Cuba: “No dia em que Fidel gritou Pátria ou Morte, todo este país chorou …”

Pela Dra. Yadira González Delgado *

Quanto esquecimento existe no adeus? Quanto ódio cabe nas artérias de Miami? Quem nos esquece, esquece os jovens que cantam com eles, esquece seu povo, esquece sua pátria, esquece Martí. Os que cantam o fazem como se Cuba não lhes tivesse dado nada, como se tivessem se tornado artistas em Júpiter, como se não se lembrassem onde cresceram e quem os abraçou pela primeira vez, como se respeitar as nossas deficiências fosse não um dever, como se o oportunismo pudesse tirar tão rapidamente a gratidão de ser cubano; como se viver nestas ruas, como se cavar no nosso sulco, como se comer do nosso próprio prato, não fosse orgulho.

Martí era um independentista. Que ninguém se esqueça disso. Martí morreu por nós porque odiava o jugo espanhol e conhecia o monstro do norte. É por isso que ele o chamou de Golias e queria ser Davi. Sua morte foi a maneira mais digna de viver. A pátria o viu morrer e abriu suas entranhas para recebê-lo. Martí nunca cedeu suas terras aos interesses de outro governo. Ele nunca foi um anexacionista. Ele nunca foi um traidor. Ele nunca escreveu contra sua pátria ou fez qualquer discurso contra seu povo. Ele não permitiu que ninguém o manipulasse porque ele era um homem de ferro e luzes. E quando teve que plantar na frente de Zambrana, com a testa mais franzida que Nova York já viu, ele o fez.

https://lasantamambisa.files.wordpress.com/2021/02/dra.-yadira-gonzalez-delgado.png

Aquela música cheia de ódio que tenta zombar de tudo o que somos, de tudo que demos para sermos livres, do que foi derramado neste chão; aquela canção que tenta trocar Cuba por um milhão de visualizações no YouTube, que tenta negociar nosso prestígio pelos gostos e lucros que dará ao seu bolso, aquela canção de seis zumbis hipnotizados pelo boom e pelo mercado, de seis tipos presos pela hegemonia e egoísmo, de seis ratos que não sabem que a esse povo, como Martí, não falta dignidade; Essa canção rag e covarde não me representa. Seu ódio não me representa. Sua letra nojenta não me representa. Gente de Zona não me representa. Martí me representa. Descemer Bueno não me representa. Che me representa. Maykel Osorbo não me representa. Silvio me representa. Funky não me representa. Israel me representa. Yotuel não me representa. Fidel me representa.

No dia em que foi decidido aqui gritar Pátria ou Morte, não estávamos brincando de soldado. Estávamos mudando infernos, estávamos fundando uma cidade. Martí também gritou “Independência ou Morte” porque sabia que não havia outra maneira de salvar o país. No dia em que aqui foi decidido gritar Pátria ou Morte, não houve tentativa de impor uma doutrina, mas sim foi prestado respeito àqueles que morreram para alcançar a independência. No dia em que Fidel gritou Patria o Muerte, todo este país chorava porque cem irmãos nos mataram na explosão e 400 ficaram feridos. A CIA os matou. O ódio os matou. Para que você conheça bem. Gritamos pelos 34 desaparecidos daquela explosão, pelas dezenas de homens inválidos para o resto da vida, pelas viúvas, pelos órfãos, pelas mães que queriam desaparecer. E tinha que ser Pátria ou Morte em Girón quando eles vieram nos invadir e nos matar. E tinha que ser Homeland ou Death in the Escambray quando famílias inteiras foram mortas a tiros. E teve que ser Homeland or Death quando um avião com 73 cubanos deixando Barbados desabou. Pátria ou Morte é nossa única verdade, nossa declaração, nossa denúncia, nosso grito, nosso veredicto e também será nosso epitáfio.

De que país e de que vida você está falando, que idolatra o ódio de outro governo contra seu país? Qual é o dominó bloqueado? Quem trancou o dominó? De que país e de que vida você está falando, que não cantam contra um bloqueio que acaba com a vida dos cubanos? De que “sangue para pensar diferente” você está falando? Onde é isso? Onde ficou a bússola, onde eles se perderam, quando mudaram? De que país e de que vida você está falando, se Maykel Osorbo recentemente pediu uma intervenção militar? É esse o país que eles querem? Invadido? De que país você está falando, se canta contra ele de outra fronteira? De que vida eles estão falando, se ofenderam nossos mortos mais sagrados? De que país e de que vida você está falando, se a vida neste país não foi respeitada até o triunfo da Revolução?

Deixe a história agora, que esta é e será Pátria ou Morte, porque respeitamos aqueles que nos deram sonhos e liberdade. “Não é uma frase numantina ou suicida, mas uma disposição impenitente de entregar tudo.”

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: