Agentes ianques no Parlamento Europeu.

#Cuba #UnionEuropea #InjerenciaDeEEUU #ElBloqueoEsReal

Por Arthur González –

É uma pena ver como o Parlamento Europeu perdeu a sua independência para se ajoelhar às ordens de Washington. Os que se gabam de sua “democracia” nada mais fazem do que seguir docilmente a política ianque contra países cujos governos não são aceitáveis ​​para os Estados Unidos, como Rússia, China, Irã, Cuba e Venezuela, aprovando resoluções e sanções contra eles. com ambas as mãos.

A politização da questão dos direitos humanos é incomparável, parece que a cúpula do Parlamento Europeu e os membros dos partidos de direita não consideram os constantes e crescentes massacres que ocorreram na Colômbia contra líderes sociais, ou o assassinato de lutadores , como violações de direitos humanos, como é o caso de Berta Cáceres, assassinada em Honduras.

Para os governos da Colômbia e de Honduras não há sanções ou resoluções condenatórias, embora as mortes aumentem em dias.

No entanto, as posições que Dita Charanzová, vice-presidente do Parlamento Europeu, toma contra Cuba vão além do bom senso e mostra que ela só segue instruções dadas pelos ianques.

O preocupante é que a chamada “liberdade de expressão e pensamento”, que tanto exige o tcheco Charanzová, seja espezinhada por ela, ao exigir que o embaixador da União Européia em Havana seja destituído de seu posto, apenas reconhecer a verdade que os inimigos de Cuba não aceitam.

O embaixador Alberto Navarro assinou uma carta aberta ao novo presidente dos Estados Unidos Joe Biden, junto com centenas de cubanos da ilha e outros residentes no exterior, além de um grande grupo de americanos, em sua maioria intelectuais e artistas, na qual pedem o fim do o bloqueio comercial, econômico e financeiro imposto ao povo cubano durante 60 anos, o mais longo da história da humanidade, algo que o direito internacional qualifica como crime contra a humanidade para seus fins, porque como afirmou Lester Mallory em 1960, então vice-secretário de Estado:

“Qualquer meio concebível de enfraquecer a vida econômica de Cuba deve ser usado imediatamente. Negar-lhe dinheiro e suprimentos para baixar os salários reais e monetários, a fim de causar fome, desespero e a derrubada do governo.

A referida carta aberta irritou imediatamente Washington e deu ordens aos seus agentes no Parlamento Europeu, incluindo Dita Charanzová e dezasseis eurodeputados do Partido Popular, Liberal e outros grupos de direita, como a espanhola Dolores Montserrat, Esteban González Pons, Antonio López -Isturiz e Leopoldo López Gil, o último pai do terrorista venezuelano e agente da CIA de mesmo nome, aos quais se juntaram os grupos Renew e ECR.

No seu desespero por ameaçar aqueles que assumem posições de bravura e soberania, os ianques revelam os seus peões dentro do corpo europeu, o que nos permite calibrar a forma como usam para manipular à vontade os votos no Parlamento.

Os argumentos expressos para exigir a retirada do Embaixador Navarro de Cuba foram:

“A carta constitui um fato grave em uma linha de ação totalmente infeliz e errática, sobre o que deveria ser a defesa de nossos interesses e valores como união de estados democráticos e de direito”.

“Nosso embaixador em Havana assume posições políticas alinhadas com um regime que não respeita nem defende os direitos humanos ou a pluralidade democrática e permite licenças mais típicas de um líder político do que de um representante diplomático”.

O cinismo grosso, porque aqueles que assumem posições antidemocráticas, violam a pluralidade e seguem a mesma política dos Estados Unidos contra Cuba, são precisamente os parlamentares que não admitem a independência da ilha.

O assunto tem outros antecedentes que irritam os inimigos de Cuba, é que este embaixador não se curva às mentiras construídas em Miami, declarando que não considera que haja uma ditadura em Cuba, uma posição digna que os capangas tchecos e espanhóis descrevem. como “Mais um ato na longa lista de queixas que o Embaixador Navarro infligiu ao Parlamento Europeu.”

Este embaixador, ciente das falsidades fabricadas contra o governo cubano, não aceitou a participação de vários mercenários a serviço dos Estados Unidos, em uma audição de vídeo organizada pela Delegação para a América Central do Parlamento Europeu, decisão que irritou os Yankees, sendo acusados ​​pelo direito parlamentar de boicotar e negar o acesso às instalações da UE em Havana, aos que não representam o povo cubano, apesar das tentativas de torná-los personalidades na ilha, com a entrega do Prêmio Sakharov

Estes argumentos foram apresentados numa carta que Dita Charanzová e os eurodeputados de direita enviaram ao Alto Representante para a Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, uma manobra óbvia para legalizar a conduta que teve de assumir para ficar bem com os ianques, porque perante os olhos do mundo o seu apelo do Embaixador Navarro a Bruxelas, respondeu ao pedido do vice-presidente do Parlamento e não às ordens de Washington.

Repugnantes posições de subordinação aos Estados Unidos que buscam dificultar o diálogo da União Européia com Cuba, continuar cercando o povo, matá-lo de fome e doenças e culpar o socialismo, estratégia reconhecida pelo Conselho de Relações Exteriores quando em 1999 afirmou:

“A oposição dos Estados Unidos à Revolução Cubana e o apoio à democracia e ao desenvolvimento neste hemisfério conseguiram frustrar as ambições cubanas de expandir seu modelo econômico e influência política”.

José Martí foi preciso quando expressou:

“Apenas pessoas nulas e malvadas perdem tempo com a linguagem.”

%d bloggers like this: