O cerco da “pacificação” .

#ManipulacionMediatica #RedesSociales #SubversionContraCuba #CubaSeRespeta #MINCULT #CubaEsCultura #MafiaCubanoAmericana #JovenesCubanos #YoSigoAMiPresidente

Autor: Antonio Rodríguez Salvador | internet@granma.cu

Além de ser uma farsa ridícula, o que aconteceu no dia 27 em frente ao Ministério da Cultura foi um exercício frustrado de pós-verdade: irracionalidade e absurdo antes calculados, com o objetivo de mostrar um mundo de cabeça para baixo. ..

Supostamente, alguns artistas ali se reuniram para exigir o diálogo, mas se em certas mídias – e também nas câmaras de eco que costumam ser as redes sociais – não tivessem repetido tanto esse propósito e suposta condição, poderíamos jurar que só havia uma multidão de empolgou as pessoas lá paparazzi, e que as palavras “artistas” e “diálogo” dificilmente soaram sem qualquer significado lógico.

Pelas redes sociais pudemos ver o que aconteceu: foi uma provocação de ponta a ponta, o bullying insolente de uma instituição do Estado. Nesse reality show transmitido em tempo real por eles próprios, eles conseguiram envergonhar até a própria indecência.

Constituyen Consejo Asesor del Ministerio de Cultura de Cuba - Radio Ciudad  Habana

Vimos assim como, sem a mais elementar ética, tentaram manipular o vice-ministro Fernando Rojas em um telefonema que ele supôs ser particular. Sentimos a perplexidade e paciência do funcionário; repetidamente o ouvimos propor soluções; mas, antes de cada conformidade, havia sempre uma incoerência para não aceitá-la.

O que eles queriam com tanta ousadia? A pós-verdade é chamada de distorção deliberada de uma realidade, que manipula crenças e emoções, a fim de influenciar a opinião pública e as atitudes sociais. É um ato demagógico que desrespeita o bom senso e busca promover o fanatismo; amputar de mentes qualquer razão ou procedimento inteligente.

Quem eles estavam tentando manipular ou alimentar suas crenças? Achavam que a grande maioria dos artistas e escritores cubanos iria se juntar a eles? Será que eles achavam que tinham a mistura mágica de Puck, de acordo com a famosa comédia de Shakespeare, para encantar uma multidão naquele delirante “sonho de manhã de inverno”?

Já disse outras vezes que o problema não é a crítica, mas o critério que a protege. Que critérios estavam por trás dessa demonstração contra Mincult? A que ele estava respondendo? Um dos principais manifestantes presentes foi o suposto grevista da recente farsa de San Isidro, que pediu insistentemente ao governo dos Estados Unidos o bloqueio total a Cuba.

Mas não o bloqueio que sofremos até agora – já bastante criminoso – mas o de uma ilha rodeada de navios de guerra. Um dos slogans deste assunto é: Chega de “paz”, é preciso fogo, para apelar imediatamente à invasão militar dos EUA. A cultura da morte é o que este homem defende.

É curioso que tal provocação coincida com o momento em que funcionários da Casa Branca anunciam que o governo Biden está revendo a política desse país em relação a Cuba, depois do infeliz estado a que Trump o conduziu. Chance ou plano pré-concebido?

Outro grupo, dos presentes, respondeu aos meios planejados e pagos pelos Estados Unidos para sua habitual campanha de ódio e manipulação de nossa realidade. Meios de comunicação que nunca levantaram a voz para condenar, e nem sequer tocou na pétala de uma rosa, a censura sistemática dos artistas cubanos na Flórida, seu linchamento e demonização metódica, dos quais inúmeros exemplos podem ser dados.

Com que direito falam em nome da cultura cubana? Cultura não é apenas arte, ela também abrange o conjunto de conhecimentos, crenças e padrões de comportamento de toda a sociedade. Inclui a história, as tradições, as idiossincrasias de todo um povo, e essa entrega e essa impudência não fazem parte da nossa moral, dos nossos valores.

Quem capacitou esses jovens a falar em nome de todo um povo? Eles estão chamando essa arrogante auto-proclamação de democracia por acaso? Certamente, na manifestação anterior, realizada há dois meses, se reuniram jovens que poderiam ser capazes de encorajar intenções válidas. No entanto, agora eles não são, e isso mostra que novamente eles não poderiam ser manipulados.

O diálogo social é aquele que se origina em todo um país e, para ele, sobretudo, é tributado com uma alteridade consensual, uma vez que não é possível reunir 11 milhões de pessoas numa sala. É o que ocorre diariamente em nossas ruas e locais de trabalho, com o fazer e o compromisso cidadão.

Parece apropriado dizer que ninguém pode se opor às críticas. A crítica é bem-vinda, mas a do julgamento responsável, aquela que tem permitido que muitos artistas e escritores transcendam seu tempo e sejam, para sempre, contemporâneos. Aquele que nos coloca diante do espelho e nos projeta para o crescimento espiritual; não aquele que, de repente, nos lembra a tão citada passagem bíblica do Sermão da Montanha: “Cuidado com os falsos profetas, que vêm a vós vestidos de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes. Por seus frutos você os conhecerá.

Autor: tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: