Antidemocrático e odioso

Pode um presidente da República expressar publicamente suas opiniões políticas sobre temas polêmicos?   X

  

Pode e deve.

O que não pode é, a título de combater opositores, esgrimir raciocínios e expressões que ferem a memória nacional e reproduzem ideias e sentimentos dos mais primários a respeito da liberdade e dos Direitos Humanos.

Ao se comportar assim, mais do que o exercício da polêmica — que é admissível —, o presidente desrespeita a Constituição e macula a trajetória democrática do povo brasileiro.

É o que vem fazendo Jair Messias Bolsonaro, a propósito de temas vários que comparecem à sua agenda cotidiana, sobre os quais se pronuncia de maneira rasteira e odiosa.

Parece ser esta uma prática destinada a manter parcela expressiva da população brasileira sob a mais precária polarização ideológica, estendendo o que se produziu na última campanha eleitoral, tendo como alvo o Partido dos Trabalhadores, em particular, e as forças democráticas em seu conjunto.

O ambiente de desgaste e de descrença que predominava em outubro em relação à prática política, aos partidos e às instituições da República funcionou como caldo de cultura para a pregação extremada de Bolsonaro e seus apoiadores.

Agora não estamos mais em campanha eleitoral. E o que se espera, mesmo de um presidente assumidamente de extrema direita, é o mínimo de compostura no exercício do cargo.

As agressões verbais ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, e a tentativa de macular a memória do seu pai, Fernando Santa Cruz, que na ditadura militar foi sequestrado, preso e assassinado nos porões da tortura, expõem em toda a sua inteireza o caráter do cidadão que governa o país.

O doloroso e lamentável incidente emerge como mais um alerta à população brasileira e à opinião pública internacional acerca do risco de ruptura institucional plena.

Nessas circunstâncias, partidos políticos do campo democrático e segmentos diversos da sociedade devem concentrar esforços na defesa da democracia e do Estado de Direito, pedra de toque da resistência.

Essa postura, para além dos pronunciamentos públicos e das manifestações conjuntas destinadas a repercutir a opinião pública, há que permear o cotidiano da população.

Esclarecer, unir e mobilizar é dever inarredável é urgente.

 

 

Categories: Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: