A REUNIÃO DE BOLTON-BOLSONARO TEM FUNDO PERIGOSO

O presidente eleito do Brasil e John Bolton, principal assessor de segurança nacional de Donald Trump, se reúnem em 29 de novembro para discutir o destino de Cuba e da Venezuela, governos que Washington considera um desafio à sua hegemonia imperial. Bolton aguarda a ajuda de Bolsonaro para se livrar deles.

O poder da retórica ultra-conservadora de Bolton é um fato conhecido da diplomacia mundial, mesmo por sua capacidade de superar as palavras com ações. Em 2002, envolvido na invasão do Iraque, foi um dos principais responsáveis ​​pela divulgação da tese – nunca demonstrada – de que Saddam Hussein produziu “armas de destruição em massa”, usadas para justificar um conflito que produziu mais de meio milhão morto, deixou um custo estimado de 7 trilhões de dólares e abriu um dos abismos em que a economia mundial é hoje.

Se a agenda da próxima semana é relativamente bem conhecida, o mesmo pode ser dito da coreografia. Os diálogos nesse nível podem variar – às vezes – mas a dança dos presidentes brasileiros antes dos EUA, exceto nos governos do PT, sempre foi a mesma.

No artigo publicado no volume III do livro “Pensamento Diplomático Brasileiro”, o embaixador Samuel Pinheiro Guimarães revela que, em março de 1961, o recém-eleito Jânio Quadros recebeu uma oferta surpreendente. Falando em nome de John Kennedy e também exibindo a autoridade de quem liderou o golpe para derrubar Getúlio Vargas em 1945, o embaixador Adolfo Berle Jr convidou Jânio a participar de três intervenções na América Central.

O primeiro contra o governo do Haiti; a segunda para invadir a República Dominicana e, finalmente, como prato principal, derrubar o recém-instalado governo de Fidel Castro, em Cuba. “Jânio rejeitou firmemente esses convites”, escreve Samuel Pinheiro Guimarães, acadêmico acadêmico da diplomacia do período. A história não terminou assim, obviamente.

Um mês depois da audiência com Jânio, a CIA reforçou a acusação contra Fidel e organizou a invasão da Baía dos Porcos (Playa Giron), com o apoio de um grupo de mercenários anti-Castro. Falha total Cada vez mais associada a Washington, a máfia que governou o Haiti ficou em paz por vários anos.

A República Dominicana tinha outro destino, no entanto. Se o país já mostrou uma instabilidade preocupante, desde a eleição de Juan Bosch, presidente de idéias progressistas, Washington avaliou o risco de viver com uma segunda Cuba era muito grande e decidiu fazer uma decisão imediata. Desta vez, com ajuda brasileira.

Depois de ajudar a conspiração militar liderada por Castelo Branco a derrubar o governo constitucional de João Goulart, Washington recebeu uma retribuição. Castello organizou uma tropa de 4.000 homens enviados para a América Central para fortalecer uma junta militar enfrentou uma forte resistência popular depois de derrubar o governo de Bosch. Ao lado de soldados de outros clientes conhecidos da Casa Branca – Paraguai, Costa Rica, Honduras, Nicarágua, El Salvador – brasileiros retornados em 1966, o fim de uma missão regular, avaliada como ruim.

Aqueles embalados pela propaganda do governo Castello Branco imaginou que eles iriam participar de uma guerra de alguma forma comparável à luta contra o nazi-fascismo na Europa, eles tiveram uma decepção em troca. Enquanto isso, duas décadas antes, os soldados da Força Expedicionária Brasileira (FEB) retornaram como heróis e ainda hoje são festejados pelo povo, mas os membros da FAIBRÁS (Brazilian Forças Armadas Intervenção) nunca teve reconhecimento.

“Em vez de preservar a paz, teve que lutar contra os rebeldes, expondo nossas próprias vidas, em um ambiente extremamente hostil”, lembrou José Carlos Teixeira, um dos membros da FAIBRÁS, em uma entrevista com o portal BBC Brasil (25 / 5/2015). A natureza questionável da missão foi traduzida em aspectos rituais e financeiros. Os veteranos de Santo Domingo nunca foram incorporados às fileiras das Forças Armadas, como seria natural, nem dispensados ​​ao retornar ao país. Até hoje eles não recebem um convite para marchar em datas cívicas. Tampouco tinham direito a aposentadoria, como é o caso da FEB.

A guerra no Iraque poderia ser evitada

Nos meses dramáticos anteriores à guerra no Iraque, John Bolton teve um conflito de vida ou morte com o embaixador brasileiro José Bustani, duas vezes eleito presidente da Organização para a Proibição de Armas Químicas.

Quando entrevistei Bustani em 2013, uma década após o evento, me disse que “a guerra do Iraque poderia ter sido evitada, porque fizemos uma inspeção naquele país. Nossos inspetores conheciam o Iraque e intervieram em missões anteriores. A maioria das armas químicas já havia sido destruída, as poucas amostras restantes – isto é, amostras – foram localizadas e removidas do país. Havia apenas alguns cientistas que tinham conhecimento, mas nenhum meio de construir armas “(Istoé, 13/11/2013).

Firme na defesa das conclusões da entidade que preside -cuestionadas com ênfase por John Bolton, diz Bustani percebeu que os relatórios técnicos tornou-se um obstáculo para outros interesses. “Ficou claro que, no caso específico do Iraque, nossos relatórios aparentemente obstruíram outro plano, o da invasão”, diz ele. Na entrevista, ele diz Intransigente Bolton “me deu 24 horas para deixar a organização (…) Ele disse que Washington exigiu minha partida e que ele queria fazê-lo de uma forma elegante.”

Bustani acabou se afastando da presidência em uma conferência na qual o mal-estar geral foi expresso em números. Houve 48 votos pela sua partida, 7 votos pela permanência e 43 abstenções. Países como a Rússia e a China votaram com Bustani, que também teve o voto da França e do México.

Duas décadas depois, os dados do problema são outros. A tese de que o governo iraquiano era uma ameaça porque tinha armas de destruição em massa é reconhecida como sempre foi: um pretexto para a guerra contra um inimigo do governo dos Estados Unidos. Por razões mais do que compreensíveis, o prestígio do corpo técnico da Organização para a Proibição de Armas Químicas cresceu.

Em 2013, a entidade recebeu o Prêmio Nobel em reconhecimento ao seu trabalho. Bustani recebeu numerosas demonstrações de solidariedade e apoio a seu comportamento em 2002.

Enquanto isso, John R. Bolton vem ao Brasil para conversar com Bolsonaro sobre Cuba e Venezuela. Alguma dúvida sobre o que vai acontecer aqui?

(Domínio Cuba-Thinking Americas)

Anúncios
Categories: BOLTON-BOLSONARO, PENSAMIENTO DIPLOMATICO, Uncategorized, WASHIGTON | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: