O pretexto sônico: Entre a #CIA e #MarcoRubio (Parte II)

Por Rafael Gonzalez Morales Redacción Razones de Cuba

Após sete meses sem revelar publicamente os supostos incidentes acústicos, e encerrado o processo de revisão da política em relação a Cuba, Marco Rubio considerou que era o momento ideal para pressionar com o objetivo de que esses fatos fossem do conhecimento de todos. Foi um cálculo político perverso baseado no facto de estes “ataques sonoros”, uma vez revelados, constituírem o pretexto perfeito para se conseguir uma deterioração progressiva das relações entre os dois países que conduziria praticamente ao desmantelamento das respectivas embaixadas.

Não se contentava com um retrocesso parcial, como o incluído no memorando de Trump, precisava gerar um clima bilateral rarefeito e tinha certeza de que essa questão tinha esse potencial. Em sua lógica maliciosa, com uma série de diplomatas americanos “afetados por uma arma poderosa de tecnologia desconhecida”, o governo dos Estados Unidos não teve escolha a não ser responder agressivamente.
Segundo investigação da publicação New Yorker, Marco Rubio “começou a cair nas reuniões que sabia o que se passava em Cuba. Funcionários do governo temiam que ele vazasse a informação a qualquer momento.

Ataque Sónico

Nesse contexto, em 9 de agosto, o jornalista da CBS Steve Dorsey perguntou ao porta-voz do Departamento de Estado: Você pode nos contar sobre os incidentes que estão acontecendo em Havana e que afetaram funcionários do governo dos Estados Unidos? O funcionário, no essencial, disse-lhe: «Temos conhecimento do que aconteceu lá. Funcionários do governo dos Estados Unidos que trabalhavam em nossa embaixada em Havana relataram alguns incidentes que causaram diversos sintomas físicos […] Não temos uma resposta definitiva sobre a origem ou causa dos incidentes.

O momento almejado pela extrema direita havia chegado para impor sua agenda sem obstáculos. Em 15 de setembro, cinco senadores republicanos do Comitê Seleto de Inteligência do Senado liderado por Marco Rubio enviaram uma carta ao então Secretário de Estado Rex Tillerson. Na carta, pediam-lhe que declarasse imediatamente todos os diplomatas cubanos nos Estados Unidos como pessoas indesejáveis ​​e, caso Cuba não tomasse medidas tangíveis, fechasse a embaixada dos Estados Unidos em Havana.

Em 29 de setembro, Tillerson anunciou a decisão de reduzir significativamente o pessoal diplomático de sua embaixada em Havana e remover todos os familiares. No comunicado, ele especificou que “até que o governo de Cuba possa garantir a segurança de nossos diplomatas”, só restará o pessoal de emergência. Além disso, emitiram um alerta de viagem aos cidadãos norte-americanos sugerindo que evitassem viajar para a ilha. Horas depois desse anúncio, Donald Trump, diante de uma pergunta de um jornalista sobre esses acontecimentos, apontou em sua linguagem típica: “Houve um grande problema em Cuba. Eles fizeram coisas muito ruins.

Nesse mesmo dia, Marco Rubio divulgou um comunicado que afirmava: “É absurda a ideia de que Cuba não saiba como esses atentados foram cometidos e quem os executou […] Até que os responsáveis ​​por esses atentados sejam levados à justiça, Estados Unidos deve expulsar imediatamente igual número de diplomatas cubanos, rebaixar a embaixada dos Estados Unidos em Havana à Seção de Interesses e considerar a inclusão de Cuba na lista de países patrocinadores do terrorismo.

Olla de grillos? (+Línea de Tiempo) (+Ilustraciones) - Cuba en Noticias

Em 3 de outubro, o Secretário de Estado indicou por meio de um comunicado à imprensa que haviam decidido que 15 funcionários da embaixada cubana em Washington deveriam deixar os Estados Unidos. Em menos de uma semana, o governo Trump adotou medidas com implicações muito negativas para as relações entre os dois países. Em termos práticos, ocorreu um desmantelamento das missões diplomáticas.

A suspensão da emissão de vistos na sede dos EUA comprometeu o cumprimento dos acordos de imigração e afetou as viagens por motivos familiares aos Estados Unidos. A cooperação em questões de interesse comum e a implementação dos 22 instrumentos bilaterais existentes também foram colocadas em risco. Portanto, o pretexto dos “ataques sônicos” começou a valer a pena e a deterioração progressiva das relações começou.

Ao contrário da posição manifestada pelo governo dos Estados Unidos de manipular esta questão por motivos políticos, as autoridades cubanas, desde que foram informadas da ocorrência destes eventos em fevereiro de 2017, deram-lhe a máxima prioridade e envolveram-se imediatamente no seu esclarecimento. Criaram um grupo de trabalho permanente responsável pelo processo de investigação no qual intervieram diversas especialidades do Ministério do Interior. Além disso, foi constituída uma comissão de especialistas composta por especialistas de alto nível dos Ministérios da Ciência, Tecnologia e Saúde Pública, tendo em consideração a natureza dos acontecimentos notificados.

Depois que o governo dos Estados Unidos divulgou publicamente essa situação, um debate crescente começou sobre esses eventos. Cientistas de renome internacional, de várias áreas do conhecimento, pertencentes a prestigiosas universidades e centros de pesquisa dos Estados Unidos e da Europa, têm sustentado várias hipóteses que lançam dúvidas sobre a ocorrência dos alegados ataques acústicos. Esses especialistas consideraram improvável que a grande variedade de sintomas fossem causados ​​por equipamentos conhecidos e que o tipo de som gravado provavelmente não causasse danos cerebrais.

Multimedia - Cuba en Noticias

Em 8 de janeiro de 2018, a agência de notícias AP revelou que a Divisão Operacional de Tecnologia do FBI emitiu um relatório afirmando que após investigar as ondas sonoras abaixo do alcance da audição humana (infra-som), aquelas que podem ser ouvidas (acústica) e aquelas que estão acima No campo auditivo (ultrassom), concluiu que não havia causa sonora para os sintomas físicos vividos pelos diplomatas norte-americanos em Havana. Em essência, a instituição especializada nos Estados Unidos legalmente autorizada a realizar esse tipo de investigação determinou que não havia evidências dos “ataques acústicos”.

Como parte de sua obsessão anticubana, Marco Rubio convocou uma audiência em 9 de janeiro na Comissão de Relações Exteriores do Senado sobre os incidentes de saúde. Seu objetivo era fazer um show político para responsabilizar o governo cubano. O legislador argumentou que era irrelevante saber se os ataques foram realizados com um dispositivo acústico ou de micro-ondas porque, em última análise, a verdade era que “24 americanos ficaram feridos”.

Ele acrescentou que o que aconteceu foi fruto de uma tecnologia tão sofisticada que os especialistas nos Estados Unidos ainda não entendem. Como o nosso cinismo sem limites, afirmou: “os responsáveis ​​por estes atentados querem introduzir atritos nas relações bilaterais”.

Retirado do contexto latino-americano

Categories: #Al Qaeda, Associated Press, #CIA, #cuba, #EEUU, estados unidos, MSNBC, NBC,#Reino Unido, #Rusia, Universidad de Lincoln, William Arkin, #Bob Menéndez e #Marco Rubio, #Donald Trump, #Estados Unidos, #FalsosAtaquesAcústicos, Cuba, diplomáticos estadounidenses, Estados Unidos, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), ataques acusticos contra embajada EU, grillo, invasión por Bahía de Cochinos, Mike Pompeo, ataques aqcusticos, ataques frenéticos contra Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CIA Mike Pompeo, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Marco Rubio, Mario Díaz-Balart, Relaciones bilaterales., Manipulacion, Manipulacion Politica, MARCO RUBIO, MIAMI, secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo,, Trump procura reforçar o bloqueio, Um bom filho ... de Trump | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: