A presença .

#Che #FielesANuestraHistoria #EternoGuerrillero #MiHistoriaCrecera #OctubreDeHistoria #TenemosMemoria #ProhibidoOlvidar #SomosContinuidad #VamosPorMas #AquiNoSeRindeNadie

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Yeilén Delgado Calvo | nacionales@granma.cu

Existem mortes que não são verdadeiras. Existem aqueles que saem desse vazio para sempre, mais vivos. Basta olhar para a última foto de Che, a do corpo rígido e vibrante, para confirmar em seus olhos o mistério de uma essência entre nós.

«É um rosto sereno, sério e belo, emoldurado pelos abundantes cabelos e barba com que costumavam ser representados os profetas e os santos, o daquele herói da América, do mundo, que aí jaz. Parece que, mesmo morto, aquela presença deslumbrante os queima, “Roberto Fernández Retamar, que admirava Guevara com a lucidez de um poeta e revolucionário, descreveu a cena.

Trabalho Eles ainda são sonhos. Ilustração: Dausell Valdés.

Suas palavras registram a ressurreição da guerrilha, impensável para os assassinos; ao matá-lo, promoveram uma lenda com raízes tão reais que ainda hoje o temem:

Esse herói seria capaz de sacudir a Terra. Até os inimigos se curvaram diante de tamanha grandeza. Mesmo os de coração duro e temperamental sentiam que ainda havia lágrimas em suas almas. Se alguns não foram capazes, mesmo assim, de ver e compreender, é porque nunca serão capazes de ver ou compreender. Eles se transformaram em estátuas de sal, e a história implacável os esmigalha como pó.

Assim ele caminha, com o escudo no braço, Che, Guevara, San Ernesto de la Higuera …, desmoronando em poses de sobrevivência. No julgamento de seu pensamento agudo, de avaliações sóbrias e retumbantes, conformistas ou simuladores não podem escapar. A utopia que serve para continuar caminhando torna-se perigosamente próxima se ele a encorajar.

Che confunde os servos do dinheiro que, apesar de tantas tentativas, não conseguem adoçar seu nome ou transformá-lo em uma simples metáfora da rebelião juvenil que a idade cura, em um souvenir lavado com implicações comunistas.

Haydée Santamaría, convencida de que “uma bala não pode acabar com o infinito”, explicou como poucos este fenômeno de eternidade que não empalidece, em uma carta ao seu amigo morto e presente:

«Este grande povo não sabia que graus Fidel lhe daria. Ele os colocou: artista. Pensei que todos os graus fossem poucos, rapazes, e Fidel, como sempre, encontrou os verdadeiros: tudo que vocês criaram foi perfeito, mas vocês fizeram uma criação única, vocês se fizeram, vocês demonstraram como esse homem novo é possível, todos veríamos para que esse homem novo seja uma realidade, porque ele existe, é você ».

Guevara deslumbra porque estremece e, acima de tudo, desafia sua capacidade de derrubar os acomodados sentidos comuns. Ele não pediu nada que não fosse capaz de fazer e fazer. Assim ele vence o tempo e alerta os inocentes, assim ele renasce até a vitória, sempre.

115 milhões de pessoas podem cair na pobreza extrema devido à pandemia.

#PobrezaMundial #AmericaLaina #Epidemia #Covid-19 #Politica #EconomiaMundial #BancoMundial

Retirado do teleSUR .

Segundo o relatório do Banco Mundial na América Latina, cerca de 28,6 milhões de pessoas podem ser encontradas na pobreza extrema.

Las previsiones del Banco Mundial han ido empeorando a medida que avanza la pandemia del coronavirus.

Cerca de 115 milhões de pessoas podem se encontrar na pobreza extrema em 2020 devido à crise induzida pela Covid-19.

“Em 2020, projeta-se que a pobreza extrema global aumente pela primeira vez em mais de 20 anos, como resultado dos choques causados ​​pela pandemia Covid-19”, alertou o Banco Mundial na quarta-feira.

No relatório Pobreza e Prosperidade Compartilhada 2020, o BM indicou que o aumento nas perspectivas se deve principalmente aos sérios desafios – conflitos e mudanças climáticas, além da pandemia – enfrentados por todos os países, mas particularmente aqueles com uma grande população pobre.

As previsões do órgão financeiro têm piorado à medida que a pandemia avança e sua duração se estende.

Em maio, no pior cenário delineado, os economistas do Banco Mundial previram que 60 milhões de pessoas poderiam cair na pobreza extrema; Já em agosto, a previsão mais pessimista elevou para 100 milhões o número de pessoas que entrariam na pobreza.

Se as piores previsões se confirmarem, em 2021 quase 150 milhões de pessoas em todo o mundo podem cair na pobreza extrema.

Segundo o relatório do Banco Mundial na América Latina, região onde vivem mais de 650 milhões de pessoas, a taxa de pobreza extrema passaria de 3,9% em 2017 para 4,4 no final deste ano, atingindo a cifra de 28,6 milhões de pessoas.

Isso implica, se a previsão se confirmar, que a crise teria empurrado 4,7 milhões de latino-americanos para a pobreza extrema em 2020.

Críticas e reprovações mútuas marcam o primeiro debate vice-presidencial entre Pence e Harris.

#ForaTrump #DonaldTrumpCulpable #EleccionesEEUU #TrumpOut2020 #BloqueoNoSolidaridadSi #SaludMundial #EEUUBloquea #NoMoreTrump #JoeBiden

Grupo Puebla denuncia campanha contra o programa Mais Médicos.

#MedicosCubanos #Brasil #EstadosUnidos #EEUUBloquea #CubaSalva #BloqueoContraCuba #AquiNoSeRindeNadie #ManipulacionMediatica #YoSigoAMiPresidente #VamosPorMas #FakeNewsCuba #TenemosMemoria #NoMasBloqueo #EBloqueoEsReal

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Redacción Internacional | internacionales@granma.cu

O Grupo Puebla denunciou nesta quarta-feira, por meio de documento, que a investigação do programa Mais Médicos, da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), promovido pelo governo Donald Trump e pelo governo de Jair Bolsonaro, tem uma motivação clara político-eleitoral.

Médicos cubanos continúan misión solidaria en Islas Turcas y Caicos |  Ministerio de Relaciones Exteriores de Cuba

O texto amplia que esta investigação visa atacar os governos do Partido dos Trabalhadores no Brasil e o Governo de Cuba, para beneficiar o candidato do Partido Republicano dos Estados Unidos e interferir nas eleições municipais brasileiras; ao mesmo tempo, prejudica todos os países da região ao bloquear a ação da OPAS.

A carta lembra que o programa Mais Médicos prestou atendimento básico a cerca de 63 milhões de brasileiros, excluídos dos serviços essenciais de saúde pública.

Da mesma forma, ressalta que a exclusão dos médicos cubanos deste essencial programa de saúde no gigante sul-americano deixou cerca de 30 milhões de brasileiros sem assistência médica, fragilizando a população e aquele Sistema Público de Saúde no cenário da pandemia de COVID. 19

Quanto à legalidade do programa, o Grupo esclarece que o Mais Médicos foi aprovado pelo Congresso Nacional do Brasil na sua criação em 2013 e na sua extensão em 2016; Foi amplamente analisado por um órgão de controle e fiscalização e considerado constitucional pelo Supremo Tribunal Federal em 2017; Obedeceu a todas as normas legais da Organização Mundial de Saúde e do Sistema das Nações Unidas. Além disso, a oferta de tais serviços médicos internacionais prestados por Cuba está em conformidade com o Acordo Geral sobre Comércio de Serviços da Organização Mundial do Comércio.

O documento, assinado pelos ex-presidentes Dilma Rousseff, Luiz Inácio Lula da Silva, Fernando Lugo e Rafael Correa, entre outras personalidades, destaca como a cooperação de Cuba com os países da região tem contribuído para a melhoria dos sistemas públicos de saúde do país. região e o cumprimento das metas de saúde das Américas, as Metas do Milênio e as Metas de Desenvolvimento Sustentável.

Da mesma forma, esta aliança formada por lideranças progressistas confirmou seu apoio à campanha internacional para que as missões médicas cubanas recebam o Prêmio Nobel da Paz, destacando que salvaram e salvam milhares de vidas a cada ano, especialmente nos países. mais pobres e privados de serviços públicos de saúde.

O Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez Parrilla, agradeceu, por meio de sua conta no Twitter, a defesa do Grupo Puebla.

Cuba na geopolítica imperial.

#Cuba #HistoriaDeCuba #RevolicionCubana #EstadosUnidos #Panama #OEA #CIA #AmericaLatina #CubaNoEsMiami #YoSigoAMiPresidente #AquiNoSeRindeNadie #VamosPorMas

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Jorge Casals Llano | internet@granma.cu

Embora a geopolítica como disciplina tenha nascido apenas no final do século XIX e início do século XX na Europa, desde “as cruzadas” primeiro e com “as descobertas” e a conquista posterior, o capitalismo e os reinos europeus se expandiram, assumindo cada vez mais territórios que arrebataram, com sangue e fogo, em nome de Deus, os povos que neles viviam.

Seguindo o mesmo curso, mas desta vez por razões puramente “religiosas”, os peregrinos chegaram no Mayflower ao que viria a ser a Virgínia no Anno Domini de 1620, como atesta a história da nação que assim nasceu. Dez anos depois, um missionário afirmaria que “por um desígnio especial do céu”, “se os nativos agissem injustamente”, os recém-chegados teriam o “direito de guerrear legalmente com eles e subjugá-los”.

Então, os grandes proprietários, donos de escravos e traficantes, deram a si próprios uma Constituição que criaria uma república, um governo e instituições capazes de servir aos que detinham a riqueza; que cresceu roubando e massacrando populações indígenas e escravizando-as sob o pretexto de um modelo de democracia que adotou um nome que traía explicitamente seu destino: Estados Unidos da América. Em 1845, o “mandato divino” – já recebido do Mayflower – incluiria a ideia de Destino Manifesto para o país nascido em 1787, que não incluía entre seus cidadãos índios, escravos, pobres ou mulheres, e arrogou o direito, e até mesmo a obrigação, de se expandir para levar liberdade e progresso a todo o continente, como afirmava então um colunista de uma revista nova-iorquina, de ser transformado em símbolo e repetido geração após geração, até hoje. dias.

E ao sul do continente, o mar do Caribe, cujo controle garantia a segurança e a possibilidade de conexão com o mundo, e nele seu mare nostrum, Cuba, localizado na entrada do Golfo. E embora os conceitos de geoestratégia e geoeconomia também não tivessem sido formulados, e John Quincy Adams os entendesse, ele metaforicamente escreveu sobre “a fruta madura” e, sem metáfora, afirmou que: “Não há território estrangeiro que possa ser comparado aos Estados Unidos. como a ilha de Cuba … (que) quase à vista de nossas costas, adquiriu uma importância transcendental para os interesses políticos e comerciais de nossa união.

Quando em 1823 a Doutrina Monroe (América para os americanos) foi anunciada pelo agora quinto presidente da nação, e nela se estabeleceu a intenção dos Estados Unidos de não tolerar a intervenção europeia no continente, ao norte do Américas, uma república imperial com sua consequente presidência imperial; alguns anos depois, também a ditadura dos dois partidos que se alternariam no poder.

No final do século 19, os EUA intervieram na guerra hispano-cubana e a transformaram no que Lenin chamou de “a primeira guerra imperialista”. A intervenção na guerra, adequadamente rebatizada de hispano-americana, justificada por meio do engano e da manipulação da explosão do encouraçado norte-americano Maine, abriria as portas para a expansão imperial para além do continente.

O cientista político Zbigniew Brzezinski caracterizou esta disputa como: «… a primeira guerra de conquista dos Estados Unidos fora do seu território … Os Estados Unidos reivindicam um estatuto especial de único guardião da segurança do continente americano – anteriormente proclamado por a Doutrina Monroe e posteriormente justificada pelo suposto “destino manifesto” americano – tornou-se mais firme após a construção do Canal do Panamá … ”. Apenas Brzezinski percebeu que a construção do canal foi possibilitada pela independência do Panamá da Colômbia, muito “conveniente” para os Estados Unidos.

Depois da guerra – só possível devido à participação decisiva dos Mambises – foram criadas as condições para o império, por meio da Emenda Platt, inaugurar as medidas que mais tarde foram chamadas de neocolonialismo, aplicadas com a política do Grande Garrote, de Theodoro Roosevelt, e sua emenda à doutrina Monroe, o chamado “corolário” segundo o qual, se um país latino-americano-caribenho ameaçar ou colocar em perigo os direitos ou propriedades de cidadãos ou empresas norte-americanas, o governo deve intervir para restaurar os direitos de seus Cidadãos “americanos”. Para atingir o mesmo objetivo, com outros meios, outro Roosevelt (Franklin Delano) aplicaria a política da Boa Vizinhança, já na segunda década do século.

Assim, independentemente da cor do partido que governou os Estados Unidos (sete republicanos e três democratas de 1898 a 1958), seus representantes e embaixadores, atuando como procônsules, mantiveram Cuba sujeita ao império: 25 anos com três intervenções militar (1898-1902, 1906-1907, 1917-1923); uma Constituição (1901), mutilada por uma emenda; curtos períodos de democracia formal em que se impôs a participação do povo até a construção de uma Constituição progressista (1940), e ferozes ditaduras como as de Gerardo Machado (1924-1932) e Fulgencio Batista (1952-1958); que, protegido pelos EUA, massacrou o povo quando era necessário “restaurar a ordem” imperial, e a todo o tempo com uma corrupção generalizada que permeava o país e suas instituições, embora sem conseguir subjugar o povo e sua rebelião.


Com a derrubada da ditadura em 1959, a Cuba independente iniciaria a Revolução na mare nostrum de um império sólido. No que se refere à América Latina e Caribe, sempre considerada seu quintal, os Estados Unidos haviam assegurado desde a guerra fria, com a Doutrina Truman e o macarthismo, mecanismos e instituições que garantiam o controle absoluto da região: o Conselho Interamericano de Defesa ( JID), o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) e a Organização dos Estados Americanos (OEA), a notória Escola das Américas (desde 1946), especializada no treinamento de militares latino-americanos em técnicas que incluíam tortura e, para claro, também a CIA.

A Revolução Cubana triunfa naquilo que o império considerava seu hemisfério, feito pelas costas, sem consentimento, em um país cuja principal riqueza era propriedade de empresas estadunidenses, de eletricidade e telefonia a hotéis, empresas açucareiras, bancos e refinarias de petróleo, onde experimentavam tudo o que mais tarde aplicariam no mundo, onde iam beber se houvesse “lei seca” em seu país, jogar se o jogo fosse proibido, ter suas esposas abortadas, passar fins de semana longe de olhares indiscretos em clínicas, hotéis ou bordéis de luxo; onde os fuzileiros navais desembarcaram para pisotear a dignidade dos cubanos e cubanos.

A partir de 1959, a política dos Estados Unidos contra Cuba intensificou sua trajetória hostil, para além da cor do partido que governou “o gigante das sete ligas” e, durante o mandato dos 12 presidentes imperiais, a partir do 1º . De janeiro até hoje, cinco democratas (Kennedy, Johnson, Carter, Clinton e Obama) e sete republicanos (Eisenhower, Nixon, Ford, Reagan, Bush – pai e filho – e Trump) foram planejados e executados, por seus governos ou por os pistoleiros sob sua proteção, 681 ações terroristas, incluindo a invasão de Playa Girón, a explosão do avião de Cubana em Barbados e até o ataque à nossa embaixada em Washington, com um custo de 3.478 mortes e 2.099 Desativado.

Os republicanos iniciaram, a partir de março de 1959, as operações encobertas e, com base na antiga Lei do Comércio com o inimigo (data de 6 de outubro de 1917), iniciaram, com fúria e perversidade, o bloqueio econômico, comercial e financeiro que a cada ano todos os presidentes americanos sejam reativados. Da mesma forma, orquestraram campanhas para estreitar as relações com Cuba, que incluíam, desde a invenção de uma base de submarinos nucleares soviéticos na baía de Cienfuegos, até “ataques sônicos” a seus funcionários; financiaram, incentivaram ou permitiram que organizações terroristas agissem contra Cuba, como a criada em 1981 pela CIA, a Fundação Nacional Cubano-Americana; assinou uma Lei pela Democracia em Cuba, a Lei Torricelli, proposta por dois democratas, que evidencia a política de Estado, e não partidária, de relações, até que o atual presidente, Donald Trump, exacerbou os conflitos e multiplicou o uso de chantagem política contra parceiros, amigos ou adversários.

Os democratas, por sua vez, executaram os planos de invasão de Eisenhower por Cuba, que culminaram com a derrota dos mercenários em Playa Girón; iniciaram oficialmente o bloqueio econômico com a ordem executiva nº 3447; alimentaram as tensões que provocaram a chamada Crise de Outubro, que colocou o mundo à beira da guerra nuclear; fizeram a OEA aprovar uma resolução sobre o rompimento das relações diplomáticas com Cuba; Provocaram as ondas migratórias de Camarioca e Mariel, e até assinaram o que, por proposta dos republicanos, se chamou Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática com Cuba, conhecida como Helms-Burton, que reiterou o caráter estatal da política em relação o Maior das Antilhas. E embora Obama em 2016 pedisse para deixar o passado e “olhar para o futuro”, ele não poderia esconder, disfarçadamente, o objetivo de seu governo: conseguir a tão almejada “mudança de regime”, que já havia explicado à contra-revolução cubana em Miami: “É hora de o dinheiro cubano-americano tornar suas famílias menos dependentes do regime de Castro.”

Independentemente de quem seja o presidente dos Estados Unidos nas eleições de novembro, uma coisa fica clara: a solução para o conflito Cuba-Estados Unidos. Só será possível quando o império reconhecer que nossa Ilha é uma nação livre, soberana e independente.

%d bloggers like this: