Cuba na geopolítica imperial.

Retirado do Jornal Granma .

Autor: Jorge Casals Llano | internet@granma.cu

Embora a geopolítica como disciplina tenha nascido apenas no final do século XIX e início do século XX na Europa, desde “as cruzadas” primeiro e com “as descobertas” e a conquista posterior, o capitalismo e os reinos europeus se expandiram, assumindo cada vez mais territórios que arrebataram, com sangue e fogo, em nome de Deus, os povos que neles viviam.

Seguindo o mesmo curso, mas desta vez por razões puramente “religiosas”, os peregrinos chegaram no Mayflower ao que viria a ser a Virgínia no Anno Domini de 1620, como atesta a história da nação que assim nasceu. Dez anos depois, um missionário afirmaria que “por um desígnio especial do céu”, “se os nativos agissem injustamente”, os recém-chegados teriam o “direito de guerrear legalmente com eles e subjugá-los”.

Então, os grandes proprietários, donos de escravos e traficantes, deram a si próprios uma Constituição que criaria uma república, um governo e instituições capazes de servir aos que detinham a riqueza; que cresceu roubando e massacrando populações indígenas e escravizando-as sob o pretexto de um modelo de democracia que adotou um nome que traía explicitamente seu destino: Estados Unidos da América. Em 1845, o “mandato divino” – já recebido do Mayflower – incluiria a ideia de Destino Manifesto para o país nascido em 1787, que não incluía entre seus cidadãos índios, escravos, pobres ou mulheres, e arrogou o direito, e até mesmo a obrigação, de se expandir para levar liberdade e progresso a todo o continente, como afirmava então um colunista de uma revista nova-iorquina, de ser transformado em símbolo e repetido geração após geração, até hoje. dias.

E ao sul do continente, o mar do Caribe, cujo controle garantia a segurança e a possibilidade de conexão com o mundo, e nele seu mare nostrum, Cuba, localizado na entrada do Golfo. E embora os conceitos de geoestratégia e geoeconomia também não tivessem sido formulados, e John Quincy Adams os entendesse, ele metaforicamente escreveu sobre “a fruta madura” e, sem metáfora, afirmou que: “Não há território estrangeiro que possa ser comparado aos Estados Unidos. como a ilha de Cuba … (que) quase à vista de nossas costas, adquiriu uma importância transcendental para os interesses políticos e comerciais de nossa união.

Quando em 1823 a Doutrina Monroe (América para os americanos) foi anunciada pelo agora quinto presidente da nação, e nela se estabeleceu a intenção dos Estados Unidos de não tolerar a intervenção europeia no continente, ao norte do Américas, uma república imperial com sua consequente presidência imperial; alguns anos depois, também a ditadura dos dois partidos que se alternariam no poder.

No final do século 19, os EUA intervieram na guerra hispano-cubana e a transformaram no que Lenin chamou de “a primeira guerra imperialista”. A intervenção na guerra, adequadamente rebatizada de hispano-americana, justificada por meio do engano e da manipulação da explosão do encouraçado norte-americano Maine, abriria as portas para a expansão imperial para além do continente.

O cientista político Zbigniew Brzezinski caracterizou esta disputa como: «… a primeira guerra de conquista dos Estados Unidos fora do seu território … Os Estados Unidos reivindicam um estatuto especial de único guardião da segurança do continente americano – anteriormente proclamado por a Doutrina Monroe e posteriormente justificada pelo suposto “destino manifesto” americano – tornou-se mais firme após a construção do Canal do Panamá … ”. Apenas Brzezinski percebeu que a construção do canal foi possibilitada pela independência do Panamá da Colômbia, muito “conveniente” para os Estados Unidos.

Depois da guerra – só possível devido à participação decisiva dos Mambises – foram criadas as condições para o império, por meio da Emenda Platt, inaugurar as medidas que mais tarde foram chamadas de neocolonialismo, aplicadas com a política do Grande Garrote, de Theodoro Roosevelt, e sua emenda à doutrina Monroe, o chamado “corolário” segundo o qual, se um país latino-americano-caribenho ameaçar ou colocar em perigo os direitos ou propriedades de cidadãos ou empresas norte-americanas, o governo deve intervir para restaurar os direitos de seus Cidadãos “americanos”. Para atingir o mesmo objetivo, com outros meios, outro Roosevelt (Franklin Delano) aplicaria a política da Boa Vizinhança, já na segunda década do século.

Assim, independentemente da cor do partido que governou os Estados Unidos (sete republicanos e três democratas de 1898 a 1958), seus representantes e embaixadores, atuando como procônsules, mantiveram Cuba sujeita ao império: 25 anos com três intervenções militar (1898-1902, 1906-1907, 1917-1923); uma Constituição (1901), mutilada por uma emenda; curtos períodos de democracia formal em que se impôs a participação do povo até a construção de uma Constituição progressista (1940), e ferozes ditaduras como as de Gerardo Machado (1924-1932) e Fulgencio Batista (1952-1958); que, protegido pelos EUA, massacrou o povo quando era necessário “restaurar a ordem” imperial, e a todo o tempo com uma corrupção generalizada que permeava o país e suas instituições, embora sem conseguir subjugar o povo e sua rebelião.


Com a derrubada da ditadura em 1959, a Cuba independente iniciaria a Revolução na mare nostrum de um império sólido. No que se refere à América Latina e Caribe, sempre considerada seu quintal, os Estados Unidos haviam assegurado desde a guerra fria, com a Doutrina Truman e o macarthismo, mecanismos e instituições que garantiam o controle absoluto da região: o Conselho Interamericano de Defesa ( JID), o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR) e a Organização dos Estados Americanos (OEA), a notória Escola das Américas (desde 1946), especializada no treinamento de militares latino-americanos em técnicas que incluíam tortura e, para claro, também a CIA.

A Revolução Cubana triunfa naquilo que o império considerava seu hemisfério, feito pelas costas, sem consentimento, em um país cuja principal riqueza era propriedade de empresas estadunidenses, de eletricidade e telefonia a hotéis, empresas açucareiras, bancos e refinarias de petróleo, onde experimentavam tudo o que mais tarde aplicariam no mundo, onde iam beber se houvesse “lei seca” em seu país, jogar se o jogo fosse proibido, ter suas esposas abortadas, passar fins de semana longe de olhares indiscretos em clínicas, hotéis ou bordéis de luxo; onde os fuzileiros navais desembarcaram para pisotear a dignidade dos cubanos e cubanos.

A partir de 1959, a política dos Estados Unidos contra Cuba intensificou sua trajetória hostil, para além da cor do partido que governou “o gigante das sete ligas” e, durante o mandato dos 12 presidentes imperiais, a partir do 1º . De janeiro até hoje, cinco democratas (Kennedy, Johnson, Carter, Clinton e Obama) e sete republicanos (Eisenhower, Nixon, Ford, Reagan, Bush – pai e filho – e Trump) foram planejados e executados, por seus governos ou por os pistoleiros sob sua proteção, 681 ações terroristas, incluindo a invasão de Playa Girón, a explosão do avião de Cubana em Barbados e até o ataque à nossa embaixada em Washington, com um custo de 3.478 mortes e 2.099 Desativado.

Os republicanos iniciaram, a partir de março de 1959, as operações encobertas e, com base na antiga Lei do Comércio com o inimigo (data de 6 de outubro de 1917), iniciaram, com fúria e perversidade, o bloqueio econômico, comercial e financeiro que a cada ano todos os presidentes americanos sejam reativados. Da mesma forma, orquestraram campanhas para estreitar as relações com Cuba, que incluíam, desde a invenção de uma base de submarinos nucleares soviéticos na baía de Cienfuegos, até “ataques sônicos” a seus funcionários; financiaram, incentivaram ou permitiram que organizações terroristas agissem contra Cuba, como a criada em 1981 pela CIA, a Fundação Nacional Cubano-Americana; assinou uma Lei pela Democracia em Cuba, a Lei Torricelli, proposta por dois democratas, que evidencia a política de Estado, e não partidária, de relações, até que o atual presidente, Donald Trump, exacerbou os conflitos e multiplicou o uso de chantagem política contra parceiros, amigos ou adversários.

Os democratas, por sua vez, executaram os planos de invasão de Eisenhower por Cuba, que culminaram com a derrota dos mercenários em Playa Girón; iniciaram oficialmente o bloqueio econômico com a ordem executiva nº 3447; alimentaram as tensões que provocaram a chamada Crise de Outubro, que colocou o mundo à beira da guerra nuclear; fizeram a OEA aprovar uma resolução sobre o rompimento das relações diplomáticas com Cuba; Provocaram as ondas migratórias de Camarioca e Mariel, e até assinaram o que, por proposta dos republicanos, se chamou Lei da Liberdade e Solidariedade Democrática com Cuba, conhecida como Helms-Burton, que reiterou o caráter estatal da política em relação o Maior das Antilhas. E embora Obama em 2016 pedisse para deixar o passado e “olhar para o futuro”, ele não poderia esconder, disfarçadamente, o objetivo de seu governo: conseguir a tão almejada “mudança de regime”, que já havia explicado à contra-revolução cubana em Miami: “É hora de o dinheiro cubano-americano tornar suas famílias menos dependentes do regime de Castro.”

Independentemente de quem seja o presidente dos Estados Unidos nas eleições de novembro, uma coisa fica clara: a solução para o conflito Cuba-Estados Unidos. Só será possível quando o império reconhecer que nossa Ilha é uma nação livre, soberana e independente.

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", #America Latina, #CIA, #Cuba #CIA, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Historia de Cuba, Tarará, AMERICA LATINA, Barack Obama Bruno Rodríguez ParrillaDonald Trumpoficina del Servicio de Ciudadanía e Inmi, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, CubavsBloqueo, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, HISTORIA DE CUBA, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, MIAMI, OEA, Organizacion e Estados Americanos (OEA) | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: