Dia de África: Há novas pistas sobre onde andaram os antepassados de língua Banto.

Uma nova investigação aponta para cerca de 310 milhões o número de africanos subsarianos que falam banto, isto porque, há quatro mil anos atrás, quem falava esta língua migrou para Sul, até Angola, ocorrendo uma divisão migratória, dois mil anos depois, em que uns foram mais para Sul e outros para Este do continente, chegando a Moçambique.

Não é um povo, nem tampouco uma etnia, ao contrário do que muitos julgam. O banto é um tronco linguístico a partir da qual nasceram centenas de outras línguas de África. De acordo com os dados da Ethnologue, estima-se que existam mais de 500 diferentes línguas e dialectos banto no continente, sendo usadas como segunda língua por cerca de 180 milhões de africanos, especialmente na zona subsariana, embora apenas dois milhões a usem como fala principal. Contudo, estes números podem estar muito aquém da realidade.

Investigações anteriores indicam que os falantes de banto de há quatro mil anos, ou seja, os antepassados de muitos dos actuais angolanos e moçambicanos, são originários da costa Oeste e Central de África, do que é hoje a região de fronteira entre os Camarões e a Nigéria, tendo progressivamente emigrado para Sul e Este do continente. Assim se explica que a língua seja falada em Angola e Moçambique, a que se junta uma grande lista de outros países: Camarões, Gabão, Congo, República Democrática do Congo, Uganda, Quénia, Tanzânia, Maláui, Zâmbia, Namíbia, Botsuana, Zimbábue, Suazilândia, Lesoto e África do Sul.

Contudo, não existe um consenso em torno de quando ocorreu realmente essa migração nem do período em que se deu uma grande divisão entre os diversos grupos de humanos que usavam o banto. Aliás, há quem diga que a divisão se deu antes da migração, enquanto outros apontam para antes dela a divisão. Pior: desconhece-se também o que motivou essa expansão.

Mais eis que sugiram novas revelações. De acordo com os resultados de um estudo recente que saiu na revista científica Science, publicado por uma equipa de investigadores que inclui três portuguesas, existem, actualmente, cerca de 310 milhões de subsarianos que falam banto, tendo-se chegado a esta cifra após descortinar a rota que os antigos povos que falavam a língua tomaram ao longo de África.

Após recolherem amostras de 2.055 pessoas que vivem no continente, a equipa de cientistas fez uma análise genética das mesmas e inseriu os dados encontrados num programa informático, o qual recriou depois o caminho migratório que os antepassados de língua banto fizeram. A crer nas conclusões obtidas pelo software, a migração deu-se para Sul, através da floresta tropical húmida, isto há quatro mil anos, depois a rota seguiu ainda mais para Sul antes de desviar-se para Este.

Mais especificamente, após a primeira migração para Sul, indo por territórios que abrangem Angola, ter-se-á dado há cerca de dois mil anos uma divisão populacional, tendo daí surgido duas vagas migratórias: uma para Sul, percorrendo a costa Oeste e até á África do Sul; e outra para Leste, chegando a Moçambique e, novamente, à África do Sul.

Eis, portanto, uma das grandes revelações da investigação: os dados indicam que a grande separação dos falantes de língua banto não aconteceu na expansão inicial, há quatro mil anos, mas pouco antes de chegaram a Angola.

Mas há mais. Os autores do estudo salientam ainda que, há medida que os africanos de língua bantu encontravam e se misturavam com os caçadores-recolectores da floresta tropical, acabaram por adquirir destes uma resistência genética às doenças tropicais, tal como a malária, uma protecção que podem ter ganho há aproximadamente 800 anos. Os povos migrantes também adquiriram, nesta epopeia, genes que lhes permitiram ser tolerantes à lactose, e assim digerir o leite dos animais, nomeadamente do gado doméstico. Em troca, os povos banto partilharam com os pigmeus da floresta tropical os seus conhecimentos em agricultura. Tudo isto, combinado com os fluxos migratórios que foram ocorrendo, ajudaram a mudar por completo a forma como os humanos ocuparam e moldaram África.

Anúncios
Categories: ANGOLA, ANIVERSARIO, ÁFRICA, CULTURAIS, EDUCAÇÃO, Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: