Fidel, diga-nos o que mais temos que fazer.

Autor: Pedro Ríoseco | internet@granma.cu

Vieram de toda parte a Havana, em trens de passageiros ou cana-de-açúcar, em caminhões ou ônibus, e hoje, com seus uniformes de brigada Conrado Benítez e sem uma gota de cansaço nos rostos juvenis, concentraram-se na Plaza de la Revolución declarar Cuba um Território Livre de Analfabetismo.

As Grandes Antilhas realizaram a façanha de reduzir o flagelo no país a 3,9% de sua população total, que incluía 25.000 haitianos nas áreas agrícolas de Oriente e Camagüey, que não falavam espanhol, aos deficientes físicos e mental, e pessoas de idade avançada ou saúde precária, declaradas não alfabetizadas.

El Fidel de los educadores – Escambray

A população de Havana, a chamado do líder da Revolução, Fidel Castro Ruz, acolheu os brigadistas em suas casas e os acompanhou desde muito cedo para assumir seus postos na praça. 707.000 cubanos se alfabetizaram em menos de um ano, o que colocou a ilha entre as nações com a menor taxa de analfabetismo do mundo.

Esta extraordinária conquista revolucionária foi obra de uma força poderosa, composta por cerca de 100.000 brigadas Conrado Benítez, 121.000 alfabetizadores populares, 15.000 brigadas Patria o Muerte e 35.000 professores voluntários, para um total de 271.000 educadores diretos. Isso, junto com líderes da Educação, quadros políticos, Jovens Rebeldes e trabalhadores administrativos, elevou o número impressionante para mais de 300.000 participantes em tempo integral na Campanha.

Mensaje de la ANAP por el Día del educador | Portal ANAP Cuba

Antes do triunfo da Revolução, apenas metade das crianças em idade escolar frequentava as aulas, razão pela qual uma das primeiras tarefas do Governo Revolucionário foi a criação, em março de 1959, da Comissão Nacional de Alfabetização e Educação Fundamental. .

Em cumprimento ao Programa Moncada, foram criadas 15.000 salas de aula nas áreas rurais para o ano letivo 1960-1961, enquanto as matrículas chegaram a 1.118.942 alunos, mas foram necessários mais professores voluntários e em muitas áreas não havia escolas.

No dia 22 de abril de 1960, Fidel afirmou: «Precisamos de mil professores que queiram se dedicar ao ensino dos filhos camponeses. É necessário que nos ajudem a melhorar a educação de nosso povo e para que os camponeses aprendam a ler e se tornem homens úteis para qualquer tarefa. Assim surgiram os professores voluntários.

Meses depois, no discurso de 26 de setembro de 1960, perante as Nações Unidas, Fidel anunciava: «No próximo ano, nosso povo pretende travar sua grande batalha contra o analfabetismo, com o ambicioso objetivo de ensinar a ler e escreva ao último analfabeto ».

Fidel

E foi cumprido. Em 22 de dezembro de 1961, Fidel deu a notícia ao mundo da conclusão bem-sucedida da Campanha de Alfabetização. Cuba foi proclamada Território Livre de Analfabetismo e a data declarada Dia do Educador.

Aquele 22, na Plaza de la Revolución, Fidel disse: «Vencemos uma grande batalha e devemos chamá-la assim: batalha, porque a vitória contra o analfabetismo em nosso país se conseguiu através de uma grande batalha, com todas as regras do uma grande batalha. Batalha que começaram os professores, que continuaram os alfabetizadores populares, e que ganhou impulso extraordinário e decisivo quando nossas massas juvenis, integradas ao exército alfabetizador de Conrado Benítez, se juntaram a essa luta.

“Por planícies e montanhas vai o brigadista …” cantava o hino que esses jovens, muitos deles adolescentes que nunca haviam saído de suas casas e cidades, cantavam constantemente. Eles carregavam orgulhosamente nos ombros o emblema com o rosto de Conrado Benítez, um jovem professor voluntário assassinado por gangues contra-revolucionárias, que logo depois também acabariam com a vida do brigadista Manuel Ascunce e do camponês Pedro Lantigua, antes de ser liquidado pelo Exército rebelde e milícias.

Día Mundial de la Alfabetización recuerda logros educativos en Cuba

O ano de 1961 foi decisivo para a história do povo cubano. À proclamação do caráter socialista da Revolução, a vitória de Playa Girón contra a invasão mercenária e outros eventos importantes, foi adicionada a bem sucedida Campanha de Alfabetização, que formou centenas de milhares de jovens.

À afirmação de Fidel de que “aquela capacidade de criação, aquele sacrifício, aquela generosidade uns para com os outros, aquela fraternidade que hoje reina na nossa cidade, isso é o socialismo!”, Os jovens alfabetizadores responderam, como combinado: “Fidel, diga-nos o que mais temos que fazer”, foi a disposição assumida por centenas de milhares de meninos, que mais tarde se tornariam profissionais, cientistas ou operários qualificados, esteio das conquistas da Revolução, e cujos filhos e netos seguem a legado hoje, enfrentando novos desafios, com certeza para continuar vencendo.

Cuba, la alfabetización lo cambió todo (I) - Tiempo21
Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #Fidel, #YoSoyFidel, alfabetização, EDUCAÇÃO, educação, juventude, JUVENTUDE CUBANA 4 DE ABRIL | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: