Cuba: o país que há mais tempo recebe a maior quantidade de ataques terroristas.

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Raúl Antonio Capote | internacionales@granma.cu

Fidel abraça Carlos Alberto Cremata, filho de uma das vítimas do ato terrorista que abateu um avião em pleno vôo na costa de Barbados, matando 73 pessoas. Foto: Cortesia de Carlos Alberto Cremata.

Em 11 de setembro de 2001, uma notícia ganhou as manchetes da mídia mundial: “America Under Attack”. Imagens das Torres Gêmeas em Nova York envoltas em nuvens de fumaça e poeira tornaram-se símbolos de “uma nova era”.

Mais de 3.000 pessoas foram sacrificadas no World Trade Center, um ícone das finanças e dos negócios. O fato, infelizmente, serviu como falcões de guerra brandindo seus sabres e semeando medo e morte nos “cantos escuros do mundo”.

Como disse o ex-diretor da CIA, general David Petraeus: “A luta contra o terrorismo durará gerações.”

As mesmas pessoas que durante anos patrocinaram o terrorismo como política de Estado no confronto com os países progressistas, com movimentos e lideranças de esquerda no mundo, proclamaram-se, naquele nono mês de 2001, “porta-estandartes” da luta contra aquele flagelo da humanidade.

Mas esse mês tem sua história e os cubanos, vítimas dessa política do governo ianque, lembram outro setembro e outros crimes.

Em 11 de setembro de 1980, Félix García Rodríguez, diplomata da Missão Cubana na ONU, nos Estados Unidos, dirigia em seu carro pelas ruas de Nova York. Ele estava se encontrando com amigos no Queens quando, parado em um sinal vermelho, foi baleado várias vezes por uma pistola Mac-10 com silenciador. O crime foi atribuído a ele pela organização contra-revolucionária Omega-7.

Naquele dia, Félix havia lembrado, junto com vários colegas chilenos, a resistência do presidente Salvador Allende ao golpe de Estado perpetrado por Augusto Pinochet.

O golpe, realizado em 11 de setembro, sete anos antes do assassinato do diplomata cubano, foi preparado e realizado por militares e políticos conspiratórios, sob o comando da CIA, como parte da estratégia de terrorismo de Estado do governo dos Estados Unidos. .US contra a América Latina.

Também em setembro, mas em 1997, um jovem turista italiano morreu quando explodiu uma bomba que Luis Posada Carriles mandou colocar no hotel Copacabana, em Havana.

Como resultado de 681 ações terroristas comprovadas e documentadas contra Cuba, 3.478 mulheres, homens e crianças morreram. Outros 2.099 foram desativados. Nosso país tem toda a moral do mundo para denunciar o governo dos Estados Unidos. uu como responsável por esses atos.

As explosões na Embaixada de nosso país em Washington, no dia 30 de abril, e o silêncio que se seguiu, nada mais são do que a confirmação da validade dessa política que parece não ter fim. É a prova da hipocrisia crônica daqueles que se autodenominavam, em 2001, inimigos jurados do terrorismo.

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, Acciones contra Cuba, fake news, Contrarrevolucion, EUA avalia retornar a Cuba para lista de estados patrocinadores do terrorismo, EUA contra a América Latina, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, sonhos de Fidel, TERRORISMO VS CUBA | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: