A alucinatória “democracia do Ocidente”

Por Sara Rosenberg

As potências ocidentais – os chamados “países democráticos do Ocidente” – têm uma longa e abominável história de intervenções abertas ou disfarçadas contra a soberania dos povos do Oriente, da África e da América Latina. Um processo de expansão colonial e imperial (pilhagem e destruição) que continua até hoje de várias maneiras.

Um imenso aparato de propaganda se encarrega de transformar a ingerência e a destruição de povos inteiros em uma necessidade e em uma tarefa quase messiânica das “democracias” ocidentais. E os cidadãos / ou súditos dos EUA e da UE repetem ou presumem que vivem em um sistema democrático.

A democracia que eles acham que vivem é uma espécie de alucinação coletiva? É o resultado da perda do sentido humano que nos permite ver e compreender o que está acontecendo?

Caminho por esta cidade duplamente mascarada, ouço, vejo e pergunto.

Como o crime se naturalizou a ponto de cidadãos de “países avançados” acreditarem que vivem em um sistema democrático?

Como é possível que os governos “democraticamente” eleitos nos EUA e na UE (e nos Emirados e em Israel) cometam um crime contra a humanidade, como o bloqueio e sanções a países soberanos, em nome da “democracia” e do seu já apodrecendo o apêndice “liberdade”?

Com que direito é sancionado e bloqueado, condenando os povos a suportar terríveis dificuldades materiais?

Quem tem o direito de punir e bloquear para causar tanto sofrimento a milhões de seres humanos?

Ou é parte da guerra – não declarada – e é um crime contra a humanidade? E se assim fosse, as “democracias” que os exercem e os cidadãos-eleitores que os convêm estariam a endossar um crime contra a humanidade? Eles sabem que crimes contra a humanidade não prescrevem?

Fora do reino da esquerda punida e minoritária anti-imperialista que sobrevive na Europa, cada vez que pergunto o que significa esta democracia e como funciona, o tabu é imposto à razão e à evidência. Tento dar dados que arranham pelo menos a crença ou o salto de fé, mas são inúteis.

Em geral, ninguém quer ouvir tal pergunta ou falar sobre sanções e bloqueios como crimes contra a humanidade. Ainda menos agora no contexto de Covid, quando a coerção somada à crueldade (des) informativa é exercida impunemente contra o povo desses países “democráticos”, enquanto grandes corporações colocam em risco a saúde de todos.

No entanto, os países malignos, demonizados, sancionados e bloqueados – são trinta e nove – alcançaram resultados de saúde superiores que não dependem da bolsa de valores ou da máfia ocidental. Cuba está produzindo sua vacina Sovereign gratuita e universal. Rússia e China também.

Enquanto isso, na Espanha as questões elementares parecem ter sido dolorosamente encerradas, junto com o esquecimento de sua história heróica, de sua luta contra o fascismo e da força de um povo que lutou contra um prolongado golpe de estado e cujo resultado ainda grita um milhão e meio de mortos. É até difícil dizer você se lembra? Você sabe que hoje este país a serviço das grandes corporações e obediente aos ditames dos EUA e da OTAN, este país que repete em espanhol os ditames dos EUA e das grandes corporações financeiro-militares é um refúgio para terroristas e nazistas, enquanto que cem vezes por dia repetem as belas palavras “democracia” e “liberdade”?

O esquecimento da história somado ao intenso bombardeio da mídia instalou uma espécie de não consciência capaz de aceitar que este é o único mundo possível e que a democracia existe neste mundo. São as duas grandes alucinações que impedem todo movimento e dificultam qualquer transformação social.

O totalitarismo da ideologia capitalista – muito a despeito de Doña Ana Arendt – é como o vírus, entra no corpo e se replica até eliminar você – em nome da “liberdade” e da “democracia” – com o gancho multifacetado de ” mal menor ”, mas contagioso muito rapidamente. Sem uma falsa consciência, – aquela espécie de bom senso como dizia Gramsci -, do “mal menor” o vírus seria rapidamente isolado e a energia social que se fragmentava continuamente escorregaria para o esgoto ou para as poltronas do teatro democrático uma saída, ou seja, uma forma superior de organização, capaz de pôr em causa a falácia desta “democracia”.

Mas o que é e como é essa democracia, como ela realmente funciona? Eu pergunto e escuto. As respostas são sempre semelhantes: chama-se liberdade ter opinião dentro dos limites ditados pela mídia, escolher onde comprar e o que comprar na hora certa, transgredir certas normas (sexual-gênero, quase sempre), até votar a cada quatro anos sem ter qualquer instrumento institucional ou coletivo para exercer esse suposto voto, para poder falar de tudo desde que nada seja atacado em segundo plano, desde que não se cite o crime organizado, desde que cumpra a tarefa do “democrata”, isto é, com o silêncio e a passividade que eles impuseram a você.

O caso de Assange é paradigmático, mas o caso de Hasel também é paradigmático em outra escala, e tantos, mas tantos outros. Eles servem para exemplificar, fazem até parte do programa de sucção de energia e grande show midiático, capazes de usar e promover a violência e o caos que justificam e continuam a justificar a submissão absoluta ao conceito de “mal menor”. O grande show da tomada do Capitólio, transmitido milhares de vezes, serviu para esconder que uma das primeiras medidas do novo governo “democrático” é fortalecer a OTAN e fazer avançar suas políticas de interferência na Europa Oriental e em todo o mundo. Como disse Howard Zinn, é a alternância que serve para a continuidade do projeto imperial. Esta semana, um novo bombardeio da Síria foi a carta de apresentação do “novo” governo dos EUA.

Não ouse dizer que a água está molhada, ou que isso não é liberdade e muito menos democracia, porque você entrará no lugar de quem quer criar problemas. E o terror de ver ou pensar é superior à curiosidade lenta e constantemente aniquilada por essa cultura do individualismo doentio.

Tão profunda é a negação do óbvio: a única liberdade real é a liberdade de ignorar o que acontece coletivamente e as razões pelas quais isso acontece. A velha alienação, claro, mas o problema é como quebrá-la para abrir um buraco no escuro.

Porque essa escuridão (ouso dizer que essa escuridão espiritual cuidadosamente programada) não é qualquer tipo de escuridão, ela tem uma textura gelatinosa e uma grande capacidade de mutação. Parece ser a favor de grandes causas humanas, prolifera no negócio de reformas domésticas e sociais e recondicionamento com uma imensa gama de produtos humanitários (ONGs e grupos de diversos tipos) capazes de direcionar energia social para portos que garantem que nada mude. .No fundo, mas sim que as reclamações reforçam o sistema que produz a miséria absoluta da maior parte do planeta. Toda esta engenharia de reformas possíveis que nunca irão alterar o sistema de exploração radical e expropriação, alimentada pelo medo dos comunistas malvados e seus métodos totalitários, nasceu ao mesmo tempo que a primeira revolução bolchevique em nossa história. Teve que ser combatido e tem sido lutado até hoje de muitas maneiras. O essencial seria defender a propriedade privada, o capitalismo e o imperialismo, mesmo tendo que abrir mão do que se chama de “estado de bem-estar” no Ocidente, algumas migalhas em troca de silêncio e passividade e claro, também em troca de continuar com uma exploração neocolonial criminosa da Ásia, África e América Latina, que permite continuar acumulando capital. Em nome da “democracia ocidental”.

Isso é liberdade – que sem força ou verdade – é apenas uma máscara de obediência absoluta e inconsciente, alimentada pelo que chamo de “a equação do menos pior”. Estamos habituados a isso: votamos e vivemos pelo “menos pior” porque o horizonte que deveríamos imaginar ou ver foi previamente e conscienciosamente destruído. Até a ideia de progresso se mede pela quantidade de compras e vendas, nunca pela qualidade e sentido do trabalho humano – que humaniza – pelo direito à vida, a uma rica cultura coletiva, à saúde da maioria. ..

O Covid tornou isso mais do que evidente. Metrôs cheios de trabalhadores continuam a passar para empregos miseráveis, os donos de bares e hotéis continuam a gritar, eles continuam a queimar assentamentos pobres, eles ainda estão sem luz e sem teto no meio do inverno, bairros inteiros, os afogados no mar e o desemprego nas cidades E à medida que os nazis se organizam cada vez mais, continuamos a acreditar que somos livres graças a distrações de alta qualidade: o acesso ao espectáculo é gratuito e garantido. Os grandes monopólios da mídia ganham mais, também o ritual social que se renova a cada quatro anos, votando e depois esquecendo o que significa essa votação e como defendê-la, porque a maioria está ocupada mal sobrevivendo.

Acho que foi Tchekhov que disse que Deus se esconde nos detalhes e também o diabo.

E pela ordem dos detalhes aparecem as questões mais prementes, como o direito inalienável à moradia, à eletricidade, ao gás, a não depender de banco para ter serviços básicos, para poder ter acesso à saúde pública que este sendo desmontado dia após dia, e claro, claro, para construir um popular instrumento de controle e monitoramento das decisões que são tomadas em nosso nome em grandes salões acarpetados que servem de estádio de futebol atende ao torcedor que não define a festa apesar seus gritos. O jogo é disputado em quadra e a participação também é alucinante.

A distância entre crer e viver aumenta a cada dia, e a distância entre a lei escrita e o exercício da lei também. Há algum tempo, um teórico falava da esquizofrenia causada pelo capitalismo, porque essa esquizofrenia é evidente e não apenas evidente, mas também desenvolveu rapidamente seu aspecto paranóico que governa quase invisivelmente os atos. Todos sentem ou acreditam que vivem em democracia e alguns até pensam que vivem no melhor dos mundos possíveis (a minoria que possui os meios de produção) e outros nos “menos piores” (a maioria despossuída).

O cidadão do Ocidente não participa nem tem direitos nessa democracia em que acredita cegamente. Como se compromete relativamente com um voto, acaba sempre aceitando e até defendendo o que tem mais em mãos, mas é absolutamente incapaz de realizar o que votou. Não é representado diretamente nem tem acesso ao governo, nem mesmo ao de seu bairro ou comunidade mais próxima.

A cultura hegemônica é uma máquina quase perfeita que alcançou uma irresponsabilidade pessoal e social absoluta. Um maquinário que a cada dia é lubrificado com novos produtos pelos quais certas raivas ou inconformidades podem explodir rapidamente atoladas em temas propostos de antemão e que são absolutamente úteis para perpetuar a máquina da infelicidade humana. São “distratores” altamente eficazes e nada espontâneos, mas produzidos por uma fina engenharia política que nos permite acreditar na “liberdade de expressão”, como o policial que defendeu o grupo de nazistas que tentou desarticular a última manifestação de a saúde pública em Madrid. toneladas de perfume de shopping Eu não consigo alcançar o merza contra o merza, nossa capacidade de lutar e nosso novo passo e movimento A liberdade do Ocidente goteja sangue e cheira a podre. Eles não alcançariam toneladas de purificadores de ar de shopping para escondê-lo.

A democracia no capitalismo é uma alucinação cruel, enquanto os nazistas têm a porta aberta e se lançam contra aqueles que não têm alucinações e lutam por justiça e democracia participativa e socialista. É um clássico.

Esta alucinação democrática também sustenta os constantes ataques, sanções e bloqueios de povos soberanos que decidiram não se submeter ao imperialismo e sua hedionda crueldade.

Esta alucinação democrática abre as portas ao fascismo, que, como disse Brecht, nada mais é do que a assustada burguesia -criminosa em tempos de crise, como o que vivemos.

A verdade é que os governos dos Estados Unidos e da UE usam a palavra “liberdade” e “direitos humanos” para condenar e sancionar países soberanos e participar nos mais hediondos crimes de guerra, em nome da “democracia ocidental”.

Uma “democracia” que reconhece ladrões de marionetes e criminosos como Guaidó / López, ao mesmo tempo que sanciona o governo legítimo da Venezuela e defende um governo como a Colômbia que massacra seu povo diariamente, e o que dizer dos 60 anos de bloqueio ao povo cubano, participação na guerra contra o povo sírio, iemenita, palestino … longa é a lista de crimes de guerra em que as “democracias” agem em nome da “liberdade” e dos “direitos humanos”.

Mas esta mutilada “democracia” ocidental não pode e nunca conseguirá vencer a consciência e a dignidade dos povos que, apesar do bloqueio, diariamente derrotam o imperialismo.

Retirado de The Insomniac Pupil.

Categories: # Cuba, # Venezuela, #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #America Latina, #China#EEUU#Iran#Nicaragua.barco hospital naval Arca de la Paz, #China#EEUUDonald TrumpFondo Monetario Internacional (FMI)Ivan Duque, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, Africa, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, China, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, OTAN, propaganda contra Cuba, Venezuela, Nicarágua, Irã, Rússia e China,, RUSIA, UNION EUROPEA | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

<span>%d</span> bloggers like this: