Cuba vai bem, Camilo .

Autor: Mailenys Oliva Ferrales | internet@granma.cu

Há um homem do povo que a Pátria nunca deixa morrer, porque se tornou um traço perene em cada pedaço de terreno por onde passou. Um homem que vive por seu exemplo eternamente entre os seus.

Nesse homem reside a dignidade de um país que o honra diariamente pela defesa da sua soberania. É a melhor maneira de não deixar o Comandante do imenso carisma e coragem, o companheiro de cem batalhas, o Senhor da Vanguarda, o legendário guerrilheiro … nosso Camilo partir.

O nosso, porque conquistou o carinho de uma nação pelo sacrifício pessoal, pela simplicidade, pela transparência do seu sorriso franco e por uma personalidade impecável forjada nos dias da guerra e nos poucos meses que acompanharam a Revolução após o triunfo.

Nosso, porque Camilo era mais do que um rebelde e expedicionário no iate Granma, mais do que amigo incondicional de Che e homem de confiança de Fidel, ele era mais do que o líder da Coluna 2 Antonio Maceo, ou o Herói de Yaguajay; Camilo foi, é e será “a imagem de um povo” que encontrou, neste jovem de 27 anos, a linhagem de um revolucionário apegado à honra, à verdade e a uma sensibilidade muito própria, que lhe conquistou o carinho coletivo.

Deixou não só seu senso de dever e humor em meio à luta, mas também seu respeito e companheirismo na guerrilha, onde compartilhou comida e uma rede, e pôde exigir que tratassem um ferido antes dele, embora, também , tinha balas no corpo.

Sua história nos conta sobre o guerreiro completo que não abriu um buraco no quartel de Batista porque, dentro, havia uma menina; que deu seu dinheiro a algum jovem rebelde para que não fossem de mãos vazias ver suas mães, e que amava a cultura assim como o próprio país, sendo o primeiro a tirar o balé do teatro para levá-lo às montanhas, e o promotor do primeiro documentário Revolução, que sob o título Esta nossa terra refletia os abusos da guarda rural contra o campesinato.

Maceísta, Martiano e fidelista até o último dia em que nos deu a sua presença física, antes de entrar no avião que o levou para a eternidade, naquele fatídico 28 de outubro de 1959, Camilo nunca deixou de surpreender, até porque nos deixou a forma menos suspeita e quando ninguém estava pronto para sua partida.

Quinze dias de busca exaustiva, mas infrutífera, nos deixaram com a decepção de não nos despedirmos do Comandante do chapéu de asa. É verdade que naquela tarde de outubro ele nos roubou o homem para sempre, mas nos deixou o herói e sua memória carinhosa, aquela que já estava gravada na essência da Revolução e à qual hoje dizemos: Cuba vai bem, Camilo!

Categories: HEROES Y MARTIRES | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: