Nicolás Maduro: “Que somos respeitados enquanto formos soberanos e independentes”

Por: Ignacio Ramonet

Na Venezuela, para desalento dos anti-chavistas, o ano de 2018 terminou com uma nova vitória para o presidente Nicolás Maduro. Sua formação política, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e seus aliados dentro do Grande Pólo Patriótico (GPP) venceram as eleições municipais em 9 de dezembro. Desde 20 de Maio anterior venezuelanos tinham democraticamente decidiu em favor da reeleição do presidente, cujo mandato segunda no escritório (2019-2025) começa em 10 de janeiro.

Se no campo político, que o chavismo seu vigésimo ano no poder ainda tem um apoio eleitoral maioria, no entanto, em outras áreas, enfrenta muitas dificuldades.

Na esfera da vida cotidiana, por exemplo, a guerra econômica e as sanções impostas pelos Estados Unidos e seus aliados criaram uma série de desvantagens – incluindo alta inflação – que complicam cruelmente a normalidade da cidadania.

Por outro lado, o assédio financeiro também dificulta a importação de alimentos, remédios e peças de reposição. E a corrupção persistente piora as coisas. Todos os quais às vezes têm resultados dramáticos. Consequência: muitas pessoas estão insatisfeitas. Outros estão optando por deixar o país.

Vítima de seus erros, de seus excessos e de suas próprias lutas internas, a oposição mostrou-se incapaz de tirar proveito desse duro contexto social. A Mesa da Unidade Democrática (MUD) foi desintegrada e atomizada a ponto de se tornar invisível e inaudível. Seus principais líderes – tanto os que se estabeleceram no exterior quanto os que permaneceram na Venezuela – continuam a denunciar a “ditadura” e a “repressão política”. Mas eles não têm credibilidade.

Neste cenário, já intrincada, a guerra perene mídia contra a Revolução Bolivariana que encenou o mundo, com ingredientes filme de desastre horrível, um suposto “desastre venezuelana” é adicionado.

Em 26 de setembro, em Nova York, durante a Assembléia Geral da ONU, o presidente Maduro denunciou detalhes extensivos os vários ataques de uma “agressão internacional” contra o seu país. Sem omitir, lembre-se da tentativa criminosa de assassinato contra ele que ocorreu em Caracas em 4 de agosto passado.

Qualquer outro líder, confrontado com tais adversidades, teria cedido. Não é o caso de Nicolás Maduro que, mais uma vez, demonstrou resiliência excepcional. Para enfrentar a guerra econômica, novamente ele surpreendeu os adversários com uma ofensiva triplo: Petro consolidou a criptomoeda, lançou o Soberano Bolivar e propôs programa de recuperação, crescimento económico e prosperidade.

Por outro lado, apesar das dificuldades, a Revolução Bolivariana continuou a cumprir seus objetivos de justiça social: entregou há alguns dias o número de moradias decentes 2,5 milhões; os Comitês Locais de Abastecimento e Produção (CLAP) fornecem caixas de alimentos básicos para cerca de seis milhões de famílias de baixa renda; está prestes a atingir as três mil comunidades produtivas; progresso é feito em direção à auto-suficiência nas seguintes áreas: milho, arroz, açúcar, legumes, cacau, café e soja; e na educação, mais de 10 milhões de pessoas frequentam as salas de aula e 75% delas frequentam escolas públicas e gratuitas, desde a formação inicial até a universidade, em permanente melhoria de qualidade.

Na política internacional, as autoridades venezuelanas continuaram a enfrentar a hostilidade de Washington e alguns de seus aliados, particularmente europeus. Assim como os ataques dos governos conservadores latino-americanos reunidos no Grupo Lima.

Por outro lado, a atitude de várias grandes potências cujos chefes de estado expressaram sua solidariedade com a Revolução Bolivariana foi muito diferente.

A esse respeito, por exemplo, o presidente Maduro foi convidado a visitar a China em setembro passado, reunindo-se com o presidente Xi Jinping. Além disso, Chávez recebeu em Caracas o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, em dezembro, com quem estabeleceu uma relação de confiança. E no mesmo mês de 2018, ele fez outra importante viagem a Moscou, onde assinou acordos substanciais com o presidente Vladimir Putin. Confirmando desta forma que a Venezuela não está isolada.

Conheço Nicolás Maduro há mais de dez anos quando foi ministro de relações exteriores do presidente Hugo Chávez. Ele foi, pela antonomasia, de 2006 a 2012, “o” chanceler da Revolução Bolivariana. Como o mítico Litvinov e Molotov eram da revolução soviética. Chu-Enlai da Revolução Chinesa. Ou Raúl Roa da revolução cubana. Ele é o grande estrategista, juntamente com o Comandante Chávez, de todas as batalhas vencidas na árdua e complexa frente diplomática.

Como você sabe, Maduro era um líder estudantil proeminente e um lendário líder sindical. Ele também é um homem de cultura ampla, com três paixões: história, música e cinema. Ele dirigiu durante anos o principal clube de cinema de Caracas, e seu conhecimento cinéfilo é de uma vastidão e uma finesse impressionante.

Por causa de sua inteligência política, ele sempre exerceu um fascínio autêntico pelo ambiente. “Ele é um cérebro feliz no gatilho”, dizem seus amigos para enfatizar a velocidade de sua mente. Por essa razão, sem dúvida, o Comandante Chávez, ao sair da prisão em 1994, não hesitou em escolhê-lo como um dos poucos membros não militares de seu círculo íntimo. E eles o acompanharam na conquista democrática do poder.

Posso testemunhar a profunda afeição e confiança que o Comandante Chavez professou. Não fiquei surpreso, portanto, que em 8 de dezembro de 2012, em seu último discurso público, antes de passar por uma intervenção cirúrgica que seria trágica, o fundador da Revolução Bolivariana definiu Maduro, entre vários jovens e brilhantes líderes de Chávez, como o mais capaz: “Ele é um revolucionário à letra. Um homem de grande experiência, apesar de sua juventude. De uma grande dedicação ao trabalho. De uma grande capacidade de condução de grupos. E para lidar com as situações mais difíceis em diferentes frentes de batalha. »

Finalmente, o Comandante Eterno designou-o ao povo como seu sucessor, com aquelas palavras tão tipicamente chavistas e tão inesquecíveis: “Minha firme opinião. Cheia como a lua cheia. Irrevogável. Absoluto Total É que – se não pudesse – você escolhe Nicolás Maduro como presidente da República Bolivariana da Venezuela. Eu peço do meu coração. Ele é um dos jovens líderes com maior capacidade de continuar a dirigir – juntamente com o povo sempre e subordinado aos interesses do povo – os destinos desta Pátria à frente da Presidência da República. Com a mão firme. Com o seu olhar. Com o coração do homem do povo. Com seu dom de pessoas. Com sua inteligência. Com sua liderança. E com o reconhecimento internacional que foi ganho.

Antes de sentar em seu escritório no Palácio de Miraflores, em Caracas, para esta entrevista, o presidente Maduro me convida para acompanhá-lo em uma cerimônia pública para a entrega de habitação social. Será entregue o apartamento subsidiado pelo Estado de número 2,5 milhões … Os edifícios, construídos em colaboração com uma empresa chinesa, estão localizados perto da paróquia de Caracas do Vale, classe média, onde precisamente o presidente nasceu e em cuja ruas ele cresceu.

A população atual, não muito numerosa, acolhe o presidente com demonstrações barulhentas de alegria e afeição. Maduro usa uma guayabera branca com o pescoço das cores da bandeira venezuelana. Naturalmente elegante, de estatura imponente – ele mede mais de 1,90m – ele é um homem calmo, afável e sereno, dotado de um ótimo senso de humor.

Em seu breve discurso, ele denuncia a “indolência” de muitos de seus colaboradores no governo ou nas administrações locais. Os cidadãos presentes aplaudem entusiasticamente essas críticas. E eles o aplaudem quando o presidente acusa a corrupção e pretende puni-la sem cerimônia “não importa quem cair”.

Alternativa amigável, comentários quase pessoais dirigidos a algumas das famílias (incluindo um casal jovem com deficiência auditiva e seu bebê) que recebem as chaves para seus novos apartamentos e reflexões profundas sobre a política econômica nacional ou relações internacionais. Um pouco como o Comandante Hugo Chávez fez. Ela oscila do pessoal para o coletivo, do concreto para o geral, da práxis para a teoria. Sempre dando uma impressão pedagógica de liviedad para nunca ser pesado.

No dia seguinte, 27 de dezembro, estamos em seu escritório de trabalho no palácio do governo. Exatamente na mesma sala em que Chávez, exatamente seis anos atrás, apontou Maduro como seu continuador. Nos cumprimentamos e, enquanto as equipes terminam de preparar o set, caminhamos conversando pelo pátio e pelos belos jardins interiores de Miraflores, decorados sobriamente com decorações natalinas.

Hoje o presidente usa uma camisa elegante de cor azul intensa. Embora seja uma entrevista para a imprensa escrita, fotos do nosso encontro serão realizadas e algumas das respostas serão gravadas em vídeo. Como de costume, ele trouxe debaixo do braço um maço de livros que ele coloca na pequena mesa que nos separa. Tudo está pronto. Então, sem mais delongas, começamos.

Ignacio Ramonet. Boa tarde presidente. Obrigado por nos receber. Nesta entrevista vamos abordar essencialmente três tópicos: política, economia e assuntos internacionais.

Vamos começar com a política: talvez o principal acontecimento político de 2018 era sua reeleição nas eleições de 20 de maio, com mais de seis milhões de votos obtidos e diferença de mais de 40% do principal candidato da oposição Henri Falcon. Como você explica-nos uma tão difícil para os cidadãos, criado por uma guerra econômica e sanções financeiras impostas pelos eleitores de Washington ter-lhe dado uma segunda vez como um enorme quadro de apoio?

Nicolás Maduro. Na verdade, o povo da Venezuela deu a Revolução Bolivariana, Chávez, que é uma força política e social real, que existe nas ruas, nos bairros, nos campos, nas cidades e villages- e deu também Devo dizer, com humildade, à minha candidatura, o maior apoio – em termos percentuais – que qualquer candidato já obteve em uma eleição presidencial na Venezuela.

Então já estávamos observando a vitória da paz com a eleição constitucional de julho de 2017, uma recuperação sustentada das nossas forças, um reforço da unidade revolucionária -recibimos o apoio de todas as partes na Grande Pólo Patriótico e inúmeros movimentos social, e um crescimento organizado do nosso Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), que é o partido político com o maior número de afiliados na América Latina.

Esse bom resultado é também explicado, ouso dizer, pela maturidade e sabedoria demonstradas por nosso povo no meio da agressão mais brutal que sofremos desde nossa guerra de independência. A nossa aldeia tem crescido, cresceu na consciência, organizou força, patriotismo, contra a guerra psicológica e guerra econômica ilegal e ilegítima perpetrada pelo império americano com seus governos satélite deste continente e na Europa, para tentar dobrar. O resultado dessa hostilidade tem sido a teimosia demonstrada pelos cidadãos em sua determinação de permanecer livres, independentes e soberanos.

E outro fator fundamental, determinante, Ramonet, é que a Revolução Bolivariana tem atendido, em meio a dificuldades e assédio econômico e financeiro, às necessidades da sociedade venezuelana. Aqui não fechou uma única escola, nem uma universidade. Pelo contrário, o número de alunos na educação pública aumentou. Aqui continuamos a fornecer cuidados de saúde gratuitos para toda a cidade. Protegemos com grande força e determinação o salário e o emprego de todos. E aproximadamente a cada três semanas nós levamos a comida básica, as agora famosas “caixas CLAP”, para cerca de seis milhões de lares na Venezuela; nós os entregamos diretamente em suas casas.

Nas paredes de Caracas pode ser lido graffiti pintado nas paredes, talvez resumir isso que eu respondo: “Vote em que aumentou o meu salário, produtos não quem mais caros” Talvez isso explique por que a Revolução Bolivariana é hoje mais robusto, vivo e amalgamado em um único esforço construtivo do que nunca.

IR Dentro de alguns dias, em 10 de janeiro de 2019, ele inicia seu novo mandato de seis anos. Alguns governos que não reconheceram os resultados das eleições presidenciais de 20 de maio ameaçam ignorá-lo como presidente constitucional da Venezuela. O que você responde?

NM Bem, em primeiro lugar, a Venezuela é um país que forjou, ao longo da história, sua identidade, seu caráter republicano, sua independência. E isso, a Venezuela, é governada por uma Constituição que é a mais democrática que já existiu em nossa história. Aprovado pelo nosso povo há dezenove anos em um referendo. E esta Constituição foi cumprida impecavelmente nestes dezenove anos.

Em 2018, tivemos dois concursos eleitorais totalmente transparentes, governados pelas instituições eleitorais do país. Devo lembrar que o poder eleitoral, na Venezuela, é um poder público, o quinto poder público. E esse poder usou toda a sua logística, seus sistemas eletrônicos do mais alto nível de transparência. Reconhecido por personalidades internacionais de inegável prestígio como Jimmy Carter [ex-presidente dos Estados Unidos], que declarou na época que “o sistema eleitoral venezuelano é o mais transparente e organizado que já foi visto no mundo”; o mais perfeito “.

As eleições presidenciais de 20 de maio de 2018 foram realizadas sob o controle de observadores nacionais e internacionais. E nosso pessoal tomou uma decisão. Decisões sobre a Venezuela não são tomadas por governos estrangeiros. Nós não somos um país intervencionado, tutelado por qualquer império. Nem para o império do Norte, nem para seus satélites na América Latina e no Caribe, nem para a Europa. Na Venezuela, o povo governa e governa soberanamente. E o povo tomou uma decisão muito clara e muito decisiva: pela primeira vez, obtivemos 68% dos votos … Você apontou: mais de quatro milhões de votos de diferença com o principal candidato da oposição.

Então: a cidade decidiu. E nós vamos cumprir a decisão do povo. Não há possibilidade de que qualquer governo diga a palavra mínima, do exterior, para conhecer, reconhecer ou ignorar a legitimidade constitucional e democrática do governo que presidirei de 10 de janeiro de 2019 a 10 de janeiro de 2025. do plano, o projeto, a experiência, a força. Eu tenho a cidade, com a união cívico-militar. E acima de tudo: com a legitimidade constitucional que é a mais importante.

Permitam-me repetir que as pressões e agressões do império norte-americano e de seus governos satélites não significam nada diante da voz de nosso povo. A nossa democracia tem uma força real que foi expressa em 25 eleições nos últimos vinte anos … Isso significa que, em vinte anos da Revolução Bolivariana, houve quase três vezes mais eleições do que aquelas feitas durante o mesmo período, por exemplo, em Unidos …

Na campanha eleitoral de abril e maio de 2018, que durou vinte e um dias, visitei os vinte e três estados da Venezuela várias vezes. E para as pessoas que enchiam ruas e avenidas, perguntei-lhe: “Quem elege o presidente na Venezuela? Washington ou Caracas? Miami ou Maracaibo? “E a resposta enérgica de todas as pessoas, incluindo aquela que vota na oposição, é que temos o direito inalienável de eleger nossos governantes. Nada e ninguém vai mudar esse direito elementar e sagrado.

Quem está chateado, dizemos que a Venezuela tem uma longa tradição de não-interferência nos assuntos de outros estados. A Revolução Bolivariana tem estado em solidariedade com todos os países do nosso continente e do mundo, se assim o solicitarem em face de catástrofes naturais ou outras. O mínimo que exigimos é reciprocidade. Que sejamos respeitados enquanto formos soberanos e independentes.

IR Embora você não tenha deixado de apelar ao diálogo democrático, o grupo de oposição mais importante – reunido na chamada Mesa da Unidade Democrática (MUD) – decidiu não participar das eleições de 20 de maio. O resultado é que hoje o MUD é fragmentado, dividido e, de fato, auto-dissolvente. Qual a sua opinião sobre essa oposição?

NM Convoquei a oposição venezuelana a um diálogo político em mais de trezentas vezes … Sem mencionar o diálogo permanente que meu governo mantém com os setores privados e com a sociedade em geral. Este diálogo não procurou convencer ninguém a assumir nossos modelos. Entendemos que temos maneiras muito diferentes de ver a vida, daquilo que se confronta com propostas para enfrentar os desafios da nossa sociedade. Nosso compromisso sempre foi o de fortalecer a coexistência política pacífica das forças políticas da Venezuela.

Mas todos esses esforços de diálogo foram boicotados pela embaixada dos EUA. na Venezuela. Uma vez saberemos das visitas feitas pelo encarregado de negócios da embaixada dos EUA, casa por casa, a cada um dos candidatos da oposição para forçá-los a não participar das eleições presidenciais em 20 de maio. Ele conseguiu conminar-los a quase todos, com duas exceções [Henry Falcón e Javier Bertucci] que participaram, e obtiveram o voto que obtiveram.

Você não sabe quão feliz eu me sentiria se pudéssemos contar com uma oposição na Venezuela que permaneceu apegada à política, longe das aventuras conspiratórias e dirigidas pelo golpe, que defendiam uma voz própria. E não a voz autoritária da embaixada gringo.

IR No marco da Revolução Bolivariana, qual o espaço político disponível para a oposição? Em outras palavras: a Revolução aceitaria que a oposição vencesse uma eleição presidencial?

NM A oposição na Venezuela tem todas as garantias que a Constituição estabelece para o livre exercício da política. E eu lhes digo mais, das vinte e cinco eleições que ocorreram na Venezuela em 20 anos, ganhamos vinte e três, é verdade, mas perdemos duas: a reforma constitucional de 2007 e a legislativa de 2015. Quando perdemos, reconhecemos imediatamente nossa derrota, minutos depois que o Conselho Eleitoral emitiu seu boletim informativo. Chávez em 2007 e eu em 2015 reconhecemos o resultado e conclamamos as pessoas a respeitá-lo em paz.

Apresentei a minha mensagem à nação, em janeiro de 2016, antes da Assembleia Nacional da maioria da oposição, presidida pelo líder da oposição, Henry Ramos Allup. E qual foi a resposta da direita inflada por sua vitória eleitoral? Dizer que me tirariam do poder em seis meses, em violação da Constituição e do mandato eleitoral concedido pelo povo.

Já vemos as consequências de suas ações: agora temos uma oposição fragmentada e dividida, odiando seus líderes entre eles e diminuindo muito em sua força política. Quero dizer com isso que sempre reconhecemos todos os resultados eleitorais, quando vencemos e quando perdemos. A oposição exerceu poder regional e local nas eleições de governador e prefeito nas quais foi favorecida. A propósito, com o mesmo sistema eleitoral automatizado que a Venezuela tem desde 2004.

O problema é que eles reconhecem apenas as decisões eleitorais quando vencem … Eles não reconheceram o resultado do Referendo Revogatório de 2004, e que Chávez venceu com 20 pontos de diferença. Não o da eleição presidencial de 2006, quando Chávez separou 23 pontos. Nem minha vitória de 2014, nem a de maio de 2018.

IR Você várias vezes qualificou algumas forças de oposição como “golpistas”; e em 4 de agosto você foi vítima de uma espetacular tentativa de assassinato com drones carregados de explosivos. O que você pode nos dizer sobre esse ataque?

NM De fato, em 4 de agosto de 2018, vivemos o que nunca pensei que pudesse acontecer: um ataque terrorista usando a mais alta tecnologia para me matar. E mais do que matar a minha pessoa como ser humano, era acabar com a Presidência da República e acabar com os poderes do Estado. Foi um ataque verdadeiramente terrível. Graças aos mecanismos de segurança tecnológica disponíveis para nós, conseguimos neutralizar esse ataque em parte.

Eles usaram drones. Um zangão voou sobre a plataforma em que eu estava e veio para ficar na minha frente quando eu estava entregando o discurso principal. Então ele se aproximou, mas foi neutralizado pela nossa tecnologia. Se eu tivesse explodido onde os criminosos queriam, isso teria causado muito sangue, dor e morte.

E houve um segundo drone que, felizmente, ficou desorientado por causa de nossa própria tecnologia de proteção. E explodiu … Foi o drone mais poderoso porque carregava uma carga de C-4, um explosivo militar. Esse drone explodiu contra um prédio de apartamentos muito perto da plataforma principal. Ele criou um buraco gigantesco na parede externa do prédio e até ateou fogo a um apartamento. A missão daquele drone era terminar, de cima, o trabalho do primeiro drone assim que destruísse frontalmente a plataforma principal.

Tivemos a capacidade – juntamente com o povo venezuelano, juntamente com as forças de segurança e inteligência, juntamente com a polícia – para capturar imediatamente os perpetradores. E então nós estávamos capturando os outros autores de material e aqueles que o dirigiram. E conseguimos estabelecer a identidade dos guardiões do ataque.

O ataque foi encomendado a partir de Bogotá, pelo presidente Juan Manuel Santos, cujo mandato terminou curiosamente três dias depois do ataque terrorista em 7 de agosto … Com a participação direta do ex-vice Julio Borges, líder da oposição venezuelana. Todo o ataque foi preparado a partir da Colômbia. Todos os operadores diretos dos drones foram treinados na Colômbia. Os drones e seus explosivos foram preparados na Colômbia. Sob a direção do governo do então presidente Juan Manuel Santos.

Eles tinham conhecimento disso na Casa Branca, em Washington. Não tenho nenhuma dúvida. Atrás desse ataque havia um “sim”, um “ok” da Casa Branca. Já sabemos que John Bolton, atual assessor de segurança nacional do presidente Donald Trump, está dirigindo planos para me assassinar. Eu relatei isso. Bolton estava ciente desse ataque. E ele deu o seu “ok” para ser executado. Washington e Bogotá mantêm uma política permanente de terrorismo contra nós.

Por que eles me acusam de “ditador” … Quando você acusar um líder progressista de “ditador” e fazer uma campanha mundial tão bestial … E tudo bem e extrema direita do mundo retomar a acusação de “ditador” contra Maduro, um líder sindical, um homem do povo, forjada nas lutas dos bairros Caracas, nas lutas do movimento estudantil na luta para a Assembleia Constituinte, nos debates parlamentares, forjada na frente diplomática … Quando alguém como eu acusá-lo de “ditador” , e acusar a Venezuela de “ditadura”, é poder justificar qualquer coisa contra o nosso país. Há uma conspiração permanente da oligarquia colombiana e do império norte-americano contra a Revolução Bolivariana.

Eu digo que, desse ataque, Deus me salvou. Ele estabeleceu um manto protetor ao meu redor. A Virgen de la Chinita também me salvou, muito milagrosa, patrona da Guarda Nacional Bolivariana. Enfim, aqui estamos nós, muito comprometidos, dispostos a continuar. Obviamente, com medidas especiais de segurança para que os fins criminosos dessas pessoas nunca aconteçam.

IR Em várias ocasiões, o presidente Chávez e se tem falado sobre a necessidade de uma oposição democrática para deixar a linha golpista e sua subordinação a qualquer potência estrangeira, você acha que tem havido algum progresso nessa direção, em 2018, considerar?

NM Na Venezuela, a oposição, o bloco de oposição, o MUD, infelizmente está desmoronando, se desintegrando. E estou convencido de que a principal causa desse colapso é sua dependência das políticas de Washington e Bogotá. Não é uma oposição nacional, não tem uma política baseada em interesses nacionais, um pensamento ou doutrina nacional. É uma oposição financiada, mantida e dirigida diretamente – como se fossem drones – de Washington e Bogotá. E isso desintegrou todos eles porque eles não pensam com suas próprias cabeças. Eles não têm capacidade para tomar decisões.

Basta olhar para o triste espetáculo que ocorreu no último processo de diálogo nacional, quando o registro de candidatos foi criado para as eleições presidenciais de 20 de Maio de 2018. Apenas atendeu ao chamado das forças internacionais sobre o direito eo imperialismo norte-americano. Isso foi lamentável. Porque a Venezuela precisa de uma oposição política. Eu chamei o diálogo centenas de vezes. E eu permaneço firme: todo aquele setor da oposição que quer falar comigo vai me encontrar de braços abertos, com a mente aberta, pronto para discutir o futuro do país.

Acredito profundamente que, mais cedo ou mais tarde, na Venezuela, será instalado um diálogo político diversificado, com todas as forças ideológicas dessa oposição. Eu tenho essa fé. E vou trabalhar para atingir esse objetivo. De modo que, na Venezuela, em 2019, há um diálogo político frutífero para reconstruir uma verdadeira oposição que o nosso país precisa de ter paz, para ter paz de espírito. E ter uma democracia diversa é disso que precisamos.

IR Vários líderes da oposição lançaram uma campanha internacional de difamação contra o seu governo, acusando-o da existência de “prisioneiros políticos”. Como você julga essas críticas sérias?

NM Olha, aqui estão as pessoas que, sendo acusado de cometer um crime, por exemplo, estar envolvido em golpes ou tentativas de golpes militares, e até mesmo tentativa de assassinato a última 04 agosto acabamos de mencionar, Eles devem responder à justiça. Se eles são políticos ou não. Não confunda um preso político com um preso político. Isso é verdade na Venezuela e em qualquer país do mundo.

Imagine que você por um momento que um ator-político congressista, um prefeito, um vereador, um ex tentativa ministro para assassinar o Presidente da França, ou dar um golpe de Estado o presidente da Espanha que seria a resposta legal que receberiam por dos tribunais desses Estados? Bem, na Venezuela, existe um Estado de Direito que deve ser respeitado por todos.

Digo mais, como resultado do diálogo com a oposição em 2017 uma comissão da verdade nomeado pela Assembleia Nacional Constituinte, deu medidas alternativas generosas e benefícios para quase todos os réus tinham agido contra a Constituição e as leis, desde o golpe estado 2002 para as ações violentas -o “guarimbas” – 2014 e 2017, exceto para aqueles que cometeram crimes graves, como assassinato ou tráfico de drogas.

IR Na Venezuela existem atualmente duas Assembléias legislativas. Por um lado, a Assembleia Nacional emergiu das eleições de 2016 e dominada pela oposição, mas que o Supremo Tribunal declarou “desdenhoso”. Por outro lado, a Assembleia Nacional Constituinte que emergiu das eleições de 30 de Julho 2017 e dominado pela decisão, mas que várias potências internacionais não reconhecem. Como você acha que esta situação pode ser resolvida?

NM Na verdade, são duas figuras de representação popular claramente estabelecidas na Constituição e com funções específicas também contidas na carta constitucional.

Por um lado, a legislatura, que ignorou flagrantemente uma disposição da mais alta corte da República, forçando este tribunal a uma ação de proteção constitucional que é superada ao mesmo tempo em que a Assembléia Nacional é colocada em ordem e em vigor. a decisão da câmara constitucional.

Por outro lado, em resposta à iniciativa que a Constituição me outorga em seu artigo 348, convoquei a eleição da Assembléia Nacional Constituinte (ANC) pelo voto do povo, em um contexto em que a direita mergulhou setores do país em um país. grave violência homicida, com mais de 130 mortos, pessoas queimadas vivas pela cor da pele, crianças que foram induzidas a agir com violência sob a influência de drogas … Em suma, uma situação muito triste e dolorosa. Bem, a eleição do ANC foi sábia e balsâmica. Ele trouxe paz ao país.

Em circunstâncias idênticas, eu faria de novo. Eu garanto a você. E agora o ANC está cumprindo com a função constitucional estabelecida de transformar o Estado, criando um novo sistema legal e elaborando uma nova Constituição.

IR Bem, vamos passar a abordar, em uma segunda parte, algumas questões econômicas.

Uma vez passada a fase de violência política, batalha econômica e em particular a luta contra a inflação são apresentadas como principais tarefas nacionais para 2019. O que você equilibrar o “Plano de Relançamento da Economia, Crescimento e Prosperidade ‘lançado em 20 de agosto passado E quais são as perspectivas para 2019?

NM Acho que a principal realização do Programa de Relançamento da Economia, Crescimento e Prosperidade é que cobramos e o que é um plano de crescimento e recuperação. Nós temos as rédeas para a proteção do emprego, a proteção da renda dos trabalhadores. Nós temos as rédeas para o crescimento organizado dos setores fundamentais da economia.

E nós somos mais capazes de lidar com a batalha sangrenta, resistente contra as sanções internacionais que o fez perder a Venezuela, pelo menos, apenas durante o ano de 2018, cerca de vinte bilhões de dólares … multimilionários, perdas colossais. Estamos a perseguir contas bancárias. Nós evitar compras de qualquer produto no mundo: alimentos, medicamentos, suprimentos … É uma perseguição selvagem, assédio criminal que é feito contra a Venezuela.

Sem mencionar o bloqueio financeiro … Isso é mais do que o bloqueio … Porque um bloqueio, às vezes, quando você deseja bloquear, você coloca uma barreira lá, e desde que você não pode passar aqui … Mas é mais do que um bloqueio que nos fazem é uma verdadeira perseguição … perseguição de contas bancárias, empresas que a Venezuela faz no mundo, comércio, compras …

Por exemplo, Euroclear [uma das maiores compensação e liquidação de valores financeiros do mundo, que é baseada em Bruxelas.] Fomos sequestrados, em 2018, em 1400 milhões de euros que já havia se comprometido a comprar medicamentos, suprimentos e alimentos . E ninguém responde. Denunciamos nas Nações Unidas, perante o Secretário Geral da ONU. Eu denunciei isso para as diferentes organizações internacionais … E ninguém disse nada.

Portanto, temos uma luta para libertar-nos, tornar-se independente de toda esta perseguição e que o bloqueio. E isso só é conseguido através da produção de riqueza.

Estou muito empenhado em elevar a produção de petróleo, no aumento da capacidade da Venezuela em sua petroquímica, produção de ouro, diamantes, coltan … O aumento da produção de ferro, aço, alumínio, etc. .

A Venezuela tem a riqueza abundante e que a perseguição internacional muito decretou Estados Unidos, são matérias-primas que têm um mercado internacional, sem quaisquer restrições.

Devo acrescentar que os ataques contra nós são constantes, implacáveis ​​e de todos os tipos. E eles não são apenas econômicos. Por exemplo, agora com as férias este ano vieram de fora, atravessando a fronteira, dezenas de comandos terroristas especializada em sabotagem elétricos. Fly transformadores, cortar as linhas de energia, dinamitar usinas … bairros inteiros Dejan, às vezes cidades inteiras, sem luz, sem energia para indústrias, congeladores, transporte, hospitais … Eles colocam vidas em risco … tornar amarga a festas de milhares de famílias.

Outros comandos se infiltram com slogans para causar cortes na distribuição de água. Eles destroem tubulações, sabotam aquedutos, causam cortes de água … Complicam a vida cotidiana de centenas de famílias. Outros terroristas sabotam transportes públicos … Outros se especializam em fazer desaparecer o papel-moeda que eles levam maciçamente para a Colômbia …

São atos criminosos que chamamos de “terroristas”. Nossas forças de segurança estão espalhadas por todo o país e estão se tornando mais efetivas … Eles já prenderam dezenas desses comandos mercenários. Mas eles continuam chegando porque os recursos de nossos inimigos são infinitos …

E devo dizer, com admiração, que o povo venezuelano enfrenta todas essas agressões com uma incrível consciência política. Muito determinado a resistir, com o apoio decidido de nossas forças de segurança, a ataques tão covardes.

É por isso que digo que o povo da Venezuela está sendo vitimado por uma feroz perseguição que comparei, ouso, à perseguição de Hitler contra os judeus, com a permissão da comunidade judaica mundial. Eles nos perseguem sem piedade. Eles nos cercam. Eles nos perseguem dos Estados Unidos com obsessão, com sadismo, e querem nos prejudicar economicamente para nos sufocar, nos estrangular, nos derrotar.

Eles não conseguiram. Nem eles conseguirão isso. E acredito que com este Programa de Recuperação Econômica, Crescimento e Prosperidade, em 2019 haverá grandes surpresas positivas, em torno do aumento da produção, e a criação de riqueza diversa para o país e para a população. Decididamente, nossa economia vai decolar graças ao controle da inflação e aos elementos que vêm perturbando a vida dos venezuelanos nos últimos anos.

IR Segundo nossas informações, a produção de petróleo da Venezuela é de cerca de 1.200.000 barris por dia, ou seja, abaixo da produção ideal. Qual é a situação real da petrolífera estatal PDVSA?

NM Embarcamos em um processo – e meu governo insistiu nisso – em defesa dos preços internacionais do petróleo. Mesmo que uma das formas de agressão multiforme contra as economias da Rússia, Irã e Venezuela – para mencionar alguns dos grandes exportadores – seja através da manipulação de formas perigosas de produção, o chamado fracking do óleo de xisto, e especulação financeira em contratos futuros, para baixar artificialmente os preços.

Buscamos e defendemos um preço de equilíbrio que favoreça produtores e consumidores. E continuaremos a agir dessa maneira no âmbito do acordo dos países produtores membros da OPEP [Organização dos Países Exportadores de Petróleo] e não membros da OPEP.

Sobre sua pergunta específica, confesso: é verdade, a Venezuela está produzindo menos petróleo do que deveria, e essa tem sido uma das minhas maiores preocupações. Lamentavelmente, no seio da PDVSA [Petróleos de Venezuela Sociedad Anónima], verdadeiras máfias foram tomadas. A maldita corrupção que, como um câncer, minou nossa força e nos impediu de aumentar a produção de petróleo. Nós os enfrentamos com ímpeto, com determinação.

Colocamos à disposição da justiça e estamos sendo processados, vários gerentes corruptos e altos funcionários que traíram nossa confiança, sua palavra de honra e sua lealdade para se tornarem meros ladrões.

Tenho certeza de que 2019 será o ano de recuperação da produção de petróleo, com a ajuda da honesta PDVSA e de empresas privadas que, por meio da formação de joint ventures e contratos de prestação de serviços, já estão produzindo e acelerando esse processo. esforço

IR O que você diz para a mídia internacional que está fazendo campanha contra seu governo falando sobre “falta crônica” de alimentos básicos, “falta” de medicamentos essenciais e denunciando uma “crise humanitária”?

NM Foi demonstrado, por parte de pesquisadores sérios da informação, a realidade da brutal e infame campanha psicológica e midiática dos centros imperialistas contra a Venezuela e contra os venezuelanos. Eles querem quebrar a nossa moral e nossa decisão inabalável de ser independente e livre.

De todas as notícias publicadas sobre a Venezuela nos EUA e na mídia européia, 98% são notícias negativas. 98% !!! Muito. Eles não dizem – como já indiquei – que seis milhões de lares venezuelanos recebem, a cada três semanas em suas casas, quase de graça, os alimentos essenciais para a família … Silêncio que estamos garantindo alimentos para o povo, reconhecido pelas organizações multilaterais como a FAO [Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura]. Eles não mencionam que, nestas semanas de vésperas de festas, o nosso governo distribuiu cerca de 14 milhões de brinquedos para crianças de famílias humildes … Eles estão em silêncio que nós entregamos – você foi ontem, em parte, testemunha disso – dois milhões e meio habitação social … Em que outro país isso foi feito? …

Eles escondem que estamos diante de uma guerra econômica muito dura e de um bloqueio promovido pelo império norte-americano e por alguns países europeus. Eles omitem para indicar que quase toda a população da Venezuela tem acesso a cuidados médicos, gratuitos e de qualidade. Não há um canto da Venezuela que não chame a atenção de nossos médicos da missão Barrio Adentro. Eles não dizem – como já assinalei – que toda a população tem acesso a educação gratuita e de qualidade desde a pré-escola até a universidade e a pós-graduação. A propósito, em 2018, as matrículas em toda a educação na Venezuela aumentaram … Você não acha estranho Ramonet ter conseguido aumentar a matrícula escolar naquele suposto contexto “catastrófico” que eles estão tentando espalhar?

A resposta a essas fraudes já foi sugerida pelo general John Kelly [em 2015], atual chefe de gabinete do presidente Donald Trump; Ex-Secretário de Segurança Nacional. Em 2015, ele era comandante do Comando Sul dos EUA quando disse que Washington “interviria” na Venezuela no caso de uma “crise humanitária”.

Nós não negamos os problemas que existem em nosso país. Pelo contrário, nós os enfrentamos, discutimos com nosso pessoal e estamos determinados a resolvê-los. Se os Estados Unidos querem nos ajudar, podem começar por não serem hipócritas. Eles poderiam liberar os recursos que roubaram Euroclear 1 400 milhões de euros … Eles podiam pagar o acesso ao crédito do sistema financeiro internacional que tem disponível todos os Estados do mundo … E olha que a Venezuela é bom pagar … Nos primeiros cinco anos da minha governo, nós pagamos mais de 70 bilhões de dólares … Bem, apesar de nosso status como bons pagadores, a Venezuela não tem acesso ao crédito internacional, é perseguida e fecha contas bancárias ilegalmente, abusivamente, ilegitimamente. injusto

IR Ao longo de 2018, alguns meios de comunicação internacionais transmitiram imagens de venezuelanos “fugindo” de seu país por causa do suposto “colapso econômico” e da “crise humanitária”. Houve conversas sobre “milhões de emigrantes”. E vários países vizinhos que estão recebendo essa emigração – os Estados Unidos, a União Européia e o Canadá – estão exigindo ajuda internacional para as supostas “despesas de assistência” para esses migrantes. Qual reflexão você merece esses fenômenos?

NM Esses fenômenos, como você mesmo observa, foram construídos, em parte, com base em “notícias falsas”, “verdades alternativas” e outras desinformações feitas com a cumplicidade ativa de vários conglomerados da mídia.

Em uma base mínima de realidade – que ninguém nega, Ramonet -, alguns escritores hábeis elaboraram um conto antichavista para multidões. É uma gigantesca operação de “falso positivo” coordenada pelos campeões mundiais em “falso positivo”, que é o governo da Colômbia, acompanhado na comparsa por alguns satélites do imperialismo norte-americano.

É uma história muito triste. É muito triste Por um lado, esses ilusionistas enganaram um grupo de venezuelanos, cujo número – lucrativo para denunciá-lo – jamais alcançou, nem remotamente, os números que a grande mídia mentiu mil vezes. Nós, insistimos, não negamos que um grupo de venezuelanos deixou o país comprando essa oferta enganosa de “melhores condições de vida e de trabalho”. Era um grupo atípico, para dizê-lo de alguma forma, porque aqueles que partiam faziam o dinheiro: os dez mil dólares; os outros, vinte mil dólares, ou ainda maiores … E eles foram para o Peru, para a Colômbia, para o Equador, para o Chile … e lá encontraram a brutal realidade do capitalismo selvagem, da xenofobia, do ódio racial … Muitos deles eles roubaram o dinheiro, outros os maltrataram, os atormentaram e os submeteram ao trabalho escravo …

Em paralelo, os propagandistas elaboraram o registro mentiroso da “migração maciça” e da “crise humanitária”. Afirmando coisas francamente absurdas, mentiras descaradas … Eles vieram, por exemplo, de repetir que no Equador, entrou um milhão de venezuelanos a cada mês … Eu fiz um pouco de exercício na aritmética, Ramonet: Você sabe quantos ônibus são necessários diariamente para transportar o número de pessoas para o Equador? Oitocentas viagens por dia! Você consegue imaginar oitocentos ônibus entrando diariamente em Quito …? Onde estão as fotos que mostram milhões de pessoas? Todo mundo viu milhares de migrantes indo para os Estados Unidos vindo de Honduras. Nós todos vimos que era uma linha imensa … E ainda assim, não era algo como oito ou nove mil pessoas … Você pode imaginar uma linha de cem mil migrantes? Uma fila de oitocentos ônibus – diariamente! – desmoronando nas ruas de Quito?

É incrível que as pessoas pensantes tenham sido capazes de acreditar em mentiras de tal calibre … Mas esse é precisamente o propósito dos “falsos positivos” e das “notícias falsas”: espalhar a mentira de modo a se impor ao raciocínio e à verdade.

Além disso, o governo da Colômbia e seu presidente, Iván Duque, em uma detenção de ousadia incomum, estão tentando tirar dinheiro da operação … É incrível! Não? Dinheiro que, com certeza, será perdido, será roubado … Ainda há quem se pergunte, no Congresso dos Estados Unidos, o que o governo colombiano fez com os 72 bilhões de dólares que Washington lhes deu para “o combate às drogas” … O que eles fizeram com esses bilhões? Eu posso dizer com certeza: eles roubaram.

A Colômbia continua sendo o primeiro produtor de cocaína no mundo e as plantações ilícitas só aumentaram. É incrível que o presidente Duque esteja buscando fraudar a comunidade internacional e o sistema multilateral com as fraudes que ele próprio inventou. Ele poderia começar a cuidar, por exemplo, de seus próprios cidadãos, os colombianos, que pouco mais de cem dias depois de sua posse já o repudiam amplamente.

Você poderia cuidar, por exemplo, dos colombianos que vivem na Venezuela … Você sabia que aqui, no nosso país, recebemos cerca de seis milhões de irmãos e irmãs da Colômbia? Eles constituem 12% da população da Colômbia, mas vivem na Venezuela! E aqui lhes demos segurança, trabalho, alimentação, educação, atenção médica gratuita e, acima de tudo, paz, garantimos seu direito a uma vida digna. Nunca nos ocorreu pedir a alguém um centavo para atender aos milhões de irmãos colombianos, peruanos, equatorianos, chilenos, brasileiros, espanhóis, portugueses, italianos, libaneses que vieram para esta terra natal venezuelana. Aqui te damos as boas vindas de braços abertos.

Enfín, que toda essa brincadeira de “migração em massa” já caiu … Eles soltaram a máscara … E algo mais incomum aconteceu … Não me lembro o que aconteceu em outro lugar: em meados de 2018, eles começaram a produzir grandes concentrações dos nossos compatriotas nas portas de nossas embaixadas e consulados no Peru, Equador, Brasil, Colômbia, etc. Os compatriotas clamando para retornar à Venezuela. Farto de racismo, xenofobia, golpes, precarização, vida ruim, trabalho escravo …

Foi quando imaginamos o plano “Vuelta a la Patria” … Já existem mais de vinte mil venezuelanos que retornaram. E continuaremos a facilitar o retorno de todos aqueles que desejam fazê-lo. Aqui esperamos que vocês continuem juntos construindo nossa linda terra natal.

IR Vários governos latino-americanos, de esquerda e direita, foram recentemente acusados ​​de estar envolvidos em importantes esquemas de corrupção ligados, em particular, ao “caso da Odebrecht”. Qual seria, de acordo com você, o nível de corrupção na Venezuela? Que medidas o seu governo tomou para combater essa corrupção?

NM Escute bem o que eu digo, Ramonet: há, na história da Venezuela, um processo e um governo que lutaram corrupção no seu estado estrutural, de forma mais rigorosa do que a Revolução Bolivariana e os governos de Hugo Chávez e meu Estou ciente de que uma das frentes de ataque dos nossos inimigos contra nós, é para nos acusar de laxismo em matéria de corrupção. Isso é absolutamente falso.

Eu denuncio a corrupção em praticamente todos os meus discursos. Você me ouviu, não mais tarde do que ontem … Eu sou o primeiro a reconhecer que há muita corrupção, há muitos bandidos lá fora no público, roubar, fraudar e explorando as pessoas. I denunciaram a maior severidade de novo recentemente, em 20 de dezembro passado, o Congresso Bolivariano dos Povos, onde propus a criação de um plano para combater a corrupção e burocratismo. O que nunca havia sido feito na Venezuela.

Mas não são apenas palavras ou discursos, Ramonet. Temos empreendido uma cruzada contra a corrupção e indolência, com as ferramentas da justiça e do Estado. E temos conseguido que o procurador-geral [o procurador-geral do Estado ou da Nação] processados ​​e presos dezenas e dezenas de altos funcionários e altos representantes de empresas privadas que desonraram seu juramento de lealdade, honestidade e violado as leis de República Para citá-lo apenas o setor de petróleo, por exemplo, mais de quarenta gestores de topo da PDVSA e Citgo [Citgo Petroleum Corporation] estão na prisão por corrupção contra a República. E mesmo um ex-presidente da PDVSA é um fugitivo da justiça por atos muito sérios de corrupção.

Então duvido que exista um governo no mundo que enfrente a corrupção com maior energia e zelo do que estamos fazendo. Na verdade, até o ano de 2019, que definiu três linhas básicas de ação da revolução e do meu governo em seu novo começo. A saber. Em primeiro lugar, a preservação da paz na República, com a estrita observância carta constitucional, e salvaguardar a paz de espírito contra ameaças internas ou externas. Em segundo lugar, a consolidação do programa de recuperação económica para alcançar finalmente derrotar no primeiro semestre de 2019, a inflação induzida pelo criminoso e fortalecer o aparelho produtivo do nosso país.

E em terceiro lugar precisamente: uma luta incansável contra a indolência, negligência, preguiça, e especialmente a corrupção. Eu pedi todo o apoio nesta cruzada para o povo. E eu conto com seu encorajamento e sua colaboração para me acompanhar. Esta é uma causa eminentemente popular, profundamente apoiado pela população. As pessoas sabem que a corrupção é seu inimigo, um inimigo na sombra e um inimigo da revolução. Nós vamos erradicá-lo. O conseguiremos. Você será uma testemunha. Nós vamos derrotar a indolência dos funcionários que não cumpram. E vamos aprofundar a batalha contra a corrupção. Venha de onde você vem. Caia Quem cair.

IR Vamos agora abordar, finalmente, algumas questões internacionais.

Nos últimos seis anos, em vários países da América Latina, assistimos ao ressurgimento do direito neoliberal. Na sua opinião, esse boom das forças conservadoras – confirmado pela recente vitória de Jair Bolsonaro no Brasil – é uma tendência duradoura ou é apenas uma crise passageira?

NM Bem, a América Latina é um território disputado e, com base na Doutrina Monroe, retomada pela atual Administração dos EUA, nos últimos anos tem havido uma brutal ofensiva contra movimentos populares, contra lideranças alternativas que, a partir da década de 1990, eles confrontaram e desmantelaram o neoliberalismo na América Latina. Lembre-se, por exemplo, do presidente Lula da Silva do Brasil, da ex-presidente Cristina Fernández da Argentina, entre outros líderes. Houve uma perseguição contra esses líderes que promoveu o surgimento de governos e líderes muito à direita, ao extremo da direita.

Houve, é verdade, um ciclo regressivo de conquistas sociais, do progresso que havia sido feito com lideranças progressistas de grande diversidade. Nós sentimos isso não apenas no impacto dessas políticas sobre as pessoas, mas também nos processos de privatização. No Brasil, por exemplo, depois de ter derrubado Dilma Rousseff, o petróleo foi privatizado, serviços públicos, eletricidade, água etc. foram privatizados. Eles privatizaram tudo, de um dia para o outro. E agora, com a chegada ao poder em si -hoje 1 janeiro o governo de direita neofascista de Jair Bolsonaro, bem, praticamente eles entregam em uma bandeja de prata que significa Brasil na América do Sul, América Latina, as multinacionais norte-americanas. É realmente um triste processo de regressão.

IR Nessa mesma perspectiva, gostaria de lhe perguntar, após a recente presidência de Andrés Manuel López Obrador, no México, se também observa que existe a possibilidade de um retorno ao poder das forças populares na América Latina.

NM De fato, na perspectiva do que eu estava dizendo, devo acrescentar que todo processo de regressão impulsiona e estimula – sem querer – as forças internas que o combatem. De acordo com o princípio físico de ação versus reação. Portanto, notamos que, ao lado dessa grande regressão atual, em vários países hoje governados por equipes neoliberais, a capacidade de ação dos movimentos populares e sociais nos bairros, no campo e nas cidades está se fortalecendo. Movimentos urbanos dos sem-teto, movimentos camponeses dos sem-terra, movimentos estudantis, estudantes universitários, feministas, afrodescendentes, diversidade sexual, etc.

Há um ressurgimento poderoso que, para mim, me lembra o renascimento dos movimentos populares formidáveis ​​enfrentou Alca [Área de Livre Comércio das Américas] o Aqueles nos movimentos de resistência dos anos 1990 teve então não mais perspectiva de alcançar o poder político . Mas a Revolução Bolivariana surgiu na Venezuela. E então, essa vitória do comandante Hugo Chávez convenceu os movimentos de resistência contra a ALCA que a conquista do poder político era possível. Estivera na Venezuela em 1998, e depois no referendo constituinte do ano de 1999.

Essas duas vitórias nos deram um incentivo especial às lutas sociais na América Latina. E eles abriram o caminho para mais tarde triunfar governos eleitoralmente populares de Lula no Brasil, Nestor Kirchner na Argentina, Fernando Lugo no Paraguai, a Frente Ampla no Uruguai, Rafael Correa no Equador, Evo Morales, na Bolívia, a Frente Sandinista e comandante Daniel Ortega na Nicarágua, Michelle Bachelet, da Coalizão de partidos para a democracia no Chile, Manuel Zelaya, em Honduras, Salvador Sanchez Ceren e FMLN [Frente de Libertação Nacional Farabundo Marti] em El Salvador …

Tudo o que, digamos, o brilho das forças populares permitiu à América Latina e ao Caribe desempenhar, no início deste século XXI, um papel preponderante no cenário geopolítico da esquerda mundial. Hoje, paradoxalmente, a situação é semelhante. Houve alguns contratempos devido, às vezes, a ataques e golpes inclementes dos adversários do progresso e da justiça social. Mas as forças populares, em todo o nosso continente, estão novamente em ordem de batalha. E os novos êxitos eleitorais democráticos não serão demorados.

IR Recentemente, você fez duas visitas importantes a dois parceiros importantes na Venezuela. Um para Pequim em setembro; e o outro a Moscou em dezembro: que conclusões você tira dessas viagens à China e à Rússia, duas das principais superpotências mundiais e dois aliados firmes da Revolução Bolivariana?

NM Bem, desde o início de nossa Revolução, Comandante Hugo Chávez fez um esforço especial na construção de relações de respeito e amizade com todos os povos do mundo e em moldar o que chamou de “anéis aliança estratégica” para um planeta diferente daquele imposto pelos pólos imperiais. Então, com sua criatividade política prodigiosa, e em estreita cumplicidade com Fidel Castro, Chavez estava favorecendo a fundação da ALBA [Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América], Unasul [União das Nações Sul-Americanas], Petrocaribe, Telesur, a CELAC [ Comunidade de Estados da América Latina e do Caribe] … Realizar um amplo esforço de integração latino-americana.

A relação de Caracas com a China e a Rússia, dois gigantes econômicos e militares, também foi diretamente nutrida por Chávez e pelos líderes desses poderes até a situação atual.

Devo dizer que, com Pequim e Moscou, mais do que uma parceria, temos uma relação de verdadeira fraternidade entre nossos governos e nossos povos. O mesmo se aplica a outros estados nos mundos árabe, muçulmano, iraniano, africano e oriental.

Eu fui chanceler de Chávez por mais de seis anos e sou testemunha direta de seus esforços para construir um “mundo multipolar e pluricêntrico”. Nos momentos atuais, de brutal agressão do império norte-americano e seus satélites contra nós, percebemos os frutos das relações que Chávez soube tecer e elaborar.

Deixe-me lembrá-lo que, neste momento, Venezuela preside o NAM [Movimento dos Países Não-Alinhados], que é o agrupamento dos Estados mais importante do mundo, depois das Nações Unidas. Por outro lado, quando esta entrevista for publicada, isto é, em 1º de janeiro de 2019, estaremos assumindo a presidência da OPEP em Viena. Não é um capacete de alho. E em minhas recentes visitas à Rússia e à China, que você citou, levamos nossas relações econômicas, comerciais, políticas, militares e culturais ao mais alto nível possível com duas das principais superpotências do mundo.

A Turquia também se juntou a nós verdadeiros laços de amizade entre o governo do presidente Erdogan eo meu, e mesmo ‘I confesaré- há uma verdadeira amizade pessoal entre o líder turco e eu. Nunca antes a Venezuela teve uma troca econômica e comercial tão importante, tão diversa e tão favorável com uma grande potência histórica como a Turquia.

Hoje a Venezuela não está sozinha. Pelo contrário, a cada dia nossos agressores estão mais isolados. Enquanto nossas relações com o mundo inteiro são mais diversificadas e mais vigorosas.

IR Esta entrevista é publicada em 1 de janeiro de 2019, o dia em que se celebra o 60º aniversário do triunfo da Revolução Cubana. Que importância você acha que a revolução teve e tem na América Latina?

NM A Revolução Cubana marcou a segunda metade do século XX. Significa e significa uma referência fundamental para todos os povos que lutam pela liberdade, dignidade, soberania, justiça e socialismo. -As gerações de revolucionários mina sem dúvida, a juventude das décadas de 1960, 1970 e 1980 viu nas façanhas de Fidel, Raul, Camilo e Che, um farol que iluminou esperança no meio da longa noite neocolonial em que nosso continente americano foi afundado por mais de um século.

Esse pequeno país que se puseram contra o império mais brutal nunca conhecido na história, resistiu e continua a resistir contra a agressão de seu vizinho do norte e seus lacaios. Um país que transformou os sonhos em realidade da redenção, da igualdade, da solidariedade, da construção heróica do socialismo. Isso nos levou tantos jovens para a luta nas ruas com a esperança recuperada.

Uma revolução que defendeu e encorajou a unidade latino-americana, esse grande sonho de Simón Bolívar e José Martí. Sonho de unidade – sem nunca esquecer Porto Rico, ou as Malvinas – que as oligarquias genuflexivas do continente tanto temem. Um país que tem sido um exemplo de solidariedade internacional. Quantas vidas os médicos cubanos salvaram em todo o mundo?

Eu celebro este 60º aniversário da Revolução Cubana. E agradeço a vida por tantas manhãs que passei conversando com Fidel, ouvindo seu verbo cheio de sabedoria, reflexão, buscando a ideia que lhe permitisse agir. Sempre para fazer o bem. Agradeço a Hugo Chávez porque, juntamente com Fidel e Raúl, eles construíram um novo começo de dignidade para todo o nosso continente.

IR No dia 4 de dezembro, vinte anos da primeira vitória eleitoral do Comandante Hugo Chávez foi celebrada. E, para concluir, gostaria de lhe perguntar o seguinte: se hoje tive a oportunidade de conversar com Chávez sobre sua experiência de quase seis anos de governo, o que você diria?

NM Há tantas vezes, no meio da batalha, na reflexão ao amanhecer, depois da árdua jornada, que me fiz essa pergunta: “O que Chávez teria feito? »« Como eu teria resolvido esse ou aquele problema? »… Há tantas conversas íntimas, tantas memórias … Felizmente, e com certeza, Chávez estabeleceu conosco, com sua equipe próxima, um trabalho pedagógico permanente, um processo de formação sobre as imensas dificuldades existentes na construção de um processo. revolucionário: seus desafios, seus obstáculos, seus desafios, seus imprevistos … Os ataques, as ameaças, as traições … Que nos educaram, nos formaram, nos forjaram.

Chávez previu muitos dos eventos que estamos vivenciando atualmente. Ele nos colocou em guarda. As últimas preocupações que ele nos transmitiu giraram em torno do que ele previu que seria a “guerra econômica” – essa expressão é sua – que o inimigo empreenderia contra nós. Uma agressão de um novo tipo, com múltiplas frentes, contra o nosso povo. Ele estava profundamente preocupado que a produção de petróleo estava em declínio …

Assim, a imensa solidão que nos deixou por sua passagem para outro plano é de alguma forma compensada por tantos conselhos que ele nos deu. E isso nunca esquecemos. Tantos exemplos de firmeza e lealdade aos ideais bolivarianos. Essa “bela revolução” com a qual ele sonhava, com democracia e liberdade, para que o analfabetismo desaparecesse, as artes e a cultura se multiplicassem, haveria plena saúde, pleno emprego, paz, alegria, progresso, prosperidade e amor. Quando penso com quanta crueldade eles o atacaram por ter aquele lindo sonho … Como hoje me atacam, com ainda maior fúria, se possível, por querer a mesma coisa, querer fazer o bem e semear a felicidade …

É por isso que quase chamo Chávez diariamente. Eu preciso disso, eu exijo, eu exijo, e como nesse verso do poeta Miguel Hernández, eu digo: “Temos que falar sobre muitas coisas, companheira da alma, companheira”.

(Entrevista realizada em Caracas, no Palácio de Miraflores, em 27 de dezembro de 2018. As respostas foram relidas e modificadas pelo entrevistado.)

Categories: ·Venezuela, democracia, Entrevista, ignacio ramonet, nicolas maduro, Uncategorized | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: