Guerras, chantagens econômicas e falsas promessas de paz.

Apesar dos polêmicos acordos de normalização de Israel com quatro países árabes, 2020 termina como começou, sob o signo de graves atos criminosos contra o Irã que alarmam o mundo.

As tendências perigosas que prevaleceram no turbulento espaço geopolítico do Levante ao longo do ano respondem à política empreendida pelos Estados Unidos e Israel, sob a estreita colaboração dos radicais de direita Donald Trump e Benjamin Netanyahu.

Além da utilização do homicídio como instrumento de provocação, existem políticas de “máxima pressão económica”, chantagem política, com recurso a bloqueios, isolamento, sanções comerciais e financeiras à vontade. E a eles se soma a deslegitimação de qualquer outra forma de organização social dos Estados; uso de mentiras e falsidades para desacreditar governos independentes.

El objetivo de la visita de Benjamin Netanyahu a Donald Trump en la Casa  Blanca

O ano começou perturbado pelo assassinato brutal do general Qasem Soleimani, considerado no Ocidente a figura militar mais poderosa do Irã.

O chefe da Força Quds dos Guardiões da Revolução foi cortado em pedaços em um “ataque de precisão” – conforme definido pelo Pentágono – por um foguete disparado por um drone guiado remotamente de uma base militar dos EUA no Golfo Pérsico, enquanto partia em um Carro do aeroporto de Bagdá, na companhia de seu anfitrião, Abu Mahdi al Muhandis, vice-chefe das Forças de Mobilização Popular do Iraque, milícias dentro do exército, que se opõem à presença de tropas de Washington em seu país, apoiadas pela República islâmico

A execução do general Soleiman ocorreu em 3 de janeiro. Para mais ofensiva, numa sexta-feira, dia de lazer e orações da comunidade muçulmana, por ordem expressa de Trump, numa espécie de baptismo de sangue e fogo, que vai arejar publicamente a sua falta de escrúpulos para promover a sua anunciada política de rendição por qualquer mídia ao Governo da República Islâmica.

“Nós o impedimos rápida e friamente … sob minhas ordens”, disse então o presidente dos Estados Unidos.

Muito antes, durante a campanha presidencial de 2016, Trump endossou o pretexto usado por Netanyahu, que acusa o Irã de ser o “maior patrocinador mundial do terrorismo”, o que justificaria qualquer ato criminoso e provocativo capaz de desencadear uma conflagração de longo alcance. mundo.

Porque é sabido que uma guerra no Oriente Médio ou no Golfo afetaria imediatamente o comércio mundial de combustíveis e alimentos; Pode causar distorções nas vias de comunicação, preços e oferta, bem como movimentos bruscos nas bolsas de valores e, sobretudo, graves repercussões para nações vulneráveis.

Paz entre Israel, EAU y Bahréin: qué cambios ha logrado Donald Trump en  Oriente Próximo - BBC News Mundo

A relatora das Nações Unidas para execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, determinou que “os assassinatos seletivos de Qasem Soleiman e Abu Mahdi al Muhandis são ilegais e violam o direito internacional humanitário”.

Quase um ano depois, em 27 de novembro – outra sexta-feira de orações – algumas semanas antes da derrocada eleitoral que encerrou as aspirações de Trump por um segundo mandato, o que poderia frustrar o desejo expresso compartilhado com Netanyahu de destruir ou destituir do poder à República Islâmica, um ataque terrorista estudado e bem armado acabou com a vida de Mohsen Fakhrizadeh, chefe da Organização de Pesquisa e Inovação do Ministério da Defesa iraniano.

Fakhrizadeh, considerado o mais importante cientista nuclear do Irã, foi atacado em seu carro com explosivos e tiros, usando um dispositivo usado exclusivamente pelo bloco militar da Organização do Atlântico Norte (OTAN), segundo relatórios de fontes estatais iranianas.

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, acusou Israel do assassinato e disse que sua morte não interromperia o programa nuclear do país; embora ele também tenha advertido que o Irã retaliaria pelo assassinato de Mohsen Fakhrizadeh quando julgasse apropriado.

Israel se absteve de comentar o ataque, mas já em 2018 Netanyahu acusou publicamente – pelo nome e sobrenome – o cientista de ser o chefe do Projeto Amad, um suposto programa secreto de armas nucleares, suposição compartilhada pelas agências de inteligência de Israel. O Ocidente, que o chamou – sem qualquer evidência – de “o pai da bomba iraniana”.

Os analistas foram rápidos em apontar dois motivos possíveis: primeiro, colocar em risco uma possível melhora nas relações entre o Irã e os Estados Unidos com o novo governo de Joe Biden.

Em segundo lugar, provoque o Irã, instigue-o a cometer um ato de vingança. Você não precisa ser muito especialista. As semelhanças com o assassinato do General Soleimani são evidentes e os motivos e possíveis protagonistas não poderiam ser mais semelhantes.

Trump decepcionado con Netanyahu por su falta de apoyo en las elecciones –  Sitio de Al Manar en Español

A morte de Fakhrizadeh se juntou a outros quatro cientistas nucleares iranianos que foram mortos entre 2010 e 2012, ações denunciadas por Teerã como um complô planejado por Israel.

O jornal New York Times citou três autoridades americanas, incluindo duas autoridades de inteligência, que alegaram que Israel estava por trás do ataque.

Durante a corrida eleitoral de 2016, Trump endossou a rejeição total do acordo nuclear com o Irã negociado pelo governo do presidente Barack Obama, que continuou a levantar políticos republicanos conservadores no Congresso.

Os Estados Unidos e os outros membros do Conselho de Segurança da ONU (Rússia, China, França e Grã-Bretanha), além da Alemanha, concordaram em suspender o severo regime de sanções econômicas imposto ao Irã, em troca do compromisso devidamente monitorado do Irã com eliminar qualquer vestígio de pesquisa ou desenvolvimento nuclear para fins militares.

Trump colocou em risco a credibilidade dos Estados Unidos e as relações com seus aliados europeus em troca de um entendimento carnal com o Estado judeu-sionista e os grupos de poder associados à indústria militar norte-americana, beneficiários óbvios da arriscada virada política diplomática do magnata de Nova York , que pretendia orientar a política externa como centro de negócios.

Em sua primeira viagem ao exterior após assumir a presidência, em maio de 2017, Trump foi à Arábia Saudita, onde proclamou sua prioridade em forjar um eixo anti-iraniano, que reunisse aquela e outras monarquias do Golfo, os Estados Unidos e … Israel.

Então veio o reconhecimento de Jerusalém como a capital de Israel, onde o parlamento consagrou o caráter judaico do estado em uma legislação de valor constitucional. Trump abandonou a condenação dos assentamentos judeus em terras palestinas e os considerou legais, assim como a anexação do planalto ocupado do Golã na Síria.

Por outro lado, seu genro e principal conselheiro, o investidor imobiliário judeu Yared Kushner, apresentou o chamado “Tratado do Século” elaborado por Trump para – segundo ele – resolver de uma vez por todas o chamado “problema palestino”.

Em uma decisão de pegar ou largar, Trump deu à Autoridade Nacional Palestina (ANP) a opção de aceitar a perda de outros 30 por cento de seu território no Vale do Jordão, esquecendo o pedido de refugiado ao retornar, e ter uma entidade “estatal” fracionária, cercada por Israel, sem fronteira própria, em troca da oferta de um investimento multimilionário, principalmente de capital árabe. Em suma, a conclusão da expropriação começou em 1948.

Confrontado com a rejeição imediata da ANP e de todas as forças políticas e populares palestinas, Trump decidiu empurrar todos os possíveis parceiros árabes no caminho da “normalização” das relações com Israel.

A rota foi aberta pelos Emirados Árabes Unidos, país que desconfia do Irã, que poderá adquirir dezenas de bilhões de dólares em armas americanas, incluindo os sofisticados caças F-35 que só Israel possui. Bahrain, um aliado próximo dos Emirados e da Arábia Saudita, veio em seguida. O Sudão, que em troca foi retirado da lista dos “países promotores do terrorismo”, e por último o Marrocos, que recebe um impulso com a ocupação do Sahara Ocidental.

Nenhum dos dois está em guerra com Israel. Eles não são tratados de paz. Eles apenas abandonam a regra acordada pela Liga Árabe de não entrar em relações com Israel até que um estado palestino independente seja proclamado em Gaza e na Cisjordânia.

Em uma semana exata do ano novo, quando escrevo estas linhas, Trump continua a se recusar a aceitar sua derrota eleitoral e acumula todos os gatilhos de uma eclosão de guerra que poderiam paralisar seu alívio.

Sem vontade de cantar uma “Noite de silêncio” esperançosa neste Oriente Médio volátil, muito pelo contrário, com o lançamento de um eixo tenebroso de guerra contra o Irã, o ano termina sujeito a um tempo de espera em que nada pode acontecer.

Publicado por tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: