Se Cuba fosse desligada

Autor: Miguel Cruz Suárez

Obra Essencial Coerção do Imutável, de Cristhian González Tellez del Rio

Se Cuba fosse sair, seria outra coisa aos olhos do mundo, apenas um arquipélago de belas praias, cassinos exuberantes e sol perene. Esta terra, que durante muitos anos foi manchete da poderosa e dominante imprensa ocidental, encarregada de difundir os “terríveis excessos do socialismo”, dificilmente mereceria uma ou outra referência esparsa, sobre assuntos triviais e vistosos.

Para a “nova” Cuba terão os planos antigos, nos quais nunca estiveram incluídos os sentimentos mais autênticos de todos os cubanos. Seremos um bolo à espera da distribuição, os veteranos virão reclamar os seus e talvez as escolas voltem a ser quartéis.

Os de sempre chegarão com as mesmas receitas que cobriram meio continente e mais da metade do mundo de horror, nos trarão de volta os ajustes sociais, coisas que são boas para a maioria estão fora de ordem; chega de hospitais sem pagar seguro; chega de salas de aula grátis para crianças

tratados como iguais; não há mais livros de história que falam sobre a revolução; não há mais ruas seguras e não há muito rigor com a posse de armas de fogo; sem independência e pouca dignidade; Quem conseguir, quem não conseguir, resignar-se, para que não haja muito espaço para quem quer manifestar a sua rebeldia exigindo direitos iguais. Cada um, à sua causa, bem fragmentado, sem se reconhecer nos outros.

Formarán sus partidos, pero curiosamente en esa «democracia» no aceptarán ninguno de ideas comunistas o cosa parecida, harán sus elecciones y subirá al poder el que más se parezca al último que había en décadas pasadas, cuando decir: yes, sir, era la ordem do dia. E nenhum pioneiro guardando as urnas, nenhuma pessoa humilde ocupando assentos, apenas a classe poderosa estabelecida. Tudo muito ao estilo dos modelos que querem nos impor, onde a dignidade desta terra é relegada a tal ponto que mesmo o imaginado pode ser apenas o primeiro traço de uma paisagem que não podemos suspeitar em seus dolorosos alcances. Cuba já o vivia e a Revolução era necessária.

Granma

Categories: Politica | Etiquetas: | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Site no WordPress.com.

%d bloggers like this: