Namibe: Estradas de Moçâmedes e Tômbwa são melhoradas

João Luhaco | Moçâmedes

As estradas dos bairros 5 de Abril, Juventude, Saco Mar, Valódia, Saidy Mingas II, no casco urbano de Moçâmedes e outras do município do Tômbwa, província do Namibe, serão reabilitadas, nos próximos dias, cujas empreitadas estão avaliadas em 8 mil milhões de kwanzas, apurou o Jornal de Angola.

Para o efeito, o Governo Provincial do Namibe lançou um concurso público para a execução dos trabalhos de resselagem dessas estradas das cidades de Moçamedes e do Tômbwa, depois de a autorização das referidas obras terem sido publicadas em Diário da República, no final do passado mês. Os munícipes de Moçâmedes reagiram de forma positiva ao anúncio da reabilitação das estradas da cidade.

O citadino José Silas, disse que a renovação e construção de novos arruamentos na zona periférica vai ajudar na melhoria da imagem da urbanização. “Já aguardávamos, há bastante tempo, esta intervenção porque muitas dessas estradas foram feitas no tempo colonial e nunca foram reabilitadas. Por exemplo, é só ver o muro da Fortaleza, aquilo está a desabar e a tapar a estrada.

De facto, precisava mesmo uma lufada de ar fresco, pois as estradas desta cidade estão mesmo muito degradadas e a urbe não tem uma boa aparência física”, disse. Já o estudante Adalberto Jorge, considerou a medida como um passo importante para a melhoria da circulação de pessoas e bens. “É uma mais valia, porque as nossas estradas carecem de uma reabilitação, existem troços esburacados e tornam-se um transtorno para o trânsito e para os cidadãos”.

Para o administrador municipal do Tômbwa, Alexandre Niyuka, o projecto de reabilitação das estradas, vai tornar o município num cartão de visitas, assim como dinamizar a actividade económica.  “Hoje, é fácil compreendermos o estado de degradação que as estradas estão voltadas. Por isso, vai devolver a esta linda cidade a sua beleza, bem como facilitar a mobilidade das populações. É sem duvidas uma alegria muito grande para todos nós”, considerou.

Jornal de Angola

Angola e Namíbia partilham projecto hidroeléctrico

José Meireles

Angola e a Namíbia vão partilhar, em breve, uma central hidroelécrica com uma potência de 600 Mega Watt, no trecho internacional fronteiriço no rio Cunene, a cerca de 48 quilómetros à jusante das quedas de Epupa, avaliada em 1,3 mil milhões de dólares.

O Aproveitamento Hidroeléctrico de Baynes vai gerar 600 mega watt para os dois países
Fotografia: DR

A implantar no desfiladeiro de Baynes, durante sete anos, a sua localização é resultado de uma série de estudos de viabilidade técnico-económica e de impacto ambiental, que se iniciaram a partir de 1990 com a criação da Comissão Técnica Permanente Conjunta (CTPC) Angola/Namíbia. 

Segundo um documento do Ministério da Energia e Águas, a que o Jornal de Angola teve acesso, o estudo foi realizado pelo Consórcio Cunene (CC), formado pelas empresas brasileiras Odebrecht, Engevix, Eletrobrás e Furnas e decorrem acções com vista ao seu lançamento oficial em 2022. 

O Aproveitamento Hidroeléctrico de Baynes será constituído por uma barragem de enrocamento, com face de betão, uma unidade de aproveitamento composta por um canal de adução, tomadas de águas, condutas forçadas, central eléctrica e cabal de fuga, situada na margem esquerda do rio no lado da Namíbia. 

A Albufeira será construída de modo a atingir um nível máximo correspondente à cota de 580 metros, com uma área de alargamento equivalente a 58,15 km2 no nível pleno de armazenamento. A central de geração, com 5 turbinas do tipo Francis, de eixo vertical, terá uma potência total de 600 MW, potência média de 184 MW, geração média anual de 1650 GWh, eficiência turbina/gerador de 92,5% e um caudal ecológico mínimo de 50 metros cúbicos por segundo. 

Para permitir a construção da barragem, o rio será desviado através de um único túnel na margem esquerda, escavado na rocha e contornando a área de construção que será protegida por duas ensacadeiras à montante e à jusante do local.

As informações sobre o grau de implementação e execução das acções do projecto Baynes, foram dadas a conhecer durante o terceiro conselho consultivo do Ministério da Energia e Águas, realizado no final do passado mês de Setembro, presidido pelo titular da pasta João Baptista Borges.

Águas para todos

Z implementação das acções do “Programa Água para Todos”, durante o ano passado, esteve aquém dos objectivos gerais por causa da situação e conjuntura económica menos favorável que o país atravessa, revelou fonte do MINEA. 

O ano 2019 foi um período com resultados melhores, comparando com 2018, mas esteve aquém das expectativas no que respeita a sua implementação, tendo neste período registado a nível dos municípios do país, cerca de 80% das acções, contra os 55% verificados no ano anterior.

Em 2019, de acordo com a fonte do Jornal de Angola, foram concluídas obras que permitiram servir 125.070 habitantes, em resultado da construção de 79 pontos de água e 57 pequenos sistemas de abastecimento, conduzindo a uma taxa de cobertura de 70,27% (aumento de 1,5% face ao ano de 2018).
O “Programa Água para Todos” é destinado às zonas rurais do país.

Jornal de Angola

Covid-19 faz mais quatro mortos no país e total sobe para 189

Xavier António

Morreram ontem no país mais quatro pessoas devido à Covid-19, dos quais dois na província de Luanda e igual número na Huíla, sendo um homem e três mulheres, elevando o total de óbitos para 189, desde Março último.

Secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda.
Fotografia: Vigas da Purificação| Edições Novembro

Nas últimas 24 horas, foram também notificados 97 novos casos positivos, sendo 91 em Luanda, dois em Benguela e igual número nas províncias do Cuanza-Sul e Huíla, perfazendo um total de 5.211 infecções até à data. A informação foi avançada pelo secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, no habitual encontro com os jornalistas para apresentação dos dados da pandemia.

Na capital do país, disse, as localidades mais afectadas são a Ingombota, Maianga, Talatona, Kilamba Kiaxi, Cacuaco, Viana, Belas, Samba, Sambizanga, Cazenga e Rangel. Na ocasião, o governante destacou igualmente a recuperação de 133 pessoas, das quais 99 em Luanda, 27 no Zaire, cinco em Cabinda, uma em Benguela e igual número na Lunda-Sul, totalizando 2.215 recuperados.

Há ainda 2.807 casos activos, destes, 15 estão em estado crítico com ventilação mecânica invasiva, 13 graves, 50 moderados, 125 leves e 2.604 assintomáticos. Nos centros de tratamento de Covid-19 estão internados 480 doentes a nível nacional. Nas últimas 24 horas, informou, os laboratórios processaram 2.370 amostras, elevando o cumulativo, até à data, para mais de 95 mil amostras, das quais 5.211 positivas. Ainda ontem, foram dadas 85 altas na quarentena institucional, sendo 79 em Cabinda, cinco no Uíje e uma em Benguela.

Franco Mufinda referiu que o Centro Integrado de Segurança Pública (CISP), recebeu 173 chamadas, todas relacionadas com pedidos de informação sobre a Covid-19. A Equipa de Saúde Mental e Intervenção Psico-social atendeu 208 pessoas, sendo 72 utentes e 136 técnicos de Saúde. 

As províncias reportaram actividades relacionadas à colheita e envio de amostras, assim como a realização de palestras de educação para a saúde. Foi ainda feita a desinfecção de locais públicos, vigilância epidemiológica e formação dos técnicos de saúde em matéria de gestão de casos.

Professores das províncias são testados hoje no INE-Marista

Os professores das outras províncias que se encontram retidos em Luanda, por força das medidas de prevenção e combate à pandemia no país, são testados hoje, no recinto do Instituto Médio Normal de Educação (IMNE – Marista), localizado no Largo das Escolas.

O secretário de Estado lembrou que o teste será rápido e serológico, sendo que os professores devem fazer-se acompanhar do passe de serviço como prova para a realização do teste. Durante o encontro, Franco Mufinda reafirmou também a continuidade da testagem aos camionistas na Escola Nacional de Saúde Pública, localizada no Morro Bento.

Jornal de Angola

O candidato à vacina Sovereign 01 Avança

Por: Yaima Puig Meneses

O presidente cubano Miguel Díaz-Canel com o diretor geral do Finlay Vaccine Institute, Dr. Vicente Vérez Bencomo: Foto: Estudios Revolución

O Presidente da República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, visitou o Finlay Vaccine Institute na tarde desta sexta-feira, onde recebeu uma atualização sobre os ensaios clínicos de Soberana 01, a primeira vacina candidata cubana contra COVID-19.

O Dr. Vicente Vérez Bencomo, líder deste esperançoso projecto de investigação e director geral desta prestigiada instituição científica, garantiu que se avançam no ensaio clínico das duas primeiras formulações da vacina, que já têm a segunda dose aplicada e apresentam um grande segurança.

O trabalho da nossa equipa não para -afirmou- e surgem constantemente evidências científicas que são avaliadas com atenção.

Com base em resultados internacionais recentes de diferentes ensaios clínicos, uma diferença muito grande foi observada entre a resposta em animais e em humanos, o que nos levou a desenhar várias formulações da vacina para poder avaliar sua resposta imune e decidir qual será a ótimo para usar, detalhado.

Durante o encontro, Vérez Bencomo comentou os avanços obtidos em animais com a aplicação da vacina candidata Soberana 2, o que nos permitirá solicitar ao Órgão Regulador de Medicamentos, Equipamentos e Dispositivos Médicos (CECMED) que inicie seus ensaios clínicos durante o mês de outubro.

O pesquisador afirmou que a equipe de trabalho aspira avançar nos estudos sobre a resposta imunológica antes do final deste ano e mantém o propósito de começar a vacinar a população cubana durante o primeiro semestre de 2021.

Referindo-se à segurança de nossas vacinas candidatas, ele ressaltou que elas se baseiam em plataformas de tecnologia de vacinas já existentes e testadas em milhões de doses.

Depois de aplicar a segunda dose do Soberana 01 em 40 voluntários, destacou, “os resultados confirmam que os efeitos adversos são mínimos”.

Como parte do intercâmbio, Eulogio Pimentel Vázquez, diretor geral do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB), fez referência a outras vacinas candidatas que se desenvolvem naquela distinta instituição da ciência cubana.

O presidente Díaz-Canel qualificou de “muito animador” o que se conseguiu até agora nesses projetos de vida que, embora requeiram tempo para sua consolidação, ratificam as contribuições da ciência cubana para o enfrentamento da COVID-19. no país.

No encontro, Vérez Bencomo comentou os avanços obtidos em animais com a aplicação da vacina candidata Soberana 2. Foto: Estudios Revolución
O presidente Díaz-Canel descreveu os resultados obtidos até agora com esses projetos como “muito encorajadores”. Foto: Revolution Studios
El Presidente de la República, Miguel Díaz-Canel Bermúdez, visitó en la tarde de este viernes el Instituto Finlay de Vacunas Foto: Estudios Revolución.
Dr. Vicente Vérez Bencomo, líder deste promissor projeto de pesquisa e Diretor Geral do Finlay Vaccine Institute. Foto: Estudos da Revolução.

(Retirado da presidência cubana)

%d bloggers like this: