Daily Archives: 2 de Abril de 2021

#Cuba – #Vacinas contra o #COVID19 Novo dilema?

Categories: #América Latina, #Nicarágua, #Bolívia, #Venezuela, #Cuba, #colaboracion medica cubana, #Cuba, #Cuba, #Fidel Castro Ruz, #RevoluciónCubana, #CubaCoopera, #CubaEsSalud, #Cuba, #Estados Unidos, #salud, China, CIENCIA, Coronavirus, CoronaVirus, Noticias de Cuba, Política, CoronaVirus, Política, Organizacion Mundial de la Salud (OMS), Prensa Capitalista, Profesionales e la Salud, RUSIA, Vacinação | Deixe um comentário

Prioridades da administração norte-americana e relações com #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

Na apresentação da estratégia de segurança nacional, o Presidente Joe Biden divulgou as Orientações Estratégicas Interinas, nas quais anuncia os seus objectivos. O seu antecedente mais imediato conhecido é o seu artigo publicado na revista Foreign Affairs, no qual anunciou que iria tomar medidas para que, mais uma vez, os Estados Unidos liderassem o mundo.

Na mesma linha, o Secretário de Estado António Blinken afirmou no seu discurso inaugural que o mundo é incapaz de se organizar, e que quando os EUA se retiraram de algum lugar, outro país tentou ocupá-lo, e não promover os interesses dos EUA. Também argumentou que em nenhum outro momento da sua carreira as distinções entre política interna e externa dos EUA desapareceram devido à renovação e força da América.

Sem sequer precisar de questionar a validade ou viabilidade das afirmações acima referidas, o leitor concordará que tais ideias têm muito poucas novidades, e são congruentes com o antigo e há muito proclamado mito “americano” que representa os EUA como o campeão da igualdade de oportunidades e a excepcionalidade de um povo que, escolhido por Deus, recebeu do criador, como “destino manifesto”, o dom de governar o mundo, para o fazer à sua imagem e semelhança.

Estos son los planes de Joe Biden para América Latina | Las noticias y  análisis más importantes en América Latina | DW | 13.01.2021

Mas acontece que o mundo que os EUA pretendem liderar, com as suas políticas (interna e externa) e as suas prioridades, é o mundo da crise do capitalismo neoliberal pós-globalização, cuja manifestação mais evidente é a sua crise sistémica e o seu declínio acelerado.

É o mundo em que os fundamentalistas do mercado viveram (alguns ainda vivem) convencidos da auto-regulação pela “destruição criativa” Schumpeteriana e pela “nova teoria monetária”; subestimaram os danos que as suas políticas causaram à economia, cujos défices assumiram poder ser cobertos pela “flexibilização quantitativa” através da emissão de dinheiro e dívida, de tal forma que é várias vezes superior ao Produto Global Bruto, com resultados finais previsivelmente catastróficos. Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a 28,07 triliões de dólares, enquanto o seu Produto Interno Bruto é de 21,6 triliões; ao mesmo tempo, a sua dívida total (incluindo hipotecas, empréstimos estudantis, cartões de crédito…), atinge 82 triliões de 699 mil milhões de dólares, números que aumentam a cada segundo.

E falando de prioridades, a primeira teria a ver com a resolução, de alguma forma, da profunda divisão e polarização nos EUA entre Democratas e Republicanos, globalistas e nacionalistas, os supremacistas anglo-saxões brancos e protestantes e “negros, amarelos e castanhos”, também entre velhos e novos e não tão novos imigrantes, com o seu racismo estrutural, desigualdades abismais, negação científica e desinformação desenfreada.

As prioridades da nova administração são deter a pandemia e a sua transmissão, que, embora todos saibamos que é impossível sem cooperação à escala global, os EUA insistem no controlo local egoísta.

Também uma prioridade é inverter a deterioração da economia do país. Isto deve começar com uma reforma fiscal que elimine os cortes fiscais que tornaram “os ricos mais ricos para os ricos” pelas administrações anteriores (Democrática e Republicana) e com a implementação de políticas – fiscais e monetárias – que, ao mesmo tempo, lhes permitem ter os triliões (biliões em espanhol) de dólares necessários para financiar a luta contra a pandemia; a recuperação pós-pandémica e o sistema de saúde, também relacionado com a pandemia, e a economia real (que envolve muito mais do que o crescimento da bolsa de valores), o que envolveria também a modernização das infra-estruturas em deterioração, o combate ao aquecimento global e a melhoria da educação prometida durante a sua campanha.

Caravanas en ciudades de Estados Unidos y Canadá: Contra el bloqueo, por  más Puentes de amor (+Videos) | Cubadebate

Mas, claro, assumindo sempre “excepcionalidade” e seguindo o discurso de Blinken, o acima referido só seria alcançado “assegurando que a economia global proporciona segurança e oportunidades ao maior número possível de americanos a longo prazo”, com “políticas apropriadas” tais como “o pacote de ajuda que o Presidente está a promover” e gerindo: “a economia global de uma forma que beneficie realmente o povo americano” (as aspas sugerem o papel dos EUA, de acordo com Blinken).

Uma vez que, para Blinken, as “lições aprendidas” pelos defensores do comércio livre moldariam a economia mundial “da forma que desejávamos”, os acordos comerciais (a propósito, algo já imposto por Trump ao México e ao Canadá) que foram assinados pelos EUA deveriam ser revistos com base no liberalismo e na teoria clássica do comércio internacional de que todos beneficiariam com eles. Só que também é claro que, para a revisão dos acordos a seu contento, os EUA teriam de contar com os signatários, incluindo a China.

Tudo isto, a nova administração terá de o fazer através da recuperação do poder de compra dos salários dos trabalhadores que, segundo todos os cálculos, e para os igualar aos dos anos 50 do século passado, deverá mais do dobro da proposta do Presidente durante a sua campanha. E isto, sem a enorme emissão de dólares Fiat, necessária para financiar tudo o acima referido, não continuando a depreciar a moeda que ainda hoje é a moeda mais utilizada, porque isto faria com que os EUA perdessem o privilégio de ter o resto do mundo a financiar a sua economia, uma vantagem de que desfruta na actual ordem mundial (ou desordem?).


Entre as prioridades da política externa está sem dúvida o que os EUA consideram o seu “quintal”. Na declaração de 16 de Março de 2021 do Almirante-Chefe do Comando Sul dos EUA, ele “alerta” para a necessidade de combater a influência de nações estrangeiras como a China, Rússia e Irão…, e também Cuba pela “sua influência corrosiva em regimes autocráticos inspiradores no hemisfério” (Sic) no que ele chama de “nosso bairro”.

Joe Biden- RTVE.es

Também incluídas entre as “prioridades” estão a “renovação da democracia ameaçada pela ascensão do autoritarismo e do nacionalismo (na qual, como vimos, Cuba está incluída); o estabelecimento de um sistema migratório (que será certamente selectivo e garantirá a fuga de cérebros); a revitalização do sistema de aliança, reinventando as parcerias que foram criadas há anos, para que se adaptem aos desafios de hoje e de amanhã” (no que Blinken chama de interesse próprio esclarecido); a crise climática, promovendo a revolução da energia verde e garantindo a liderança na revolução tecnológica global actualmente em curso, que hoje parece inatingível.

E já que estamos a falar de prioridades, é necessária uma reflexão final. Os pequenos jornalistas – e ainda piores políticos – gabam-se nos EUA quando insistem que Cuba não é uma prioridade, e é por isso que não há interesse na actual administração em retomar as relações interrompidas por Trump, os seus promotores e bajuladores. Claro que é difícil saber o que pensam os responsáveis políticos dos EUA, mas o que sabemos é que nós merecemos os cubanos – e isso inclui a grande maioria dos que vivem nos EUA e no resto do mundo – somos guiados pelos ensinamentos de Martí: “A melhor maneira de se fazer servir é fazer-se respeitar a si próprio. Cuba não anda pelo mundo como uma mendiga: anda como uma irmã, e age com a autoridade de uma irmã. Ao salvar-se a si próprio, salva”.

Embora não saibamos se somos ou não uma prioridade, sabemos como impediram a nossa independência de Espanha, quantas foram as intervenções militares, como perdemos parte do nosso território… Precisamente por causa de tudo isto e mais, e independentemente da história de relações conflituosas que durante a nossa história comum encorajaram – e nas quais nós cubanos demonstrámos a convicção espartana – é que também aspiramos a relações com o mundo, e com os Estados Unidos, que sejam respeitosas, civilizadas e mutuamente vantajosas.

É por isso que nós cubanos estamos interessados, e confiamos, que nas relações que mais cedo ou mais tarde manteremos com os Estados Unidos, seremos capazes de aprender o melhor uns com os outros, Podemos aprender o melhor uns com os outros: sobre os direitos humanos, em particular comparando os problemas a resolver em matéria de discriminação racial; sobre os direitos das mulheres, como o aborto, salário igual para trabalho igual para mulheres e homens; também sobre as proporções de cada ser humano na população economicamente activa e em todas as profissões ou ofícios, incluindo licenciados universitários e cientistas; sobre os direitos das crianças, a qualidade da educação e da saúde, o seu custo e o seu acesso… aqui e ali.

A nossa resiliência, o nosso prestígio, a nossa relação com o mundo, baseada no respeito, o declínio do império e a nossa capacidade de produzir ciência e serviços turísticos e médicos altamente competitivos, poderiam certamente, e numa data muito precoce, tornar o mercado “americano” dispensável para Cuba, apesar da sua proximidade e das imensas possibilidades para ambos. Esta também não será a nossa decisão.

Extraído de Granma

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #salud, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Coronavirus, CoronaVirus, Política, CubavsBloqueo, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, joe biden, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

Falsos profetas e cultos de carga .

Por Ernesto Estévez Rams

Durante a Segunda Guerra Mundial, os militares norte-americanos precisavam de ir do continente para os mares em redor do Japão. As pequenas ilhas polinésias estavam cheias de aeroportos temporários e, com eles, também de produtos enlatados, vestuário industrial, e vários tipos de aparelhos; produtos da “civilização ocidental” desconhecidos da população nativa.

Uma vez terminada a guerra e eliminada a necessidade, as ilhas foram abandonadas, quase de um dia para o outro, pelo exército americano e, com ele, a mercadoria a que os nativos se tinham habituado deixou de chegar.

Determinados a trazer de volta essa “prosperidade”, usaram as pistas de aterragem, disfarçaram-se de controladores de tráfego aéreo e oficiais de aterragem e de táxi e, com paus, imitando os seus sinais, colocaram-se nas pistas nos horários habituais de chegada dos aviões, e simularam todas as manobras que tinham visto os estrangeiros fazer. Acreditavam que ao imitarem o que tinham visto em gestos e trajes, agora como liturgia, trariam de volta aquilo por que ansiavam. Estas formas particulares de culto, os antropólogos acabaram por lhes chamar cultos de carga.

A ideia de cultos de carga foi retomada pelo físico americano Richard Feymann, Prémio Nobel e um dos físicos mais coloridos do século XX. Feymann tornou-se conhecido do público em geral quando já era uma figura estabelecida no mundo científico, pela sua participação decisiva na comissão que investigou a explosão do vaivém espacial Challenger. O chamado relatório Feymann, na realidade um anexo ao oficial, acabou por ser essencial na descrição das verdadeiras causas do acidente. Toda esta história foi levada, na altura, para o cinema.

Falsos profetas y cultos de carga » EntornoInteligente

Feymann utilizou a ideia de cultos de carga, agora como metáfora, para descrever aquilo que se disfarça de ciência, usa a sua linguagem, apresenta-se como tal, mas, no fundo, é uma liturgia vazia de conteúdo que não pode, no fim de contas, fazer com que os desejados resultados da verdadeira ciência se tornem terra. Hoje, para isso, foi inventado um termo: pseudosciência.

O que diferencia a pseudociência da superstição ou outras formas de misticismo é que a primeira não se reconhece a si própria como tal. Dedica uma boa parte dos seus esforços a disfarçar-se de ciência e, portanto, a fingir que as suas reivindicações são apoiadas por provas objectivas, reprodutíveis e coerentes. Mas não é este o caso. Escondidos atrás da utilização de terminologia científica, são capazes de erguer monumentais cortinas de fumo que, infelizmente, perduram ao longo do tempo e são muito difíceis de erradicar. São mesmo capazes de enganar amplos sectores da população, incluindo instituições, decisores e agências de Estados e governos.

Vivemos num mundo onde é mais fácil aceitar mentiras que não convidam à investigação, e fornecer soluções, como as pedras filosofais, que os difíceis – e na maioria dos casos, áridos – caminhos científicos nem sempre oferecem.

Os cultos de carga, como metáfora, representam o triste cenário de uma dramaturgia que pretende invocar uma certa realidade, sem a capacidade de o fazer.

Mas a sua prática não se limita à pseudociência. Também se esconde, de uma forma mais perversa, nos bastidores do pós-moderno, e acabou por fazer parte do arsenal de instrumentos utilizados para fins políticos reaccionários.

Os demiurgo desta nova prática mística do culto da carga podem ser encontrados nos mais variados disfarces, mas todos eles fingem invocar, como liturgia vazia, gestos, actos e textos do passado, ou do presente descontextualizado.

Esta prática de influência colonizada não é assim tão nova. Havia escritores que, “iluminados” pelo auto-exílio na Europa culta, se disfarçavam de ilhéus de Milão Kundera, e acreditavam que, imitando a língua do checo, podiam invocar o seu niilismo ferozmente criativo, para acabar por ser, porque lhes faltavam – ao contrário de Kundera – referências genuínas, uma má cópia, em versão softporno, de Anäis Nin. Os pobres, os únicos tanques invasores que em Cuba tentaram chegar às nossas praias, não conseguiram, foram afundados no Houston. Aconteceu numa ilha onde o profundo sentido de soberania fez com que o seu líder, na altura, dissesse aos tiroianos e troianos que quem nos tentasse inspeccionar teria de vir em equipamento de combate.

Os evocadores da Jovem Cuba lamentam serem rotulados como activistas políticos, preferindo ser conhecidos como analistas e convidando-se a serem voluntários do ramo “democrata” do partido do poder da burguesia dos EUA.

Protestos que querem imitar o que recordamos como o de Los Trece, mas que não invocam a mesma resposta, por faltar o contexto de neocolonialismo corrupto que provoca o primeiro. Imitações de greves de fome, agora do chá e da lata de atum no quintal da casa, de pessoas que são pagas pelo norte imperial. Tentam-no num país onde um dos seus fundadores comunistas usava o jejum até à morte como forma de luta radical contra um burro com garras, capataz dos Yankees.

Cartas que se apresentam como articuladores, e que fingem imitar o verbo e o dogma de outros escritos na Europa de Leste, e cujos autores afirmam ser o tropical Vaclav Havel. São escritas num país que há 60 anos não só dialoga criticamente tudo o que faz, mas também constrói, em toda a sua complexidade e contradições, melhores formas de debate para o bem de todos.

Apelos de saudade induzidos pela ausência de greves feministas, numa invocação silenciosa de lutas justas em outros contextos. Pretendem-no, numa sociedade onde as mulheres, à medida que criam, crescem, e fazem-no a partir do sentido colectivo de pertença a um projecto cujo objectivo é conquistar toda a justiça.

Actos performativos de assassinato político que não aconteceram, torturas que não aconteceram, desaparecimentos que não existiram, como se, com o efémero espectáculo, estivessem a realizar as suas obsessões nos centros do poder hegemónico. Montaram-nos numa ilha onde os jovens enfrentavam balas para serem torturados, assassinados e desaparecidos no quartel de uma tirania ferozmente criminosa, que governou blindada pelos mesmos velhos colonizadores.

Em todos estes casos, o culto da carga, como gesto vazio, não pode superar aquela coisa muito antiga que Marx já caracterizaria, dizendo que a farsa toma conta da segunda etapa. Mas, tal como a pseudociência, pode enraizar-se nas nossas deficiências culturais e sociais, e é por isso que não podemos subestimar o demiurgo do culto contra-revolucionário da carga.

As suas práticas, também alimentadas pelas nossas deficiências, têm a capacidade de encantar, apresentando-se como verdades que não são, e praticando um exercício refinado de fogos de artifício, para se fazerem passar por um exercício legítimo.

A luta definitiva contra a irracionalidade que restaura o colonialismo inclui, de uma forma essencial, a proibição dos nossos próprios cultos de carga, aqueles que já demonstraram repetidamente que não funcionam, e que insistimos em continuar a praticar como uma liturgia vazia, conhecendo a sua futilidade, por puro hábito, conformismo, espírito de aldeia ou mediocridade grosseira. O reaccionário, na política, não é apenas o que conscientemente pretende ser, mas inclui também o que se recusa a superar-se a si próprio dialecticamente, procurando avançar.

Nesta fase da luta já sabemos que o exercício de fazer Revolução inclui necessariamente derrotar todos os cultos esterilizadores, os do inimigo e os nossos próprios. A nossa vida está em jogo.

Categories: # Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Injerencia De EEUU, RELIGIÃO | Deixe um comentário

#Cuba e os #EstadosUnidos, uma equação difícil.

Categories: # Cuba, # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, #solidaridadvs bloqueo, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, bloqueio econômico, BLOQUEIO VS CUBA, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, CubavsBloqueo, Derechos Humanos, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Ley Helms Burton, Trump procura reforçar o bloqueio | Deixe um comentário

#BomDia meus #Amigos .

Bom Dia Imagens e Fotos para Whatsapp - Top Imagens
Categories: A arte de café é tão doce, Bom dia pra meus amigos | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: