#Duque defende a força pública após denúncias de violenta repressão aos protestos e promete abrir um “espaço para ouvir os cidadãos”

Na véspera dessas declarações, a comunidade internacional instou o governo colombiano a interromper os abusos cometidos pela Polícia Nacional e pelo Esquadrão Móvel Antimotim (Esmad).

O presidente da Colômbia, Iván Duque, em Bogotá, em 2 de maio de 2021
Foto: Presidência da Colômbia / Reuters

O presidente da Colômbia, Iván Duque, defendeu as ações da força pública na terça-feira, em meio às múltiplas denúncias de violações de direitos humanos cometidas durante protestos sociais, que deixaram pelo menos 19 mortos.

Durante uma mensagem na qual falou sobre os efeitos da pandemia covid-19, Duque fez referência aos massivos protestos sociais no país e àqueles que teriam “apelado ao vandalismo, terrorismo e violência irracional para obter paz de espírito”.

O presidente, severamente questionado nos últimos dias, expressou seu apoio à atuação das Forças Armadas e da Polícia: “Devemos apoiar nossa força pública, ao mesmo tempo que exigimos dela o maior rigor no cumprimento de sua missão constitucional”. Duque disse em vídeo transmitido pela Presidência da República.

“Os homens e mulheres que vestem os uniformes das Forças Armadas e da Polícia são os nossos valores democráticos. Por isso, os cidadãos devem reconhecer o seu valor, ser seus aliados”, acrescentou o chefe de Estado.

O presidente afirmou que seu governo tem a obrigação de responder “com a força da lei” contra os manifestantes que, em sua opinião, buscam “empobrecer cidades, tirar milhares de pessoas sem trabalho, destruir o transporte público e causar pobreza”.

Embora a comunidade internacional tenha pedido ao governo colombiano que pare a repressão da Polícia Nacional Colombiana e do Esquadrão Móvel Antimotim (Esmad) contra os manifestantes, Duque assegurou que foram civis que atiraram em “cidadãos indefesos” e atacaram “cruelmente” a os policiais.

Repressão policial
Organizações sociais documentaram 26 homicídios contra manifestantes; 142 vítimas de violência física cometida por homens uniformizados; 761 casos de detenções arbitrárias e 56 denúncias de desaparecimentos no âmbito das mobilizações.

“Como presidente da República e comandante supremo das Forças Armadas, se uma ação for apresentada fora do marco da Constituição, que afeta os direitos do povo, não vou aceitá-la de forma alguma”, disse o presidente nesta terça-feira. . No entanto, reiterou que as instituições de segurança têm o “apoio” e “exigência” do Governo.

No quadro dos protestos sociais que começaram em 28 de abril, houve vários abusos da polícia contra os manifestantes.

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos na Colômbia, Juliette Rivero, denunciou nesta terça-feira que membros de sua comissão foram ameaçados e atacados pelas forças de segurança enquanto acompanhavam os protestos na cidade de Cali, capital do Vale do Cauca, que começou na última quarta-feira.

A organização Amnistia Internacional confirmou que a Polícia “utilizou armas letais em vários incidentes” e que utilizou “armas menos letais indiscriminadamente”, incluindo gás lacrimogéneo e canhões de água.

Especificamente, a Anistia Internacional documentou o uso de um rifle Galil Tavorn durante a repressão policial às manifestações em Cali em 30 de abril e constatou que policiais apontaram armas semiautomáticas diretamente para manifestantes desarmados em Popayán (Cauca).

“Em outro incidente, em 1º de maio em Bogotá, foi verificado um veículo blindado disparando munição real”, denunciou a organização.

Mais de 800 infraestruturas feridas e danificadas
Enquanto isso, o ministro da Defesa da Colômbia, Diego Molano, declarou na terça-feira que a presença militar nas ruas do país oferece um apoio “excepcional” à polícia diante da “ameaça terrorista”.

Segundo suas palavras, um policial morreu e mais de 800 pessoas – tanto uniformizados quanto civis – ficaram feridas nos últimos dias em decorrência do “impacto das ações terroristas”. Indicou ainda que um grande número de infraestruturas públicas e empresas privadas também foram danificadas.

Espaço de diálogo e soluções
Durante sua mensagem, Duque anunciou que seu governo vai instalar “um espaço para ouvir os cidadãos e construir soluções”.

Nesse sentido, o presidente convidou todas as instituições, partidos políticos, empresas, governadores, prefeitos e lideranças da sociedade civil a participarem deste espaço, que, garantiu, terá os seguintes objetivos:

Rejeite a violência em todas as suas formas
Acelere o plano nacional de vacinação
Recursos seguros para garantir programas sociais
Proteja os mais vulneráveis
Promover a reativação econômica da Colômbia e gerar mais empregos
“Os resultados deste espaço vão se traduzir em iniciativas que possamos articular rapidamente, tanto do governo nacional quanto dos governos locais”, disse o presidente.

Uma polêmica reforma tributária introduzida pelo governo Duque gerou uma onda de protestos na Colômbia desde a semana passada. Embora o presidente tenha retirado a iniciativa, graças à pressão social, a repressão brutal da Polícia e do Exército contra os manifestantes reacendeu o protesto nas ruas.

Categories: Politica | Etiquetas: , , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: