Falsos profetas e cultos de carga .

Por Ernesto Estévez Rams

Durante a Segunda Guerra Mundial, os militares norte-americanos precisavam de ir do continente para os mares em redor do Japão. As pequenas ilhas polinésias estavam cheias de aeroportos temporários e, com eles, também de produtos enlatados, vestuário industrial, e vários tipos de aparelhos; produtos da “civilização ocidental” desconhecidos da população nativa.

Uma vez terminada a guerra e eliminada a necessidade, as ilhas foram abandonadas, quase de um dia para o outro, pelo exército americano e, com ele, a mercadoria a que os nativos se tinham habituado deixou de chegar.

Determinados a trazer de volta essa “prosperidade”, usaram as pistas de aterragem, disfarçaram-se de controladores de tráfego aéreo e oficiais de aterragem e de táxi e, com paus, imitando os seus sinais, colocaram-se nas pistas nos horários habituais de chegada dos aviões, e simularam todas as manobras que tinham visto os estrangeiros fazer. Acreditavam que ao imitarem o que tinham visto em gestos e trajes, agora como liturgia, trariam de volta aquilo por que ansiavam. Estas formas particulares de culto, os antropólogos acabaram por lhes chamar cultos de carga.

A ideia de cultos de carga foi retomada pelo físico americano Richard Feymann, Prémio Nobel e um dos físicos mais coloridos do século XX. Feymann tornou-se conhecido do público em geral quando já era uma figura estabelecida no mundo científico, pela sua participação decisiva na comissão que investigou a explosão do vaivém espacial Challenger. O chamado relatório Feymann, na realidade um anexo ao oficial, acabou por ser essencial na descrição das verdadeiras causas do acidente. Toda esta história foi levada, na altura, para o cinema.

Falsos profetas y cultos de carga » EntornoInteligente

Feymann utilizou a ideia de cultos de carga, agora como metáfora, para descrever aquilo que se disfarça de ciência, usa a sua linguagem, apresenta-se como tal, mas, no fundo, é uma liturgia vazia de conteúdo que não pode, no fim de contas, fazer com que os desejados resultados da verdadeira ciência se tornem terra. Hoje, para isso, foi inventado um termo: pseudosciência.

O que diferencia a pseudociência da superstição ou outras formas de misticismo é que a primeira não se reconhece a si própria como tal. Dedica uma boa parte dos seus esforços a disfarçar-se de ciência e, portanto, a fingir que as suas reivindicações são apoiadas por provas objectivas, reprodutíveis e coerentes. Mas não é este o caso. Escondidos atrás da utilização de terminologia científica, são capazes de erguer monumentais cortinas de fumo que, infelizmente, perduram ao longo do tempo e são muito difíceis de erradicar. São mesmo capazes de enganar amplos sectores da população, incluindo instituições, decisores e agências de Estados e governos.

Vivemos num mundo onde é mais fácil aceitar mentiras que não convidam à investigação, e fornecer soluções, como as pedras filosofais, que os difíceis – e na maioria dos casos, áridos – caminhos científicos nem sempre oferecem.

Os cultos de carga, como metáfora, representam o triste cenário de uma dramaturgia que pretende invocar uma certa realidade, sem a capacidade de o fazer.

Mas a sua prática não se limita à pseudociência. Também se esconde, de uma forma mais perversa, nos bastidores do pós-moderno, e acabou por fazer parte do arsenal de instrumentos utilizados para fins políticos reaccionários.

Os demiurgo desta nova prática mística do culto da carga podem ser encontrados nos mais variados disfarces, mas todos eles fingem invocar, como liturgia vazia, gestos, actos e textos do passado, ou do presente descontextualizado.

Esta prática de influência colonizada não é assim tão nova. Havia escritores que, “iluminados” pelo auto-exílio na Europa culta, se disfarçavam de ilhéus de Milão Kundera, e acreditavam que, imitando a língua do checo, podiam invocar o seu niilismo ferozmente criativo, para acabar por ser, porque lhes faltavam – ao contrário de Kundera – referências genuínas, uma má cópia, em versão softporno, de Anäis Nin. Os pobres, os únicos tanques invasores que em Cuba tentaram chegar às nossas praias, não conseguiram, foram afundados no Houston. Aconteceu numa ilha onde o profundo sentido de soberania fez com que o seu líder, na altura, dissesse aos tiroianos e troianos que quem nos tentasse inspeccionar teria de vir em equipamento de combate.

Os evocadores da Jovem Cuba lamentam serem rotulados como activistas políticos, preferindo ser conhecidos como analistas e convidando-se a serem voluntários do ramo “democrata” do partido do poder da burguesia dos EUA.

Protestos que querem imitar o que recordamos como o de Los Trece, mas que não invocam a mesma resposta, por faltar o contexto de neocolonialismo corrupto que provoca o primeiro. Imitações de greves de fome, agora do chá e da lata de atum no quintal da casa, de pessoas que são pagas pelo norte imperial. Tentam-no num país onde um dos seus fundadores comunistas usava o jejum até à morte como forma de luta radical contra um burro com garras, capataz dos Yankees.

Cartas que se apresentam como articuladores, e que fingem imitar o verbo e o dogma de outros escritos na Europa de Leste, e cujos autores afirmam ser o tropical Vaclav Havel. São escritas num país que há 60 anos não só dialoga criticamente tudo o que faz, mas também constrói, em toda a sua complexidade e contradições, melhores formas de debate para o bem de todos.

Apelos de saudade induzidos pela ausência de greves feministas, numa invocação silenciosa de lutas justas em outros contextos. Pretendem-no, numa sociedade onde as mulheres, à medida que criam, crescem, e fazem-no a partir do sentido colectivo de pertença a um projecto cujo objectivo é conquistar toda a justiça.

Actos performativos de assassinato político que não aconteceram, torturas que não aconteceram, desaparecimentos que não existiram, como se, com o efémero espectáculo, estivessem a realizar as suas obsessões nos centros do poder hegemónico. Montaram-nos numa ilha onde os jovens enfrentavam balas para serem torturados, assassinados e desaparecidos no quartel de uma tirania ferozmente criminosa, que governou blindada pelos mesmos velhos colonizadores.

Em todos estes casos, o culto da carga, como gesto vazio, não pode superar aquela coisa muito antiga que Marx já caracterizaria, dizendo que a farsa toma conta da segunda etapa. Mas, tal como a pseudociência, pode enraizar-se nas nossas deficiências culturais e sociais, e é por isso que não podemos subestimar o demiurgo do culto contra-revolucionário da carga.

As suas práticas, também alimentadas pelas nossas deficiências, têm a capacidade de encantar, apresentando-se como verdades que não são, e praticando um exercício refinado de fogos de artifício, para se fazerem passar por um exercício legítimo.

A luta definitiva contra a irracionalidade que restaura o colonialismo inclui, de uma forma essencial, a proibição dos nossos próprios cultos de carga, aqueles que já demonstraram repetidamente que não funcionam, e que insistimos em continuar a praticar como uma liturgia vazia, conhecendo a sua futilidade, por puro hábito, conformismo, espírito de aldeia ou mediocridade grosseira. O reaccionário, na política, não é apenas o que conscientemente pretende ser, mas inclui também o que se recusa a superar-se a si próprio dialecticamente, procurando avançar.

Nesta fase da luta já sabemos que o exercício de fazer Revolução inclui necessariamente derrotar todos os cultos esterilizadores, os do inimigo e os nossos próprios. A nossa vida está em jogo.

Categories: # Cuba, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Cuba, Donald Trump, Estados Unidos, Iglesia, Ley Helms-Burton, Relaciones Cuba Estados Unidos, Religión, Injerencia De EEUU, RELIGIÃO | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: