Ao vivo: Cuba apresenta na ONU projeto de resolução contra o bloqueio dos Estados Unidos (II)

Em 7 de novembro, pela vigésima oitava ocasião consecutiva, o projeto de resolução para pôr fim ao bloqueio dos Estados Unidos contra Cuba será submetido à consideração das Nações Unidas

«A Malásia reitera seu apoio à Assembleia Geral que votou a favor da resolução e nos opomos a qualquer tipo de bloqueio que contrarie os princípios da Carta das Nações Unidas».

Também pediu a ambas as partes resolverem as diferenças que as separam e eliminarem as medidas coercitivas dos EUA.

O Uruguai, por sua vez, entende que o bloqueio imposto a Cuba é contrário ao direito internacional e aos princípios da Carta das Nações Unidas. Não reconhece a aplicação extraterritorial de medidas contra Estados soberanos.

«Reiteramos a oposição ao bloqueio, que representa uma violação dos direitos e uma agressão contra o povo cubano e seus direitos. Também lamentamos o esfriamento da restauração das relações entre Cuba e os Estados Unidos e instamos ambas as partes a trabalharem para a solução dos problemas pendentes que foi possível há muito tempo, o que mostra que isso pode ser feito».

A Argentina assina totalmente a intervenção do Grupo dos 77 e a China.

A Argentina reitera sua posição de que o bloqueio deve ser encerrado, por ser contrário ao Direito Internacional, à não intervenção nos assuntos internos e à Carta das Nações Unidas.

O representante da delegação explicou que seu país sempre se pronunciou contra a aplicação de medidas extraterritoriais. A aprovação da nova resolução pela maioria reafirma a necessidade de encerrar o bloqueio.

A explicação dos votos é feita.

12h05 Iniciou o processo de votação do projeto de resolução: Necessidade de pôr fim ao bloqueio econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América contra Cuba.Resultado da votação: a favor 187; contra 3; abstenção 2Contra: Israel, Estados Unidos e Brasil .Abstenções: Colômbia e UcrâniaA Costa Rica votará a favor da resolução.República da Finlândia, em nome da União Europeia, toma a palavra.

12: 00 Começam as explicações da votação

O ministro das Relações Exteriores de Cuba falou.

Bruno Rodríguez: «O governo dos Estados Unidos é responsável».

Bruno Rodríguez, ministro das Relações Exteriores de Cuba, fala nas Nações Unidas sobre como nos últimos meses o governo Trump empreendeu uma escalada para que o combustível não chegasse a Cuba. Seu objetivo é prejudicar a economia e, ao mesmo tempo, o bem-estar da família cubana. «Os Estados Unidos são responsáveis mesmo», acrescentou.

As remessas foram restringidas, a concessão de vistos foi reduzida, os navios de cruzeiro e os voos diretos para Cuba foram proibidos, os contratos esportivos foram cancelados, as atividades de promoção comercial cessaram. «O governo dos Estados Unidos é responsável mesmo», disse Rodríguez.

Com uma campanha de calúnia, políticos e autoridades norte-americanas difamam o programa médico cubano que presta apoio a outros países. A embaixadora dos EUA manipula grosseiramente a Declaração Universal dos Direitos Humanos», disse.

O ministro das Relações Exteriores de Cuba explicou que não há uma família cubana que não sofra as consequências do bloqueio. As crianças doentes não têm acesso a equipamentos médicos produzidos por empresas norte-americanas. O bloqueio impede o acesso a novos medicamentos para o tratamento do câncer produzido pelas empresas norte-americanas. «O governo dos EUA é responsável mesmo».

Alguém pode acreditar que o governo dos EUA quer apoiar Cuba? A delegação dos Estados Unidos deve explicar neste cenário as medidas que impõe às transações cubanas.

O modelo cubano bem-sucedido e eficaz garante aos cubanos igualdade de oportunidades e justiça social, apesar da hostilidade e das sanções. O governo dos EUA não tem autoridade moral para falar sobre direitos humanos.

O chanceler cubano disse que nos Estados Unidos existem 2,3 milhões de pessoas privadas de liberdade e em um ano são realizadas 10,5 milhões de apreensões. Devido à falta de tratamento adequado, 231 pessoas morrem de câncer. Separam famílias, detêm pais e filhos nas fronteiras e expulsam migrantes. Mantêm ilegal e indefinidamente pessoas na base naval ilegal de Guantánamo. Mais de meio milhão de cidadãos dormem nas ruas. Existem 28,5 milhões de cidadãos sem seguro médico e milhões de pessoas com renda mais baixa serão privadas das medidas anunciadas.

A igualdade de oportunidades nos Estados Unidos é uma quimera. As mulheres ganham aproximadamente 85% do que os homens ganham; há queixas generalizadas de assédio sexual. Existe um padrão racial diferenciado nas prisões.

O representante da República de Trinidad e Tobago falou.

Trinidad e Tobago iniciou sua intervenção lembrando quando em 2015 uma nova fase começou com a aprovação da agenda de desenvolvimento sustentável com o objetivo claro de não deixar ninguém para trás. Apesar disso, o bloqueio continua dificultando que Cuba aproveite seu potencial de desenvolvimento.

«Aplicações extraterritoriais de leis unilaterais minaram esse acordo e a oposição a essa política é virtualmente universal», disse.

É lamentável que mais restrições tenham sido impostas pela Lei Helms-Burton e a delegação de Trinidad e Tobago apoie constantemente os esforços internacionais para promover um diálogo que permita eliminar o bloqueio contra Cuba, disse.

«Nosso governo está comprometido com a Carta das Nações Unidas e com os princípios de autodeterminação e soberania das nações, e reitera seu apelo incessante para eliminar o bloqueio contra Cuba e apoiará novamente o projeto de resolução»

A representação da República da Zâmbia intervém

A Zâmbia iniciou sua intervenção recordando seu apoio a Cuba ao longo dos anos e expressando preocupação com o bloqueio que dura quase seis décadas.

O representante destacou que essa medida unilateral causou milhões de perdas à Ilha, o que frustra as tentativas do país de cumprir a agenda de desenvolvimento sustentável.

O governo da Zâmbia continua a insistir na solidariedade com Cuba, pedindo a revogação da Lei Helms-Burton e se une à reivindicação internacional para eliminar o bloqueio.

O representante da República Islâmica do Irã falou: «Os Estados Unidos são um parceiro não confiável».

O representante da República Islâmica do Irã iniciou seu discurso explicando como as medidas de um único país representam uma ameaça ao multilateralismo e à soberania das nações.

Falou sobre as ações desumanas que representam o bloqueio como o sistema mais injusto e desumano contra qualquer país e como essa política genocida aumentou no último ano.

Também explicou que o Irã, tal como Cuba, paga pelo preço de sua resistência e independência fora dos interesses expansionistas dos Estados Unidos.

O governo dos EUA quer mostrar que está preocupado com o povo iraniano, mas toma decisões que prejudicam os iranianos.

«Os Estados Unidos são um parceiro não confiável. As sanções permanecem ilegais e o mundo deve encontrar soluções para lidar com medidas unilaterais», disse.

O representante do Estado Plurinacional da Bolívia falou: «Não votamos apenas contra o bloqueio econômico, comercial e financeiro, votamos a favor da esperança da maravilhosa possibilidade de tornar nosso mundo mais justo».

O representante do Estado Plurinacional da Bolívia expressou que o bloqueio econômico comercial e financeiro contra Cuba é uma das medidas que recebe mais atenção das Nações Unidas.

«O bloqueio contra Cuba é ilegal, injusto e imoral e viola os princípios da Carta das Nações Unidas», afirmou.

Também observou que sabe que a sessão da Assembleia é vista pelos cubanos e enviou uma mensagem de solidariedade ao povo da Ilha.

E acrescentou que o bloqueio é real e afeta todas as áreas do desenvolvimento social e econômico cubano.

Também enfatizou que a sessão também é uma gratidão a Cuba pela solidariedade demonstrada a todos os povos do mundo com a cooperação internacionalista.

Lembrando as palavras de Nelson Mandela, o funcionário destacou que a África é grata ao povo cubano por seu apoio aos países desse continente.

«Os cubanos compartilham o pouco que têm e o fazem desinteressadamente», disse.

Além disso, aproveitou sua intervenção para falar sobre outras questões de impacto global, onde os princípios da Carta das Nações Unidas e do Direito Internacional também são violados.

Não votamos apenas contra o bloqueio, mas a favor da esperança.

A Bolívia se junta à voz do mundo. Pede, reivindica e exige que o bloqueio seja levantado.

O representante dos Estados Unidos falou.

Os Estados Unidos não se responsabilizam pelos danos causados ​​pelo bloqueio a Cuba

Durante o segundo dia de debates sobre a apresentação da resolução de Cuba sobre os efeitos do bloqueio dos EUA na sociedade cubana, a representante do governo dos EUA tomou a palavra.

Durante sua intervenção, a funcionária concentrou-se no não reconhecimento dos efeitos nocivos que as restrições econômicas, comerciais e financeiras de seu governo têm sobre o povo de Cuba, embora reconhecesse que com certeza, pela vigésima oitava vez, os países membros das Nações Unidas vão se pronunciar a favor da resolução cubana.

Em exercício da mesma soberania que eles estão tentando transbordar em Cuba, seu representante disse que os Estados Unidos «decidem com quem negociam» e chamou a plateia a perguntar se faz bem em apoiar a proposta cubana, levando em conta as constantes acusações do governo dos EUA sobre como os direitos humanos são supostamente «violados» na Ilha.

Como parte de seu discurso, a autoridade citou vários artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, referindo-se especificamente àqueles que resumem o direito à liberdade de expressão, o direito ao emprego e a proibição do serviço forçado.

Seu roteiro, repetitivo até a exaustão, assumiu como exemplos de violações acerca das quais «o embargo não tem nada a ver» com as supostas prisões de jornalistas e ativistas, embora não reconhecesse que os Estados Unidos tenham um plano…

Da mesma forma, ela disse várias vezes que «seu embargo não força» o governo cubano a enviar milhares de médicos de Cuba para «serem submetidos a serviços forçados».

«Os médicos são forçados a trabalhar fora, com um salário miserável. Nosso embargo não força a escravizar os médicos», disse, para reforçar essa acusação, já repetidamente negada pelo governo cubano e pelos próprios médicos cubanos através de suas contas em redes sociais e outros espaços.

Ela também mentiu quando declarou que o direito ao trabalho é restrito em Cuba, pois ignora que se exerce o trabalho privado.

Também acusou Cuba de limitar a liberdade de informação: ativistas silenciados – declarou – e com meios controlados pelo Estado e onde o único partido legal é o comunista.

Em meio às acusações, também enfatizou sua nova linha de ataque: Cuba colabora com o regime de Maduro e contribui para a instabilidade regional. «Seus líderes nunca serão responsabilizados», diz a representante da nação do mundo que mais conflitos armados motivou de maneira pública e oculta.

Intervenção de Jorge Arreaza, ministro do Poder Popular para as Relações Exteriores da Venezuela.

O ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza, falou em nome de seu país, expressando a importância que o presidente Nicolás Maduro coloca na votação contra o bloqueio criminal dos EUA contra Cuba.

O representante da delegação venezuelana disse que a situação atual é uma ameaça ao multilateralismo e ao direito internacional e transmitiu seus respeitos a Bruno Rodríguez, ministro das Relações Exteriores de Cuba e sua delegação.

«Nenhuma sanção no mundo pode impedir que nossas nações continuem trabalhando juntas, aqui estamos nós para vocês», disse.

Da mesma forma, lembrou que o povo cubano está determinado a exercer seu direito à autodeterminação e que nenhuma medida coercitiva pode fazê-lo renunciar a esse direito.

A chamada repetida foi ignorada por quem viola o direito internacional com impunidade. «A Venezuela exige que cessem as sanções e o terrorismo econômico contra Cuba e a Venezuela», acrescentou.

O bloqueio é uma punição coletiva que emana dos caprichos, do orgulho e dos que acreditam ser superiores e donos do mundo. «Cuba mostrou que eles não são e terão que compensar o povo por suas medidas brutais», disse.

Também observou que o bloqueio não é apenas emblemático por seu caráter genocida, mas porque Cuba demonstrou um exemplo de resistência que, após cinco décadas, ainda defende sua autodeterminação.

O bloqueio, exacerbado pelo atual governo dos EUA, causa milhões de perdas para a Ilha. O impacto extraterritorial da política arbitrária também afeta países que tentam manter relações bilaterais com Cuba. «O governo dos Estados Unidos não tem autoridade sobre a soberania de outros Estados», ressaltou.

Apesar das dificuldades econômicas, Cuba sempre prestou cooperação solidária a outros países do mundo. «O bloqueio é uma política obsoleta através da qual se pretendia isolar Cuba, claramente, que essa política falhou», disse.

«Hoje, por exemplo, Washington pretende reviver a Doutrina Monroe a partir da qual a região da América Latina é concebida como seu quintal, e nós não somos e nunca seremos esse quintal. Somos, com Cuba na vanguarda, uma área de paz e nosso objetivo é a União Bolivariana«, acrescentou.

«Espero que a elite corporativa norte-americana retifique algum dia, mostre o multilateralismo e levante essas medidas coercitivas que afetam um terço da humanidade. Até que isso aconteça, cabe à ONU interromper as imposições dos Estados Unidos. Nesta tarefa, a resolução que hoje nos convoca é fundamental», acrescentou.

Arreaza disse que da Venezuela exigimos que todas as instâncias da ONU assumam maior coragem e rigor, proponham e tomem ações e decisões concretas para impedir essas políticas desumanas que constituem uma agressão e uma afronta às Nações Unidas.

Como disse o Apóstolo cubano José Martí, «Fazer é a melhor maneira de dizer”. A Venezuela reitera mais uma vez que votará a favor da resolução», concluiu.

Nós, cubanas e cubanos, estaríamos ansiosos pelo dia em que falar sobre o bloqueio a Cuba faça parte do passado, de um passado marcado por ameaças e crueldade, pela imposição de uma política tão absurda e ilegal quanto desumana, porque pretender fazer render pela fome e a privação. material um povo inteiro por mais de 55 anos, nunca poderia caber na cabeça daqueles que professam qualquer sentimento humano ou o menor senso comum.
Mais de cinco gerações de crianças desta Ilha nasceram sob as consequências dessa política arbitrária imposta pelos Estados Unidos. Talvez porque tenhamos crescido com esse flagelo como se fosse um «pecado original», às vezes nem todos estão plenamente conscientes de quão injusto e ilegal é.
O presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermúdez, na entrevista que deu à televisão regional Telesur, transmitida em 16 de setembro, foi enfático ao definir o bloqueio como «uma prática brutal, que procura condenar nosso povo a morrer de necessidades e viola as leis territoriais e impõe normas nas relações do mundo com Cuba».
Em 7 de novembro, pela vigésima oitava ocasião consecutiva, as Nações Unidas votarão o projeto de resolução contra o bloqueio: «Necessidade de pôr fim ao embargo econômico, comercial e financeiro imposto pelos Estados Unidos da América contra Cuba».

O que é o bloqueio?

EM PERGUNTAS E RESPOSTAS
1-Por que o bloqueio representa uma violação da legalidade internacional?
Alexander Pankin, representante da Federação Russa nas Nações Unidas: «A Rússia sempre simpatizou com o povo de Cuba e pede que o bloqueio que vai contra a carta das Nações Unidas seja imediatamente suspenso, pois constitui uma interferência nos assuntos internos de um Estado».
Bashar Jafari, representante da República Árabe da Síria: «Isso é uma violação do direito ao desenvolvimento. Hoje estamos 11 a anos da meta de 2030 e ninguém pode argumentar que o bloqueio não impede o desenvolvimento social dos Estados».
Nagaraj Naidu, representante da Índia: «Há poucas dúvidas de que a existência do bloqueio, que contraria a opinião mundial, mina os próprios fundamentos das Nações Unidas. Demonstramos solidariedade com o apelo desta organização».
Valentin Rybakov, embaixador permanente da Bielorrússia na ONU: «A Bielorrússia entende que qualquer medida unilateral e coercitiva é uma violação grave do Direito Internacional e dos pilares das relações entre os Estados».
2-Por que o bloqueio afeta outros países?
Nguyen Phuong Nga, representante do Vietnã: «Chamamos o governo dos EUA a inverter sua política em Cuba, em favor das relações entre os dois países e o bem-estar e a segurança do mundo».
Juan Ramón de la Fuente, representante permanente do México junto à Organização das Nações Unidas: «O interesse dos EUA de ativar a aplicação do título III da lei Helms-Burton não afeta apenas a Ilha, mas também países terceiros».
Dr. Riyad H. Mansour, embaixador da Palestina nas Nações Unidas, em nome do Grupo dos 77 + China: «A urgência deste apelo não é apenas para Cuba, mas para o benefício que traria para a comunidade internacional».
3-Por que é uma violação dos direitos humanos?
Yashar Aliyev, representante permanente do Azerbaijão: «O bloqueio contra a Ilha maior das Antilhas, mantido por quase 60 anos, é um exemplo do efeito adverso dessas medidas no bem-estar do povo, violando seus direitos humanos, incluindo o direito ao desenvolvimento».
Macharia Kamau, representante do Quênia nas Nações Unidas: «As sanções impostas unilateralmente pelo governo dos EUA contra Cuba, e que parecem ser perenes e gerais, são um claro abuso dos direitos humanos».
4-Por que o mundo vota a favor de Cuba?
Keisha McGuire, embaixador de Granada nas Nações Unidas: «Cuba foi um dos primeiros países a ajudar o povo das Bahamas imediatamente após o furacão Dorian, que devastou partes do país em setembro com consequências devastadoras, incluindo perda de vidas».
Jerry Matjila, representante da África do Sul: «Cuba fez um grande sacrifício pela libertação da África do Sul, muitos cubanos deram suas vidas por uma África do Sul livre e democrática», disse o diplomata.
Inga Rhonda King, representante de São Vicente e Granadinas perante a ONU: «Cuba é um exemplo de solidariedade, muitos de nossos estados usaram a ajuda de Cuba. Em São Vicente e Granadinas tiveram um impacto esses programas e sempre seremos gratos ao povo cubano».

Neville Melvin, representante da Namíbia, reiterou no início de seu discurso que, tal como nos anos anteriores, seu país é contra o bloqueio contra Cuba.

«Tristemente, em vez de avançar para acabar com o sofrimento do povo cubano, vemos como, infelizmente, foram dados vários passos para trás», ressaltou.

«Expressamos nossa decepção com as novas medidas tomadas e instamos os Estados Unidos a eliminar essas restrições», acrescentou.

Melvin disse que, para seu país, o povo da Ilha é familiar e que, como muitas nações presentes no cenário internacional, nunca poupou esforços para contribuir para o bem-estar de muitas outras nações.

«Em defesa do Direito Internacional e da Carta das Nações Unidas, nossa delegação votará a favor da resolução e insta as outras delegações a fazer o mesmo», concluiu.

10: 00 Início da Assembleia Geral das Nações Unidas

Photo: Jorge Oller

Dez frases de Fidel sobre o bloqueio

O comandante-em-chefe, Fidel Castro Ruz, referiu-se inúmeras vezes ao bloqueio comercial, econômico e financeiro imposto por quase seis décadas pelos Estados Unidos a Cuba.

1. «É verdade que ainda estamos sob o bloqueio imperialista. É verdade que os imperialistas tentam fortalecer esse bloqueio e que não sabemos quanto tempo teremos para resistir a essa situação. E nós vamos resistir! Porque nossa bandeira revolucionária nunca se dobrará! Porque a frente alta desta nação nunca se dobrará! Porque enfrentaremos os riscos necessários pelo tempo que for necessário! Enfrentaremos os sacrifícios necessários, pelo tempo que for necessário. Porque assumimos todas as responsabilidades de nossa conduta, de nossa história, de nossa Revolução». (Discurso de 28 de setembro de 1963 pelo terceiro aniversário dos Comitês de Defesa da Revolução -CDRs).

2. «Dar duro aos ianques na agricultura é derrotar a arma principal, ou uma das principais armas que eles têm usado contra a nossa Revolução, que é a arma do bloqueio econômico, isto é, a arma da fome». (Encerramento do 3º Congresso Nacional da ANAP, no Instituto Tecnológico Rubén Martínez Villena, 18 de maio de 1967).

3. «Seu bloqueio econômico e suas agressões contra nós estão desacreditadas, são insustentáveis ​​no mundo. Eles não têm um meio moral de defender essa política contra nós… O bloqueio é mantido. O imoral dessa política dos Estados Unidos é que pretende usar o bloqueio como arma de negociação conosco». (Conclusões no Segundo Período Ordinário de Sessões da ANPP, em 24 de dezembro de 1977).

4. «Como pode o governo imperialista que mantém uma base militar pela força em nosso território e sujeita nosso povo a um bloqueio econômico criminal, falar sobre direitos humanos?… Estamos dispostos a resistir com dignidade e abnegadamente os anos em que o bloqueio imperialista se mantiver. Se outros se comprometerem, se outros se deixarem subornar, se outros traírem, Cuba saberá ficar como exemplo de uma Revolução que não desiste, que não se vende, que não se rende, que não se ajoelha »(Discurso proferido em 26 de julho de 1978).

5. «O bloqueio é mais do que proibir a venda de mercadorias dos Estados Unidos, impedir a compra ou venda nos Estados Unidos; é uma pressão feroz e uma perseguição feroz para impedir que façamos operações comerciais de qualquer tipo e todo esse imenso poder hoje ele está focado no nosso país». (Discurso proferido na reunião com os Pastores pela Paz, 27 de novembro de 1992).

6. «O bloqueio não é apenas a proibição de qualquer crédito, de qualquer mecanismo financeiro. O bloqueio não é apenas o fechamento total das atividades econômicas, comerciais e financeiras dos Estados Unidos, a nação mais rica do mundo, a nação mais poderosa do mundo em termos econômicos e militares, a apenas 150 milhas de nossas costas, mas a alguns centímetros de nossas costas, no território ocupado da Base Naval de Guantánamo… Para nós, a questão da cessação do bloqueio em troca de concessões políticas, concessões que correspondem à soberania de nosso país, é inaceitável. É absolutamente inaceitável, é ultrajante, é irritante e, na verdade, preferimos perecer antes de renunciar à nossa soberania». (Discurso de encerramento do Encontro Mundial de Solidariedade com Cuba, em 25 de novembro de 1994).

7. «Os governos dos Estados Unidos nos deram a chance de lutar ao máximo, bloqueando-nos, constantemente assediando e excluindo a nós mesmos de tudo, felizes por sermos excluídos em troca da liberdade de falar sem compromisso em qualquer tribuna do mundo onde há tantas causas para se defender» (Discurso proferido na Aula Magna da Universidade Central da Venezuela).

8. «Mesmo em um período especial, sob o bloqueio, hostilidade e ameaças do império mais poderoso que já existiu, nosso povo projeta e constrói a sociedade mais justa e humana conhecida até hoje. Estamos plenamente conscientes disso». (Discurso na comemoração central do 40º aniversário da União dos Jovens Comunistas, 4 de abril de 2002).

9. «A primeira coisa que os líderes da Revolução Cubana aprenderam com Martí foi acreditar e agir em nome de uma organização fundada para realizar uma Revolução… Nenhum outro país pequeno e bloqueado como o nosso teria sido capaz de resistir tanto tempo, baseado na ambição, vaidade, engano ou abuso da autoridade, um poder como o do seu vizinho.

Afirmar isso constitui um insulto à inteligência de nosso povo heróico. ”(Texto: A política cínica do império publicado em 25 de maio de 2008).

10. «A ONU não pode existir sem a presença dos povos que exigem a cessação do bloqueio. Aquela instituição, nascida quando a grande maioria nem sequer era independente, para que serve sem nós? Que direito nos ajuda, se não podemos sequer exigir que o bloqueio imposto contra um pequeno país cesse? De uma forma ou de outra, ficamos subordinados aos interesses dos Estados Unidos e da OTAN, uma organização militar que gasta mais de um milhão de dólares por ano em guerras e armas, o que seria mais do que suficiente para levar o essencial a todos os povos do mundo. ”(Texto: O levante da ONU (SEGUNDA E ÚLTIMA PARTE) publicado em 1 de novembro de 2010).

Categories: "para Cuba Eu até ando de bicicleta, # Cuba, #ONU, CubavsBloqueo, ONU-CUBA, Secretaria-Geral da ONU, Stéphane Dujarric, Uncategorized | Etiquetas: , , , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: