Daily Archives: 24 de Março de 2021

“Agradeço à ABC por divulgar que existem 50 associações da emigração cubana com a Revolução”.

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, ações subversivas, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Cuba, fake news, España, ESPANA, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Edição Central teleSUR .

Categories: #America Latina, #Brasil, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #ECUADOR#Paraguay#PerúAsunciónConvención de Viena, #Lula, #salud, Coronavirus, CoronaVirus, Política, ECUADOR, Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

Relatório demolidor sobre o governo de #LenínMoreno e os protestos de 2019 no #Equador .

Categories: #America Latina, #ECUADOR#Paraguay#PerúAsunciónConvención de Viena, #Lenín Moreno, ECUADOR, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, OEA, Organizacion e Estados Americanos (OEA) | Deixe um comentário

#OTAOLA DISSE ISSO? E QUE TOO? NAH!

Categories: # Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, fake news, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, MIAMI, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

O relatório do Departamento de #Saúde dos #E.U.A. reconhece que fez lobby para impedir a vacina #Sputnik, ajuda #MédicaCubana.

Por Redacción Razones de Cuba

Também insistiu na presença de médicos cubanos, que se deslocam a diferentes países para prestar assistência.

Os dados, tal como revelados hoje em Buenos Aires pelo jornal Página 12, aparecem no relatório anual do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (OGA, pela sua sigla em inglês, o equivalente a um ministério).

“A OGA coordenou com outras agências governamentais dos EUA para reforçar as relações diplomáticas e oferecer assistência técnica e humanitária para dissuadir os países da região de aceitar a ajuda destes Estados mal-intencionados”, afirma o relatório.

O relatório, por exemplo, reconhece ter apelado às “relações diplomáticas” bilaterais entre Washington e Brasília para forçar o gigante sul-americano, um dos mais afectados pela pandemia de Covid-19, a recusar a autorização de utilização do Sputnik V, do centro russo Gamaleya.

De acordo com o documento dos EUA, as suas recomendações destinavam-se a evitar que a Rússia “aumentasse a sua influência” na região da América Latina e das Caraíbas, informou a Telesur, embora não tenham sido fornecidos mais pormenores. Numa secção do relatório intitulada “Combater as influências malignas nas Américas”, revelada na Página 12, o relatório explicava que o objectivo era evitar que países como a Rússia, Venezuela e Cuba “aumentassem a sua influência” na região através da vacina anti-covida russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba.

A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do número de meio milhão de mortos da pandemia como resultado da política do ex-Presidente Donald Trump, um apoiante de “deixar morrer aqueles que têm de morrer”, como ele disse.

E o Brasil, por seu lado, com a política de saúde do Presidente Jair Bolsonaro alinhada com a de Trump, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes por coronavírus no total e 3.150 mortes por dia, em média.

No caso do Panamá, os Estados Unidos teriam oferecido assistência técnica do Centro de Controlo de Doenças (CDC) ao país centro-americano para rejeitar uma oferta de médicos cubanos para combater a epidemia de Covid-19.

Segundo o Telesur da Venezuela, apesar da oposição geopolítica à sua utilização, a vacina russa Gamaleya foi autorizada em cerca de 24 países, vários dos quais na América Latina e nas Caraíbas.

Também apesar da campanha contra, a cooperação médica cubana espalhou-se por três continentes e cerca de 30 países durante a pandemia de Covid-19.

“Que morram os que têm de morrer”.
Pressões dos EUA sobre a América Latina na pandemia.

Como Washington se manobrou para impedir a venda da vacina Sputnik na região e para bloquear as actividades das brigadas médicas cubanas. As coincidências de Trump e Bolsonaro e os guinchos de Mauricio Macri.

Luis Bruschtein – Página 12

Com o aumento de onze por cento de contágios em todo o país e de 19 por cento no CABA, os infectologistas que aconselham o governo avisaram que a Argentina pode estar às portas de uma segunda vaga de infecções, como aconteceu na Europa no final do Verão e ainda está a acontecer em alguns países. A chegada dos primeiros carregamentos de vacinas flexibilizou as medidas de precaução no país e a vigilância sanitária nas fronteiras. Embora não tenha anunciado quaisquer medidas concretas, o Presidente Alberto Fernandez utilizou a rede de rádio e televisão na quinta-feira para emitir um aviso aos argentinos. Se o número de contágios aumentar, terão de ser tomadas novas precauções sanitárias.

Durante as férias, muitos argentinos viajaram para o Uruguai, Brasil e Chile, que estão a viver uma onda muito forte de contágios. O perito sanitário José Carlos Escudero segue os índices mundiais da epidemia, tomando como base os relatórios periódicos publicados pelo Washington Post e pelo The New York Times.

Para descrever situações é por vezes conveniente não usar números”, diz Escudero na sua parede FB. Para o dizer sem números: hoje em dia, o risco de adoecer de coronavírus é duas vezes maior no Uruguai do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é duas vezes maior no Chile do que na Argentina. O risco de morrer de coronavírus é mais de três vezes maior no Brasil do que na Argentina.

No Brasil há ainda mais de 7.000 argentinos que foram de férias no meio da epidemia, e muitos mais viajaram desde Dezembro. O próprio chefe do governo da CABA, Horacio Rodríguez Larreta, tirou ali as suas férias, num exemplo do que um político que normalmente é tomado como referência pelos seus seguidores não deve fazer.

Como no início da epidemia do ano passado, os distritos CABA com mais infecções não são os mais pobres, mas os mais ricos: Recoleta, Palermo e Belgrano, onde vivem aqueles que viajaram para o estrangeiro. Isto inclui o México, de onde os 77 estudantes infectados com o coronavírus voltaram da sua viagem de graduação.

As ramificações políticas relacionadas com a epidemia têm sido chocantes. Durante a semana, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA (equivalente ao Ministério da Saúde) divulgou um relatório no qual reconhece que durante 2020 pressionou os governos latino-americanos a não comprar a vacina russa Sputnik V e menciona os governos do Panamá e do Brasil.

Numa secção do relatório, intitulada: “Combater as influências malignas nas Américas”, explicam que utilizaram a diplomacia para impedir países como a Rússia, Venezuela ou Cuba, “aumentar a sua situação difícil” na região através da vacina anti-vírus russa e das brigadas médicas internacionalistas de Cuba. A vacina e os médicos cubanos actuariam “em detrimento da segurança dos Estados Unidos”, de acordo com o documento.

O relatório foi divulgado esta semana enquanto os Estados Unidos pairavam em torno do meio milhão de mortos pandémicos em resultado da política “deixar morrer quem tem de morrer” de Donald Trump. E o Brasil, o país que a Casa Branca estava a bloquear o acesso a um remédio estratégico, atingiu esta semana o número arrepiante de 290.000 mortes do coronavírus no total e 3.150 mortes por dia.

A diplomacia de Donald Trump pressionou o governo de Jair Bolsonaro a aprofundar esta política de armas dobradas face à pandemia, graças à qual aquele país é o terceiro no mundo em termos do número de infecções (depois dos Estados Unidos e da Índia) e o segundo em termos do número de mortes (depois dos Estados Unidos).

O país que foi pressionado a não comprar vacinas está a sofrer “o maior colapso sanitário e hospitalar da sua história”, de acordo com a Fundação Oswaldo Cruz, o maior centro de investigação científica da América Latina. Em 19 capitais brasileiras, as unidades terapêuticas já ultrapassaram 90 por cento da sua capacidade e as mortes aceleraram devido à falta de espaço. A crise levou Bolsonaro a ceder e a mudar o seu ministro da saúde. Retirou o General Eduardo Pazuello, que nada sabia sobre o assunto, e substituiu-o pelo cardiologista Marcelo Quiroga.

Trump e Bolsonaro concordaram naquela frase tremenda sobre a morte daqueles que têm de morrer. Uma metáfora malthusiana para justificar o sacrifício (evitável) de milhares de pessoas, entre pessoas saudáveis de todas as idades, com mais de 60 anos e pacientes com doenças como diabetes, coronárias, respiratórias ou imunocomprometidas.

Esta frase tinha estatuto local na altura, quando no meio da quarentena rigorosa da primeira fase, o ex-Presidente Mauricio Macri comunicou com o Presidente Alberto Fernandez para expressar o seu desacordo com a quarentena porque aqueles que tinham de morrer ainda iam morrer.

Quando se realizaram as primeiras marchas anti-quarantinas, Macri tinha dito que estava “orgulhoso dos milhares de argentinos que ontem saíram para dizer não ao medo e ao abuso, e sim ao trabalho, ao respeito e à liberdade”. No mesmo sentido, ele tinha feito declarações na Europa. As palavras de Macri a Alberto Fernández repetiram o que ele tinha dito: “deixemos todas as pessoas na rua, deixemos morrer aqueles que têm de morrer”. Esse parentesco ideológico entre Trump, Bolsonaro e Macri, induz a visualizar o Brasil e os Estados Unidos como o cenário de tragédia humanitária que poderia ter sido a Argentina se essa ideia tivesse prevalecido.

“Lamento por aqueles que perderam entes queridos, mas isso é vida”, respondeu o presidente brasileiro no ano passado a um grupo de jornalistas que lhe perguntou sobre as vítimas da epidemia. “Eu sou o Messias – pelo seu nome do meio – mas não faço milagres. É assim que é a vida. Amanhã serei eu e espero que venha da forma mais digna possível e deixe uma boa imagem”.

A divulgação do balanço anual do Departamento de Saúde dos EUA mostrou que a epidemia e as vacinas tornaram-se factores na geopolítica mundial. Face à aceitação mundial do Sputnik V, os Estados Unidos voltaram à língua da velha Guerra Fria e o Presidente Joe Biden chamou ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, um assassino.

Assim como o Primeiro Ministro britânico Boris Johnson, que anunciou um aumento invulgar da presença militar do império nos seus 14 territórios ultramarinos, como chamam os seus enclaves coloniais, um dos quais são as Ilhas Malvinas. Estes são mecanismos que expõem a dificuldade das potências ocidentais face a um mundo cada vez mais multipolar com a Europa, Rússia e China a emergir face a um Estados Unidos enfraquecido.

Quando Trump descobriu que quanto menos a epidemia era combatida, mais ela afectava a economia, mudou a sua linha, encerrou a exportação de vacinas e começou a açambarcá-las. Sob Biden, essa política não mudou. Os Estados Unidos têm contratos para 1,5 mil milhões de vacinas e tem 300 milhões de habitantes. Os seus contratos com a Pfizer, Moderna e Johnson são cinco vezes superiores ao número de habitantes, no entanto, não permitem que nenhuma vacina saia das suas fronteiras.

A vacinação nos Estados Unidos é tão generosa que muitos mexicanos ricos viajam para o país vizinho para se vacinarem porque não requerem cidadania ou residência. O contraste com o México vizinho, que tem problemas em obter vacinas como a maior parte do resto do mundo, é acentuado. O Papa Francisco empenhou-se pessoalmente em conversações com Biden para que, no mínimo, as sobras de vacinas possam ser desviadas.

Na Argentina, o cenário continua: as autoridades do CABA afirmam que recebem menos vacinas do que outros distritos. Da província de Buenos Aires eles respondem que é o contrário porque recebem mais do que os outros. A realidade é que no distrito de Buenos Aires a vacinação progrediu nos anos 60, professores, trabalhadores da saúde e pessoal da polícia, enquanto que no CABA não se termina com os anos 80. A distribuição da vacina é super controlada e uma distribuição desigual seria muito fácil de detectar. Não há problemas de distribuição, mas sim diferentes políticas de saúde.

Extraído de Cubainformaciòn

Categories: #America Latina, #Brasil, #Brasil se alinha aos #EUA, #Brasil, Corrupción, #Jair Bolsonaro, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #salud, ações subversivas, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Injerencia De EEUU, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Profesionales e la Salud, RUSSIA, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

As fotos de #Migrantes que #Biden não queria ver .

Por Redacción Razones de Cuba

A administração do Presidente Joe Biden tenta há várias semanas impedir o público de ver imagens como as divulgadas segunda-feira de crianças imigrantes sob custódia federal a dormir em tapetes-cama, cobertas com cobertores isolados e separadas em grupos por cobertores de plástico.

Os funcionários governamentais têm-se recusado firmemente a descrever a detenção de mais de 15.000 menores migrantes, ou a situação em que vivem, como uma crise. No entanto, bloquearam a maior parte dos esforços dos observadores independentes.

As autoridades proibiram os advogados das organizações não governamentais que realizavam inspecções de entrar numa tenda de Patrulha de Fronteiras onde se encontravam milhares de crianças e adolescentes. Além disso, as agências federais negaram ou ignoraram dezenas de pedidos dos meios de comunicação social para entrar nos centros de detenção. O acesso foi concedido em várias ocasiões pela administração do Presidente Donald Trump, que se distinguiu por medidas de imigração altamente restritivas.

O novo presidente enfrenta críticas crescentes, inclusive por parte de alguns democratas, pela aparente falta de transparência na fronteira.

O conselheiro de segurança nacional de Biden, Jake Sullivan, disse segunda-feira que “a administração tem um compromisso de transparência para garantir que a imprensa tenha a oportunidade de relatar todos os aspectos do que está a acontecer na fronteira”.

A secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki acrescentou que estão a trabalhar com funcionários da segurança interna e do Departamento de Saúde e Serviços Humanos para “finalizar detalhes” e que esperava ter uma actualização sobre a situação “nos próximos dias”.

Na segunda-feira, Axios publicou uma série de fotografias tiradas do interior do maior centro de detenção da Patrulha de Fronteira, uma enorme instalação de tendas na cidade de Donna, no sul do Texas. As fotografias foram divulgadas pelo Deputado Democrático Henry Cuellar, que representa a cidade fronteiriça de Laredo, Texas.

Cuellar disse ter divulgado as fotografias em parte porque o governo se recusou a permitir a entrada dos meios de comunicação social na cidade das tendas de Donna. Disse também querer chamar a atenção para os desafios enfrentados pelos agentes fronteiriços que devem cuidar de tantos menores, por vezes durante mais de uma semana, apesar de a Patrulha de Fronteiras estabelecer uma detenção máxima de três dias para menores.

“Devemos cuidar destas crianças como se fossem as nossas”, disse Cuellar.

Thomas Saenz, presidente do Fundo Mexicano Americano de Defesa Legal e Educação (MALDEF), disse que os EUA deveriam permitir o acesso da imprensa às instalações fronteiriças, respeitando a privacidade dos migrantes detidos. Destacou o risco de partilhar fotografias de crianças, que já passaram por situações traumáticas, sem autorização.

“Temos de estar cientes destas condições”, disse Saenz. “As pessoas precisam de os ver para poderem avaliar a situação desumana e, talvez, avançar para políticas mais humanas”.

A Casa Branca orgulha-se da sua implementação metódica de medidas nos seus pouco mais de 50 dias de mandato, mas os assistentes presidenciais reconhecem que foram apanhados de surpresa pela vaga de migrantes na fronteira sul e pelo furor subsequente dos meios de comunicação social.

Tirada de CubaSì

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #salud, Coronavirus, CoronaVirus, Política, Donald Trump, Estados Unidos, joe biden, relações bilaterais, o governo Donald Trump | Deixe um comentário

#Otaola e #MarcoRubio descarrilharam o discurso de Eliecer em #Washington. #GuerreroCubano

Categories: # Cuba, #Estados Unidos, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, MARCO RUBIO, Marco Rubiob, MIAMI, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión, Washington | Deixe um comentário

#Trump não vai poder correr em 2024 graças ao seu passado, prevê o especialista em sondagens .

Por Redacción Razones de Cuba

As hipóteses de Donald Trump se tornar novamente o candidato presidencial republicano em 2024 são muito reduzidas devido à “bagagem” que acumulou durante a sua presidência, de acordo com um perito político que previu com precisão a sua vitória em 2016.

A alegação vem de Allan Lichtman, historiador político da Universidade Americana que classificou com precisão o resultado de sete das oito eleições nos EUA nos últimos 30 anos.

“Tem mais de 400 milhões de dólares em empréstimos vencidos. A sua marca está a falhar. Os seus negócios estão a falhar. Ele tem uma enorme auditoria do IRS. Ele está fora de funções. Ele perdeu o seu feed do Twitter”, disse Lichtman ao jornal Miami Herald.

“Isso é muita bagagem para alguém se candidatar à presidência”.

Lichtman, um notável analista político e historiador, tem feito previsões para cada eleição desde 1984. O único resultado em que se enganou foi em 2000, quando a sua previsão de uma vitória de Al Gore se revelou inexacta, por uma margem de manobra de cabelo.

Lichtman diz que as suas previsões se baseiam numa série de “13 chaves”, ou perguntas que usa para analisar se um candidato ganhará uma eleição presidencial, que revelou em pormenor no seu recente livro, Predicting the Next President.

Para além de ser um dos poucos analistas a prever a vitória de Trump em 2016, também previu correctamente que o republicano perderia em 2020.

Falando sobre o que poderia acontecer em 2024, Lichtman disse que mesmo que Trump continue a atacar os Democratas e se mantenha na política, os seus recursos estarão “grandemente diminuídos” por altura das próximas eleições.

Acrescentou que enquanto ainda é cedo, Joe Biden iniciou a sua presidência “incrivelmente bem”, aprovando ordens executivas e projectos de lei sobre direitos de voto, alterações climáticas e alívio do coronavírus. Biden tem uma taxa de aprovação acima dos 50%, disse ele, algo que Trump nunca alcançou durante a sua presidência.

Do lado Democrata, Lichtman disse que o Vice-Presidente Kamala Harris era uma “escolha óbvia”, mas acrescentou: “Eu não excluiria Biden”.

Falando antes das eleições de 2020, Lichtman disse que o seu modelo previa uma vitória de Biden e explicou a lógica por detrás da mesma.

“Em 2016, Trump foi o desafiante. Calculei que exactamente seis chaves se viraram contra o partido em exercício, os Democratas”, disse ele ao US News em Outubro. “Eu disse que isto ia ser uma eleição de balanço: qualquer republicano genérico venceria qualquer democrata genérico”.

Lichtman disse que apesar de manter a liderança até 2019, tudo mudou para Trump em 2020 “com a pandemia e os gritos de justiça social e racial”.

Tirada de CubaSì

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, Donald Trump,, Donald Trump, Estados Unidos, Elecciones EEUU, relações bilaterais, o governo Donald Trump | Deixe um comentário

#BomDia meus #Amigos #Cafe .

400 ideas de Bom dia, boa noite | estados para whatsapp, frases, frases de  domingo
Categories: A arte de café é tão doce, Bom dia pra meus amigos | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: