Exército dos EUA golpistas treinados na Bolívia

La Paz, 21 de novembro (Prensa Latina) Vários dos indicados hoje como os principais conspiradores do golpe de estado executado contra o presidente constitucional da Bolívia, Evo Morales, foram treinados pelo Exército dos Estados Unidos por meio de diferentes programas.

Os detalhes vieram à tona em um artigo publicado no site digital da Zona Cinzenta e que complementa os relatórios aqui revelados sobre a responsabilidade de Washington no golpe de 10 de novembro, o que forçou a renúncia do primeiro presidente indígena do país. Andino-Amazônia.

De acordo com o material jornalístico, a cúpula das forças armadas e policiais bolivianas passou pela Escola das Américas, conhecida desde 2001 como Instituto do Hemisfério Ocidental para Cooperação em Segurança.

Aqueles que apoiaram o golpe de estado, afirma o texto, participaram de um “programa de intercâmbio policial” chamado Apala, destinado a “construir relações entre as autoridades americanas e os oficiais desses órgãos nos estados latino-americanos”.

Apesar de sua influência, ou talvez por isso, o programa mantém pouca presença do público, observou o relatório.

O papel dos militares e policiais treinados por Washington foi essencial para precipitar a chamada mudança de regime no país, disse o artigo de Jeb Sprague, intitulado Coup Dome na Bolívia, que foi treinado pelos EUA. nos cursos da Escola das Américas e do FBI.

Ele considerou que a conspiração do golpe não poderia ter sido bem-sucedida sem a aprovação daqueles comandantes militares e policiais, muitos dos quais “foram preparados e educados para a insurreição”.

Áudios filtrados mostram que a coordenação secreta foi realizada entre os atuais e ex-líderes da polícia, o exército e a oposição para causar o golpe, disse o material.

Antes da renúncia de Evo, o comandante das forças armadas bolivianas, Williams Kaliman, “sugeriu” a renúncia do presidente e antes que os setores policiais já tivessem se amotinado, ele argumentou.

Embora Kaliman pareça ter fingido lealdade a Morales ao longo dos anos, ele não foi apenas um ator no golpe, mas ele tem sua própria história em Washington, onde serviu por um curto período como adido militar da embaixada boliviana na capital. Americano, lembrou a Zona Cinzenta.

Kaliman era um “aluno” da Escola das Américas em 2003. Apenas 72 horas após o golpe de estado, ele recebeu sua recompensa: um milhão de dólares e foi morar nos Estados Unidos.

Para os historiadores, nada é casual. A antiga Escola das Américas – localizada em Fort Benning, Geórgia – tem o antecedente de ter sido o berço de golpistas da região da América Latina durante as décadas de 1960, 1970 e 1980.

asg / dfm

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: