A cultura política e a cultura da política .

Autor: Gustavo Robreño Dolz | internet@granma.cu

Entre as mais importantes contribuições teóricas que fazem parte das ideias substanciais que, verificadas na prática, têm acompanhado a Revolução Cubana desde o seu início, está o que Armando Hart catalogou como “a cultura de fazer política”, colocando José Martí e Fidel Castro como os seus expoentes mais destacados e relevantes, e apontando ambos como representantes “daquele fruto mais puro e mais útil da história das ideias cubanas”.

Não se trata de cultura política, que é – naturalmente – a fonte essencial da qual a imensa sabedoria de ambos foi alimentada, mas das formas práticas da sua materialização e das formas de ultrapassar com sucesso os obstáculos que surgem antes de qualquer projecto de mudança transcendente.

Sigamos a definição de política de Marti como “a arte de inventar um recurso para cada novo recurso dos adversários, de transformar os reveses em fortuna, de se adaptar ao momento presente, sem a adaptação que custa sacrifício, ou a diminuição do ideal que se persegue; de desistir para ganhar impulso, de cair sobre o inimigo antes de ter os seus exércitos alinhados e a sua batalha preparada”.

É, portanto, uma categoria de prática que deve combinar sabiamente o radicalismo com a harmonia e ser governada por princípios éticos. É assim que se expressa na identidade nacional cubana, tendo no seu cerne a cultura política e educativa presente na nossa tradição intelectual.

Obra Arcángeles del Alba, de Nelson Domínguez.

As ideias pedagógicas e filosóficas cubanas, desde Caballero, Varela e Luz até aos nossos dias, têm dois séculos de história e têm estado ligadas às constantes aspirações e necessidades do povo. A ciência e a cultura nunca foram colocadas em contradição com as crenças divinas.

Existe, portanto, uma vasta cultura a partilhar e divulgar que, abraçada pelas novas gerações de cubanos, pode continuar a exercer uma influência política, filosófica e cultural de repercussões profundas e de longo alcance no futuro.

Como Hart reiterou em mais de uma ocasião, é necessário saber diferenciar, e ao mesmo tempo relacionar a ideologia – entendida como a produção de ideias – com a ciência, a ética e a política. Em outras partes do mundo, confundiram estas categorias ou não sabiam como relacioná-las.

O capitalismo, pragmático e perverso na sua forma de segmentar a realidade, não o pode fazer, e só um pensamento dialéctico e materialista o pode fazer: diferenciar e relacionar as realizações concretas do ser humano. Isto também requer inteligência, sensibilidade, conhecimento e cultura, integrando o esforço generalizado do povo para enfrentar este imenso desafio.

Para a Revolução Cubana, ao longo de mais de um século e meio de lutas ininterruptas, a ideia chave tem sido banir o desastroso slogan de “dividir para conquistar”, praticado pelos impérios, e exaltar o princípio democrático, popular e justo de “unir para conquistar”, juntamente com o cumprimento da sentença de Marti de que “o poder de associar é o segredo do ser humano”.

É, nos tempos actuais, um humanismo que relaciona cultura e desenvolvimento, e permite assumir com a ciência e a ética o mundo globalizado confuso – e também digitalizado – do presente e do futuro.

A CULTURA DE MARTI E A CULTURA FIDELISTA DE FAZER POLÍTICA

Com base na melhor tradição e nos ensinamentos de Marti, Fidel Castro desenvolveu, no século passado e até hoje, a ideia revolucionária de “unir para vencer”, superando, nas condições cubanas, o velho lema reaccionário de “dividir para conquistar”, que emergiu do coração da sociedade feudal ao longo da história da chamada civilização ocidental dominante.

Tal como o Partido Revolucionário Cubano de Martí pela organização e retomada da guerra da independência, desta vez foi o culminar de um longo e difícil caminho, onde se manifestou, de forma extraordinária, aquilo a que Hart chamou “cultura fidelista de fazer política”, ou seja, poder catalisador e harmonizador, sentido humanista, fugir e evitar exclusões; “nem tolerante nem implacável”, foi o curso invariável e a semente semeada, sendo colhida até ao presente.

Quando Fidel afirmou, nas suas memoráveis palavras na sala principal da Universidade Central da Venezuela, que “cada revolução é filha da cultura e das ideias”, colocou ambas as componentes como prioridade máxima no cenário político, colocou-se na vanguarda ideológica mundial e colocou a cultura – criação humana engenhosa – no centro da política e da luta de ideias. A vida mostra-nos isto constantemente.

No caso cubano, a melhor tradição de dois séculos de ideias integradas no património cultural da nação representa a nossa força e coesão, e apresenta-nos ao mundo com as nossas próprias características muito definidas como sociedade e como país.

Chegados aos nossos dias, “a cultura de fazer política” é reiterada como o fruto mais original e útil das ideias cubanas, alcançando na prática uma contribuição única para a história das ideias políticas universais, pensando como um país.

Estreitamente relacionado com o acima exposto, o Presidente Miguel Díaz-Canel afirmou perante a Assembleia Nacional: “As organizações políticas e de massas são chamadas a ser mais proactivas e inclusivas. Nunca negligenciar a importante componente social no seu trabalho político-ideológico e trabalhar com todos, não só com os convencidos, mas também com os apáticos, em cuja indiferença aqueles de nós que não foram capazes de os unir têm uma quota-parte de responsabilidade?

A contribuição de José Martí para as ideias políticas baseou-se em iluminar e clarificar, com a sua imensa cultura e a sua múltipla erudição, as formas práticas de fazer política.

Com base na tradição dos ensinamentos de Martí – na segunda metade do século XX -, Fidel forjou a unidade do povo cubano para fazer a Revolução, defendê-la, desenvolvê-la e ultrapassar todos os obstáculos que impediram o seu progresso.

Este legado, como um todo, constitui a cultura de fazer política, concebida como uma categoria de prática que, fundamentalmente, consiste em derrotar a divisão e a regra, e estabelecer a ideia revolucionária de unir para vencer, sobre bases éticas que incorporam a grande maioria da população.

Numa época repleta de perigos, mas também de enormes possibilidades de luta em prol do mundo melhor a que milhões de pessoas em todo o planeta aspiram, é necessário, como nunca antes, investigar, estudar e promover este princípio de Martí e Fidel Castro.

A cultura política – em si importante – pode ser insuficiente ou incompleta para atingir os objectivos mais elevados se “a cultura de fazer política” não a acompanhar. A vida e a história já mostraram exemplos suficientes nesse sentido, e continuam a fazê-lo.

Publicado por tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: