Dia da Independência de Angola em debate hoje no Brasil

Manuel Albano | São Paulo

Uma “roda de conversa” sobre a Independência de Angola realiza-se, hoje, às 19h30 (23h30 em Angola), no edifício Martinelli, no centro de São Paulo, Brasil, alusiva aos 44 anos da Dipanda, inseridos na programação do intercâmbio cultural entre grupos angolanos e brasileiros.

Promovido no âmbito da cooperação entre a Associação angolana Globo Dikulu e o projecto brasileiro Raízes, a ideia é procurar partilhar experiências no domínio socio-cultural e político do país. No encontro, vão ser abordados temas sobre os acontecimentos militares e políticos que ocorreram no país, assim como o contributo da música para o alcance da Independência Nacional.

De acordo com Isidro Sanene, mentor do projecto cultural Raízes, foi preparado “um vasto programa de actividades envolvendo várias manifestações artísticas e culturais para saudar o 11 de Novembro”.
Um seminário sobre dança tradicional africana denominado “Onjango” realizou-se, na tarde de ontem, na Casa de Cultura Chico Science, com a participação do grupo Bisma das Acácias, de Benguela.
Também, ontem, foi promovido um encontro, no centro cultural Santo Amaro, com a participação de jovens intelectuais africanos de Moçambique, Nigéria e Angola, no qual se abordou o contributo das artes e dos criadores no desenvolvimento das nações.

Feira Afro
A Feira Afro encerrada, na sexta-feira, no edifício Martinelli, em São Paulo, iniciativa do Sindicato dos Bancários do Brasil, despertou interesse pela produção literária angolana, num evento em que o destaque nacional foi o livro “Vozes na Sanzala”, de Uanhenga Xitu.
A feira, que teve como objectivo estimular a atenção pelos livros angolanos, afrodescendentes e brasileiros, ajudou a despertar nos leitores a necessidade de uma maior valorização e promoção das obras e dos autores africanos, mostrando a diversidade de textos dos afrodescendentes e das suas culturas. Para os organizadores, os objectivos foram cumpridos, por durante os três dias da feira, terem sido discutidos o actual estado da “cultura negra” e o futuro no contexto actual. Para os organizadores, os debates foram essenciais por ajudarem a fortalecer o país na defesa do exercício democrático e de inclusão social.

Categories: Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: