A velha história da #FakeNews contra #Cuba.

Por Arthur González

As Falsas Notícias contra Cuba não começaram com a era da Internet, estão activas há 62 anos.

Em 1959, quando a Revolução Cubana liderada por Fidel Castro triunfou, o governo dos EUA iniciou a sua guerra mediática, com o objectivo de desinformar a opinião pública sobre o que estava a acontecer na ilha e demonizar aqueles que tinham derrubado o ditador Fulgencio Batista, apoiado política e militarmente por Washington.

Confrontado com a avalanche de mentiras, o próprio Castro convocou a imprensa nacional e estrangeira acreditada para desmascarar aqueles que tentaram acusar a Revolução, interessados em criar uma imagem distorcida e semear a rejeição da mesma, especialmente na América Latina.

O primeiro Programa de Acção de Cobertura da CIA, aprovado a 17 de Março de 1960 pelo Presidente Dwight Eisenhower, declara:

“Para que a oposição possa ser ouvida e a base de apoio popular a Castro enfraquecida, é necessário desenvolver os meios de informação ao povo cubano, a fim de iniciar uma poderosa ofensiva de propaganda em nome da oposição declarada”.

“Como principal voz da oposição, propõe-se a criação de uma estação de rádio “cinzenta”, controlada pelos Estados Unidos. Estaria provavelmente localizado na Ilha do Cisne e empregaria equipamento de potência substancial, tanto de banda de alta frequência como de rádio de radiodifusão. A preparação dos guiões (librettos) será feita nos Estados Unidos e transmitida electronicamente para o site da emissão”.

O orçamento aprovado para esta propaganda anti-cubana foi de 700.000 usd para operações e programação de rádio, e 500.000 usd para pagar os artigos na imprensa e outras publicações.

A CIA designou os oficiais David Alteé Phillips, como chefe de propaganda, pela sua experiência no golpe de Estado na Guatemala e Howard Hunt, para dirigir as acções políticas, o seu parceiro nesse evento, que viajou para Havana em Maio de 1960 para avaliar a atitude dos cubanos em relação à Revolução e observar os arredores das estações de rádio e televisão, propondo a sua destruição aquando do seu regresso.

A 17 de Maio desse ano, a Rádio Swan, localizada na ilha das Honduras, foi para o ar e, a 24 de Maio, o Director da CIA Allen Dulles informou o Conselho Nacional de Segurança das acções planeadas, incluindo a abertura de várias estações de rádio no Sul da Florida, que também transmitiriam notícias para Cuba, e a subvenção de jornais cubanos no exílio, que seriam vendidos na América Latina com informações anti-Castro.

A Rádio Cuba Independiente, La voz de Cuba libre e Massachusetts-Base Wrul, começaram as transmissões com mensagens contra-revolucionárias, carregadas de mentiras e deturpações, incluindo as que desencadearam, a 26 de Outubro de 1960, a infame Operação Peter Pan, através da Rádio Swan, que dizia:

“Mãe cubana, a próxima lei governamental será tirar-vos os vossos filhos a partir dos 5 anos de idade e devolvê-los aos 18, transformados em monstros do materialismo. Vá à igreja e siga as directrizes do clero”.

Em 28 de Janeiro de 1961, o Presidente John F. Kennedy autorizou a CIA a continuar as suas acções terroristas contra Cuba e a aumentar a propaganda, segundo um relatório do assistente especial McGeorge Bundy.

Nesse sentido, em 12 de Fevereiro, a chamada Voz da América anunciou uma série de programas contra a Revolução Cubana e o primeiro chamava-se A Anatomia de uma Promessa Quebrada, cujo objectivo era fazer os cubanos acreditar que Fidel Castro não estava a cumprir as suas promessas e estava a enganar o povo, desencadeando uma série de falsas notícias.

No mês seguinte, David Alteé Phillips apresentou um novo plano de propaganda para apoiar a invasão militar em preparação contra Cuba, com a ajuda de Howard Hunt, transferido de Miami para Washington. Entre as medidas levadas a cabo, contam-se: Divulgação da formação do Conselho Revolucionário Cubano, responsável por governar uma Cuba livre sem Castro.

As notícias falsas e distorcidas aumentaram no início de Abril, como prelúdio da invasão. A mais notável foi a expressa por Adlai Stevenson, embaixador dos EUA na ONU, sobre o bombardeamento dos aeroportos cubanos no dia 15 desse mês, assegurando que o evento foi levado a cabo por pilotos desertores cubanos da Força Aérea Revolucionária.

A mentira foi desmascarada pelo embaixador cubano Raul Roa, e Stevenson foi desacreditado perante a Assembleia Geral da ONU, uma vez que a CIA não o alertou para a operação.

A Fake News aumentou de tom antes e durante a invasão da Baía dos Porcos, preparada antecipadamente pela CIA para desinformar o povo cubano, incitar à rebelião em apoio aos mercenários e criar confusão entre os cidadãos.

Entre as mensagens falsas transmitidas pela Rádio Swan estavam:

“Alerta, alerta, vigia atentamente o arco-íris. O peixe vai levantar-se muito em breve, o rapaz está em casa. O peixe está vermelho e não vai demorar muito tempo a levantar-se”.

A 17 de Abril, começou o desembarque mercenário em Playa Giron e Playa Larga. Em nome do suposto Conselho Revolucionário, são transmitidas informações falsas, tais como estas:

“Antes do amanhecer, os patriotas cubanos nas cidades e nas montanhas, começaram a luta para libertar a nossa pátria do governo despótico de Fidel Castro e a libertação da opressão cruel do comunismo internacional”.

“A luta é inspirada pela gloriosa tradição de José Martí. O povo cubano levanta-se contra o tirano opressivo”.

“Os patriotas lutam para completar a tarefa de resgatar a Revolução, cinicamente traídos”.

“Os invasores fazem avanços constantes em todas as frentes em toda a Cuba. “O povo une as forças que lutam contra Fidel Castro”. “Raúl Castro é reportado como tendo cometido suicídio”.

“O tremendo exército de soldados patrióticos aguarda agora para dar o golpe vital para a liberdade da amada pátria”.

“A informação recebida indica que muitos milicianos abandonaram o exército de Castro”.

“Povo de Havana, ajuda os corajosos soldados do exército de libertação e realiza sabotagem contra as centrais eléctricas, acende todas as luzes da tua casa e o equipamento eléctrico, para que a procura cresça e as plantas deixem de poder gerar mais”.

Perante a derrota em apenas 62 horas, a rádio Swan transmite:

“Lamentamos ter de admitir perdas trágicas no stock. A maioria do nosso grupo chegará às Montanhas Escambray para continuar a luta”.

O mundo verificou a mentira ianque e o slogan “Pátria ou Morte” ressoou como um símbolo da soberania dos cubanos.

Nada mudou, eles não aprendem com os seus fracassos e continuam com as suas Falsas Notícias.

Foi por isso que José Martí disse:

“As trincheiras de ideias valem mais do que as trincheiras de pedras”.

Traduzido com a versão gratuita do tradutor – http://www.DeepL.com/Translator

Publicado por tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: