Com a força de Maceo, Cuba acompanhou a África para se libertar do apartheid .

Autor: José LLamos Camejo | internet@granma.cu

Uma bala o atravessou em San Pedro, em 7 de dezembro de 1896, mas não o deteve ali, onde a pátria o acolhe; O general Antonio cavalga irredutível em sua ilha. Aquela “tempestade a cavalo” que nosso apóstolo viu no Titã de Bronze, mais do que uma bela e bela metáfora, foi uma premonição.

O herói de Duaba, Mântua, Baraguá, Peralejo, açoitou viril em Santiago, quando Fidel explicou os motivos que o levaram a atacar o Moncada, e avisou, perante os que o julgavam, que primeiro a ilha afundaria no mar antes de consentirmos não sejam escravos de ninguém. O Chefe da Revolução invocou “o exemplo glorioso de nossos heróis e mártires” e os sintetizou em cinco nomes: Céspedes, Agramonte, Maceo, Gómez e Martí.

ANTONIO MACEO bARAGUA

Seu facão e sua armadura de Titã foram o que Cuba ergueu nas pastagens da África. O seu espírito e ideais emancipatórios erradicaram, daquele continente, o vergonhoso regime do apartheid, para que Angola, Namíbia, Etiópia e outras geografias ficassem livres da morte e da segregação imposta pelo regime neocolonial.

Cuba, que carrega o sangue africano nas veias, teve o privilégio de lutar e construir, junto com as nações daquele continente, uma nova ordem de convivência, unida na busca da felicidade, da igualdade e do bem-estar de todos os seus filhos, superar as consequências do colonialismo, da escravidão e do ódio às raças. Não poderia ser de outra forma, quando nossa nação surgiu na luta pela independência e pela abolição da escravidão e teve em homens como Maceo essa inspiração e força.

Hoje os zanjoneros estão se agitando novamente, tentando dividir e confundir. Mas novamente Maceo, com tanta força em sua mente quanto em seu braço, levanta-se aos milhões. E com ele Panchito Gómez, no Trillo ou em qualquer outro parque, universidade ou lugar de Cuba.

Maceo permeou o espírito e o corpo desta ilha, que hoje se levanta contra o ambicioso inimigo. Eles não podem mais nos vencer. Qualquer dia de dezembro, de qualquer ano, reiteraremos aos zanjoneros e seus mentores: Não nos entendemos!

Categories: "La epopeia de Angola", "Miss Angola", ANGOLA, Cooperacion Cuba y Angola., CUBA-ANGOLA, Fidel Castro Ruz, Historia de Cuba, Fidel, el ejemplo imperecedero de Maceo y Che,, HISTORIA DE CUBA, INTERNACIONALISTAS DE ANGOLA | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: