Daily Archives: 30 de Abril de 2021

Cuba pela estreita cooperação com a União Econômica da Eurásia

As Grandes Antilhas, que participou pela primeira vez, como Estado Observador, a 5 de fevereiro, reitera o seu compromisso com a Organização e atribui especial significado ao desenvolvimento de uma cooperação estreita e multifacetada com a União Económica da Eurásia (UEEA)

Marrero

Cuba está mais uma vez na reunião do Conselho Intergovernamental da Eurásia que se realiza, virtualmente, desde ontem, e termina hoje, na cidade russa de Kazan.

As Grandes Antilhas, que participou pela primeira vez, como Estado Observador, no dia 5 de fevereiro, reitera o seu compromisso com a Organização e atribui especial significado ao desenvolvimento de uma cooperação estreita e multifacetada com a União Económica da Eurásia (UEEA).

O Conselho é o órgão da EAEU, constituído pelos Chefes de Governo dos Estados-Membros, que assegura a implementação e o controlo da implementação do Tratado da União, dos tratados internacionais no seio desta organização e das decisões do Conselho Supremo .

Cuba e os Estados membros mantêm laços estreitos em áreas de interesse comum, como comércio, energia, transporte, turismo, siderurgia, mineração, saúde pública, indústria farmacêutica e biotecnologia.

Categories: Cooperacion | Etiquetas: | Deixe um comentário

Mudanças em Cuba

Internet

Por Rosa Miriam Elizalde

Lembro-me dos epitáfios escritos há 30 anos. Enquanto a URSS desmoronava, os sábios da tribo previram que Cuba não resistiria sem o ouro de Moscou nem suportaria a entropia do “socialismo real” com a pressão adicional dos Estados Unidos. “Com a pá levantada, os coveiros esperam”, escreveu o uruguaio Eduardo Galeano em 1992.

Assegurou-se que, como toda revolução tende a começar e terminar com tiros de canhão, o melhor que poderia acontecer à cubana era que Fidel Castro se rendesse antecipadamente para salvar os mortos. O jornal El País, da Espanha, instou La Moncloa a ajudar o hipotético governo de Havana que se seguiria, “para sua integração na comunidade ocidental, à qual Cuba pertence por história e por direito próprio; assim, tentando aliviar as consequências de uma transição conturbada e evitando os tons violentos de ódio e vingança que poderiam ocorrer ”.

Insulto à parte – o de nossa renúncia a ser ocidentais – eles tiveram que esperar três décadas para que acontecesse o que alguns chamam de transição, sem o resultado tão esperado. A chamada “geração histórica”, a dos barbudos da Sierra Maestra, simplesmente abandonou os cargos políticos que ocupava há poucos dias, sem outras consequências que os longos aplausos dos delegados e convidados do VIII Congresso de o Partido Comunista de Cuba, em um gesto de gratidão. “Nada me obriga a tomar esta decisão, mas acredito fervorosamente na força e na coragem do exemplo e na compreensão dos meus compatriotas e que ninguém duvida, que enquanto viver estarei pronto, com o pé o estribo, para defender a Pátria, a Revolução e o Socialismo ”, disse Raúl Castro no dia 16 de abril, anunciando que estava encerrando seu mandato como Primeiro Secretário da organização partidária.

Sem violência, sem ódio, sem vingança. Quando se trata de Cuba, a história passou por cima dos pessimistas do tropical Muro de Berlim. Raúl Castro se despede falando não só do socialismo, mas da necessidade de reinventá-lo e de estar disposto a aplicar correções e experimentos. O presidente Miguel Díaz-Canel, que o sucede, acrescenta que é necessário conectar-se com a sociedade e fortalecer uma democracia de sobrenome socialista, “vinculada à justiça e à equidade social, ao pleno exercício dos direitos humanos, à efetiva representação e participação da sociedade em contínuos processos econômicos e sociais … Tudo isso em um ambiente cada vez mais livre dos fardos da burocracia, do excessivo centralismo e da ineficiência ”.

Trata-se definitivamente de construir um novo edifício sobre os alicerces de um compromisso histórico exemplar, embora não o reconheçam quem passou a vida prenunciando o fracasso da Revolução cubana. Ao batizá-la, Fidel Castro a descreveu como socialista, democrática, dos humildes, com os humildes e para os humildes. Essa não foi uma frase retórica. Disse isso na rua, diante de uma multidão de pessoas armadas e decididas a lutar contra uma invasão do governo dos Estados Unidos e seus mercenários, em 16 de abril de 1961. Como reconhece o escritor espanhol Manuel Vázquez Montalbán, o pior para Cuba não Estar sozinho, o pior é estar rodeado, embora com a clarividência de apostar no socialismo sem as malformações políticas e econômicas da Europa intramuros.

Aliás, um grande teórico marxista, Francisco Fernández Buey, classificou como “políticos hipócritas” aqueles que impediram a construção do socialismo no Oriente e depois lamentou que acabou sendo uma monstruosidade. E acrescenta: “Nesse contexto, o discurso numantino de Castro tem para mim o valor da coerência moral … A única maneira de saber se Cuba poderia ter se tornado socialista no sentido original da palavra, ou se ainda pode sê-lo ., é pensar sobre a hipótese de que ele foi deixado para fazer o que a maioria das pessoas queria quando ele fez a revolução. Mas sabemos que eles não os deixaram fazer isso, nem os deixaram fazer isso. “

E então a era “pós-Castro” chegou sem que os cataclismos fossem anunciados. A renovação vem acontecendo há anos diante dos olhos do mundo, com paciência e táticas astutas que ajudaram a liberar as qualidades e capacidades das pessoas comuns. Não é apenas que os guerrilheiros não estejam mais nominalmente no Partido que conduziu a política nacional, mas que a geração que carrega o destino do país nasceu depois de 1959 e também se expressa em termos femininos. A idade média de seus líderes é hoje de 42,5 anos. 54,2% dos responsáveis ​​são mulheres e 47,7%, negros e pardos. Existem 75 primeiros secretários de comissões municipais e distritais (42%). Toda a estrutura do poder político e governamental mudou, mas não o curso.

A verdadeira aposta em Cuba não é para mudar, mas para dar sentido a essa palavra e continuar surfando em uma situação de emergência contínua. Os coveiros vão se cansar de erguer a pá?

Categories: Politica | Etiquetas: , | Deixe um comentário

IN VIDEO: Revelou o “mestre de cerimônias” da greve circense de San Isidro

Novas provocações de contra-revolucionários se articulam nestes dias contra Cuba. O Noticiário Nacional da Televisão Cubana revela quem está realmente por trás do circo das “greves de fome” em San Isidro.

Categories: Uncategorized | Deixe um comentário

#30Abr Di NO al BLOQUEO

Tuitazo juvenil contra el bloqueo
Categories: Uncategorized | Deixe um comentário

Parlamentares britânicos assinam moção em apoio à normalização das relações entre Cuba e os Estados Unidos

Foto: Embajada de Cuba en Reino Unido / CubaMinrex.

Cinquenta e sete membros do Parlamento britânico assinaram uma moção conclamando o governo a promover a cooperação internacional entre o Reino Unido e Cuba e instando o governo Biden a normalizar as relações retirando Cuba de sua lista de ‘países patrocinadores do terrorismo’ e o fim do bloqueio dos Estados Unidos .

A primeira moção 1550 sobre Cuba e o bloqueio dos Estados Unidos foi apresentada formalmente pelo deputado e presidente do Grupo Multipartidário sobre Cuba, Grahame Morris, em 25 de fevereiro de 2021. A moção recebeu o apoio de parlamentares de vários partidos, inclusive trabalhistas., o Partido Nacional Escocês, Plaid Cymru, Green, SDLP, DUP, bem como vários deputados independentes.

A moção reconhece o custo do bloqueio norte-americano à economia cubana e o acréscimo por motivos políticos de Cuba à lista de Estados patrocinadores do terrorismo do governo Trump em janeiro de 2021.

Da mesma forma, denuncia o caráter extraterritorial do bloqueio que atinge inclusive as empresas deste país que tentam negociar com a ilha.

Os parlamentares britânicos dizem que a pandemia do coronavírus destacou a necessidade de cooperação internacional; destaca o progresso de Cuba na produção de sua própria vacina, com a qual poderia imunizar não só sua própria população, mas também milhões de pessoas na América Latina e no sul global, se o país tivesse acesso a materiais para produzir e administrar a vacina em massa. .

A moção saúda o fato de o governo do Reino Unido ter colaborado com Cuba em projetos conjuntos em meio à pandemia e espera que tal cooperação encoraje o presidente Biden a normalizar as relações e reverter a ridícula designação de Cuba como um ‘Estado patrocinador do terrorismo’ e acabar com o bloqueio .

(Com informações da Embaixada de Cuba no Reino Unido / CubaMinrex)

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , , , , , , | Deixe um comentário

Brasil merece desculpas

Por: Emir Sader

Mais de três mil pessoas morrem todos os dias da pandemia, muitas outras morrem anonimamente de fome, muitas mais da violência de milícias e traficantes de drogas. Você morre mais do que nasceu no Brasil. Foto: Arquivo.

O Brasil está imerso em uma catástrofe humanitária. O país, que há pouco mais de cinco anos foi um exemplo de combate à pobreza, de combate às desigualdades, de democracia distributiva de renda, em pouco tempo virou um inferno, para os brasileiros e para o mundo.

Mais de três mil pessoas morrem todos os dias da pandemia, muitas outras morrem anonimamente de fome, muitas mais da violência de milícias e traficantes de drogas. Você morre mais do que nasceu no Brasil.

De um presidente exemplar para o mundo, o Brasil passou a ter um presidente genocida. De ter um presidente do qual o Brasil se orgulhava no mundo, agora existe um presidente que envergonha os brasileiros no mundo.

Todos estão se perguntando como isso foi possível. Muitos se desculpam por tornar essa catástrofe possível, seja por meio de ação ou inação. O Judiciário reconhece que Lula sempre teve razão em rejeitar as denúncias, em parecer que foi preso injustamente. A dignidade de Lula em enfrentar tudo isso é reconhecida por cada vez mais pessoas, que se sentem representadas nele, em seu drama, em sua resistência e em sua vitória. Muita gente pede desculpas a Lula por ter sido um carrasco contra eles, por ser um agente do antipetismo, do ódio que tanto estragou no Brasil.

Lula tem o direito de exigir perdão de quem o ofendeu, de quem ofendeu sua família, de quem denegriu sua imagem, de quem não acredita que ele seja absolutamente inocente. Muitos deles mudaram de campo e tiveram a honestidade de admitir que estavam errados.

Mas, além de tudo isso, há um país, há um povo que foi lançado na miséria e no abandono. A quem é negado pão e vacinas. Existe um Brasil maltratado, que virou a vergonha do mundo, que é visto como o pior de todos os mundos.

Quem foi o responsável por tudo isso? Que permitiu, por ação ou omissão, que a democracia fosse destruída pelo golpe contra Dilma. Quem reconhece que errou do lado errado deve começar por reconhecer que errou, principalmente naquela época, que não sabia defender a democracia, mandato de um presidente reeleito pelo voto popular. Quem cometeu um erro ou foi levado de má-fé a acreditar que um governo com o qual não concordava deveria ser deposto por impeachment sem fundamento constitucional.

Quem aceitou que Lula foi preso, processado, impedido de ganhar as eleições de 2018, sem provas, só por causa das condenações de um juiz que hoje é o que mais rejeitou no Brasil, porque foi desmascarado. Quem pensou que o Brasil poderia seguir em frente sem Lula, como se o Brasil pudesse deixar de lado o que tem de melhor.

O Brasil merece desculpas a todos aqueles que contribuíram para esta catástrofe humanitária que vive. Em primeiro lugar, pela imprensa, que foi a agente pública do anti-petetismo, das acusações contra Dilma e Lula, sem qualquer prova. A mídia que divulgou a imagem de Lava Jato como redentora da política brasileira e a corrupção do Partido dos Trabalhadores (PT) como um slogan que levaria à morte da esquerda. Isso promoveu o antipetismo como símbolo do mal, escondendo que o PT fez os melhores governos para o Brasil. A mídia deve pedir desculpas ao Brasil pelo papel deletério que desempenhou, pois foi ela a agente da monstruosa operação que levou o Brasil às mãos de um genocídio.

O Judiciário deve desculpas ao Brasil, por ter promovido a maior farsa judicial da história, por meio da Lava Jato, que violou todas as regras do Estado de Direito. O Poder Judiciário, que não cumpriu seu papel de impedir o impeachment de Dilma, sem qualquer fundamento legal. Isso permitiu a prisão de Lula, sua condenação e o impedimento de ter sido eleito presidente do Brasil em 2018. Isso permitiu a vitória do genocídio por meio de uma farsa, que violou todas as regras do processo eleitoral.

Os grandes empresários, que só pensam no lucro fácil, por conta da especulação financeira, sem crescimento econômico, nem distribuição de renda, nem geração de empregos. Que preferem qualquer um, até o genocídio, desde que o PT não volte a reinar para todos os brasileiros, principalmente para os mais necessitados. Que financiem as piores campanhas, os piores candidatos, desde que privatizem empresas, que não limitem o poder econômico dos bancos privados e que as desigualdades continuem aumentando no Brasil.

Demoraria muito para alinhar todos aqueles que, por ação ou omissão, permitiram ao Brasil chegar à catástrofe humanitária que vive hoje. O Brasil nunca foi um paraíso, mas se tornou o melhor de todos os purgatórios possíveis e agora está transformado no inferno.

Vão pedir desculpas ao Brasil e, para mostrar que lamentam muito ter conduzido o país a este desastre humanitário, trabalhar com todas as suas forças para que, todos unidos, possam tirar o Brasil da lama em que se encontra?

Ou continuarão a lamentar que o país seja entregue a um genocídio e suas milícias, como se eles não fossem os responsáveis ​​por isso?

Quem vai pedir desculpas ao Brasil?

(Retirado da página 12)

Categories: Uncategorized | Etiquetas: , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: