Quanto custa esta consulta ao domicílio?

Autor: Germán Veloz Placencia | german@granma.cu

A velha abriu a porta e não escondeu a surpresa ao ver o médico. “Quanto custa essa visita domiciliar?” Ela perguntou ansiosamente. E quando soube que não haveria nota fiscal, ele recuperou a compostura. Naquele momento, ela olhou nos olhos do visitante e se lembrou de tê-los visto antes, quando um médico cubano, protegido com um terno especial, a ajudou a sair vitoriosa no confronto com o COVID-19. Ele chorou então, em meio ao agradecimento.

O evento faz parte da memória permanente do Capitão Maurio González Hernández, que integra a equipe assistencial do hospital militar Fermín Valdés Domínguez. Por cerca de quatro meses, o jovem fez parte da brigada de 38 médicos e enfermeiras do Contingente Internacional de Médicos Especializados em Situações de Desastre e Epidemias Graves Henry Reeve, que na cidade italiana de Torino ajudou a salvar mais de cem pessoas afetadas pela a pandemia.

Recibimiento de médicos de la brigada Henry Reeve procedentes de México, desarrollado en el aeropuerto José Martí, Boyeros

«Não fiquei surpreendido com a reacção da senhora. Na Itália, os pacientes com alta hospitalar do COVID-19 não têm um tratamento como o do nosso país, que estabelece acompanhamento detalhado nos consultórios médicos de família da área de saúde. Lá, ao sair do hospital, o paciente começa a se preparar para ser avaliado por médicos especialistas. No momento do encontro, a senhora, segundo nos contou, teria que esperar quatro meses para que a consulta solicitada se tornasse realidade.

«A minha visita teve como objectivo avaliar a evolução domiciliária do doente e reajustar o tratamento se necessário. Lembrei que lutamos muito no hospital de campanha para tirá-la do estado crítico em que chegou, e acrescentaram as complicações que o diabetes mellitus que ela sofre acrescentava.

Assim, há motivos para afirmar que a idosa também não esquecerá aquele encontro, fruto da filosofia médica cubana, defensora do método clínico, cuja força está na constante interação com o paciente e na realização do exame físico, num processo acompanhado de franco respeito e querida.

Ele também descreve que uma noite de tenso guarda médico, Enrico Paccini, um paciente de 91 anos, “com sincera gratidão, disse que o salvamos da morte. Seu desejo era continuar vivendo para ver a beleza do mundo, especialmente o triunfo dos médicos cubanos.

Categories: # Cuba, #colaboracion medica cubana, #Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, ·Medicos Cubanos, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, CUBA COOPERA, Itália, MasQueMedicos, POLÍTICA | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: