A questão é de princípios. Uma reflexão para começar o dia …

Autor: Leidys María Labrador Herrera | leidys@granma.cu

Muitas são as premissas que carrego como bandeira de viver. A maior parte deles está comigo desde a infância, e embora alguns os tenha modificado de acordo com as minhas experiências pessoais e com o passar do tempo, outros os mantenho imóveis, porque considero que são, para o ser humano, essenciais, como o mesmo ar que respirar.

Podem haver vários exemplos em que, logicamente, não é minha intenção colocar-me como paradigma. Se começo pela minha própria experiência, é porque não há nada mais ilustrativo que nos diga com certeza se estamos ou não no caminho certo.

A fidelidade aos nossos princípios é o teste mais sagrado, primeiro, do respeito por nós mesmos e, depois, do respeito essencial pelos outros.

É verdade que essa postura que assumimos como nossa linha de comportamento e ação não depende apenas da vontade individual. Logicamente, é um processo de sedimentação subjetiva, que se constrói graças ao sistema de valores que nos rodeia em casa, na escola, no meio e na sociedade em que vivemos, que, sem falar em centenas de outros fatores pelos quais não alcançaria esta página.

Assim, as contradições que se estabelecem entre as formas que o ser humano escolhe para enfrentar, interpretar e nela se desenvolver são certamente lógicas. A essa altura, é impossível não ir a Marx quando afirma que: “Não é a consciência do homem que determina seu ser, mas, ao contrário, seu ser social é o que determina sua consciência.”

É por isso que as formas de pensar que diferem das nossas não podem ser julgadas levianamente, sem antes parar para analisar a origem dessas linhas de pensamento. Não pode, por exemplo, ridicularizar o cidadão americano
que acredita que seu país é realmente um paradigma perante o mundo, porque foi educado sob essa idiossincrasia e, para ele, essa é a verdade mais pura.

No entanto, existem princípios e valores que, independentemente de onde nascemos e de onde nos formamos como seres sociais, têm um caráter universal, e isso já é outra ponta do fenômeno. Há uma diferença entre o referido nacionalismo (extremo) e o facto de um presidente justificar com ele um “suposto” direito à intervenção militar, ou de mover, como peças de xadrez, os componentes da geopolítica mundial.

Que uma pessoa defenda os princípios e valores em que acredita, a partir de uma postura de diálogo e convivência pacífica, é compreensível, respeitável e constitui, além disso, um direito. Porém, quando há seriedade na posição de dissidência, ninguém deve se denegrir e chegar ao mais baixo patamar de condição humana que implique colocar um preço em sua dignidade.

Se algo está claro neste mundo, é que quem se respeita e, portanto, é coerente com sua forma de pensar, nunca se encontra no dilema de saber quanto vai pagar se eu disser ou fizer isso ou aquilo. Os verdadeiros ideais não têm preço. Quando uma pessoa vende sua consciência, ela se torna um objeto de uso para o pagador, e ela só terá valor enquanto for útil; mais tarde será esquecido e, como maquinaria decomposta, jogado no depósito das misérias humanas.

Está comprovado que, em Cuba, os espetáculos circenses são reservados às tendas e aos talentosos artistas que, com esforço e sacrifício, encantam o público. A qualidade desses espaços é tanta que as más imitações não chamam a atenção do nosso povo, e os frustrados protagonistas deveriam aplaudir uns aos outros.

Respeite-se primeiro quem quer ser respeitado, esse é o mais elementar dos princípios. Junto com isso vem a dignidade, reconhecendo nosso próprio valor como seres humanos (o que não é contado em
metálico), coexistindo como seres sociais e agindo de acordo com as disposições éticas e legais que regem essa convivência.

Martí siempre nos acompaña | Presidencia y Gobierno de la República de Cuba

Quem vai para a cama sendo alguém e acorda com outra identidade (sob a ação mágica de algum “incentivo” material), é porque nunca teve ideais firmes, porque viveu como um pêndulo encostado onde a sombra o beneficia. É aquela pessoa que não anda com as próprias pernas, mas deixa arrastar sua ideologia, que não é da direita, nem da esquerda, nem mesmo “centrista”, mas uma espécie de pedaço de metal preso ao ímã do poder.

Todo ser pensante questiona as coisas, sabe que as transformações são uma parte indispensável do curso do
indivíduo e sociedade, entende que todo trabalho é perfectível. Precisamente por isso, se tens bom senso claro, se tens princípios, colocas as tuas ideias a favor do bem-estar colectivo; Ele não critica com o objetivo de atropelar o que foi feito, mas sim de contribuir para torná-lo melhor; Ele não se vangloria dos problemas de seu país para merecer um tapinha estrangeiro nas costas, ele insiste em resolvê-los.

Quem tem plena consciência das realidades do presente não assume posições oportunistas, não dorme em um colchão de mentiras, não promove o descontentamento nem cria oportunidades para subverter a ordem.

Acredito sinceramente que o mundo está cada vez menos confuso. São muitas as razões para não saber qual lado é justo, embora muitos, hipocritamente, se recusem a reconhecê-lo e, infelizmente, outros sigam o exemplo.

Os tempos que correm não são ambivalentes. Tomar partido é necessário mesmo nos quadros mais estreitos de nossa individualidade, e isso vai além das conotações políticas. É reconhecer-nos na pessoa que escolhemos ser, para que o tempo não nos obrigue a ter vergonha.

Cada pessoa é integralmente responsável pelas consequências de seus atos e, portanto, é inútil nos empenharmos em buscar apoio coletivo para o que não tem justificativa possível e que fazemos deliberadamente com plena clareza dos códigos que violamos.

Quando isso acontece, as reais motivações de quem comete tais atos ficam imediatamente expostas, pois não há convicções reais.

Quem realmente honra seus princípios, os valores em que acredita, o que considera justo, nunca permite que a ambição corroa esses adereços, não os negocia nem se cansa de arrogância e cinismo.

Se, por conveniência, qualquer bandeira for abraçada, não importa o país, a sociedade ou as circunstâncias em que se vive, porque, infelizmente, a essência do ser terá se perdido.

Categories: #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, Contra-revolução cubana, CUBA, Jose Marti, Patria Jose Marti, princípio da não intervenção nos assuntos internos de outras nações. | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: