Reforçar a guerra fria .

Por Arthur González

Há ainda pessoas ingénuas que acreditam na mentira de que a guerra fria terminou com a desintegração da URSS e a mudança de sistema nos países da Europa Oriental, mas a realidade afirma que esta guerra ainda existe e é ainda mais forte com a utilização de novas tecnologias de informação e comunicação.

As nações que mantêm uma posição soberana contra as ambições imperialistas ianques e as dos seus aliados são vítimas dessa guerra fria, por vezes não tão fria, porque as suas acções subversivas procuram o confronto físico nas ruas, como parte dos planos para desestabilizar a ordem interna e eliminar os líderes que não se ajoelham, como nos casos de Cuba, Venezuela, Nicarágua, Irão, China e Rússia.

Desde o triunfo da Revolução Cubana e a sua independência da política ianque, os Estados Unidos lançaram imediatamente uma poderosa guerra mediática para capturar as mentes do povo. A Agência de Informação dos Estados Unidos, USIA, estava encarregada disto e recebeu um orçamento de um milhão de dólares para levar a cabo uma guerra psicológica que cobriria todos os sectores da ilha, especialmente os jovens.

Os planos para esta guerra incluíam campanhas de mentiras de todo o tipo, de alegadas doenças que afectam o país para impedir a entrada de visitantes estrangeiros, assassinatos imaginários, condenações injustas de terroristas, rebeliões internas inventadas por não aceitar o governo revolucionário e várias acções psicológicas sobre as forças armadas, para alcançar a divisão e o descontentamento dos seus membros.

Em Maio de 1963, o Tenente Coronel James Patchel, especialista da CIA nesse ramo, propôs um plano com vários truques em que o eixo fundamental era o uso da guerra psicológica contra a imagem de Fidel Castro, com o objectivo de o desacreditar e até interferir com os seus discursos, modificando-os e tornando-os incoerentes. Além disso, tentaram criar líderes fictícios dentro de Cuba e concentrar a propaganda neles, a fim de procurar apoio entre o povo.

Hoje os mesmos planos são observados nas suas campanhas de propaganda psicológica subversiva, estruturadas por especialistas qualificados da CIA, que procuram acender uma faísca entre os cidadãos, o que é observado na Rússia com o envenenamento forjado do blogueiro Alexei Navalni, na Bielorrússia, o oposicionista Valeri Tsepkkalo, Venezuela com Juan Guaidó e em Cuba com vários contra-revolucionários, entre eles as chamadas Damas de Branco, José Daniel Ferrer, e a sua mais recente e infeliz invenção de San Isidro, composta por um bando de elementos do submundo que, devido à sua ausência de ética e moral, juntamente com o desejo de ganhar muito dinheiro, actuam com desprezo pelas normas mais elementares da educação cívica.

Para os especialistas da CIA não existem limites éticos, quando o objectivo é ganhar as mentes e a situação na Bolívia o prova, ao destacar a campanha mediática de que não houve golpe de Estado e a detenção do presidente de facto e dos seus ministros é uma caçada política.

O pior desta realidade é a subordinação que se percebe nos países e organizações internacionais que têm uma suposta independência política, como a União Europeia, o seu Parlamento, o Conselho dos Direitos Humanos e outros como ele, que ao apelo de Washington saem imediatamente como papagaios, para repetir as linhas de mensagem preparadas pelos especialistas da CIA, perdendo cada vez mais prestígio perante os povos do mundo.

No entanto, quando se trata de questões como os massacres na Colômbia com milhares de mortos, a repressão brutal de jovens no Chile, França e Espanha, os assassinatos de negros americanos às mãos de polícias brancos, o tratamento criminoso de imigrantes latino-americanos, os massacres de palestinianos, a ocupação ilegal de parte do território da Síria pelos Estados Unidos, o assassinato de altos militares iranianos e guerras económicas contra países soberanos para matar os seus cidadãos com fome e doença, o silêncio é total.

O golpe militar na Bolívia e a perseguição política contra Luis Ignacio Lula no Brasil e Rafael Correa no Equador, as operações para assassinar Nicolás Maduro e invadir a Venezuela, a prisão de líderes catalães por realizarem um plebiscito para decidir a independência nas urnas e o tratamento como criminosos, quando são realmente causas políticas, não recebem uma cruzada mediática semelhante, nem reivindicações daqueles que se prestam, rápida e sem demora, a condenar governos soberanos que não se ajoelham perante os Yankees.

Porque é que Zbigniew Czech, embaixador polaco na ONU, não transmite ao presidente do Conselho de Direitos Humanos da ONU a sua preocupação com a deterioração da situação dos direitos humanos na Catalunha, a partir da prisão do rapper Pablo Hasel, a repressão selvagem contra os coletes amarelos em França ou a perseguição política do ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont e dos deputados europeus pró-independência, Toni Comín e Clara Ponsatí, cuja imunidade foi retirada pelo Parlamento Europeu, para que o governo espanhol possa agir contra eles?

Há muita vergonha e hipocrisia naqueles que acusam e condenam governos corajosos que não se vendem aos Estados Unidos, juntando-se a esta guerra fria, que cada vez mais se assemelha à caça às bruxas anticomunista desenvolvida por Joseph Raymond McCarthy, em meados do século XX, mas agora com a atribuição de centenas de milhões de dólares para a sua implementação.

Categories: #CIA, A guerra dos Estados Unidos, Derechos Humanos, ESTADOS UNIDOS, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, EUROPA, GUERRA FRIA, Guerra sem Fronteiras, Injerencia De EEUU, ONU | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: