Daily Archives: 30 de Março de 2021

#Yomil terminado com #Otaola. Graças aos amigos de #Cuba por essas manifestações sinceras Vs o #Bloqueio.#GuerreroCubano

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueio econômico, BLOQUEIO VS CUBA, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, CubavsBloqueo, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais, Trump procura reforçar o bloqueio | Deixe um comentário

Muito sério! #Otaola compara os opositores em #Cuba a uma vaca.#GuerreroCubano

Categories: # Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA REVOLUÇÃO EM CUBA, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Contra-revolução cubana, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, MIAMI, Redes sociais | Deixe um comentário

O Presidente #Biden enfrenta a pressão sobre #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

O Presidente dos EUA Joe Biden enfrenta hoje pressões para definir a sua política em Cuba, relata The Hill.
A Casa Branca dá poucas pistas sobre como irá abordar a sua política com o país das Caraíbas, num cenário em que existem considerações políticas opostas, incluindo as de um trio de republicanos do Senado que procuram impedir Biden de retirar Cuba da lista de patrocinadores estatais do terrorismo.

EE.UU. ofrece el TPS a birmanos por golpe de Estado | El Mundo | DW |  13.03.2021

Apesar de ter prometido, durante a sua campanha presidencial, restabelecer os laços com a maior das Antilhas, o presidente ainda não definiu como irá abordar a questão, apesar de vários democratas defenderem uma política mais aberta, salientando os potenciais benefícios para os antigos adversários da Guerra Fria, relata The Hill.

Alguns, como Geoff Thale, presidente do Gabinete de Washington para a América Latina, acreditam que na aproximação os americanos podem ser os melhores embaixadores de todos aqueles valores que os republicanos estão a utilizar para manter o bloqueio.

Marco Rubio y Bob Menéndez impiden que Roberta Jacobson sea Embajadora en  México | cubanaycatracha

Uma mudança na política de Cuba não está actualmente entre as principais prioridades do Presidente Biden, disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, num briefing realizado no início deste mês.

Mas para muitos legisladores, o tempo é essencial, incluindo o Deputado Jim McGovern (D-Mass.), que defende um regresso às acções iniciadas durante a administração Obama.

“Não cometamos o erro de nos movermos lenta e progressivamente. Precisamos de agir agora”, disse o legislador.

Por outro lado, à oposição dos senadores republicanos Ted Cruz (Texas) e Marcos Rubio (Florida) junta-se Robert Menendez (D-New Jersey), presidente da Comissão de Relações Externas do Senado, que há muito se opõe a qualquer mudança na dura posição de Washington em relação a Cuba.

Fulton Armstrong, professor na Universidade Americana e antigo director de Assuntos Interamericanos no Conselho de Segurança Nacional (CNS), acredita que é a posição destes legisladores que é a razão pela qual a administração Biden não pode esperar para estabelecer a sua política para Cuba.

A Casa Branca e o seu Departamento de Estado devem assumir a liderança e não deixar a política de Cuba nas mãos desse sector. Se há uma coisa que os cães políticos de ferro-velho sabem fazer, é encher os aspiradores de liderança”, disse ele.

As sanções unilaterais quase nunca funcionam, e falharam miseravelmente em Cuba’, disse o Senador Patrick Leahy (D-Vt.) numa declaração recente, na qual culpou a administração Trump por fazer recuar as políticas de Obama ‘a favor dos eleitores da Florida’.

A América pode envolver-se activamente ou ver os nossos concorrentes preencher o vácuo, como já estão a fazer, Leahy avisou.

Extraído de Prensa Latina

Categories: # Cuba, #Bob Menéndez e #Marco Rubio, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #Marco Rubio e #Bob Menendez ., Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, CONTRA-REVOLUÇÃO EM MIAMI, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, joe biden, Ley Helms Burton, MIAMI, Washington | Deixe um comentário

#Cuba, #Biden e o idílio .

Por Redacción Razones de Cuba

Como é habitual na “democracia” liberal, após a contagem dos últimos votos, a campanha eleitoral e o que nela foi dito fica para trás. Embora nos seus comícios e entrevistas Biden tenha prometido relutantemente uma mudança de política em relação a Cuba e o regresso dos avanços de Barack Obama, a verdade é que, em relação a Cuba, o que realmente conta é a situação, os interesses políticos e os cálculos de governabilidade, especialmente no Congresso, ao que se junta a amargura histórica de ambos os partidos pela rebelião da ilha.

Quando as cortinas da era Trump começaram a fechar-se, os obstáculos que a direita mais reaccionária dos Estados Unidos estava a começar a interpor-se para impedir Washington de se virar para Havana já estavam à vista.

Todos nos Estados Unidos estavam cientes da firmeza de Cuba na defesa da sua soberania, e tudo o que restava era fabricar novos pretextos para, pelo menos, atrasar qualquer decisão de Biden relativamente às medidas criminosas de asfixia económica implementadas por Donald Trump contra o povo cubano.

Biden y Cuba

As acções foram concebidas em torno de dois eixos fundamentais: os direitos humanos e o terrorismo, temas profusamente de blockbuster na rede de meios de comunicação social articulados contra a ilha durante mais de 60 anos.

Em Havana, mesmo no meio da devastação causada pelos efeitos do bloqueio e da pandemia da COVID, num contexto também marcado pelos esforços de todo o país das Caraíbas para salvar vidas, não só cubanas mas de todo o mundo, grupos subversivos desenvolveram um espectáculo mediático para afectar a imagem do país e das suas instituições e “mostrar” ao mundo a “intolerância” do governo presidido por Miguel Díaz-Canel.

O esquálido grupo de San Isidro, constituído por elementos criminosos financiados pelo erário público norte-americano, criou as condições para a intervenção das autoridades cubanas, facto que foi demonstrado ao mundo como uma acção de alegada repressão. A verdade é que nem uma única pessoa foi torturada, nem uma única pessoa desapareceu, nem sequer uma delas foi julgada pelas suas acções mercenárias, provocatórias e ilegais.

Esta exposição foi a razão pela qual, através das redes sociais e seguindo os contornos mais básicos dos manuais de golpe suave, se tentou uma “demonstração”, que não foi além de algumas centenas de jovens e não tão jovens, em frente ao Ministério da Cultura de Cuba, “exigindo” mais facilidades para os “artistas”. O que pouco foi dito é que Cuba foi provavelmente o país da região que mais fez pela cultura do seu povo e que entre os promotores dessa segunda encenação anti-governamental e pró-EUA se encontravam funcionários reconhecidos das estruturas norte-americanas dedicadas ao financiamento da subversão na ilha, que chegaram ao ponto de apelar a uma intervenção armada contra o seu próprio povo.

Tudo para dar curso ao guião pré-estabelecido, destinado a alimentar o falso mito da violação dos direitos humanos em Cuba, um país do terceiro mundo onde os direitos fundamentais da população são mais respeitados e venerados.

O segundo eixo da campanha, o terrorismo, veio da mão do principal aliado dos EUA na América Latina: a Colômbia.

Após décadas de esforços de Cuba na busca da paz naquele país sul-americano, esforços reconhecidos pela ONU, União Europeia, Rússia, China e o resto dos países da região, o governo colombiano bateu a porta à ajuda da diplomacia da Índia Ocidental ao exigir a extradição da delegação de paz da guerrilha ELN, destacada em Cuba, sede das negociações, a pedido do governo que antecedeu o actual presidente colombiano, Ivan Duque.

O pedido invulgar e ilegal do presidente colombiano foi um dos argumentos “mais fortes” utilizados por Trump para devolver Cuba à lista de países que supostamente não colaboram na luta contra o terrorismo, o que implica consequências económicas e políticas adicionais para o povo cubano.

Face a estes factos consumados, todos milimetricamente construídos e com o apoio dos meios de comunicação social, a porta-voz da Casa Branca anunciou recentemente que uma mudança na política em relação à ilha não se encontra entre as prioridades da administração Biden.

Sem dúvida, Washington está a observar cuidadosamente a possibilidade de uma explosão social em Cuba no meio das duras limitações económicas e financeiras; e não querem deixar cair esta oportunidade de ver a ilha rebelde e digna. Em suma, Obama decidiu tomar as poucas medidas que tomou em relação a Cuba no último ano do seu segundo mandato, mas sem fazer uma única concessão.

A intenção de “democratizar” Cuba, que nada mais é do que destruir o mais belo e mais humano projecto socialista alternativo jamais construído no mundo, tem sido um anseio dos falcões democratas e republicanos, uma vez que era também um anseio da administração Obama, da qual Biden foi o seu vice-presidente.

Ao mesmo tempo, ouvem-se vozes que, como aconteceu nos anos 90 do século passado, exigem concessões de Cuba para aliviar o bloqueio e as medidas criminosas que dificultam a vida quotidiana dos cubanos, uma posição injusta, uma vez que a ilha é a atacada, a mesma ilha que, como nenhum outro país, estendeu a mão ao mundo durante os momentos mais duros da pandemia da COVID.

A guerra económica dos EUA contra Cuba tem de parar porque é criminosa e anacrónica e porque é eticamente insustentável. Esperemos que Biden, que acaba de autorizar um bombardeamento contra o povo sírio e adopta a mesma política que Trump em relação ao Irão, seja suficientemente honrado para pôr fim a este e outros crimes cometidos por sucessivas administrações do seu país. Entretanto, aqueles que acreditavam no idílio, terão de começar a abrir novamente os olhos e apostar na luta e resistência contra o império.

Extraído de La Pupila Insomne

Categories: # Cuba, #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #Cuba #CIA, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #salud, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, joe biden, mentiras construídas em Washington contra Cuba, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Profesionales e la Salud, SANCIONES, Washington | Deixe um comentário

A caravana contra o #Bloqueio de #Cuba excedeu as expectativas .

Moscovo, Março (Prensa Latina) O primeiro dia da Caravana Internacional contra o bloqueio de Cuba excedeu as expectativas, disseram hoje activistas de organizações e movimentos de solidariedade no canal russo YouTube Europe for Cuba.

A anfitriã do programa, Lena Loshkina, chefe do Comité Russo para o levantamento do bloqueio na ilha, reconheceu que até agora tinham sido realizadas acções em mais de 18 cidades deste país, e em algumas delas desenvolveram mais do que uma iniciativa.

Presidente cubano destaca e agradece caravanas contra o bloqueio

A este respeito, o espanhol José Antonio Toledo, fundador do canal Europa para Cuba, promotor da Caravana, disse que no caso dos países do Velho Continente as previsões também estavam a transbordar.

Advertiu que no caso de Espanha as acções foram de uma cidade para outra, “de uma cidade para outra, em Barcelona tínhamos planeado duas actividades mas já sabemos que eram mais de quatro”, comentou.

Toledo também destacou o entusiasmo dos participantes. Muitas pessoas saíram para as ruas e fizeram caravanas, por vezes delimitando o permitido tendo em conta as restrições causadas pelo “Covid-19”.

A italiana Michele Mesagna, outra promotora do canal europeu de solidariedade, juntou-se à transmissão e disse que na cidade de Turim a caravana foi um tremendo sucesso.

Ele disse que entre 150 e 200 pessoas se reuniram para protestar contra o bloqueio da ilha das Caraíbas na mesma praça onde se despediram com tanto respeito e admiração dos médicos cubanos que os ajudaram a combater o Covid-19.

Mikhail Markovich, membro da Associação dos Veteranos da Crise de Outubro, expressou o apoio à Revolução Cubana dos militares russos que apoiaram a nação antilhana durante aquele momento difícil em 1962.

Do Quirguizistão, Dchapieb Chalil disse que o apoio à ilha inclui conversações com jovens sobre a luta dos cubanos para defender a sua soberania contra o vizinho do norte.

Loshkina fez um tour pelas acções de apoio à ilha das Caraíbas nas cidades de Vladivostok, Irkutsk, Magnitogorsk, Yekaterinburg, São Petersburgo e Moscovo, entre outras.

Os participantes no programa concordaram que hoje houve muitas manifestações de solidariedade com Cuba e rejeição do bloqueio e advertiram que a Caravana continua.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CubavsBloqueo, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, RUSIA | Deixe um comentário

#Cuba e o mundo face ao bloqueio: “A luta pela justiça une-nos”.

Por: Yudy Castro Morales

“A luta pelo que é certo nos une”, disse o Presidente cubano Miguel Díaz-Canel Bermúdez no seu perfil no Twitter, agradecendo a todos os compatriotas e amigos em todo o mundo, que este fim-de-semana juntaram as suas vozes contra o bloqueio dos EUA a Cuba.

Una caravana por el Malecón de La Habana pide el fin del embargo de EE.UU.  - Hola News

O Havana Malecon foi preenchido este domingo com bandeiras cubanas. Uma mensagem tricolor acenava dos vidros de carros, motos, autocarros, bicicletas… Sinais em maiúsculas, feitos à mão, “gritavam”, alto e claro: “Acabou-se o bloqueio”, “Pontes de amor”, “Cuba pela Vida”.

Assim, numa caravana contra uma das maiores injustiças de todos os tempos, Havana e mais de cinquenta cidades de todo o mundo amanheceram ontem.

Na capital, a procissão, convocada pela União dos Jovens Comunistas (UJC), começou às dez da manhã, desde a doca flutuante em Havana Velha, junto à Alameda de Paula, até ao Torreón de La Chorrera.

“Sonhar e continuar um país: os jovens carregam no peito a frase You are the present. E estamos a ver nos factos que não estão à espera do futuro. Eles estão a fazê-lo”, acrescentou Díaz-Canel no Twitter, juntamente com outras mensagens que reiteraram a confiança na nossa juventude e a certeza de que “Cuba vai!

A marcha foi também dedicada a expressar gratidão pelas manifestações de apoio recebidas de diferentes latitudes contra a política hostil do governo dos EUA e a celebrar os aniversários de fundação da UJC e da Organização dos Pioneiros José Martí, que serão celebrados a 4 de Abril.

Estas caravanas a favor da exigência cubana de um “fim do bloqueio” nasceram, precisamente, na cidade norte-americana de Miami, há nove meses, sob a iniciativa Pontes de Amor, e desde então, todos os últimos domingos do mês, há mais participantes, lá e em todos os continentes.

“Os jovens cubanos terão sempre motivação para lutar, para exigir os nossos direitos, para continuar o trabalho da Revolução”, disse o primeiro secretário do Comité Nacional da UJC, Diosvany Acosta Abrahante, no final do dia.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros cubano Bruno Rodríguez Parrilla, membro da Mesa Política, disse também que o bloqueio, no meio da pandemia, “impede os nossos esforços, dificulta os nossos resultados, tanto na prevenção como no tratamento e produção de vacinas.

Entre os caravanistas, Ana Fidelia Quirót, a autêntica cubana, além da corredora mundial, assegurou que “todos os que se sentem gratos, atletas ou não, deveriam estar aqui presentes”, e uma menina, de mãos dadas com os seus pais, disse que “o bloqueio é construir muros”, quando o mundo pede para construir pontes.

Babis Vorreas, da Grécia, membro do Comité Internacional para a Paz, Justiça e Dignidade dos Povos, questionou: “Até quando vai continuar o bloqueio económico do governo dos EUA contra Cuba, enquanto Benito Alvízar Novo, vice-presidente do Clube Lada de Cuba, salientou que “esta política genocida e unilateral dos Estados Unidos pretende afogar-nos com fome e dificuldades; mas eles não vão consegui-lo .

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Estados Unidos, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, CUBA - ESTADOS UNIDOS, CubavsBloqueo, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo | Deixe um comentário

#BomDia .

Bom Dia Terça Feira – Mensagens de Bom Dia
Categories: Bom dia pra meus amigos | Deixe um comentário

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: