Porque os Estados Unidos não defendem o povo do Chile e seus Direitos Humanos.

Com informações da teleSUR.

Em 18 de outubro de 2019, uma crise política e social eclodiu no Chile, acompanhada por grandes manifestações e motins que se espalharam por todas as regiões do país. A rebelião popular teve origem nas injustiças políticas e sociais do governo de Sebastián Piñera, que lidera o país desde 2018.

As manifestações de rejeição ao atual governo levaram a um plebiscito para convocar uma Convenção Constituinte e promulgar uma nova Carta Magna. Dessa forma, o país busca a construção de uma sociedade melhor, já que até hoje a nação possui leis e instituições criadas durante a ditadura militar de Pinochet (1973-1990).

Já se passou um ano desde a eclosão social e continuam as expressões de rejeição popular ao atual governo e sua gestão política. Houve uma grande rejeição à decisão do presidente Piñera de contestar perante o Tribunal Constitucional (TC) uma reforma para lidar com o projeto da segunda retirada de 10% do fundo de pensão.

Otro motivo del descontento ha sido el incumplimiento del gobierno  con el sector médico sobre compromisos establecidos relacionados, por ejemplo, con exigencias salariales para el gremio.

Outro motivo de descontentamento tem sido o descumprimento do governo em cumprir com o setor médico os compromissos estabelecidos relacionados, por exemplo, a demandas salariais para o sindicato, investimento em equipamentos de biossegurança diante do desafio imposto pela pandemia Covid-19.

Uma das organizações sociais que manifestou seu apoio aos manifestantes foi a Central Unitaria de Trabajadores Chilenos (CUT), por meio do apoio que deu à campanha pela libertação de presos políticos acusados ​​de desordem pública desde o início gerou a crise no país.

O nome da campanha nacional é “Queremo-los em liberdade”, promovida pela Associação de Familiares e Amigos de Presos Políticos Guacolda, Grupo de Familiares de Presos Políticos Santiago 1, Grupo de Iniciativa pela Liberdade de Presos Políticos, entre outras organizações sindicatos do mundo.

No dia 10 de dezembro, a Confederação Sindical dos Trabalhadores das Américas (CSA), que representa mais de 55 milhões de trabalhadores, enviou uma carta ao presidente chileno.

Nesta carta, a CSA expressou sua profunda preocupação com a situação dos jovens detidos e processados ​​no quadro da agitação social, que já cumprem um longo período de prisão preventiva sem obter resultados de seus processos ou foram condenados a penas desproporcionais.

O sindicato acrescentou que a situação se agrava devido à decisão do governo de invocar a Lei de Segurança Interna do Estado nesses casos, o que implica penas ainda maiores e com ela a justificativa para a manutenção de medidas cautelares extremas, mesmo que os acusados ​​não apresente antecedentes criminais.

Nesta segunda-feira, o presidente Sebastián Piñera rejeitou um projeto de indulto aos chamados “prisioneiros do surto” e garantiu que os vetará. O projeto foi apresentado pela presidente do Senado, Adriana Muñoz, e outros quatro senadores dos partidos Socialista, Progressista, Revolução Democrática e Democracia Cristã.

A autoridade disse que os presos políticos são privados de liberdade por “crimes graves que um grupo de senadores tenta perdoar” e que são detidos “não por decisão do governo mas dos tribunais de justiça”, mas apesar dos múltiplos pedidos de organizações sociais ao executivo para libertá-los, os prisioneiros continuam na prisão.

Piñera afirmou que “todos os cidadãos têm o direito de se manifestar pacificamente”, no entanto os protestos e manifestações foram duramente reprimidos pela polícia, que disparou gás lacrimogêneo e causou ferimentos graves aos manifestantes, incluindo a perda, em alguns casos, de De seus olhos.

Categories: "Liberdade", "democracia", "racismo" e "direitos humanos", #Chile, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, Derechos Humanos | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: