres não deixam uma filha que as substitua no papel reprodutivo. Em 2011, a população feminina teve, em média, 0,86 filhas por mulher. E a proporção de pessoas de 0 a 14 anos foi diminuindo até colocar-se aproximadamente em 17%.

Estes números falam duma complexa situação demográfica na Ilha, marcada pelo fenômeno do envelhecimento populacional e da baixa natalidade, o qual é impossível desligar da política social da Revolução, que colocou homens e mulheres no centro de sua atividade.

Assim, os cubanos estão entre os habitantes que mais vivem neste mundo desigual. Paralelamente, as mulheres, com elevados níveis de escolaridade e incorporação trabalhista e social, encurtam os momentos para a procriação, questão esta última que não só passa pela realização profissional das cubanas; também nelas impactam as condições econômicas do país, as quais complicam o caminho da maternidade.

A isso se soma o saldo migratório que, junto com a esperança de vida ao nascer, e a tendência dos nascimentos, prejudica a estrutura demográfica do país.

A complexidade e magnitude de todos estes fatores é o principal desafio sociodemográfico que deve enfrentar a nação, por causa do seu impacto na vida social, econômica e familiar, além de sua incidência na previdência social, na defesa do país, nos serviços de saúde e na reposição da força de trabalho (em 2021, estima-se que a diferença entre os que saem do sistema de trabalho e os que entram aumente para mais de 5.700; em 2030, a diferença será de algo mais de 78 mil).

Daí que o tema recebe atenção priorizada por parte do governo, para o qual foi criada uma Comissão integrada pelos ministros dos organismos e chefes de entidades nacionais com maior incidência no tema: Trabalho e Previdência Social, Finanças e Preços, Economia e Planejamento, Saúde Pública, Educação, Ensino Superior, Cultura, Indústria Leve, Comércio Interior, Construção, assim como o Instituto Nacional dos Esportes, Educação Física e Recreação e o Instituto Cubano de Rádio e Televisão.

São eles os responsáveis pela proposta da estratégia integral a seguir pelo país, a qual deverá considerar fatores econômicos, sociais, culturais, biológicos, assim como todas suas consequências, para depois oferecer respostas bem precisas e a longo prazo.

Para 2013, foi incluído no Plano da Economia um montante financeiro de 58 milhões de pesos, o qual corresponde com as possibilidades reais de Cuba e que respalda 30 medidas dirigidas a atender os idosos e estimular a natalidade.

Elas fazem parte do Plano de organismos, entidades e governos locais, serão checadas periodicamente e embora não seja a solução integral que se busca, pois são muitas as necessidades acumuladas, vão apontando ao mais urgente.

Assim se refletem no plano da Economia, por exemplo, ações encaminhadas a estimular a fecundidade, diminuindo os riscos de infertilidade feminina. De tal forma se prevê incrementar a capacidade de atendimento profissional ao casal infértil, assim como a utilização de técnicas de fertilização assistida in vitro.

Além disso, incorpora-se a conservação e reparação de creches, em coordenação com os governos locais. O mesmo acontecerá com os lares de avôs e os lares de idosos.

Dispõe, também, a realização de exames de saúde uma vez por ano aos idosos, assim como a compra e produção de próteses, andadores, bengalas, colares cervicais, cadeiras de rodas…

Em tal sentido, é imprescindível responder ao assunto com uma estratégia coerente que, entre outros fatores, esteja acompanhada de uma análise de viabilidade econômica. À sustentação de cada uma das soluções necessárias para o desafio demográfico da Ilha, também se encaminha a atualização da economia cubana.

O envelhecimento da população é um processo inevitável, o país deve assumi-lo com responsabilidade, mas ainda quando foi produto da vocação humanista de sua Revolução. Entretanto, a baixa natalidade obriga a propor soluções de toda índole, que estimulem e tornem grato o exercício da maternidade. Diversas medidas são estudadas para que as tendências, em médio prazo, sejam favoráveis.

Entender o fenômeno em sua plenitude, vendo-o de todas suas arestas, prestando atenção aos pesquisadores e colocando o ouvido na sabedoria popular, parecem as melhores vias para desembaraçar os fios que fazem deste um desafio inadiável.

Categories: BLOQUEIO VS CUBA, CIÊNCIA, ECONOMIA, EDUCAÇÃO, POLÍTICA, SAÚDE, SOCIEDADE | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: