Guaidó e a rota do dinheiro da Venezuela.

Por Redacción Razones de Cuba

Autor: Elson Concepción Pérez | internet@granma.cu

Um personagem como Juan Guaidó só poderia ser fabricado pelo governo dos Estados Unidos. O montante multimilionário de dinheiro necessário ao projeto, elaborado no Departamento de Estado, foi concebido, desde o início, com base na apropriação do patrimônio do Estado venezuelano, depositado em bancos daquele país, bem como na subsidiária do petroleira PDVSA, que, sob o nome de Citgo, reside nos Estados Unidos.

Tratava-se de criar uma espécie de “governo paralelo” e ignorar e torpedear o legítimo, chefiado por Nicolás Maduro; desenvolver uma guerra econômica de possível alcance militar, e que o dinheiro para este andaime intervencionista venha dos recursos do país bolivariano.

O ex-presidente Donald Trump, e seu colaborador mais próximo, Mike Pompeo, sabiam que privar a Venezuela do dinheiro obtido com seu petróleo era a melhor maneira de deter o boom revolucionário, o desenvolvimento social e, de acordo com seus planos, o caminho para o colapso da Revolução Bolivariana .

Resultado de imagen de imagenes de trump y guaido

Para se ter uma ideia de até onde chegaram os Estados Unidos e Juan Guaidó, tomemos um exemplo: A petroleira PDVSA tinha um acordo com a Itália para que, no país europeu, fossem realizados transplantes de medula óssea em crianças venezuelanas como único caminho para salvar suas vidas. Porém, quatro deles morreram enquanto aguardavam a viagem, já que o dinheiro para custear essas operações deveria ser enviado pela subsidiária da Citgo, mas como Trump o apreendeu e proibiu o uso de seus recursos, o único destino dos bebês era o morte.

“Aquele programa de Saúde com a Itália era executado pela Citgo, confiscado pelos EUA, a Venezuela mandou os fundos pela PDVSA e eles ficaram retidos no Novo Banco, em Portugal, graças às sanções e ao bloqueio criminoso”, relatou então, em um tweet, o Ministro das Relações Exteriores da Venezuela, Jorge Arreaza.

Na mensagem publicou também as ordens de pagamento emitidas pela estatal venezuelana de petróleo e os recibos das transacções rejeitados pelo banco português. A vice-presidente, Delcy Rodríguez, apontou diretamente para Juan Guaidó ter entregue o Citgo aos Estados Unidos. “Esse roubo levou ao assassinato de crianças beneficiadas por nobres programas de saúde”, afirmou.

Muitos outros danos têm causado o desfalque ou congelamento de dinheiro venezuelano por entidades estrangeiras, e milhões desses recursos foram para o bolso de Guaidó e seus acólitos e, sobretudo, para as carteiras de seus promotores.

La CNN recuerda que el 25 de enero de 2019, EE. UU. «autorizó a Juan Guaidó para controlar las cuentas del Gobierno o del Banco Central de Venezuela, depositadas en el Banco de la Reserva Federal en Nueva York u otra institución bancaria asegurada en Estados Unidos”. Foram 340 milhões de dólares confiscados ao executivo de Caracas.

A própria fonte cita que “assim que Juan Guaidó se autoproclamou presidente interino da Venezuela, em 23 de janeiro de 2019, o secretário de Estado, Mike Pompeo, emitiu um comunicado oferecendo apoio à transição na Venezuela”. Como essa empreitada não poderia ser realizada com os cofres vazios, o próprio Departamento de Estado concedeu 20 milhões de dólares ao “governo de Guaidó”, que jamais poderia influir internamente, mas que foi sacado internacionalmente com o saque de contas do país, no meio da guerra que é travada sobre ele.

O Washington Post revelou uma investigação que vincula o círculo de oposição venezuelana a atos de corrupção nos Estados Unidos, como ações vinculadas ao manejo irregular de ativos venezuelanos no exterior, recuperadas em aliança com o governo Trump.

Outra direção de como o dinheiro venezuelano é buscado em bancos estrangeiros foi encenada com as 31 toneladas de barras de ouro (2 bilhões de dólares) do país sul-americano mantidas no Banco da Inglaterra. Essa entidade recusou entregá-los ao Banco Central da Venezuela, com base no reconhecimento, pelo governo britânico, de Guaidó como presidente interino.

O litígio continua e, junto com a rota do dinheiro venezuelano confiscado ou roubado pelos Estados Unidos, o povo daquele país está privado de usar seus recursos para adquirir medicamentos e alimentos, em meio a uma pandemia que, junto com O bloqueio Os avanços econômicos da América entraram em colapso nas últimas duas décadas.

Sem Trump na Casa Branca, a comunidade internacional espera que o novo governo reprima essa posição criminosa e intrometida.

Categories: # Venezuela, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, CIA Mike Pompeo, confrontar Donald Trump da câmara baixa, Donald Trump liderou um golpe de estado na nação bolivariana, relações bilaterais, o governo Donald Trump, secretario de Estado, Michael Pompeo, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: