Os Estados Unidos estão se preparando para a próxima Cúpula das Américas.

De Arthur González

Embora aparentemente o cenário político atual nos Estados Unidos seja mais favorável para os Estados Unidos, Washington se prepara para uma luta que não será fácil, apesar da mudança de governos de esquerda em países como Brasil, Argentina e Equador, porque as forças que mantêm Sua soberania nacional estará presente em Lima.

A questão priorizada pelos Yankees será o ataque à Venezuela, para tentar apoiar plenamente a Revolução Bolivariana, algo que nem na OEA conseguiu realizar e dificilmente se materializou no Peru.

O Departamento de Estado, mesmo sem secretário, aguardando o Congresso ratificar a proposta do diretor da CIA, pressiona as chancelarias latino-americanas a aprovar a linha traçada pelo imperador “César” Trump contra Nicolás Maduro, obstinação que foi transferida de Barack Obama ao seu sucessor, que o aumenta em face do fracasso da estratégia de “golpes brandos”, que não lhe deu resultados apesar dos milhões de dólares fornecidos à oposição, pelos atos violentos nas ruas, junto com o reforço da guerra econômica total.

Com respeito a Cuba, Trump aspira a ser condenado sob falsidades fabricadas de violações de direitos humanos e a fantasia mal planejada de “ataques acústicos” seletivos, que só afirmam ter afetado os oficiais de inteligência estacionados no país. Embaixada de Havana e suas contrapartes na missão do Canadá, que mostra que a única pretensão era prejudicar o turismo americano e arrastar o canadense.

Internamente, o dinheiro já está atingindo a “oposição” de realizar reuniões, que são divulgadas por agências de imprensa estrangeiras que recebem instruções para isso, embora jornalistas credenciados saibam que esses dissidentes só são movidos por dinheiro e carecem de ideologia. e apoio popular.

A prova disso é a reunião realizada em Santiago de Cuba pelos seguidores do assalariado José Daniel Ferrer, que recebeu instruções dos Yankees para selecionar um grupo que pudesse participar de fóruns paralelos à Cúpula, que acontecerá em Lima. 13 dias e 14 de abril de 2018.

A última cúpula realizada no Panamá foi um exemplo de como os Estados Unidos tentam manipular esses fóruns paralelos, movendo seus peões de Miami para confrontar jovens latino-americanos, que conhecem a verdadeira face do capitalismo selvagem diariamente em seus países.

O tema escolhido para a Cúpula de Lima é a governabilidade democrática e a corrupção, em um país onde seu presidente é acusado de corrupção, ao qual se acrescentam os presidentes do México, Honduras e Brasil como os mais relevantes, portanto, Washington. Será muito difícil levar o debate pelo canal que eles querem, antes das centenas de assassinatos e desaparecimentos no México, a fraude eleitoral de Honduras, o recuo da justiça social na Argentina, os assassinatos de líderes esquerdistas na Colômbia e as acusações de fraude. eleição no Chile, rudemente silenciada pela imprensa que se proclama democrática.

Para não deixar dúvidas de quem move os fios da chamada “oposição” cubana, naquela reunião no Facebook foram agradecidos a Fundação para os Direitos Humanos, sediada na Espanha e financiada pelos Estados Unidos e pelo terrorista da Fundação Nacional Cubano Americana, o mesmo que auxilia assassinos como Luis Posada Carriles, entre os muitos que têm as mãos ensanguentadas de cubanos inocentes.

O Departamento de Estado já destinou o dinheiro para pagar passagens aéreas, hotéis em Lima, para alimentação, transporte interno e, claro, algumas centenas de dólares como salário para aqueles que participam.

Para isso, pretendem acrescentar Rosa María Payá, que também foi levada para o Panamá, Berta Soler, Guillermo Fariñas e os venezuelanos Julio Borges e Patricia Ceballos, esposa de Daniel Ceballos, ex-prefeito de San Cristóbal.

Anteriormente, esses últimos funcionários queriam se reunir em Washington, em um evento organizado pela Elliott School, Escola de Relações Internacionais da Universidade George Washington, financiado publicamente pela organização Freedon House, usada pela CIA por suas ações contra Cuba. , (que desviou o dinheiro para o benefício de seus membros) e pelo Parlamento Europeu, cuja agenda é debater “A luta pela liberdade: os casos de Cuba e da Venezuela”.

No entanto, a questão da guerra econômica cruelmente imposta ao povo de Cuba e Venezuela não uma palavra, algo que, se afeta os direitos humanos dos cidadãos de ambos os países, com a intenção maligna de matá-los da fome e da doença, de acordo com seus próprios documentos desclassificados.

Entre os convidados estará o membro da máfia terrorista anti-cubana Ileana Ros-Lehtinen e o deputado do Parlamento Europeu Ramón Jáuregui Atondo e a presença do senador Marco Rubio, defensor das pressões contra Cuba e a Venezuela é esperada.

Para completar o programa de propaganda o Parlamento Europeu entregará o Prêmio Sakharov aos venezuelanos Daniel Ceballos, Júlio Borges, Leopoldo López e Antonio Ledezma, prêmio que nunca foi concedido ao porto-riquenho Oscar López, que resistiu 35 anos em prisões ianques, 17 deles em celas de punição, por apenas pedir a liberdade de seu país.

É por isso que ele nunca terá o apoio do povo, que rejeita a política preponderante do império ianque, e como José Martí disse: “É a hora da recontagem e da marcha unida”.

 

 

Anúncios
Categories: agentina, AMERICA LATINA, ANGOLA, ÁFRICA, CUMBRE DE LAS AMERICAS, ECUADOR, ESTADOS UNIDOS, GENOCIDIO, Peru, POLÍTICA, SOCIEDADE, Uncategorized, venezuela | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: