Daily Archives: 30 de Novembro de 2020

Brasil. Bolsonaro, diante do desastre eleitoral

Por Dario Pignotti. Resumo da América Latina, 30 de novembro de 2020.

Jair Bolsonaro sofreu derrota categórica nas urnas realizadas em São Paulo e Rio de Janeiro, entre outras capitais, das quais emerge um quadro político incerto. No imediato, viu como seus adversários ganharam posições táticas e no longo prazo percebeu que sua reeleição não pode ser considerada certa. O fantasma de “Jair, o Breve”, aquele líder de extrema direita em ascensão que governou por apenas um mandato, começa a sobrevoar Brasília.

Brunos Covas, do Partido Social-Democrata Brasileiro de direita, mas não fascista, foi reeleito em São Paulo e logo festejou com seu correligionário, o governador João Doria, candidato à presidência em 2022. Bolsonaro já era um certo perdedor naquela metrópole que É a locomotiva nacional, já que seu patrocinador, Celso Russomano, nem havia conseguido ir ao segundo turno nas eleições de 15 de novembro.

No Rio de Janeiro, o direitista Eduardo Paes, dos democratas, venceu, prevalecendo sobre o pastor Marcelo Crivella, apoiado pelo presidente. Essa derrota é do tamanho da de San Pablo, mas atingiu ainda mais o clã Bolsonaro que tem sua base territorial naquela cidade, incluindo a aliança com as milícias parpoliciais. Derrotado nesta segunda virada, como na primeira, o ex-capitão optou por uma saída desconcertante: imitar seu colega americano Donald Trump, denunciando no mesmo dia uma fraude.

Ele alegou ter informações de suas próprias fontes segundo as quais “houve muita fraude lá (EUA)”, onde ele espera que o caso chegue ao Supremo Tribunal Federal. Pelas declarações feitas neste domingo, após votação em uma vila militar carioca, fica claro que ele não pretende reconhecer a vitória do democrata Joe Biden. Essa lealdade ao republicano Trump causa alarme entre o amplo espectro de direita e extrema direita, inclusive parte do generalato, que apoiou sua chegada ao Palácio do Planalto em 2019.

Na mesma entrevista coletiva, ele repetiu suas dúvidas sobre as urnas eletrônicas brasileiras e mencionou com todas as cartas a ameaça de uma possível “fraude”, que só existe em sua imaginação. Ou seja: semeou dúvidas sobre as eleições municipais deste domingo e antecipou o que poderia ser sua guerra jurídica, a la Trump, se não conseguisse ser reeleito em 2022. Aliás, o discurso das urnas e da fraude não consegue esconder para onde aponta Bolsonaro. Seu inimigo continua sendo a democracia.

Foto: EFE

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , | Deixe um comentário

Colômbia. Por que Petro em 2022?

Por Emilio Lagos Cortés. Resumo da América Latina, 30 de novembro de 2020.

O debate político em relação às eleições presidenciais de 2022 já está agitado.Milhões de colombianos as veem com esperança; acham que existem possibilidades sólidas de radicalizar os rumos do país. Outros, liderados por Jesuribe, têm medo e gritam constantemente “cuidado com 2022”; eles temem seriamente serem destituídos do poder político e dos privilégios a ele associados.

Vários setores vêm à competição presidencial: Uribismo, buscando sua permanência no poder, provavelmente com Tomás Uribe, o das manillas e zonas francas; Petro, seu antagonista mais notável; Fajardo, que não é uribista nem anti-uribista, mas declarou e repetiu anti-Petrista; e outros como Marulanda, Romero, de La Calle, etc …

Cada vez mais setores da sociedade colombiana veem na Petro a possibilidade de mudanças reais na política e na economia da Colômbia. Por quê?

Sem dúvida, o maior de seu patrimônio é a coerência e a conseqüência de sua luta em favor dos setores populares menos favorecidos, ao longo de sua vida política. Desde que chegou à política, nas fileiras do M-19, Petro jogou para os mais humildes; Com as próprias mãos promoveu a construção do Bolívar 83, bairro para as famílias mais humildes de Zipaquirá. Seu compromisso com os pobres ficou evidente em sua gestão como prefeito de Bogotá. Lá eles destacaram seus esforços para beneficiar catadores, trabalhadores informais como raposas, mães que são chefes de família, mulheres que praticam a prostituição e vendedores ambulantes. O eixo de sua gestão foram as políticas sociais, buscando fortalecer a saúde pública e a educação, que em primeiro lugar beneficiam os mais pobres. Sem esquecer políticas como o subsídio à tarifa do transporte público, que levou à redução do preço das passagens do TransMilenio fora dos horários de pico.

Junto com a defesa dos humildes está sua luta frontal contra a corrupção generalizada da oligarquia colombiana, aquele pequeno grupo de poderosos que dirigem o país como seu patrimônio pessoal. Petro denunciou corrupção desde que era um jovem deputado; em seguida, ele o evidenciou no setor bancário e nas cotas indicativas no Congresso. Ao chegar à prefeitura de Bogotá, denunciou e enfrentou uma aliança criminosa entre políticos e empreiteiros que se acreditavam donos dos contratos do distrito. Parte dos vereadores acabou na prisão; as empreiteiras não lhe deram trégua, mesmo com a ajuda de entidades de controle “tendenciosas”, conseguiram destituí-lo da prefeitura. O tempo colocou as coisas em seus devidos lugares; O Petro voltou ao gabinete do autarca, e as multas e sanções disciplinares têm vindo a cair uma a uma, à medida que vão sendo proferidas as respectivas decisões judiciais.

Em relação a essa mesma aliança entre políticos e criminosos (é redundante?), Petro brilhou como senador na denúncia que desmascarou a cumplicidade entre políticos e paramilitares, os chamados parapolíticos; Ele foi, sem dúvida, o mais ferrenho denunciante da corrupção dentro dos governos de Uribe, inclusive aquele de que atualmente sofremos, que, além de ser dominado por corruptos, também se caracteriza pela mais absoluta incapacidade de realizar as atividades da administração pública. ; Ele governa apenas para o benefício de seus amigos de faculdade e da empresa onde sua irmã trabalha, e para proteger seu titereiro.

Mas o mais valioso do Petro é a proposta que apresenta aos colombianos, para ser implementada no caso de ele ser eleito presidente. Colombia Humana propõe acabar com a violência e desenvolver uma política de paz; gerar emprego e riqueza por meio da reativação da produção camponesa e, a partir dela, desenvolver uma indústria leve de transformação de matérias-primas destinadas ao consumo interno e à exportação; substituir os combustíveis fósseis por energias limpas, com vista ao combate às alterações climáticas, deixando de ser uma economia dependente dos recursos mineiros; desenvolver relações fraternas com todos os nossos vizinhos, recuperando assim o mercado venezuelano, destino ideal para a exportação de produtos colombianos; e promover a expansão dos sistemas públicos de educação e saúde, como materialização dos direitos dos colombianos, para citar apenas algumas das propostas mais notáveis.

A isso se acrescenta que, como em 2018, em 2022 a Petro se defrontará com uma aliança da classe política tradicional e do uribismo, parte da classe política intimamente associada aos diferentes fatores da grande criminalidade colombiana. . Conservadores, liberais, U, Mudança Radical, Centro Democrático, Gaviria, Pastrana, Uribe, todas as forças políticas e todos os políticos corruptos irão competir juntos contra Petro. Os colombianos em 2022 poderão escolher entre um representante da classe política que levou a Colômbia ao desastre e o líder político que apresenta uma alternativa política genuína; Eles podem escolher entre Polombia e Colômbia.

Assim, Gustavo Petro, por seu compromisso com os mais humildes, sua luta contra a corrupção, a criminalidade e a incapacidade dos governos de Uribe, e por causa da pertinente proposta governamental que encarna o Humano Colômbia, se posiciona como o mais sólido antes das próximas eleições presidenciais.

Termo aditivo. O silêncio dos meios de comunicação é marcante diante do espancamento que o ex-promotor Néstor Humberto Martínez recebeu no Congresso por sua operação de sabotagem do processo de paz.

Fonte: The 2 Shores

Categories: Uncategorized | Deixe um comentário

Líder palestino acusa Israel de impor fato consumado

Ramallah, 30 de novembro (Prensa Latina) O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mohammad Shtayyeh, acusou Israel de intensificar a usurpação de terras e a expansão dos assentamentos judeus para impor fatos consumados, destacou hoje a agência de notícias Wafa.

Durante uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da Suíça, Ignazio Cassis, o líder também denunciou o governo sionista pelo cerco à Faixa de Gaza e pelas manobras para isolar Jerusalém, em violação ao direito internacional e às resoluções da ONU, disse ele.

Na semana anterior, Shtayyeh alertou que Tel Aviv está em uma corrida contra o tempo para expandir as comunidades ilegais na Cisjordânia antes que o presidente dos EUA, Donald Trump, deixe a Casa Branca em janeiro, conforme programado.

No início do ano, Trump apresentou o questionado Acordo do Século, segundo o qual Israel poderia anexar até 30 por cento dessa demarcação ao seu território.

Da mesma forma, o primeiro-ministro da ANP buscou apoio para proteger a perspectiva de dois estados contíguos mas independentes, como solução para o longo conflito israelense-palestino, solução endossada pela ONU, Liga Árabe, outros blocos de países, além de políticos e ativistas de diferentes nacionalidades. Em sua nomeação com Cassis, Shtayyeh reiterou a disposição das lideranças daquele povo árabe em canalizar um processo político voltado para a superação do confronto com base nas propostas de acordo anteriores, emanadas do órgão multilateral, acrescentou a agência de notícias.

Durante a sua intervenção virtual perante a 75ª sessão da Assembleia Geral da ONU, o presidente da ANP, Mahmoud Abbas, solicitou os bons ofícios daquela organização para realizar uma conferência internacional de paz com o objetivo de reativar as conversações com a contraparte.

Na véspera, o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, ratificou o seu compromisso com os esforços para acabar com a ocupação (israelita) e conseguir o estabelecimento do alegado Estado palestiniano, com as fronteiras anteriores à guerra de 1967.

Da mesma forma, expressou seu apoio ao projeto de estatuto especial de Jerusalém, como capital de ambos (Israel e Palestina).

Os dois lados devem explorar todas as oportunidades para reacender a esperança nesse horizonte, insistiu Guterres.

jf / ap

Categories: Uncategorized | Deixe um comentário

China vai sancionar mais autoridades dos EUA para Hong Kong

Pequim, 30 de novembro (Prensa Latina) A China anunciou hoje sanções contra quatro outras autoridades americanas por se intrometerem na situação de Hong Kong e, assim, retribuiu as medidas impostas por Washington a igual número de líderes locais.

Hua Chunying, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, disse em uma entrevista coletiva que esses indivíduos serão impedidos de entrar no gigante asiático por sua conduta ofensiva sobre o assunto.

A porta-voz exigiu que Washington pare de interferir em um assunto totalmente interno, sem especificar quem será sujeito à ação punitiva.

Ele também instou suas autoridades a pararem de impor mais barreiras à cooperação, após relatos sobre a inclusão de duas empresas chinesas na lista negra.

Em agosto passado, Pequim impôs sanções a 11 outros políticos dos EUA, incluindo os republicanos Marco Rubio, Ted Cruz, Chris Smith, Josh Hawley, Tom Cotton e Pat Toomey, bem como aos chefes de quatro organizações não governamentais, incluindo o National Endowment for democracia.

Em seguida, alertou sobre mais reações caso a hostilidade contra ele continue, defendeu sua soberania na região administrativa especial e os propósitos de uma lei de segurança nacional, que visa neutralizar a organização e execução de atos de terrorismo, secessão, subversão do poder do Interferência estatal e estrangeira.

A ferramenta também visa garantir melhores condições de desenvolvimento local sem afetar os direitos e liberdades da população ou os interesses dos investidores estrangeiros nos termos da lei.

Desde a sua apresentação na Assembleia Popular Nacional (Parlamento) no final de maio passado, tem havido reações dentro e fora da China, algumas de apoio ao direito da nação asiática de proteger sua autoridade em Hong Kong, enquanto outras foram contra e foram acompanhadas por medidas punitivas. Os Estados Unidos, por exemplo, cessaram o status preferencial à área e alteraram os acordos bilaterais que permitiam a abolição de vistos, mantendo a moeda indexada ao dólar e políticas favoráveis ​​aos negócios, tarifas e proteções comerciais.

Enquanto isso, Austrália, Nova Zelândia, Canadá, Reino Unido e França interromperam unilateral e imediatamente seus respectivos tratados de extradição com a chamada Pérola do Oriente.

jf / ymr

Categories: Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Reabertura ou confinamento? Como será o Natal na Europa

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse na segunda-feira que, em termos individuais, evitar reuniões familiares seria “a aposta mais segura” durante o Natal, porque não existe risco zero nos ajuntamentos familiares em plena pandemia da Covid-19.

Berlim e Paris reabrem para o Natal, mas deixam restaurantes e bares fechados. © Fotografia por: DR

Mas também reconheceu que, em termos colectivos, os governos têm de pesar vários factores, além da saúde pública. Como é que os governos europeus estão a preparar o Natal e o período que o antecede?

Ao mesmo tempo que reconheceu uma estratégia particular em cada Estado membro, a comissária europeia da Saúde defendeu, na quarta-feira, um desconfinamento “gradual, eficaz e baseado na ciência”. Stella Kyriakides alertou para as consequências de uma precipitação.

“Podemos constatar pelo nosso dia-a-dia que o levantamento das restrições demasiado cedo pode levar a um aumento do número de casos”, afirmou.

No mesmo sentido, advertiu a presidente da Comissão, Ursula von der Leyen: “Temos de aprender com o Verão e não repetir os mesmos erros, afrouxando demasiado depressa.”

“Há menor ou maior risco, mas há um risco”, disse a epidemiologista Maria Van Kerkhove, sobre as reuniões familiares. “Isto é incrivelmente difícil, porque, em especial durante as férias, queremos estar com a família. Mas, em algumas situações, a decisão difícil de não ter essa reunião familiar é a aposta mais segura”, sugeriu a responsável técnica da Covid-19 da OMS.

Já o director do Programa de Emergências da OMS, Michael Ryan, sublinhou a importância de alcançar um compromisso entre a ciência e os factores económicos e sociais, mas que não há uma fórmula que sugira quanto tempo poderia ser seguro para aliviar as restrições durante a época de férias.

Michael Ryan deu como exemplo o Dia de Acção de Graças no Canadá (celebrado em 12 de Outubro), onde a transmissão do vírus aumentou, pelo que “não há dúvidas” de que em áreas de transmissão comunitária significativa uma maior abertura resulta num aumento de infecções.

Portugal

Tendo em conta os dados da chamada segunda vaga, o Primeiro-Ministro, António Costa, anteviu uma quadra natalícia sob restrições. “Ficaria muito surpreendido se não houvesse Estado de Emergência no Natal, porque isso significaria que a evolução do combate à epidemia teria sido extraordinária”, disse, embora tendo ressalvado que a opção preferível seja a de fechar ao mínimo as actividades económicas.

Na quarta-feira, a ministra da Saúde disse que, antes de chegar à quadra, o país está “ainda a lutar para chegar o melhor possível aos primeiros dias de Dezembro”. No entanto, não deixou margem para grandes liberdades. “Não vamos poder ter um Natal igual ao dos anos anteriores, porque, por muito que a situação epidemiológica melhore, só daqui a algum tempo é que vamos perceber exactamente qual é o nível de restrição que teremos nessa altura do ano”, advertiu.

Alemanha

Na quarta-feira, dia em que a Alemanha bateu o recorde diário de óbitos de Covid, 410, a chanceler Angela Merkel esteve reunida durante sete horas com os ministros-presidentes das 16 regiões da República Federal, para se chegar a um acordo sobre um apertar da malha até dia 23 de Dezembro.
Até lá, o país, que já está em confinamento parcial, com bares, restaurantes e espaços de lazer fechados, reforça algumas medidas.
“Temos duas mensagens para o povo: primeiro, obrigada; segundo, que as actuais restrições não serão levantadas”, disse Merkel em conferência de imprensa.

“O aumento exponencial das infecções foi interrompido. Mas os casos diários ainda são demasiado elevados e as nossas unidades de cuidados intensivos ainda estão muito cheias. Não podemos levantar as restrições acordadas para Novembro”, declarou.
As restrições adicionais incluem o uso de máscaras em algumas situações nas escolas e o limite de reuniões reduzido de dez para cinco pessoas de dois lares. As viagens para férias, em particular as férias de esqui, são fortemente desencorajadas até, pelo menos, 10 de Janeiro.

Parte significativa das restrições fica ao critério de cada região, caso da obrigatoriedade do uso de máscaras nas escolas ou das aulas à distância. Se os grandes mercados de Natal já tinham sido cancelados, é possível que outros, em pequena escala, possam abrir.
Estas restrições serão parcialmente levantadas no período entre 23 de Dezembro e 1 de Janeiro. Os membros de um agregado familiar serão autorizados a encontrar-se com até dez pessoas de outros agregados familiares entre esses dias, sem contar com menores de 14 anos.

Os dirigentes estaduais e a líder alemã querem que os cidadãos se submetam a um período de isolamento voluntário antes e depois das reuniões familiares. Aos empregadores, é solicitada flexibilidade na quadra, além de que permitam, quando possível, que as pessoas permaneçam em casa em teletrabalho.

Espanha

Nada está decidido em definitivo, mas o Governo espanhol está a planear recomendações de reuniões sociais até seis pessoas “de preferência no exterior”, em esplanadas de restaurantes ou em outros espaços abertos ou, sendo interiores, ventilados.
Nos dias 25 de Dezembro e 1 de Janeiro, a circulação deverá ser proibida entre a 01.00 e as 06.00 e é objectivo do Governo que as viagens entre regiões sejam evita-das. O plano do Executivo foi adiado, embora já tenha enviado para as comunidades autónomas um plano genérico com recomendações que serão adaptadas a cada situação epidemiológica e cabe a cada região decidir as medidas concretas.

Já se sabe que a região de Madrid quer fixar o máximo de dez pessoas em convívio nos dias 24, 25 e 31 de Dezembro, bem como 1 e 6 de Janeiro. A Catalunha também já fez saber que iria limitar a dez o número de convivas.

França

Se os números da segunda vaga o permitirem, o Governo francês planeia suspender o confinamento no dia 15 de Dezembro. “Vamos poder movimentar-nos de novo, sem precisar de autorização, mesmo entre regiões, e passar o Natal com a família”, anunciou Emmanuel Macron, numa mensagem aos franceses através da televisão, na terça-feira.

Naquela data, cinemas, teatros e museus poderão reabrir as portas. Já desde  sábado, o pequeno comércio não alimentar, como livrarias, lojas de brinquedos ou lojas de roupas puderam reabrir, embora com horário limitado e com medidas sanitárias.
As crianças vão poder retomar as actividades extracurriculares ao ar livre e os locais de culto poderão reabrir, com um limite máximo de 30 pessoas.

No entanto, restaurantes e bares vão permanecer encerrados pelo menos até 20 de Janeiro. O Ministério da Economia e Finanças, que já previa um apoio até dez mil euros mensais em isenções em impostos para este sector, apresentou uma nova modalidade, uma indemnização de 20% das receitas até cem mil euros mensais.

Jornal de Angola

Categories: Uncategorized | Deixe um comentário

Sonoro fracaso de Bolsonaro en elecciones municipales en Brasil

Por Osvaldo Cardosa Samón

Brasília, 30 de novembro (Prensa Latina) Dos 13 candidatos a prefeito apoiados pelo presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, 11 foram derrotados nas urnas e apenas dois foram eleitos nas eleições municipais realizadas em dois turnos no Brasil.
Levando em conta os números gerais, a centro-direita saiu vencedora do segundo turno das eleições de domingo, sob a pandemia de Covid-19.

Os nomes endossados ​​pelos ex-militares registraram um desempenho ruim no primeiro turno em 15 de novembro.

Uma das falhas mais significativas dos aliados de Bolsonaro foi a do candidato a prefeito de São Paulo, Celso Russomanno (do Partido Republicano), quarto mais votado e fora da votação de 29 de novembro.

O desastre do atual prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, do partido republicano e incondicional do governante, também sacudiu no segundo turno.

O bispo ultraconservador da Igreja Universal do Reino de Deus perdeu o cargo e a reeleição para Eduardo Paes, dos democratas.

Durante a campanha eleitoral, Crivella fortaleceu seu vínculo com o Bolsonaro para tentar reverter as pesquisas que não lhe eram favoráveis, mas não deu certo.

Em seu primeiro discurso como prefeito eleito do Rio, Paes comemorou o que chamou de “vitória da política” contra a radicalização.

“A primeira mensagem que quero passar é para agradecer aos cariocas que foram às urnas e acreditaram em nossas propostas (…) Queria também comemorar uma vitória na política aqui”, disse Paes.

Sem citar nomes, ele insistiu que o radicalismo na política certamente não fazia bem aos cariocas ou brasileiros.

‘Quero anunciar que o Rio está livre do pior governo de sua história. Hoje você está livre para confirmar a cidade da diversidade. O Rio vai funcionar novamente. Com muita esperança. Estou muito convencido de que a vitória de hoje (ontem) é muito importante ”, sublinhou.

Além de Crivella, a última esperança de Bolsonaro era Wagner Sousa Gomes, que também perdeu em Fortaleza, capital do Ceará, nas mãos do candidato José Sarto, do Partido Democrático Trabalhista.

Já o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, do Partido da Social Democracia Brasileira, foi reeleito no segundo turno após derrotar Guilherme Boulos, do Partido do Socialismo e Liberdade.

Boulos previu que a esquerda brasileira vencerá nas demais disputas eleitorais.

‘Quero agradecer de coração a todos aqueles que acreditaram e continuam a acreditar. Para agradecer a todos aqueles que sonharam. Vamos ganhar, não nesta eleição, mas vamos ganhar ‘, disse o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto.

Segundo o portal Brasil 247, apesar da derrota, Boulos se consolidou como um nome forte no mundo progressista para as próximas disputas eleitorais.

Em nota em seu site oficial, o Partido dos Trabalhadores (PT), maior esquerda da América Latina, garantiu que saiu no segundo turno com quatro vitórias nos principais centros urbanos dos estados de São Paulo e Minas Gerais , após participar da disputa em 15 cidades com mais de 200 mil eleitores.

“Foi uma das disputas mais acirradas da história recente do país, mas o PT saiu das urnas em 2020 recuperando sua força em grandes e médias cidades” após o golpe parlamentar na Justiça contra a presidente Dilma Rousseff em 2016, disse a entidade. política.

O segundo turno mostrou que a esquerda pode lutar, disse a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, fazendo um balanço da batalha eleitoral.

“Nossa atuação nas grandes cidades e a unidade que construímos em muitas delas confirma que temos uma alternativa para o Brasil”, disse Hoffman.

As eleições deste ano foram adiadas de outubro para novembro por acordo partidário no Congresso Nacional perante a Covid-19.

Os comentaristas políticos consideram que, de certa forma, essas eleições serão um termômetro para as eleições presidenciais de 2022.

Categories: Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Doador antifraude Trump pede dinheiro de volta

El presidente saliente de EE.UU., Donald Trump, ofrece un discurso desde la Casa Blanca, el 26 de noviembre de 2020. Foto: AFP

HispanTV

Um empresário que doou US $ 2,5 milhões para uma organização Trump para lutar contra a fraude eleitoral pede que eles o reembolsem por pouco progresso no assunto.

Frederic Eshelman, ex-CEO de uma empresa farmacêutica, que doou 2,5 milhões de dólares para True the Vote, uma associação pró-Trump que buscava lutar contra a fraude eleitoral trazendo ações judiciais relevantes relacionadas à fraude no voto por correio expresso nos tribunais dos Estados Unidos Durante as últimas eleições em 3 de novembro, ele pediu seu dinheiro de volta porque considera os “resultados decepcionantes”, de acordo com a revista britânica The Guardian no sábado.

Trump acha que Giuliani é “burro” por não ganhar casos de fraude

O empresário processou esta semana em Houston (Texas) a referida organização, que prometeu abrir processos para “investigar, litigar e expor suspeitas de voto ilegal e fraude nas eleições gerais de 2020” em sete estados disputados por ambos os candidatos do os dois principais partidos, nomeadamente o democrata Joe Biden e o republicano e até o presidente dos EUA, Donald Trump.

Trump, assim que viu que a contagem de votos favorecia Biden, acusou sem evidências os democratas de roubar a vitória dele por meio de uma fraude generalizada no sistema de votação por correio e entrou com uma série de ações que até agora não prosperaram no tribunais federais.

NYT: 45 estados repudiam acusações de fraude eleitoral de Trump

Em sua reclamação, Eshelman sustenta que True the Vote suprimiu a campanha Validate the Vote 2020 e afastou as ações judiciais, para posteriormente se recusar a responder aos apelos do empresário quando ele exigisse uma explicação a respeito. .

Otro fracaso para Trump: Wisconsin confirma triunfo de Biden | HISPANTV

Outra falha para Trump: Wisconsin confirma a vitória de Biden

Após o pedido de Donald Trump para recontar os votos em Wisconsin, o triunfo do candidato democrata Joe Biden nas eleições presidenciais é confirmado.

Por sua vez, a associação divulgou um comunicado em seu site escrito pela presidente e fundadora do grupo, Catherine Engelbrecht, no qual anuncia que as barreiras para avançar seus argumentos de fraude eleitoral, juntamente com os prazos para apresentá-la ações judiciais perante os tribunais federais, os fez reconsiderar sua iniciativa e retirar as ações judiciais entregues na Geórgia, Michigan, Pensilvânia e Wisconsin, quatro dos estados vencidos por Joe Biden.

A plataforma True the Vote apresentou poucas evidências nos tribunais federais para respaldar suas alegações de fraude eleitoral, assim como os processos movidos pela equipe jurídica de Trump, que já perdeu 38, o último na Pensilvânia.

Processo de fraude eleitoral de Trump na Pensilvânia indeferido

Por sua vez, o generoso doador garante que a associação, à qual deu dois pagamentos de dois milhões e 500.000 dólares nos dias 5 e 13 de novembro segundo as instruções de Engelbrecht, ofereceu-lhe a possibilidade de devolver um milhão se desistisse de sua intenção de denunciá-los.

Categories: Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Por mais socialismo contra o golpe suave #SomosCuba

A farsa de San Isidro, de péssima produção, foi a tentativa dos Estados Unidos de lançar um golpe brando em Cuba. Você não pode ver de outra maneira

Autor: Karima Oliva Bello

Tangana en el Trillo, con la presencia de Miguel Diaz Canel
A Revolução Cubana colocou a dignidade da vida no centro do sistema político nacional e é isso que está em jogo hoje Foto: Ariel Cecilio Lemus

Eles não são jovens com um projeto de sociedade melhor em mente, espancados sozinhos para realizá-lo. Não têm norte político digno de espécie alguma, são apenas instrumentos da agenda com a qual os Estados Unidos querem derrotar a Revolução. Eles até fizeram uma greve de fome de verdade, não foi necessário para o show político.

O que aconteceu então? A farsa de San Isidro, de péssima produção, foi a tentativa dos Estados Unidos de lançar um golpe brando em Cuba. Não pode ser visto de outra forma.

Sei que todos os que hoje clamam por um diálogo na esteira dos acontecimentos que se desencadearam não estão sendo pagos pelos Estados Unidos. Nesse ponto, há demandas de vários tipos mescladas. É claro que em Cuba nem todos pensamos da mesma forma, realmente acredito que as instituições e organizações devem ser revitalizadas como espaços de diálogo e participação política efetiva, não é a primeira vez que digo isso. Devem acolher com senso crítico o debate sistemático sobre a realidade cubana contemporânea –que é difícil-. Já vemos como as lacunas e formalidades são capitalizadas. Temos que deliberar, sim, comunicar mais e melhor.
Mas isso não pode nos levar a apoiar indiscriminadamente um golpe contra a Revolução. Temos que fazer isso em outro quadro, em outras condições. Não devemos apoiar este script agora, não importa o quão boas nossas intenções possam ser.

Se queremos um horizonte melhor para o nosso país, não é unindo-nos ao apoio a esta ação em San Isidro que vamos alcançá-lo. Não esperemos a desestabilização que o grupo San Isidro deseja para desencadear um país mais próspero, equitativo, democrático e justo. A história mostra que o único objetivo de ações desse tipo é estabelecer um regime de acordo com os interesses do capitalismo americano, e os interesses do capitalismo americano são os de exploração e expropriação.

Se o conflito se agravasse e, em segundo lugar, triunfasse uma agenda golpista, as conquistas sociais de que hoje desfrutamos seriam varridas para iniciar a privatização, sem remorso, de tudo o que poderia ser privatizado, inclusive educação e saúde. As condições de trabalho para a maioria seriam lamentavelmente precárias. O narcotráfico, e tudo o que oferece oportunidades de lucro às elites econômicas que dominam o poder, se expandirá exponencialmente e as condições de segurança que hoje existem desaparecerão. Um setor da população vai aumentar sua renda e melhorar suas condições de vida, isso vai acontecer, mas à custa da miséria da grande maioria. A maioria dos pequenos negócios privados será eliminada pelas grandes empresas transnacionais. Hoje, grupos em condições desfavoráveis ​​verão intensificar essas condições sistêmicas de vulnerabilidade.

Podemos dizer isso porque foi o que aconteceu depois da queda do campo socialista no Leste Europeu, embora toda a propaganda ocidental tenha se empenhado em omitir esses “detalhes”. Podemos dizer isso porque é a qualidade do capitalismo em toda a região, ainda que a propaganda apenas tente vender a ideia de que o capitalismo é uma comédia hollywoodiana.

O discurso de mais democracia, de diálogo, de sociedade mais aberta, sem o compromisso explícito de defender a continuidade do socialismo, embora seja difícil de acreditar, vende uma ideia de progresso e bem-estar totalmente incompatível com o capitalismo servil que faz parte da mudança de regime. eles estão fabricando.

Aqueles que se uniram no apoio ao movimento San Isidro estão se unindo, intencionalmente ou não, voluntariamente ou não, na fabricação de uma revolta social contra o governo socialista de Cuba.
Por isso é importante saber discernir o que realmente se deseja e se destacar: nem todas as vozes se levantam para a mesma coisa. Se há quem queira o diálogo, mas não necessariamente a queda do sistema, se não há identificação com o movimento autoproclamado, é importante legitimá-lo e fazer a diferença, para que seu protesto não seja capitalizado por quem quer fazer lenha com tudo e palma, em um momento tão sensível quanto aquele em que vivemos.

Um grupo de mídias digitais que surgiu à luz do governo Obama, que investiu na construção de um novo tipo de contra-revolução, vem criando matrizes de opinião para derrotar a Revolução e fabricando as condições subjetivas para a mudança do sistema político na Ilha.

É falso que o capitalismo garantirá melhores condições de democracia e equidade do que o socialismo. É uma ilusão, você só precisa olhar para o mundo para perceber.

Nosso socialismo tem questões importantes para resolver, em condições muito adversas, devido a um bloqueio imposto pelos verdadeiros dirigentes do grupo San Isidro: sustentabilidade econômica e, ao mesmo tempo, vencer a batalha contra as desigualdades sociais, aprofundando a equidade e melhorando condições de vida dos grupos mais vulneráveis ​​e de todos os cubanos. Mas mover-se nessa direção, em uníssono, em ambas as direções, é impensável sob o capitalismo.

Devemos construir um socialismo melhor entre nós, não abandonar o caminho de sua construção. Não podemos nos entregar àqueles que, da forma mais desonesta possível, venderam o futuro da nação.

É verdade que o bloqueio é um fardo muito hostil, que se cansa, e poderíamos até nos exaurir de mencioná-lo, mas sua existência é extremamente injusta e é a prova de como estivemos perto de construir uma alternativa a este mundo desigual e ultra-hegemônico, em que a maior parte da população morre sem gozar dos direitos de que todos gozamos, pelo simples fato de ter nascido em um sistema socialista.

Não tomemos esses direitos como óbvios, foram conquistas da Revolução. A Revolução Cubana colocou a dignidade da vida no centro do sistema político da nação e é isso que está em jogo hoje. Devemos refundar o pacto coletivo para a defesa do socialismo.

E aos que querem voltar a um sistema que representaria a mais brutal precariedade em termos de direitos e condições de vida para a maioria dos cubanos, por mais bonitos e barulhentos que falem de democracia e liberdades, devemos tomá-los pelo que não são. . É falso! Vamos pensar que é o mesmo discurso com que quem o financia invadiu o mundo inteiro, tornando-o um lugar mais miserável, só para ganhar. As bombas não caíram em nome da opressão, mas precisamente em nome da democracia e da liberdade. Vamos pensar se eles realmente representam nossos interesses. Acredito que nada seja mais legítimo do que o desejo de que a sociedade mude para melhor, mas sem sacrificar as conquistas efetivas já garantidas pelo socialismo. E temos o direito de defender esse desejo, todos nós que o quisermos defender das ameaças que surgem ao longo do caminho.

Não vamos ignorar a história. Esta é uma hora de definições. Não tire esta revolução de nós! Não desistamos desta Revolução, posta nas nossas mãos por mulheres e homens de tão elevada estatura moral face ao roteiro corrompido e bem ensaiado de um golpe brando! Alguns entes queridos se enganarão e apoiarão o chamado movimento San Isidro, pensando que é o caminho legítimo para o diálogo. Não podemos estar errados. O diálogo é necessário; o caminho, errado. Não negociamos socialismo; Não negociamos a entrega da Revolução, ou estaríamos entrando em uma das páginas mais tristes de nossa história pelo que se segue.

Nem silencioso, nem letárgico, nem confuso, nem fechado ao diálogo entre nós, sem mercenarismo envolvido.

Não queremos um golpe brando em Cuba ou uma doutrina de choque para nós mesmos. Não queremos ser o quintal da América novamente.

Dignidade! Soberania! Socialismo! Agora é a hora de retomar o curso da história em nossas próprias mãos!

Categories: Uncategorized | Etiquetas: | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: