OPERAÇÃO CONDOR 2.0: APÓS O SOPRO NA BOLÍVIA, EUA PONTOS PARA NICARÁGUA E MÉXICO

Depois de presidir o golpe na Bolívia, os Estados Unidos declararam a Nicarágua uma “ameaça à segurança nacional” anunciando novas sanções, enquanto Trump designou os cartéis de drogas no México como “terroristas” sem descartar a intervenção militar.

Aparentemente, um golpe de sucesso contra um presidente socialista eleito democraticamente não é suficiente.

Mike Pompeo, Donald Trump e Mike Pence posam para as câmeras da autora da Casa Branca (Foto: Departamento de Estado) Mision Verdad.

Imediatamente após supervisionar um golpe de extrema direita na Bolívia em 10 de novembro, o governo Trump mais uma vez observa a Nicarágua, cujo governo sandinista (eleito democraticamente) derrotou uma violenta tentativa de golpe em 2018.

Washington designou a Nicarágua como uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos e anunciou que expandirá suas sanções sufocantes contra a pequena nação centro-americana.

Trump também aumenta a temperatura no México, ligando o país sem base ao terrorismo, sugerindo até uma potencial intervenção militar. Esses movimentos se manifestam depois que o presidente Andrés Manuel López Obrador adverte sobre tentativas de golpe de Estado à direita.

Como Colômbia, Brasil, Chile e Equador (aliados de Washington), eles estão desesperados para derrotar as revoltas populares em massa contra as políticas de austeridade neoliberal e a enorme lacuna de desigualdade; os Estados Unidos aumentam as agressões contra governos progressistas ainda em andamento. pé

Esses movimentos levaram as forças de esquerda da América Latina a alertar sobre o ressurgimento de uma operação Condor do século XXI: a violenta e velada campanha da Guerra Fria, com o apoio dos Estados Unidos em toda a região.

A ADMINISTRAÇÃO TRUMP DECLARA A NICARÁGUA UMA “AMEAÇA À SUA SEGURANÇA NACIONAL”
Um dia após o golpe na Bolívia, a Casa Branca emitiu uma declaração aplaudindo o golpe militar e deixando claro quais são os dois países que vêm a seguir na lista de alvos de Washington: “Esses eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos de Venezuela e Nicarágua “, disse Trump.

Em 25 de novembro, a Casa Branca de Trump publicou discretamente uma declaração caracterizando a Nicarágua como “uma ameaça incomum e extraordinária à segurança nacional e à política externa dos Estados Unidos”.

Isso amplia a ordem executiva assinada por Trump em 2018, declarando o país da América Central “estado de emergência” por mais um ano.

A declaração de Trump de 2018 veio após uma tentativa de golpe fracassada e violenta na Nicarágua. O governo dos Estados Unidos financiou e apoiou muitos dos grupos de oposição que tentavam derrubar Daniel Ortega, o presidente eleito da Nicarágua, e os tomou enquanto tentavam derrubá-lo.

Após a designação de ameaça à segurança nacional de 2018, então, e rapidamente, a guerra econômica se seguiu. Em dezembro daquele ano, o Congresso dos EUA aprovou a Lei NICA sem qualquer oposição. Essa legislação deu a Trump a autoridade de impor sanções à Nicarágua, proibindo instituições financeiras internacionais de fazer negócios com Manágua.

A nova declaração de Trump lança propaganda bizarra contra a Nicarágua, referindo-se ao seu governo eleito – que há décadas está sujeito a ataques de Washington – como um alegado “regime” violento e corrupto.

Essa ordem executiva é semelhante à assinada pelo então presidente Barack Obama em 2015, que também designou a Venezuela como uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos.

Ambas as ordens foram usadas para justificar a imposição unilateral de sanções econômicas sufocantes. E a renovação da ordem abre caminho para uma escalada no ataque econômico contra a Nicarágua.

A mídia corporativa em inglês deu pouca cobertura a essa extensão, mas a mídia de direita em espanhol na América Latina a ampliou bastante.

E ativistas da oposição intensificam alegremente a guerra híbrida de Washington contra Manágua.

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Bolívia, #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #COLOMBIA#MéxicoCarlos MesaComandante Che GuevaraCompañía Minera Huanchaca, #Daniel Ortega Saavedra, #Nicaragua, #USAID, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Nicaragua, #Trump, #Venezuela, #Nicaragua, @Trump, AMLO, Andrés Manuel López Obrador, estados unidos, México, zona franca, Andrés Manuel López Obrador, Bolivia, estados unidos, Evo Morales, Grupo de Lima, Luis Almagro, Mexico, Nicolás Maduro, Red Europea de Solidaridad con la Revolución Bolivariana, venezuela, bolivia, BOLIVIA Evo Morales Fidel Castro Hugo Chávez, Cuba, Venezuela y Nicaragua, CUBA-BOLÍVIA, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Uncategorized | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: