Donald Trump: No estertor do império, o perigo do fascismo

Em Portland, nos EUA, um grupo de extrema-direita autodenominado proud boys (“rapazes orgulhosos”) fez uma marcha de apoio a Donald Trump, a que se opuseram grupos de extrema-esquerda organizados sob a sigla Antifa. A polícia fechou ruas e atacou com força, do que resultaram 13 detidos e 6 feridos, não sendo especificado de que lado estavam as vítimas. Por Henrique Custódio

 

 

Os grupos de extrema-esquerda classificaram a marcha do grupo proud boys como uma marcha de ódio e, surpreendentemente (ou talvez não), quem respondeu foi o próprio Presidente Trump. A dizer o quê?

A “avisar” os manifestantes da Antifa que “corriam o risco” de ser considerados uma “organização terrorista”…

O descaramento deste homem já ultrapassou todos os limites. Usando a presidência dos EUA em estilo declaradamente ditatorial – os anteriores presidentes já o haviam feito, mas este assume-o abertamente -, Trump não se contenta em comandar o vasto território do país, quer também dominar o mundo a que, se ainda não chamou de “espaço vital”, é apenas porque não lhe pareceu ter chegado o momento.

Os sinais vindos desta presidência dos EUA acumulam inquietações a cada dia que passa. O homem inventou e impôs uma imbecilidade como as fake news, o que desconjuntou a famosa “imprensa liberal” dos EUA e desorganizou a escala ética em uso na comunicação jornalística, já com contaminações internacionais.

Em suma, Trump quer impor a ideia de que nenhuma informação é fiável, a não ser a que lhe agrada ou ele produz. Isto é sombriamente decalcado do nazi-fascismo, onde a propaganda substituiu a Informação e esta foi manietada através da censura.

Ameaçar movimentos antifascistas com o rótulo de “terroristas” por se oporem a neonazis da “supremacia branca”, enquanto deixa florescer e marchar alegremente esses mesmos neonazis, é um comportamento demasiado parecido com as táticas hitlerianas de aterrorizar pela violência de Estado quem se lhes opusesse ou delas discordasse. E essa evidência não pode ser escamoteada ou diluída nas rotinas do quotidiano.

A guerra dos mercados é sempre rastilho para o deflagrar das guerras imperialistas e, desta vez, o protagonista da atual “guerra dos mercados” é o presidente Trump, no seu confronto com a China, precedido por ofensivas comerciais contra a União Europeia e o Japão. Lentamente, numa aparente aleatoriedade, a presidência Trump vai espalhando a desagregação do status quo capitalista, rompendo compromissos comerciais ou iniciando conflitos com a União Europeia e o Japão, acusando os velhos parceiros de estarem a “explorar” os EUA e, cereja no topo do bolo, lançando uma escalada conflitual com o seu grande adversário econômico, a China.

No estertor do império norte-americano, surge este homem perigoso.

Anúncios
Categories: Uncategorized | Etiquetas: , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: