Prioridades da administração norte-americana e relações com #Cuba .

Por Redacción Razones de Cuba

Na apresentação da estratégia de segurança nacional, o Presidente Joe Biden divulgou as Orientações Estratégicas Interinas, nas quais anuncia os seus objectivos. O seu antecedente mais imediato conhecido é o seu artigo publicado na revista Foreign Affairs, no qual anunciou que iria tomar medidas para que, mais uma vez, os Estados Unidos liderassem o mundo.

Na mesma linha, o Secretário de Estado António Blinken afirmou no seu discurso inaugural que o mundo é incapaz de se organizar, e que quando os EUA se retiraram de algum lugar, outro país tentou ocupá-lo, e não promover os interesses dos EUA. Também argumentou que em nenhum outro momento da sua carreira as distinções entre política interna e externa dos EUA desapareceram devido à renovação e força da América.

Sem sequer precisar de questionar a validade ou viabilidade das afirmações acima referidas, o leitor concordará que tais ideias têm muito poucas novidades, e são congruentes com o antigo e há muito proclamado mito “americano” que representa os EUA como o campeão da igualdade de oportunidades e a excepcionalidade de um povo que, escolhido por Deus, recebeu do criador, como “destino manifesto”, o dom de governar o mundo, para o fazer à sua imagem e semelhança.

Estos son los planes de Joe Biden para América Latina | Las noticias y  análisis más importantes en América Latina | DW | 13.01.2021

Mas acontece que o mundo que os EUA pretendem liderar, com as suas políticas (interna e externa) e as suas prioridades, é o mundo da crise do capitalismo neoliberal pós-globalização, cuja manifestação mais evidente é a sua crise sistémica e o seu declínio acelerado.

É o mundo em que os fundamentalistas do mercado viveram (alguns ainda vivem) convencidos da auto-regulação pela “destruição criativa” Schumpeteriana e pela “nova teoria monetária”; subestimaram os danos que as suas políticas causaram à economia, cujos défices assumiram poder ser cobertos pela “flexibilização quantitativa” através da emissão de dinheiro e dívida, de tal forma que é várias vezes superior ao Produto Global Bruto, com resultados finais previsivelmente catastróficos. Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a Para se ter uma ideia, e apenas para o caso dos EUA, basta assinalar que a sua dívida federal ascende a 28,07 triliões de dólares, enquanto o seu Produto Interno Bruto é de 21,6 triliões; ao mesmo tempo, a sua dívida total (incluindo hipotecas, empréstimos estudantis, cartões de crédito…), atinge 82 triliões de 699 mil milhões de dólares, números que aumentam a cada segundo.

E falando de prioridades, a primeira teria a ver com a resolução, de alguma forma, da profunda divisão e polarização nos EUA entre Democratas e Republicanos, globalistas e nacionalistas, os supremacistas anglo-saxões brancos e protestantes e “negros, amarelos e castanhos”, também entre velhos e novos e não tão novos imigrantes, com o seu racismo estrutural, desigualdades abismais, negação científica e desinformação desenfreada.

As prioridades da nova administração são deter a pandemia e a sua transmissão, que, embora todos saibamos que é impossível sem cooperação à escala global, os EUA insistem no controlo local egoísta.

Também uma prioridade é inverter a deterioração da economia do país. Isto deve começar com uma reforma fiscal que elimine os cortes fiscais que tornaram “os ricos mais ricos para os ricos” pelas administrações anteriores (Democrática e Republicana) e com a implementação de políticas – fiscais e monetárias – que, ao mesmo tempo, lhes permitem ter os triliões (biliões em espanhol) de dólares necessários para financiar a luta contra a pandemia; a recuperação pós-pandémica e o sistema de saúde, também relacionado com a pandemia, e a economia real (que envolve muito mais do que o crescimento da bolsa de valores), o que envolveria também a modernização das infra-estruturas em deterioração, o combate ao aquecimento global e a melhoria da educação prometida durante a sua campanha.

Caravanas en ciudades de Estados Unidos y Canadá: Contra el bloqueo, por  más Puentes de amor (+Videos) | Cubadebate

Mas, claro, assumindo sempre “excepcionalidade” e seguindo o discurso de Blinken, o acima referido só seria alcançado “assegurando que a economia global proporciona segurança e oportunidades ao maior número possível de americanos a longo prazo”, com “políticas apropriadas” tais como “o pacote de ajuda que o Presidente está a promover” e gerindo: “a economia global de uma forma que beneficie realmente o povo americano” (as aspas sugerem o papel dos EUA, de acordo com Blinken).

Uma vez que, para Blinken, as “lições aprendidas” pelos defensores do comércio livre moldariam a economia mundial “da forma que desejávamos”, os acordos comerciais (a propósito, algo já imposto por Trump ao México e ao Canadá) que foram assinados pelos EUA deveriam ser revistos com base no liberalismo e na teoria clássica do comércio internacional de que todos beneficiariam com eles. Só que também é claro que, para a revisão dos acordos a seu contento, os EUA teriam de contar com os signatários, incluindo a China.

Tudo isto, a nova administração terá de o fazer através da recuperação do poder de compra dos salários dos trabalhadores que, segundo todos os cálculos, e para os igualar aos dos anos 50 do século passado, deverá mais do dobro da proposta do Presidente durante a sua campanha. E isto, sem a enorme emissão de dólares Fiat, necessária para financiar tudo o acima referido, não continuando a depreciar a moeda que ainda hoje é a moeda mais utilizada, porque isto faria com que os EUA perdessem o privilégio de ter o resto do mundo a financiar a sua economia, uma vantagem de que desfruta na actual ordem mundial (ou desordem?).


Entre as prioridades da política externa está sem dúvida o que os EUA consideram o seu “quintal”. Na declaração de 16 de Março de 2021 do Almirante-Chefe do Comando Sul dos EUA, ele “alerta” para a necessidade de combater a influência de nações estrangeiras como a China, Rússia e Irão…, e também Cuba pela “sua influência corrosiva em regimes autocráticos inspiradores no hemisfério” (Sic) no que ele chama de “nosso bairro”.

Joe Biden- RTVE.es

Também incluídas entre as “prioridades” estão a “renovação da democracia ameaçada pela ascensão do autoritarismo e do nacionalismo (na qual, como vimos, Cuba está incluída); o estabelecimento de um sistema migratório (que será certamente selectivo e garantirá a fuga de cérebros); a revitalização do sistema de aliança, reinventando as parcerias que foram criadas há anos, para que se adaptem aos desafios de hoje e de amanhã” (no que Blinken chama de interesse próprio esclarecido); a crise climática, promovendo a revolução da energia verde e garantindo a liderança na revolução tecnológica global actualmente em curso, que hoje parece inatingível.

E já que estamos a falar de prioridades, é necessária uma reflexão final. Os pequenos jornalistas – e ainda piores políticos – gabam-se nos EUA quando insistem que Cuba não é uma prioridade, e é por isso que não há interesse na actual administração em retomar as relações interrompidas por Trump, os seus promotores e bajuladores. Claro que é difícil saber o que pensam os responsáveis políticos dos EUA, mas o que sabemos é que nós merecemos os cubanos – e isso inclui a grande maioria dos que vivem nos EUA e no resto do mundo – somos guiados pelos ensinamentos de Martí: “A melhor maneira de se fazer servir é fazer-se respeitar a si próprio. Cuba não anda pelo mundo como uma mendiga: anda como uma irmã, e age com a autoridade de uma irmã. Ao salvar-se a si próprio, salva”.

Embora não saibamos se somos ou não uma prioridade, sabemos como impediram a nossa independência de Espanha, quantas foram as intervenções militares, como perdemos parte do nosso território… Precisamente por causa de tudo isto e mais, e independentemente da história de relações conflituosas que durante a nossa história comum encorajaram – e nas quais nós cubanos demonstrámos a convicção espartana – é que também aspiramos a relações com o mundo, e com os Estados Unidos, que sejam respeitosas, civilizadas e mutuamente vantajosas.

É por isso que nós cubanos estamos interessados, e confiamos, que nas relações que mais cedo ou mais tarde manteremos com os Estados Unidos, seremos capazes de aprender o melhor uns com os outros, Podemos aprender o melhor uns com os outros: sobre os direitos humanos, em particular comparando os problemas a resolver em matéria de discriminação racial; sobre os direitos das mulheres, como o aborto, salário igual para trabalho igual para mulheres e homens; também sobre as proporções de cada ser humano na população economicamente activa e em todas as profissões ou ofícios, incluindo licenciados universitários e cientistas; sobre os direitos das crianças, a qualidade da educação e da saúde, o seu custo e o seu acesso… aqui e ali.

A nossa resiliência, o nosso prestígio, a nossa relação com o mundo, baseada no respeito, o declínio do império e a nossa capacidade de produzir ciência e serviços turísticos e médicos altamente competitivos, poderiam certamente, e numa data muito precoce, tornar o mercado “americano” dispensável para Cuba, apesar da sua proximidade e das imensas possibilidades para ambos. Esta também não será a nossa decisão.

Extraído de Granma

Categories: # yo voto vs bloqueo, #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #salud, #solidaridadvs bloqueo, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, bloqueo contra cuba, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Casa Blanca, Cuba, Estados Unidos, La Florida, Miami, Relaciones Cuba Estados Unidos, Bloqueo, Bloqueo contra Cuba, Colombia, Cuba, Economía, Ernesto Samper, Estados Unidos, Ministerio de Turismo (MINTUR), Relaciones Cuba Estados Unidos, Turismo, Bloqueo,Cuba,EstadosUnidos,Internet,Trask Force, Coronavirus, CoronaVirus, Política, CubavsBloqueo, Estados Unidos, Golpe de Estado, Injerencia, Lima, Nicolás Maduro Moros, Venezuela, Injerencia De EEUU, joe biden, La Unión Europea se posiciona contra el bloqueo, Profesionales e la Salud | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: