Uma análise desde a Linguística até à #SubversãoPolítica ideológica em #Cuba .

Por Francisco Grass

O linguista Noam Chomsky, EUA, 1928, é considerado um dos pensadores mais renomados da actualidade. O seu trabalho abrangente mergulha-nos numa grande variedade de teorias, estudos e conhecimentos relacionados com a linguística, psicologia do desenvolvimento, filosofia e análise política.

Tendo em conta os estudos de Chomsky, e as suas 10 estratégias de manipulação dos media, este artigo enfatiza o caso de Cuba, uma ilha bloqueada e sujeita dos meios de comunicação social a uma agressão constante e a uma guerra mediática que se constrói a partir do conhecimento da linguística e da psicologia para influenciar os pensamentos dos seus habitantes e as suas acções.

Cuba tem estado permanentemente sujeita às acções subversivas dos serviços especiais americanos e dos seus aliados, que há mais de 60 anos têm planeado, promovido, financiado e dirigido actividades deste tipo com objectivos desestabilizadores contra a ilha, utilizando mercenários e pessoas que coincidem com os seus interesses na cena doméstica, que têm levado a cabo acções destinadas a obstruir o desenvolvimento e a boa governação, ao mesmo tempo que tentam manipular sectores vulneráveis da sociedade para confrontar o Estado e as suas instituições.

Estas actividades são reflectidas e amplificadas pelos meios de comunicação social, “santificadas” por instituições internacionais, “ONG”, fundações e outras organizações sob o seu controlo, e difundidas em redes sociais através de campanhas mediáticas de apoio às mesmas. Desta forma, influenciam a opinião pública internacional a procurar o consentimento que legitima as suas actividades contra Cuba, enquanto bombardeiam o povo cubano com campanhas de guerra psicológica e de desinformação. Desta forma, distorcem as realidades, cavalgam sobre problemas existentes para fomentar o ódio, o desespero, a desconfiança, o anarquismo, e para provocar uma explosão social que levará ao colapso da Revolução e porá um fim ao socialismo na nossa nação.

Com base no acima exposto, tomamos como elemento de análise a campanha subversiva desencadeada pelo grupo de falsários de San Isidro e os de 27-N, bem como o movimento anti-cultura que é promovido a partir dos círculos de poder em Washington e da extrema-direita cubano-americana, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, visando quebrar o moral e a dignidade dos artistas, escritores e jornalistas cubanos, Escritores e jornalistas cubanos, a fim de os utilizar como instrumentos da sua guerra suja contra a nação antilhana, ao mesmo tempo que dificultam contratos, negam vistos e transformam-se em objectos de perseguição e linchamento dos meios de comunicação que não cedem às suas pressões, nem se deixam comprar.

A estratégia parece ser parcialmente eficaz, uma vez que não é segredo que vários artistas de música popular como Alexander e Randy Malcom, membros da dupla “Gente de Zona”, Yotuel do “Orishas”, e o rapper urbano “El Micha” cederam às pressões e ao capital.

Estes artistas foram transformados em fiéis vassalos, que por uma ninharia e para preservar o seu status quo, acesso à nação americana e à indústria musical de Miami, concordaram em tornar-se geradores de conteúdo subversivo contra o governo estabelecido em Cuba, a institucionalidade, a Constituição e o socialismo, inserindo nas suas canções conteúdos destinados a provocar mudanças no pensamento e comportamento do povo.

É claro que estes artistas só estão interessados em dinheiro e não em perder os seus vistos, todos os bons cubanos sabem disso. É a mesma agenda, que, a partir de outro contexto, e por outros meios, mas essencialmente, é aproveitar os problemas reais sofridos pelos cubanos comuns, para gerar confusão a partir do afectivo, obviando às verdadeiras causas do mesmo, e incitando ao caos e ao anarquismo, desunião e ódio entre os compatriotas.

Surpreenda-se ao saber que não propõem nada de específico, apenas falam de mudança, claro que uma mudança seria bem-vinda, uma mudança de política hegemónica, interferência, bloqueio, colonização cultural por parte do governo dos Estados Unidos. É por isso que desejamos, um diálogo respeitável, entre iguais, e num clima de respeito mútuo.

Por outro lado, nem sequer ouçam o que estes chamados artistas dizem, porque são instrumentos utilizados pelo império para manipular a população e subverter a ordem em Cuba, tal como fizeram na URSS.

Neste momento, é apropriado recordar o que Allen Dulles, Director-CIA (1953-1961) disse sobre a estratégia subversiva e manipuladora levada a cabo contra a URSS:

“Semeando o caos na URSS, vamos substituir os seus valores, despercebidos, por valores falsos e forçá-los a acreditar neles. Da literatura e da arte faremos desaparecer a sua carga social; a literatura, o cinema, o teatro reflectirão e exaltarão os sentimentos humanos mais básicos; apoiaremos os artistas que começam a semear e inculcar na consciência humana o culto do sexo, da violência, da traição. Na liderança do Estado vamos criar caos e confusão, vamos encorajar o despotismo dos funcionários, suborno, corrupção, falta de princípios. Honestidade e honestidade serão ridicularizadas. Faremos com que as fundações da moralidade pareçam ter um aspecto de desonestidade, destruindo-as.

Esta estratégia, com nuances que a adaptam aos tempos actuais, é semelhante em muitos aspectos à que estão a aplicar hoje contra Cuba, que é apresentada a partir de um contexto linguístico e psicológico. É a especialidade do inimigo, entrar na psique do povo, de um povo específico, estudar em profundidade as suas aspirações e sofrimentos, a sua cultura, a fim de semear a partir daquilo a que chamam “fissuras” as sementes do neoliberalismo, da privatização, da prostituição, da droga, da guerra, da pobreza, da incultura, da eterna mediocridade, do vazio, da sociedade do consumo excessivo, em busca de criar as condições que permitam o domínio dos países que lhes interessam.

Para compreender o processo de manipulação a partir dos conhecimentos linguísticos e psicológicos, tomemos como exemplo a nova canção subversiva “Un Sueño” (Cuba Grita Libertad) do rapper El Micha, que do seu título já denota manipulação, porque Cuba é um país livre e soberano.

A estratégia de distracção escondida na canção.

Evidentemente, esta canção desvia a atenção do público para a suposta responsabilidade do governo cubano pela situação actual na ilha, sem ter em conta que os problemas de Cuba são o produto de um bloqueio de ferro estabelecido e consolidado há mais de meio século, nem menciona a intensificação do bloqueio no meio do Covid-19, nem a crise económica global que este provocou.

Ele canta do próprio país que está a bloquear o seu povo, aquele que ele ama e defende tanto, algo que não faz sentido. Se ele está tão preocupado com o povo, porque não canta de Cuba contra o governo dos Estados Unidos e o bloqueio desumano que nos impõe, que não faz qualquer menção na sua canção subversiva. Mas é verdade que existe um povo, que resistiu, resiste, e não vende a sua liberdade. Evidentemente, este cavalheiro só está interessado no dinheiro que as elites políticas e económicas do vizinho do Norte lhe vão pagar; ele é, sem dúvida, um manipulador que se junta àqueles que vivem à custa do sofrimento do seu próprio povo.

*Manter o público ocupado, ocupado, ocupado, sem tempo para pensar; de volta à quinta como os outros animais (citação do texto “Silent Weapons for Quiet Wars”)”.

Resolução de problemas-reacções.

Aqui é evidente como é feita uma tentativa de criar uma situação fictícia ou imprecisa destinada a provocar uma certa reacção na audiência, e a audiência enquanto tal assume um papel determinante no problema e na sua solução. A canção incita a uma rápida mudança de regime, o que implica deixar que a violência urbana se desenvolva ou intensifique, ou que ocorra derramamento de sangue, para que o público seja aquele que exige leis e políticas de segurança em detrimento da liberdade.

Subsequentemente, sob certo gradualismo, o pretexto de uma economia subdesenvolvida (produto do bloqueio e das sanções económicas) ou de uma crise económica seria utilizado para fazer o público aceitar como um mal necessário a regressão dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços públicos. Naturalmente, isto é omitido por razões óbvias.

A estratégia do gradualismo.

Como mencionei anteriormente, o gradualismo é a chave do sucesso, para que condições sócio-económicas radicalmente novas (neoliberalismo) possam ser impostas a partir de uma mudança de regime.

  1. a estratégia de adiamento.

De um contexto social cheio de nuances, reflectem apenas o que entendem ser negativo ou problemático. Eles sabem que a maioria apoia o governo e o sistema social existente, e por isso aludem à necessidade de uma mudança de regime como algo doloroso e necessário. Para dar credibilidade ao mensageiro, vestem-no como um cubano do povo que ele não tem, e embora ele peça uma mudança rápida, e assegure que Cuba está pronta para uma “mudança”, estas estratégias visam ganhar tempo para que o público se habitue à ideia de mudança e a aceite com resignação se a altura chegar.

  1. dirigir-se ao público como criaturas de pouca idade.

No texto da canção, tentando manipular os sentimentos do público cubano, cometem o erro de a abordar como alguém com falta de conhecimento, cultura, capacidade analítica e pensamento crítico. É a aplicação mecânica de métodos de influência psicológica sem considerar as características do sujeito sobre o qual actuam ou a ignorância que os leva a confundir os desejos com as realidades.

  1. usar o aspecto emocional muito mais do que a reflexão.

O uso do emocional é uma técnica mais do que eficaz para suprimir a análise racional e, finalmente, para o sentido crítico do povo. Além disso, a utilização do registo emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente a fim de implantar ideias, desejos, medos, e induzir comportamentos.

Segundo o texto da canção colocada na boca do agora mensageiro do império, ele canta por 11 milhões, algo que é mentira, ele canta em nome da capital do império, o que garante o seu pagamento, e o seu visto. Do mesmo modo, fala das necessidades que as pessoas sofrem, para o que utiliza na sua fala questões sensíveis como a falta de medicamentos, alimentos, recursos, e a situação que tem sido gerada pelo Covid-19.

Não menciona os cinco candidatos cubanos à vacina que em breve estarão disponíveis para o povo, não fala da estratégia eficaz de Cuba na luta contra a pandemia, não fala do esforço que o governo está a fazer para garantir o essencial ao povo no meio do aperto do bloqueio, não fala do esforço que os professores cubanos estão a fazer para garantir a educação de milhões de estudantes.

Os problemas são abandonados, e de uma forma subtil estão ligados a uma suposta falta de vontade do Estado para com o seu povo, e omitem as causas reais dos problemas, o que indica que o seu discurso visa a manipulação, desinformação, e subversão. É a manipulação da realidade em busca de interesses espúrios.

7.manter o público na ignorância e na mediocridade.

Promover este pensamento medíocre, a análise plana dos problemas que afectam a nossa sociedade, promover a anti-cultura, o banal, o consumismo e o conteúdo vazio, é encorajar a ignorância e a mediocridade.

O rapper vende pátrias, não estimula o público a questionar-se sobre as questões que menciona, não lhe convém. É evidente a intenção manipuladora da sua “canção” que depende da ignorância ou contra-revolução para propagar o seu conteúdo incoerente e manipulado.

Estimular o público a ser complacente com a mediocridade.

Semear na juventude a ideia de se opor ao governo como uma moda, aproveitando a sua rebeldia, é estimulá-los a serem complacentes com qualquer conteúdo incoerente desta natureza. Promover esse sentimento, de não querer pensar, ou analisar as verdadeiras causas dos problemas, é promover a mediocridade.

O Reggaeton, considerado por muitos como um género musical banal e medíocre devido à pobreza do seu conteúdo, é utilizado nesta ocasião, aproveitando a sua aceitação pelos mais jovens, como um meio de inserir conteúdos intencionais, adaptados, modificados e dirigidos a este sector da população, que consideram ter sido doutrinado para agir sem pensar, uma espécie de autómato cujo comportamento responde a estímulos ou motivos intencionais inseridos na sua psique por outros.

9- Reforçar a auto-criminação.

Evidentemente, eles tentam fazer-nos acreditar que nós cubanos somos responsáveis pela nossa própria desgraça, uma vez que decidimos seguir o caminho do socialismo, sob a orientação de Fidel. A Revolução é culpada por todos os males sofridos pelo povo. Sem dúvida, o Judas Iscariotes, um mero fantoche sem intelecto, vende a sua dignidade e ataca a sua pátria pelos presentes que lhe são oferecidos por aqueles que ele adoptou como patronos.

Não importa se ele age por ignorância ou imoralidade, na minha opinião, o que é verdadeiramente importante são as intenções das mensagens que ele transmite, que na essência distorcem a realidade para criar uma desconexão com ela, e uma nova ligação com o criado para manipular. Os propósitos políticos, a influência para: fomentar a rejeição do governo, incitar à violência e criar estados de pânico são prioridades da “canção” apócrifa.

10- Conhecer os indivíduos melhor do que eles próprios se conhecem.

É evidente que um cubano de origem humilde é a melhor forma de levar a mensagem modificada para subverter o povo, que também está na sua essência humilde. É por isso que o “rapper” se apresenta como alguém que sofre com o povo, mas não menciona que agora ganha dinheiro à custa disso, ou que os traiu para obter um visto e para cantar em discotecas em Miami.

Se ele é comunista ou não é da sua conta, mas também menciona este facto com orgulho, o que significa encorajar o ódio por aqueles que o são.

Finalmente, no que respeita à manipulação, conhece a realidade e o sofrimento do povo, está agora em Miami, e mostra-se como aliado daqueles que querem uma invasão militar de Cuba. É esta a mudança de que fala na sua “canção”? Penso que, se ele dissesse a verdade escondida entre tantas mentiras e estratégias de influência psicológica, a canção teria o título: “Quero o meu visto e o meu dinheiro”, e o refrão seria: “Cuba fode-te, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo, estou a foder contigo! Cuba fode-te, estou a vender-te, que me importa a pátria se tenho um visto, agora é tempo de invasão militar e sangue inocente ….

Se colocar a verdade, como ela é, não seria muito bem aceite, seria melhor dizer: mude agora! Mas: Como seria a mudança? O que está por detrás dessa palavra? Resposta: ele não diz, diz apenas que quer ver o povo a governar-se a si próprio. Não compreendo, porque na Cuba de hoje, são as pessoas que estão no poder.

Finalmente, gostaria de falar sobre um linguista americano chamado George Lakoff (Berkeley, 1941), que é um investigador em linguística cognitiva. Dentro do seu trabalho é necessário destacar a “teoria dos quadros cognitivos”.

As estruturas cognitivas são estruturas mentais que moldam a nossa percepção da realidade, moldando assim o nosso conhecimento enciclopédico social. Isto significa que cada palavra que o indivíduo descodifica no processo de comunicação passa por um filtro ou frame correspondente, uma acção que está relacionada com a capacidade de interpretação que um indivíduo pode fazer das mensagens que recebe. Neste quadro aparecem informações sobre as experiências do indivíduo em torno da palavra em questão e a aprendizagem social da mesma, ou seja, o contexto.

Em suma, cada indivíduo, de acordo com a sua experiência e socialização, interpreta os termos aos quais atribui diferentes significados, conotações e emoções.

Selecção lexical, “palavras talismãs”, e estruturas cognitivas

Na canção subversiva do rapper “Micha” é feita uma selecção léxica de palavras-chave que englobam um significado social especial, aquilo a que chamaremos “palavras de talismã”. Palavras talismãs” são palavras que historicamente têm sido carregadas de prestígio e, portanto, têm um significado especial para as pessoas. Podem tanto prestigiar como desacreditar as palavras que lhes são apresentadas. Para melhor compreender isto, podemos destacar “palavras talismãs” utilizadas pelo rapper na sua canção tais como: liberdade (de expressão), sonho, povo, solução, verdade, mãe, santos, igreja, esperança, coração, vizinhança, melhorar.

Tendo em conta o acima mencionado, é interessante ver a desconexão destas palavras com a realidade, e o uso de palavras carregadas de um significado sensível como: pior, pandemia, fome, necessidade, sofrimento, mudança, balsa, repressão, abuso, angústia, problema, separação, desespero, depressão, repressão, mau, matar, crime, dor, governo, caro, transporte, choro, censura, casinos, hotéis, político, comunista.

Após a análise feita, pode-se observar claramente como artistas de baixo custo para o império são por ele utilizados para subverter a ordem institucional em Cuba, utilizando os avanços da ciência, especialmente nas tecnologias de informação e telecomunicações, bem como os experientes no campo da linguística, psicologia e neurociência.

É por isso que Fidel, que previu o futuro com clareza e interpretou as intenções pérfidas do inimigo como ninguém, disse: “O futuro da nossa pátria deve ser necessariamente um futuro de homens de ciência, deve ser um futuro de homens de pensamento…”. Ele, da clarividência do seu pensamento, avisou-nos dos perigos que nos esperariam no caminho e da necessidade de levar essa cultura científica ao povo, para que ninguém os possa confundir, nem os falsos profetas os manipulem.

Categories: #Donald Trump, #Estados Unidos, #Estados Unidos, #Estados UnidosDerecho InternacionalFulgencio BatistaLey Helms BurtonPrimera Ley de Reforma Agraria, A guerra dos Estados Unidos, A obsessão dos Estados Unidos, ações subversivas, Acciones contra Cuba, Bloqueo de Estados Unidos contra Cuba, Cuba, Acciones contra Cuba, Cuba, Donald Trump, Relaciones Cuba - Estados Unidos, Acciones contra Cuba, fake news, Agencia Central de Inteligencia de Estados Unidos (CIA), Ataques, Cuba, EEUU, injerencia, Mafia Anticubana, Política, Radio y TV Martí, subversió, contrarrevolucionarios anticubanos, #Cuba, guerra mediática, redes sociales, Referéndum Constitucional, Cuba, fake news, Estados Unidos, líderes de la derecha, manipular la información, NED(Fundación Nacional para la Democracia), Nica Act 2017, Nicaragua, Sin categoría, Terrorismo, USAID, Manipulação Política, Organização dos Estados Americanos (OEA), Venezuela, Manipulacion, Manipulacion Politica, Os Estados Unidos estão se preparando para subverter a Revolução Cubana através da Internet, Redes sociais, Subversão contra Cuba, Subversión | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: