O bloqueio é um crime contra a humanidade.

Por: Fernando Buen Abad Elaborando Razones de Cuba.

Segundo a ONU, crimes contra a humanidade são aqueles que constituem ataques generalizados ou sistemáticos à população civil. “Crimes contra a humanidade” são extermínios, escravidão, deportação ou expulsão forçada, privação da liberdade física e intelectual que viola o direito internacional. “Crimes contra a humanidade” são tortura, estupro, prostituição e violência sexual, a perseguição de um grupo (incluindo seu “linchamento na mídia”) por razões políticas, raciais, nacionais, étnicas, culturais, religiosas ou de gênero; o desaparecimento forçado de pessoas, o apartheid e outros atos que ameaçam a integridade de indivíduos e grupos sociais. Por exemplo, o bloqueio, embora o chamem de “embargo”.

Antes que os “puristas” das classificações jurídicas levantem esperanças de provar a eloqüência escolástica, saiba que elas não acontecerão aqui. Qualquer coisa que ameace a vida, a liberdade, os direitos e a dignidade das pessoas é um Crime Contra a Humanidade … e os Bloqueios são uma das guerras mais traiçoeiras, ilegais e ilegítimas do capitalismo, mesmo que contratem ou inventem ideólogos, tratados internacionais e leis para camuflar-se.

Amplio rechazo en ONU al bloqueo contra Cuba • Trabajadores

Mas lutar contra o bloqueio não é apenas uma questão “legal”, as dezenas de repúdio internacional na ONU e as proclamações raivosas das vozes mais indignadas têm sido de pouca utilidade. A batalha contra o Bloqueio é uma luta política implacável que não para às portas das burocracias e que envolve uma batalha tenaz e radical contra o capitalismo, seu modo de produção e suas relações de produção. Sem dúvida, o capitalismo, em seu desenvolvimento, após a Segunda Guerra Mundial, produziu horrores iguais ou piores contra a espécie humana. Produziu todos os tipos de usurpações, invasões e roubos. Todos os tipos de engano, manipulação e humilhação. Destruição do planeta, países e culturas. Vulgaridade, individualismo e racismo. Miséria, pobreza e desamparo. Sequestros, usurpações e bloqueios. Impossível inventar tantos horrores! As consequências pioram e se comportam como uma pandemia.

Não há futuro para a humanidade sob tal sistema. E para punir quem se recusa a aplaudir seus horrores, o império impõe sanções, “embargos” e bloqueios. Todos juntos ou separadamente, eles não são os mesmos. São formas de uma guerra implacável contra os povos e contra a humanidade. Por exemplo, o Bloqueio contra Cuba é o mais antigo conhecido na história moderna. Embora tenha sido condenado inúmeras vezes, nada acontece; O mesmo está acontecendo contra a Venezuela e contra quem tenta desenvolver laços de qualquer tipo com os dois países.

Alguns lamentam apenas o “dano econômico” causado pelo Bloqueio, mas é insuficiente para compreender e denunciar os danos nos campos da saúde, educação, habitação, trabalho e cultura. O Bloqueio faz parte da Guerra Psicológica imperial contra todas as rebeliões. Não esqueçamos a obrigação ética que todos temos de denunciar o ataque sistemático ao estado de espírito dos povos sujeitos ao bloqueio. A urgência de uma nova proclamação planetária dos Direitos Humanos é mais clara do que nunca, desta vez apagando todos os vestígios do individualismo (do único lamento pelos direitos individuais) para ascender a uma prática humanística que aprenda a não reduzir Direitos e, em troca, Aprenda a expandir , e aprofundar, todas as suas noções para o seu caráter social necessário.

É hora de nos capacitarmos com um novo programa humanista mundial, de caráter vinculante, em todos os órgãos constitucionais e em todas as hierarquias éticas com as quais uma verdadeira justiça social deve ser armada que nos salvará das formas implacáveis ​​de desigualdade, desamparo e marginalização que prevalecem.

Precisamos de uma Declaração dos Direitos Humanos de um tipo novo que condene o Bloqueio, desta vez democrático, firmado por organizações de trabalhadores, aceito pelos movimentos sociais na luta contra a separação da humanidade em classes sociais. Um novo sistema humanista, com capítulos subordinados a uma concepção dinâmica e integral, capaz de se aperfeiçoar com sua prática objetiva e com a organização democrática permanente de observadores, supervisores e controladores organizados em comitês éticos para o desenvolvimento dos Direitos e Responsabilidades coletivas. Rompendo com toda a “ladainha da falsa democracia” para democratizar verdadeiramente a Declaração Universal dos Direitos Humanos, renová-la do consenso. É uma etapa necessária no curto prazo. Rompendo com a ideia de que tal Declaração deve ser mantida enjaulada na verborragia diplomática, para ascender a uma que se torna “carne das lutas humanistas de base socialista”. Uma Declaração dos Direitos Humanos que é sinônimo de força prática sustentada pelo pensamento crítico. Precisamos de uma Declaração dos Direitos Humanos revolucionária, que inclua o debate e o escrutínio dos povos contra seus opressores.

Até hoje “os direitos humanos – escreve Marx – são os direitos dos membros da sociedade burguesa, isto é, dos indivíduos egoístas, separados de si próprios e da comunidade” … mas os direitos do cidadão são “direitos que só podem ser exercidos na comunidade. Seu conteúdo é a participação na comunidade e, especificamente, na comunidade política do Estado ”. Nenhum dos direitos humanos transcende os indivíduos recolhidos em si mesmos. Precisamos de uma Declaração dos Direitos Humanos que seja um instrumento de crítica diária, próxima e em ação, cujas proclamações lutem no sentido fundamental do respeito inalienável pelo trabalho: “todos os membros da sociedade têm o mesmo direito de perceber o fruto pleno do trabalho” ou a uma “distribuição eqüitativa do fruto do trabalho”.

Precisamos de um acordo internacionalista, desde as bases, para reencontrar os Direitos Humanos de forma essencialmente crítica contra o caráter extremamente limitado e desumano da lógica do capital. Lutar contra o Bloqueio (contra todas as formas de bloqueio) que constitui um crime flagrante e sistemático. Humanismo que é mais do que um compêndio de “boas intenções” filantrópicas; que seja mais uma forma de ascender à prática emancipatória. Como pensava Marx, à luz da História, inseparável do conteúdo inspirado pelas forças sociais em suas lutas emancipatórias. O humanismo do “novo gênero” como ação desejável, possível e realizável para as forças que se apóiam na democracia participativa e revolucionária. O humanismo, hoje mais necessário do que nunca, para não sucumbir à mais feroz opressão ideológica implícita na subtração da mais-valia. Humanismo que não pára por nada, que defende a natureza, que protege o patrimônio cultural, que combate os negócios das guerras, os bancos de abutres e as máquinas dos “meios de comunicação” de guerra ideológica. Não vamos engolir mais decepções, o Bloqueio é um Crime contra a Humanidade. E deve ser interrompido, punido e forçado a reparar os danos, globalmente.

(Retirado de CubaPeriodistas)

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, CubavsBloqueo, ESTADOS UNIDOS, Estados Unidos contra Cuba, ONU, ONU-CUBA | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: