Daily Archives: 17 de Junho de 2021

Marco Rubio Traficante de influências ou abuso de poder?

Por Arthur González.

Talvez por falta de maturidade e desconhecimento do funcionamento da política nos Estados Unidos, Alexander Delgado, integrante da dupla cubana Gente de Zona, cometeu o grave erro de divulgar nas redes sociais a notícia da chegada de sua filha a Miami, Flórida. maior residente em Cuba, que recebeu o visto ianque nada menos que na própria embaixada em Havana, fechada aos cubanos desde 2017.

Segundo o artista, essa exceção deveu-se ao pedido que fez ao Departamento de Estado, ninguém menos que o senador Marco Rubio, que mostra o tráfico de influência, com base em sua alta posição no Senado ianque, o que também pode ser classificado como abuso de poder, já que a filha da cantora não é uma personalidade politicamente perseguida ou relevante, o que justifica a mediação que ela fez com o Departamento de Estado, para ordenar ao Encarregado de Negócios que fizesse tal coisa, enquanto milhares de cubanos têm que viajar. a um terceiro país para conduzir a sua entrevista.

Claro, esse “favor” de Alexandre terá que pagar com propaganda a favor de Marco Rubio, em futuras campanhas eleitorais, porque o favor com favor é pago e a popularidade do artista poderia ajudar na busca de votos entre seus fãs, nos Estados Unidos. Estados Unidos. Unidos.

Usando a mentira, Alexander Delgado declarou em março passado: “Se meu companheiro Randy e eu puséssemos os pés em Cuba, algo poderia acontecer conosco e nossa família”, quando todos em Miami sabem perfeitamente que a filha de Oswaldo Payá Sardiñas, Rosa María, viaja frequentemente a Havana onde tem uma casa e nunca foi molestada pela polícia, apesar de ser uma participante ativa em ações contra a Revolução e acusar o governo de ser responsável pela morte de seu pai, no acidente de carro causado pelos espanhóis Ángel Carromero, um papel contra-revolucionário que os integrantes da famosa dupla não têm.

Obviamente, a revelação incomodou o senador, que conhece o risco político que seu comportamento neste caso pode acarretar, pois, três dias depois, Alexandre deu outro comunicado à imprensa, tentando consertar a lama com uma história de fantasia, dizendo: “o O regime cubano planejou meu sequestro, após participar do tema musical “Patria y Vida”.

O remendo era pior, porque envolvia o FBI, quando argumentava que funcionários daquele serviço de inteligência o visitavam em sua residência, para informá-lo que “o governo de Cuba planejava meu sequestro fora dos Estados Unidos, em países como Colômbia, Venezuela , Panamá, onde Cuba teve tentáculos com os governos dessas nações ”.

Agora ele questionou o FBI, pois essas alegadas informações obtidas por meios secretos não podem ser reveladas devido ao risco de que as fontes sejam descobertas.

O que Alexander não sabe é que, segundo dados oficiais do Departamento de Estado, até novembro de 2020, havia 78,3 mil casos de cubanos pendentes de obtenção do visto de reunificação familiar, além de outros 22 mil pendentes de liberdade condicional familiar, aos quais se somam 100 mil aguardando. a entrevista inicial para o processo de visto.

De acordo com esse departamento, Cuba é um dos 10 países do mundo com os casos mais atrasados ​​na solução de vistos, o que se acumula desde 2017, quando decidiram fechar o consulado de Havana, dentro do plano traçado pela CIA para romper relações diplomáticas, com o tema inventado do ruído.

A esses números soma-se a quebra do acordo de imigração entre os dois países, no qual os Estados Unidos devem aprovar não menos que 20 mil vistos por ano.

Com essa situação que mostra a ausência de sentimentos humanos, como o senador Marco Rubio pode justificar, perante a comunidade cubana na Flórida, sua pressão sobre o Departamento de Estado pelo caso da filha do artista?

Lembremos que desde 2017, os cubanos devem se deslocar a um terceiro país para solicitar o visto, com altos custos com passagens aéreas, hospedagem, alimentação e táxis, despesas que seus parentes na Flórida cobrem, sem contar com o apoio financeiro de Alexander.

Os eleitores daquele estado devem responsabilizar o senador, para explicar em detalhes os reais propósitos de seu pedido ao Departamento de Estado, quando há milhares de casos verdadeiramente humanitários aguardando visto.

José Martí destacou quando disse:

“O infortúnio nasce do exagero de uma única coisa”

Categories: Politica | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

URGENTE! Terroristas dos EUA ameaçam matar Biden, os chamados influenciadores e Cuba

Categories: Politica | Etiquetas: , , | Deixe um comentário

O negócio da pandemia ou uma sátira do capital

Dói a irresponsabilidade de um governo que age sob a lógica de um sistema desumano, priorizando o dinheiro

Autor: Antonio Rodríguez Salvador

El coste medio de estancia en hospital para tratamiento y diagnóstico de covid-19 en 
ee. uu. fue de 23 000 dólares por paciente: foto: archivo de granma
O custo médio de internação hospitalar para tratamento e diagnóstico de COVID-19 nos EUA foi de US $ 23.000 por paciente: Foto: Arquivo Granma

Do ponto de vista econômico, a gestão realizada pelos Estados Unidos no enfrentamento da pandemia pode ser classificada como brilhante. De acordo com um artigo recente no The New York Times, o custo médio de internações hospitalares para tratamentos e diagnósticos de COVID-19 foi de cerca de US $ 23.000 por paciente, o que significa uma contribuição extraordinária dos pacientes para a boa saúde do Produto Interno Bruto (PIB )

O PIB é uma quantidade macroeconômica que expressa o valor monetário da produção de bens e serviços para a demanda final de um país durante um determinado período. Um cálculo simples permite então ver que os 33,3 milhões de infectados até o momento nos Estados Unidos poderiam ter contribuído com mais de 765 bilhões de dólares para aquele indicador, o que se traduziria em um crescimento econômico de 3%.

Para entender a dimensão de tal feito, basta saber que esse valor equivale ao PIB nominal do estado da Flórida, o quarto maior da União; e supera em muito o que é gerado por todo o setor primário (extração e obtenção de matérias-primas, agricultura, pecuária, silvicultura, etc.), que representa 0,9% da atividade econômica do país.

É ainda maior do que a contribuição de setores-chave como o turismo em tempos bons (450 bilhões); ou a indústria de ferro e aço (113 bilhões); enquanto, em números relativos, tributou um crescimento superior à média alcançada por aquele país nos últimos 15 anos, que oscilou em valores próximos de 2%.

Tudo isso mostra que as medidas tomadas por Donald Trump para abrir a economia e estimular o contágio foram mais do que bem-sucedidas. Na época, o ex-presidente recebeu severas críticas; mas hoje sua brilhante estratégia de classificar o vírus como uma leve gripe ou resfriado é mais bem compreendida. Com admiração descobrimos que não se tratava de sua irresponsabilidade, mas de um recurso mental eficaz para elevar o moral dos cidadãos, além de derrotar medos lógicos, embora indesejáveis, diante do desmantelamento de rotinas.

Infelizmente, nem tudo correu bem. Tais medidas foram dificultadas por pressões anti-sistema de alguns governadores e parlamentares que, junto com o epidemiologista Anthony Fauci, formaram uma troika de ideias arcaicas. Se não tivessem persistido por tanto tempo em sua atitude antipatriótica de fechamento do país, impondo restrições de mobilidade e uso de máscaras, talvez neste momento os Estados Unidos estivessem em excelentes condições para serem grandes novamente diante de ameaças como as da Rússia e da China.

Também é lamentável que muitos cidadãos morreram sem ter resistido mais à convalescença. Em qualquer caso, talvez eles devessem ter se empenhado mais na honra de servir ao país; mas, embora dói dizer, eles não estavam à altura da tarefa, ou não sabiam o quanto cada semana ou dia que conseguiam sobreviver ao vírus significava para a economia nacional.

Por outro lado, outros tiveram atitudes dignas dos maiores elogios. Um desses heróis foi Michael Flor, um cidadão de Seattle, que em sua batalha épica pelo crescimento econômico, ficou hospitalizado por 62 dias, para contribuir para o PIB nacional com uma saudável cifra de um milhão e cem mil dólares: até 48 pacientes!

Chegando aqui, o leitor compreenderá que este texto constitui uma sátira, um gênero literário que expressa indignação por algo, com uma finalidade moralizante. Não é uma zombaria dos milhares de mortos daquele país, que sentimos como nosso, porque Martí nos ensinou que Pátria é humanidade; é pena a irresponsabilidade de um governo que age sob a lógica de um sistema desumano, priorizando o dinheiro em detrimento da vida.

Tirado de Granma

Categories: #salud | Etiquetas: | Deixe um comentário

Os cidadãos norte-americanos também sofrem com o bloqueio de seu país a Cuba

Liset García (*) / Colaboração Especial para a América Latina Resumo Cuba.- Não são poucas as histórias que se podem contar sobre o impacto do bloqueio econômico, financeiro e comercial imposto pelos Estados Unidos para tentar render o povo da Ilha por causa da fome e outras deficiências, embora como pretexto a Casa Branca argumente que esta política é contra o governo cubano.

As perdas que causa afetam diretamente o padrão de vida de seus nacionais e o desenvolvimento do país, e sua repercussão atinge os cidadãos da nação nortenha, proibidos de pisar em solo cubano, e se o fizessem, não estariam. capaz de ficar em casas, indivíduos ou uma enorme lista de instalações de hotel.

Não poucos truques têm sido usados ​​por seus líderes para justificar uma política tão ilógica, que até agora não atingiu seus objetivos, como Barack Obama reconheceu na época. Tampouco entendem o motivo de seu fracasso, muito menos o apoio que Cuba recebe todos os anos nas Nações Unidas, onde os Estados Unidos estão expostos a uma condenação quase mundial.

Desde fevereiro de 1962, o presidente Kennedy assinou a ordem executiva que impôs o bloqueio formal, outros governos o reforçaram e até o sancionaram. Nestes quase sessenta anos os prejuízos já somam mais de 144 bilhões de dólares, e seu impacto na população é impossível de ignorar.

Desde 1992, a Ilha apresenta um relatório à Assembleia Geral das Nações Unidas sobre os efeitos dessas medidas genocidas. No próximo dia 23 de junho, a resolução voltará a ser votada lá, depois que no ano passado devido a restrições devido à pandemia global, ela foi adiada. No entanto, o assunto não foi silenciado, pois 159 Estados e 34 organizações internacionais enviaram ao Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, uma nota de apoio a Cuba.

Vozes contra o bloqueio

Não raro, vozes se levantam desde os Estados Unidos contra as restrições impostas a seus habitantes de viajar para a ilha vizinha e entrar em contato com a realidade cubana. Ou aproveite os serviços médicos oferecidos a preços acessíveis.

Sobre essa experiência, George Keays, sofrendo de câncer de pulmão, comentou no ano passado no programa de televisão Nova, do canal californiano kget.com, afiliado à NBC e Telemundo, que desafiou as regulamentações e viajou a Cuba para receber tratamento.

Sem saber se será multado ou preso, o paciente disse que em 2015 foi diagnosticado com câncer de pulmão estágio 4 em seu país, e optou por Cuba para tratar sua doença após saber dos avanços dos cientistas cubanos com várias vacinas que retardam a doença, a ponto de ser possível lidar com ela.

Quando Keays soube que tinha de seis a nove meses de vida, decidiu que precisava fazer algo. Então ele se arriscou a ir a Havana, apesar da proibição de seu governo. Ele também lutou contra o ceticismo de seus médicos. “Consultei vários oncologistas que ergueram as sobrancelhas e eles disseram: ‘Hmm, não tenho certeza se funciona'”, disse ele na entrevista de Nova.

Llewellyn Smith, redatora e diretora do programa que divulgou as palavras de Keays, ficou surpresa ao descobrir que não apenas os médicos cubanos conseguiram avançar na batalha contra o câncer, mas também que seu trabalho é conhecido além de suas fronteiras.

“Essa foi a maior revelação, porque nos Estados Unidos temos a impressão de que Cuba é um tanto atrasada tecnologicamente. Mas o resto do mundo, e estou falando de outros países da América do Sul e da Europa, respeita os valores da ciência cubana ”, disse Smith.

Um ano depois, Cuba tem cinco vacinas candidatas contra Covid-19 em fase de ensaio clínico, com resultados comprovados de imunogenicidade. Outro sinal do que aquela ilha bloqueada é capaz. Com bons motivos, o próprio Keays disse que as dificuldades forçaram os cubanos a despertar a criatividade.

Essa vontade, mais a nobreza que caracteriza o seu povo, o levará a praticar o sentido das palavras ajudar e compartilhar, e não porque haja sobras de bens. Mais de uma década antes da visita de Keays a Cuba, o contingente de saúde para situações de desastre, denominado Henry Reeve, foi criado justamente quando um furacão violento devastou o sul de seu país.

Seu governo impediu a ajuda oferecida, e esse grupo de médicos pouco depois foi à África ajudar na luta contra o ebola, onde salvou milhares de vidas. Desde então, eles carregam orgulhosamente o nome do intrépido nova-iorquino que se tornou general-de-brigada do Exército de Libertação contra a Espanha no século 19 por meio de suas façanhas.

Vários milhões de pessoas em nações devastadas por terremotos, tsunamis e epidemias como Covid, uma doença que colocou as emergências hospitalares no vermelho e precisava – e Cuba lhes deu – ajuda médica, até mesmo na Europa. Mais razões para esses sites promoverem e apoiarem a proposta de que essas brigadas médicas recebam o Prêmio Nobel da Paz.

Espero que venha

Cuba se tornou um lugar de esperança para pessoas com várias doenças, especialmente câncer. O Centro de Imunologia Molecular (CIM), de Havana, é um dos principais desenvolvedores de vacinas contra essa doença, tratamentos que poderiam estar à disposição dos americanos.

Mas nenhuma seguradora pagaria por uma viagem a Cuba para esse tratamento, ou outro que não o que lá recebessem, apesar de os custos serem cerca de 5% do que custam nos Estados Unidos.

Tampouco está à vista, quando cessa a pandemia, viajar para receber, além desses medicamentos anticâncer, terapias antidrogas desintoxicantes, reabilitação motora, tratamentos para pé diabético, vitiligo, retinite pigmentosa – doença que leva à cegueira – , cirurgias plásticas e tratar outras patologias ortopédicas, reumatológicas ou neurológicas.

Em particular, vale a pena ampliar o pé diabético, complicação que atinge cerca de 25% dos diabéticos, e desde 2015 é a sétima causa de morte no mundo, inclusive nos Estados Unidos. Segundo as previsões, no ano de 2040 642 milhões de pessoas no mundo chegarão aos diabéticos. Cuba conseguiu um tratamento exclusivo para esta patologia com o medicamento Heberprot-P, com o qual o risco de amputação foi reduzido em 71% dos pacientes.

Além disso, os Estados Unidos estão determinados a deter de várias formas esses programas inseridos na indústria do turismo cubano, além do destino de sol e praia. Desde 2011, aquele ministério e o ministério da saúde lançaram pacotes relacionados ao bem-estar e qualidade de vida, a fim de expandir seus mercados de exportação.

Em seu relato na rede social Twiter, o chanceler cubano Bruno Rodríguez Parrilla voltou a criticar os obstáculos dos Estados Unidos para que Cuba promova seu desenvolvimento biotecnológico e farmacêutico: impossibilitado de comprar nos Estados Unidos ”. E acrescentou que “um relatório da Oxfam afirma que seu embarque leva até 24 dias e 17 horas, em vez de 17 horas possíveis, se não houver cerca comercial.”

Por sua vez, o Dr. Agustín Lage, fundador do Cim e durante anos seu diretor, explica em palavras simples o que o bloqueio significou para o projeto de Cuba de desenvolver suas embalagens de vacinas. Não é só a restrição financeira, mas também o acesso a materiais e equipamentos sanitários, pois como ele mesmo defende “é cada vez mais difícil haver desenvolvimento tecnológico em qualquer país do mundo que seja cem por cento indígena”, pois o conhecimento precisa a serem trocados, equipamentos, acessórios.

Janela para o futuro

Apesar do bloqueio que também tem sido feito para impedir o intercâmbio científico, a CIM juntamente com o Roswell Park Comprehensive Cancer Center, de Nova York, anunciaram em setembro de 2018 a criação da primeira empresa cubano-americana de biotecnologia.

De acordo com o site Roswell Park, por meio de sua parceria histórica com a CIM, a instituição norte-americana ajuda a desenvolver várias terapias “inovadoras e potencialmente vitais”. A primeira das novas abordagens que podem estar disponíveis para pacientes americanos é o CIMAvax-EGF, contra o câncer de pulmão.

Especialistas daquela empresa norte-americana falaram sobre esse tratamento no início do ano passado e divulgaram suas novas propostas. “Os pesquisadores cubanos usaram ciência inovadora e grande rigor no desenvolvimento de tratamentos de câncer”, disse o Dr. Kelvin Lee, de Roswell Park, referindo-se ao documentário Cuba’s Cancer Hope, visto em 1º de abril no programa NOVA., Para o qual contribuiu George Keays seu testemunho.

“O que é maravilhoso em trabalhar com nossos colegas cubanos é que eles realmente acreditam, no fundo de seus corações, que a saúde é um direito humano”, disse Lee. Este é um dos direitos garantidos em Cuba a todos os seus cidadãos, ao contrário do que afirmam aqueles que não querem ver a realidade, são renegados, surdos, cegos … ou tudo isso ao mesmo tempo.

(*) Jornalista cubano. Colabora com Resumo Latino-americano.

Foto da capa: PBS.

Categories: bloqueio | Etiquetas: , , | Deixe um comentário

Baixar. Como é que os racistas, divisionistas do mundo, atacam Cuba agora no Parlamento Europeu? (e II)

Cubainformacion - Artículo: "Atacan a Cuba los mismos que defienden el  narcofascismo uribista en Colombia": Grupo de la Izquierda planta cara a la  derecha en el Parlamento Europeo

Por Ramón Pedregal

… É um milagre como, em meio a tantas dificuldades, filhas de perversidade externa deliberada e de causas objetivas, os avanços sociais na saúde, na educação e na seguridade social se mantêm de pé; a promissora perspectiva de desenvolvimento sustentado, com base na projeção da indústria de biotecnologia e turismo; os ambiciosos programas alimentares de autoconsumo e o espírito e prática da consequente solidariedade.

Cuba mantém a solidariedade que a tem distinguido nas últimas três décadas para com os povos do terceiro mundo. A ponto de, em meio a tantas adversidades, o governo cubano ainda apoiar um grande número de bolsas para estudantes da Ásia, África e América Latina.

Sou de opinião que hoje se trava em Cuba a luta para preservar o justo equilíbrio entre a satisfação das necessidades econômicas básicas e a manutenção dos princípios ideológicos.

Do livro Um grão de milho. Conversas com Fidel Castro. Autor: Tomás Borge. Publica o Fundo de Cultura Econômica. Coleção Tierra Firme.

O ataque da extrema direita no Parlamento Europeu teve dois propósitos: um, fazer crer aos incautos que o fascismo se preocupa com o respeito pelos direitos humanos e, portanto, a acusação de que Cuba não os respeita, fazendo-o com base na detenção de criminosos comuns que quiseram incluir como presos por sua opinião, absolutamente falsa, tanto que não puderam apresentar qualquer prova do que dizem, e há provas contra o detido García Labrada como criminoso comum, e eles Também quiseram apresentar, como mais uma prova do descumprimento desse princípio, que são os Direitos Humanos, a detenção de vários outros indivíduos sobre os quais pesa um auto-reconhecimento por cobrar dinheiro para causar desordem pública e prejudicar a sociedade cubana, dinheiro, reconhecem , é o que é entregue a máfia narcoterrorista de Miami, que tem os fundos que o regime imperial lhe dá para alimentar a ilha anti-imperialista de subversão. A ultradireita ianque e européia se moveram na Europa para agitar as águas, jogando na arena política os lumpem e as tropas mercenárias, incapazes de ganhar uma vida honesta.

O segundo de seus objetivos, através do escândalo no Parlamento Europeu, tem tentado obscurecer ao máximo o evento que acontecerá no dia 23 de junho na ONU, eles, tão contrários a todo o Direito Internacional, a todos os Acordos no Os organismos internacionais, a tudo o que significa respeito e igualdade, os racistas e divisionistas, queriam contaminar a aprovação da maioria absoluta que se espera contra o bloqueio unilateral, ilegal e genocida de Cuba. No dia 23 de junho se repetirá a condenação mundial inteira ao bloqueio com que o profundo estado governante na Casa Branca prometeu matar de fome o povo cubano desde o início da Revolução, por não se submeter à sua vontade imperial. Para piorar a situação da extrema direita europeia e seu patrono imperial, no dia 23 há um encontro marcado nas ruas de muitas cidades do mundo, nesse dia a boa gente manifestará seu apoio a Cuba e apontará o culpado de os males econômicos pelos quais a sociedade cubana está passando.

Agora, com quanto ódio os Estados Unidos são usados ​​contra um país que se torna independente, que consegue sua liberdade depois de derrotá-lo? Há algo que acompanha Cuba: Cuba significa soberania, independência, antiimperialismo, solidariedade internacionalista: as suas brigadas médicas, os seus professores, a sua ajuda solidária a quem o pede, a sua investigação científica, a sua presença pacífica, inscreve-a na história na forma exemplar Assim, no dia 23 a ONU mostrará o seu respeito por ele. Por isso, atacar Cuba tem um objetivo estratégico, qual é?: Tentar evitar que as classes trabalhadoras de outros países, de todo o mundo, aprendam que qualquer conquista de justiça social depende delas, de sua organização, de seus. consciência. Mas… a justiça social faz parte dos Direitos Humanos?: O direito à saúde, o direito à educação, o direito à moradia, o direito à alimentação,…, e a conquista política: a soberania. Por que os racistas, os divisionistas do mundo, querem destruir as conquistas sociais do povo cubano? Por que você acha que eles silenciam suas transformações e lançam campanhas políticas contra Cuba? As campanhas do imperialismo são pura interferência, são pura agressão à soberania, aos direitos mais básicos. Quando o imperialismo bloqueia um povo de onze milhões, seu mercado e domínio geoestratégico, quando o cerca de 70 bases militares e controla a chegada de navios e aviões, quando impede a viagem de indivíduos e a chegada de carregamentos de tudo que se possa imaginar, O que faz quer nos contar? Por que culpar Cuba pela tortura a que é submetida?

Já sabemos o que o imperialismo-Wall Street-os grandes monopólios-o complexo militar-industrial não respeita? Por que ele usa tantos milhões de dólares (o último foi a aprovação de mais 20 milhões de dólares para seus mercenários em Miami) na subversão? A resposta parece gravada na história: os poderosos vivem da opressão dos outros, e a Cuba independente, exemplo de solidariedade internacional, é a denúncia. Caso haja dúvidas, atentemos para as conquistas do capitalismo absolutista, o imperialismo, que usa o título de neoliberalismo: O aumento da fome no mundo foi provocado pela pandemia, – vinha crescendo nos últimos anos devido à as condições extremas que o imperialismo impôs aos restantes para manter o seu poder em crise – só em 2019 a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura) deu a seguinte informação: Este ano são 690 milhões de pessoas que passam fome, o que significa que temos piorou: 10 milhões de pessoas com fome a mais em um ano e 60 milhões a mais nos últimos cinco anos.

Duas em cada três crianças menores de cinco anos em países de baixa e média renda estão recebendo dietas que não atendem às suas necessidades nutricionais. Se a população mundial tivesse uma dieta saudável, 97% dos custos derivados de doenças não transmissíveis poderiam ser economizados. … No final de 2020, entre 83 e 132 milhões de pessoas “poderiam passar fome” devido à recessão econômica resultante da pandemia. A previsão é baseada em estimativas que apontam para um colapso do produto interno bruto mundial entre 4,9% e 10%. Embora o documento sugira que “ainda é muito cedo para avaliar o impacto real” das restrições e bloqueios comerciais.

Enquanto isso, os capitalistas enriqueciam mais rápido do que nunca: até sua revista Forbes se congratulava porque só nos primeiros dois meses e 15 dias de março de 2021 os grandes capitalistas do mundo acumularam outros 250 bilhões de euros. Está claro que tipo de elenco está causando tanto desastre, tanto infortúnio, tanta destruição humana, tanta fome no mundo? O fosso entre a classe burguesa e a classe trabalhadora tornou-se tão grande que se já fossem mundos diferentes, agora são universos completamente alheios, o universo da classe trabalhadora é uma consequência da própria existência do universo capitalista. O capitalismo cresce no sofrimento causado pelo bloqueio para matar a fome, na desapropriação das matérias-primas do mundo, nas guerras de todos os tipos: explorar a humanidade faz parte dos Direitos Humanos?

Acrescento algumas informações para acompanhar o acima mencionado: A crise econômica mundial

Agora percebemos o dano de proporções sem precedentes. Nos primeiros quatro meses desta pandemia denominada pela OMS, vemos um desastre global de proporções muito superiores a 1929-1933 e 2008-09. Nunca na história humana registrada tanta miséria foi criada.

As falências abundam, o mercado de ações despencou até agora em mais de 30% (com alguns altos e baixos, o que os ricos e poderosos chamam de “realização rápida de lucros” às custas dos pequenos investidores). No entanto, os bilionários americanos aumentaram sua riqueza durante os primeiros 4 meses de 2020 em US $ 406 bilhões, de acordo com a CNBC em 1º de maio de 2020.

Captura de tela CNBC

O bloqueio universal da Covid também causou um colapso dos ativos produtivos, que agora se tornam presas fáceis de serem compradas por grandes corporações: o desemprego está disparando para níveis nunca antes experimentados pela humanidade moderna, atualmente em 40 milhões de americanos. Isso não leva em consideração aqueles que desistiram de procurar trabalho ou afirmam estar desempregados.

De acordo com a Fox Business News, até 40% podem nunca mais voltar ao trabalho. O FED prevê que o desemprego possa chegar a 50% até o final do ano (no pior período de recessão de 1929, o desemprego chegava a 25%). Estas são apenas estatísticas dos Estados Unidos. A situação em uma Europa mais caótica pode ser ainda pior.

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) anunciou que em poucos meses o desemprego global pode afetar 1,6 bilhão de pessoas, metade da força de trabalho mundial. Muitas dessas pessoas, especialmente no Sul Global, já estiveram à beira da pobreza ou abaixo da linha de pobreza, vivendo dia a dia, sem poupança. Agora eles estão condenados a implorar e muitos, talvez centenas de milhões, a morrer de fome, de acordo com o Programa Mundial de Alimentos (PMA). Muitos, senão a maioria deles, não têm acesso a serviços de saúde, abrigo ou qualquer outra forma de redes de segurança social, porque o colapso econômico causado pela COVID destruiu até as frágeis estruturas de seguridade social que os países pobres podem ter estabelecido.

A miséria não tem fim. E esta é apenas a minúscula ponta do iceberg. O pior ainda está por vir, quando em algumas semanas ou meses surgirá uma imagem mais clara de quais indústrias viverão ou morrerão, e mais pessoas serão relegadas à pobreza econômica.

As informações fornecidas aqui pertencem ao artigo https://www.globalresearch.ca/facts-vs-fake-a-worldwide-lockdown-of-everything/5714062

Devido à expropriação pelos exploradores, entre as muitas consequências encontramos uma especialmente condenável: o aumento do trabalho infantil, segundo a OIT e a UNICEF, desde a pandemia, acrescentou mais 8.400.000 crianças, e outras 9 milhões serão acrescentadas antes do fim o ano de 2022. Para os capitalistas de hoje, neoliberais, de extrema direita, alimentação, educação e saúde das crianças não fazem parte dos Direitos Humanos, tendo um sistema que distribui equitativamente os meios disponíveis, que não pertence aos Direitos Humanos, consideram-nos assuntos pessoais ou individuais. O sistema político e social que desempenha essas tarefas, -proteger a vida, bem como estabelecer a igualdade no trabalho entre homens e mulheres, entre os seres humanos de qualquer raça, tendo como prioridade o bem comum-, é aquele que os neoliberais chamam de extrema direita, racista, divisionista, ditatorial. O neoliberalismo, o sistema capitalista ultra-reacionário, organizado para explorar a ponto de não deixar comida, casa, saúde, educação, trabalho decente … também se anuncia como a melhor maneira de viver. A liberdade de opinião dos ultra-neoliberais significa ter os meios de agitação e propaganda para bater na cabeça e anestesiar a exploração humana e da natureza. Em sua anestesia, o imperialismo introduz a autoculpa como um fechamento individualista da impossibilidade de sair da armadilha em que afundamos e enriquece os capitalistas.

Aqueles que criaram o mundo como nós são eles, são eles que o dirigem, são os responsáveis ​​pelo infortúnio que nos atinge e que atinge Cuba. Apesar de tudo, a Prensa Latina dá informações atualizadas: a Ministra da Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, Elba Rosa Pérez, discursa no Diálogo de alto nível sobre desertificação, degradação do solo e seca, realizado em Nova York, Estados Unidos Os Estados Unidos têm sustentado que Cuba mantém a vontade de cumprir os objetivos da Agenda 2030 das Nações Unidas, para o desenvolvimento sustentável, apesar do bloqueio que lhe foi imposto e hoje intensificado pelos Estados Unidos em meio a uma pandemia.

Que se pergunte à família despejada, tão normal no capitalismo, quem tira a sua casa, quem a deixa sem emprego, quem é questionado sobre quem está doente o que o sistema de governo tira ou reduz os cuidados hospitalares, …,: capitalismo ele é o extremista anti-social. Por isso, para tapar os olhos, usam bilhões de dólares, de euros, para fazer propaganda contra aqueles que são um exemplo de humanidade, de solidariedade, de convivência social. Por que os neoliberais, a extrema direita, os sem lei, os inimigos dos Acordos, os inimigos dos Tratados, os inimigos do Direito Internacional, os inimigos dos Direitos Econômicos da Humanidade chamam liberdade de expressão às imposições ditatoriais que fazem? não siga? Por que a resposta popular aos capitalistas é qualificada por eles como terrorismo? Sirva as respostas como uma única grande rajada contra a parede imperial desinformativa.

A declaração contra Cuba no Parlamento Europeu é a manifestação de seu terror a um povo que não se submete. Expusemos o crescimento da fome, do trabalho infantil, o enriquecimento mais cruel de alguns e a satisfação que expressam através da revista Forbes. Para comparar os mundos opostos, porque com isso aprendemos, deixo aqui a pergunta que Tomás Borge, o líder da Frente Sandinista de Libertação Nacional, faz ao presidente Fidel Castro Ruz, – encontra-se no livro Um grão de milho. Conversa com Fidel Castro. Editado pelo Fondo de Cultura Económica em 1992-. Tomás Borge, escritor e criador de O Sorriso Verde, uma fundação humanitária que ajuda crianças abandonadas e em situação de risco à qual deu todos os seus recursos materiais, pergunta ao presidente Fidel Castro sobre as mil questões que preocupam os povos do mundo, em latim América e, especificamente, em Cuba. De tudo isto aponto uma pergunta e um resumo da resposta, vai ajudá-lo a enfrentar a agressão do Parlamento Europeu lançada pelos mercenários do imperialismo:

Tomás Borge: Na América Latina e em outras regiões, fala-se insistentemente sobre supostas violações em Cuba. Qual é a real situação dos direitos humanos neste país?

Presidente Fidel Castro Ruz: Vou responder à sua pergunta. Tomás, sobre a questão dos direitos humanos.

Que penso? Tenho a mais íntima convicção, falando com serenidade e objetividade, de que em nenhum país do mundo se fez mais pelos direitos humanos do que Cuba.

Se você levar em conta, por exemplo, que em nosso país não existe uma criança mendiga, uma criança sem teto, uma criança abandonada na rua – e não existe em nosso país – e você encontra isso no resto do mundo, Mesmo nos países desenvolvidos, mas fundamentalmente nos países do Terceiro Mundo, existem dezenas e dezenas de milhões de crianças abandonadas, sem teto, sem pais, sem nenhum apoio, mendigando nas ruas, engolindo fogo, fazendo shows para ganhar a vida. – e isso é um quadro generalizado – e que em Cuba não há uma única dessas crianças, haverá um país que fez mais pelos direitos humanos do que nós?

Se você analisar o número de crianças doentes sem assistência médica, de crianças analfabetas – analfabetos são até nos países capitalistas desenvolvidos – e que em nosso país não há analfabetos; Se você analisar que no mundo existem, em suma, centenas de milhões de crianças sem essa assistência, um país terá feito mais do que nós pelos direitos humanos? Se você analisar que no mundo as crianças são vendidas, que até exportam para outros países, e empresas comerciais foram criadas para exportar as crianças; Se crianças são vendidas no mundo, e às vezes há casos, com alguma frequência, em que as vendem para usar órgãos vitais dessas crianças em transplantes, e você encontra um país como o nosso em que não houve Só um desses casos, haverá um país que fez mais pelos direitos humanos do que o nosso?

Se você pensar na prostituição infantil, tão difundida no Terceiro Mundo, até crianças que são usadas para o comércio sexual ou para cenas de sexo e tudo mais; E você não consegue encontrar um único caso desses em Cuba. Há algum país que fez mais pelos direitos humanos do que nós?

Se você descobrir, por exemplo, que a mortalidade infantil em muitos países é superior a 100 por mil nascidos vivos, que a média na América Latina é superior a 60 e isso significa que centenas de milhares de crianças morrem a cada ano, e você descobrirá que nosso país – um país do Terceiro Mundo, um país subdesenvolvido, um país bloqueado, um país hoje duplamente bloqueado – reduziu a mortalidade infantil para 10,7 em crianças menores de um ano de idade, reduziu a mortalidade infantil a cifras insignificantes de 1 a 5 anos e dos 5 aos 15 anos, e que em mais de 30 anos da Revolução, se salvou a vida de centenas de milhares de crianças, haverá um país que fez mais pelos direitos humanos do que Cuba?

Se você pensa que em Cuba todo ser humano que nasce tem uma igualdade real e absoluta de oportunidades para o mais pleno desenvolvimento físico e intelectual, sem discriminação de sexo ou raça, e este benefício atinge igualmente a todos, sem diferenças entre ricos e Pobres, exploradores e explorados, um país fez mais do que nós pelos direitos humanos?

Fidel continua falando sobre drogas, prostituição, mendicância, drogas, idade média de vida, proteção social, emprego, discriminação racial, condição da mulher e participação cidadã nas decisões políticas, …; e termina dizendo: quando o cidadão tem a sensação de possuir uma dignidade nacional, uma pátria, algo tão raro, tão raro e tão inacessível no mundo de hoje para a grande maioria dos povos, existe um país que fez mais pelo homem direitos que o que tem sido feito em Cuba?

O fato de Cuba permanecer unida frente ao imperialismo, CIA, NED, USAID, mercenários pagos com fundos estatais, redes sociais ianques, seu algoritmo e sua extrema direita na Europa, é a grande lição para os povos.

Cuba é esperança para todos, esperança no respeito e na paz, esperança que o mundo que o mito de Enki e Ninhur simboliza com a descrição do Dilmum, algo como o paraíso, “uma terra virgem e imaculada, onde leões não matam, lobos matam não rapta cordeiros, porcos não sabem que os grãos são para comer ”. A existência de Cuba, para a qual o regime imperial causa todas as dificuldades, é uma das maiores descargas, senão a maior descarga, contra os racistas e divisionistas do mundo. No dia 23 o mundo está unido.

Ramón Pedregal Casanova é o autor dos livros: Gaza 51 dias; Palestina. Crônicas de vida e resistência; Crise dietética; Belver Yin na perspectiva de gênero e Jesús Ferrero; e, Sete romances de memória histórica. Postface. Presidente de Estudos Sociais da AMANE, Membro da Aliança Européia pela Solidariedade com Detidos Palestinos. Membro da Frente Antiimperialista Internacionalista.

Categories: Politica | Deixe um comentário

Deus os levanta e a CIA os reúne em Miami #USA

No início do último mês de maio, foi realizado em Miami-Dade o Fórum de Defesa da Democracia nas Américas, reunindo os ex-presidentes Mauricio Macri (Argentina), Andrés Pastrana (Colômbia), Luis Guillermo Solís (Costa Rica) e Osvaldo Hurtado e Lenin Moreno (Equador); além de outras figuras da extrema direita latino-americana.

Todos eles têm como denominador comum ser aliados leais de Washington e vinculados à Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos, em sua guerra suja contra Cuba, Venezuela, Nicarágua, Bolívia e todas as forças progressistas da região.

O evento foi promovido pelo Instituto Interamericano para a Democracia (IID) – outra frente da CIA – presidido desde o ano passado pelo jornalista e membro ativo da extrema direita cubano-americana, Tomas Regalado. O também ex-prefeito de Miami conseguiu se inserir no novo cargo depois de ser obrigado a renunciar ao cargo de Diretor do Escritório de Radiodifusão de Cuba, em meio a vários escândalos que abalaram a erroneamente denominada Rádio e TV Marti.

Outras instituições – que também são instrumentos administrados pelo governo dos Estados Unidos e sua agência de espionagem – participaram da organização desse fórum, como a Inter-American Press Association (SIP); un cartel conformado por los dueños de los grandes medios de comunicación del continente que desde su origen tuvo una vinculación con la CIA, ya la cual le une una vergonzosa historia de complicidad en golpes de Estado y de complacencia con las atrocidades cometidas por las dictaduras en a região.

A ultraconservadora Fundación Libertad também participou. Uma pseudo ONG argentina que a CIA usa para atacar processos populares, canalizar fundos para movimentos de direita ou setores golpistas e construir agendas públicas contrárias aos interesses da maioria.

É claro que a desacreditada Organização dos Estados Americanos (OEA) não poderia faltar em nome de seu desacreditado Secretário-Geral Luis Almagro, cujas sucessivas ações contra os processos progressistas no hemisfério confirmam sua ligação com a agência de espionagem norte-americana.

A cobertura do fórum pela imprensa foi assegurada pelo Infobae, portal de mídia tóxica administrado pelo obscuro empresário Daniel Hadad (outro dos convidados), visitante regular da embaixada dos Estados Unidos na Argentina e interlocutor frequente de agentes da CIA e do Mossad em que operam suas respectivas estações em Buenos Aires.

Esta reunião de conspiradores teve o objetivo, previamente definido por Washington, de reforçar a utilização da OEA para interferir nos assuntos internos de governos que não são do seu agrado, através da implementação de um órgão de análise que emite um relatório anual sobre o estado da democracia em cada um dos países da região.

De resto, era mais do mesmo: ataques furiosos, manipulações e mentiras contra governos progressistas e forças em sintonia com a política intervencionista dos EUA na região. Mas os aplausos por seu servilismo – foram recebidos pelo ex-presidente Lenin Moreno quando afirmou que “os serviços de inteligência do Equador detectaram, e eu já comuniquei ao presidente Iván Duque, a grosseira interferência do ditador Maduro na Colômbia”, em referência ao Os protestos sociais que abalaram aquele país, embora, é claro, ele “tenha esquecido” de mencionar a brutal repressão policial que já matou mais de 70 manifestantes, além de outras graves violações de direitos humanos.

Para mayor descredito del conclave fue la participación de los activos de la CIA de origen cubano Carlos Alberto Montaner y Armando Valladares, por sus antecedentes de acciones terroristas en Cuba que, por encargo de esa agencia de espionaje, colocaron bombas y petacas incendiarias en cines y centros comerciais. Quem eles estão tentando enganar quando falam sobre democracia?

A eles se juntou o foragido da justiça boliviana Carlos Sánchez Berzain, atual Diretor Executivo do IID. Outro colaborador leal da CIA e ex-ministro da Defesa do ex-presidente Sánchez de Lozada. Conhecido pelo apelido de Ministro da Morte por sua responsabilidade no massacre de 2003 que deixou 74 mortos e mais de 400 feridos.

E como se não bastasse, Hugo Antonio Acha Melgar, também conhecido como Supermán, também participou. Outro famoso fugitivo da justiça boliviana acusado de ser o principal financiador de uma rede de terroristas formada por neonazistas húngaros e croatas que em abril de 2009 planejavam assassinar Evo Morales e outros líderes daquele país.

Por volta dessa época, sr. Acha Melgar foi presidente da seção boliviana da Fundação de Direitos Humanos (HRF). Seu chefe em Nova York era ninguém menos que o terrorista Armando Valladares, que na época era secretário-geral dessa falsa ONG, criada pela CIA para encobrir suas operações intervencionistas e desestabilizadoras no continente.

Este advogado de Santa Cruz ligado à conspiração e ações terroristas em seu país, com clara ligação com a agência de espionagem norte-americana e com a inteligência militar boliviana, é pós-graduado em Defesa e Desenvolvimento pela Escola de Altos Estudos Nacionais da Universidade Militar da Bolívia, e também possui mestrado em Segurança pela Universidade Federal de Minas Gerais, Brasil.

Desde sua chegada aos Estados Unidos, esteve vinculado como pesquisador ao Center for a Free and Secure Society (SFS, segundo a sigla em inglês), dirigido por Joseph Humire, nascido na Bolívia; Ele foi um instrutor de inteligência da Marinha dos Estados Unidos e tinha fortes laços com a extrema direita americana. A folha de pagamento do SFS é formada por ex-oficiais de inteligência e analistas e sua missão fundamental é alimentar a campanha de desinformação da mídia e a guerra psicológica contra a Venezuela e Cuba, seguindo as diretrizes da CIA. (Ver artigo publicado na rebelião de 24/02/2915 pelo jornalista Andrés Sal Lari intitulado CIA boliviana contra a Venezuela).

Além disso, por alguns meses, o sr. Acha Melgar também trabalha como funcionária da chamada Fundação para os Direitos Humanos em Cuba (FDHC) que pertence à Fundação Nacional Cubano-Americana (CANF), uma organização da extrema direita cubano-americana ligada desde o seu início às ações terroristas contra a Ilha.

Parece que este homem de Santa Cruz é o favorito de Juan Antonio Blanco, seu diretor executivo, porque apesar de não ser cubano e ter trabalhado neste lugar há pouco tempo, recebe não só um grande salário, mas também um tratamento preferencial.

Este mercenário boliviano tem participado ativamente da campanha de difamação contra as Brigadas Médicas Cubanas junto com outras ONGs que também atuam como fachada da CIA, como a falsa ONG espanhola de direitos humanos Prisoners Defenders.

Mas em sua colaboração com o FDHC, foi mais longe, também fazendo campanha contra os militares cubanos, fabricando a informação falsa de um suposto grupo de militares descontentes. Assim, recorrem à mesma falácia que utilizou a CANF quando os atos terroristas contra os hotéis de Havana em 1997 e 1998 que financiaram por meio do terrorista Luis Posada Carriles. Isso é extremamente perigoso, pois pode ser um indício da gestação de novos planos de ações terroristas contra Cuba.

Nesse caso, a CIA teria conhecimento desses planos terroristas, pois não só reúne seus bens em Miami quando é de seu interesse, mas também os utiliza de acordo com sua conveniência.

Os participantes deste fórum que a CIA conseguiu reunir em Miami nos lembram a passagem bíblica que adverte: cuidado com os falsos profetas, que vêm até vocês vestidos de ovelhas, mas por dentro são lobos famintos. Mateus 7-15.

The ColumnRamón Pedregal

La imagen tiene un atributo ALT vacío; su nombre de archivo es 91760-dios-los-cria-y-la-cia-los-junta-en-miami.jpg

Ramón Pedregal Casanova é o autor dos livros: Gaza 51 dias; Palestina. Crônicas de vida e resistência; Crise dietética; Belver Yin na perspectiva de gênero e Jesús Ferrero; e, Sete romances de memória histórica. Postface. Presidente de Estudos Sociais da AMANE, Membro da Aliança Européia pela Solidariedade com Detidos Palestinos. Membro da Frente Antiimperialista Internacionalista.

Categories: Politica | Etiquetas: , , , , , , | Deixe um comentário

#Cuba avança em ensaios clínicos para a “era de ouro”

Puede ser una imagen de ‎niños y ‎texto que dice "‎اNبه CECMED aprueba el primer ensayo clínico en población pediátrica #Cuba #GuerreroCubano Isla Bella‎"‎‎

Para nossas crianças, o ensaio clínico com a vacina candidata Sovereign 02 avança na luta contra o cobiçado 19. Como “a idade de ouro” é uma das maiores prioridades da revolução cubana, nossas crianças, como em tudo o mais, também fazem parte da conquistas da ciência em Cuba.

Categories: # Cuba | Etiquetas: , , , , | Deixe um comentário

Quais são as consequências para Cuba de ser incluído na lista dos Estados patrocinadores do terrorismo?

Por: Andy Jorge Blanco

Cuba foi novamente incluída na lista dos Estados patrocinadores do terrorismo.
Foto: Ismael Francisco / Cubadebate.

Em 1984, Cuba alertou as autoridades dos Estados Unidos sobre uma tentativa de assassinato do então presidente daquele país, Ronald Reagan. E um ataque foi impedido de acontecer. Dizem que Reagan agradeceu, mas, dois anos antes, o próprio presidente dos Estados Unidos incluiu a ilha na Lista dos Estados que Patrocinam o Terrorismo, pela primeira vez desde sua criação em 1979. Havana alertou Washington sobre um ato terrorista, mas continuou a lista negra por 33 anos e quatro presidentes.

O governo de William Clinton soube, em 1998, que havia planos de explodir bombas em aviões de companhias aéreas cubanas ou de terceiros países que tivessem como destino Cuba e nos quais também viajassem cidadãos norte-americanos.

Em 2001, Fidel Castro condenou os atentados terroristas de 11 de setembro nos Estados Unidos e expressou ao governo do presidente George W. Bush a disposição da ilha em prestar assistência médica e humanitária às vítimas. Os aeroportos internacionais de Cuba foram abertos para receber aviões de passageiros com destino aos Estados Unidos, que não puderam pousar naquele país devido ao caos gerado após os atentados.

Porém, em meio a esse contexto, Cuba não deixou de ser, por capricho do Departamento de Estado, um país “patrocinador do terrorismo”. A vida, assim como a política ditada por Washington contra uma ilha do Caribe, está cheia de paradoxos.

“Embora o bloqueio tenha agora seis décadas, os Estados Unidos usaram múltiplos pretextos para justificar uma política que é moral, legal e vis-à-vis o Direito Internacional, sem amparo. Entre esses pretextos e falsidades, o terrorismo tem sido um dos mais escandalosos e danosos ”, afirma Johana Tablada, vice-diretora-geral dos Estados Unidos do Ministério de Relações Exteriores de Cuba (Minrex).

En el contexto del deshielo entre La Habana y Washington durante la administración de Barack Obama, la Isla salió de la lista el 29 de mayo de 2015, en la cual volvió a ser incluida en enero de 2021, a pocos días de que Donald Trump abandonara a casa Branca. Um dos últimos obstáculos – como se fossem poucos – que o presidente colocou no caminho das relações entre os dois países. Um total de 243 medidas contra Cuba para torpedear as relações bilaterais, 55 das quais impôs em tempos de pandemia.

Uma medida “abertamente politizada”, disse o senador democrata Patrick Leahy, que defende uma reaproximação entre as duas nações. “O terrorismo local nos Estados Unidos é uma ameaça muito maior para os americanos”, acrescentou, e não deve ter caído muito bem nos círculos de poder daquele país.

Para conhecer as consequências e efeitos que a inclusão nesta lista implica para Cuba, Cubadebate conversou no Ministério das Relações Exteriores com Johana Tablada, subdiretora-geral dos Estados Unidos no Ministério das Relações Exteriores de Cuba.

A Subdiretora Geral dos Estados Unidos do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, Johana Tablada. Foto: Ismael Francisco / Cubadebate.

“O governo e o povo de Cuba não reconhecem nenhuma autoridade moral ao governo dos Estados Unidos para elaborar listas arbitrárias, discriminatórias, nas quais se avalie e classifique o comportamento de outros Estados. São funções assumidas por organizações multilaterais com base no Direito Internacional. Portanto, estamos falando de mecanismos unilaterais acompanhados de medidas coercitivas.

“O nosso país é signatário das 19 convenções internacionais relacionadas com a luta contra o terrorismo e condena este flagelo, de que tem sido vítima, em todas as suas formas e manifestações. O território cubano nunca foi autorizado a ser usado para organizar ações terroristas contra qualquer outro país. Cuba não participou de nenhum financiamento deste tipo de ação e colaborou com os Estados Unidos. Assim, temos um histórico de cooperação bilateral que inclui o retorno de terroristas, mesmo nos últimos anos. Aqui, pessoas que fugiram dos Estados Unidos, como sequestradores, foram processadas e cumpriram sentenças ”, destaca o diplomata.

Junto com outras questões da política agressiva de Trump em relação à ilha, a decisão de incluir Cuba na lista dos Estados patrocinadores do terrorismo também está sujeita a revisão pelo atual governo de Joe Biden. No entanto, cinco meses após a posse do democrata, nada mudou nas relações entre os dois países.

  • Quais são os efeitos para Cuba da inclusão nesta lista de países que supostamente patrocinam o terrorismo?
Johana Tablada, Diretora Geral Adjunta dos Estados Unidos do Minrex. Foto: Andy Jorge Blanco / Cubadebate.

“As consequências têm a ver com a restrição das exportações, a eliminação de certos benefícios comerciais e a obtenção de créditos em instituições financeiras internacionais, bem como a proibição da exportação de armas e as limitações à concessão de ajuda económica. Além disso, o fato de estarmos novamente nesta lista permite que entidades norte-americanas abram processos judiciais contra Cuba protegidos pelas leis antiterrorismo dos Estados Unidos.

“Já no dia 22 de janeiro está registrado no Registro Federal que Cuba entrou na lista dos Estados patrocinadores do terrorismo, muitos bancos no mundo encerraram suas operações com entidades cubanas, por medo, pânico, às vezes por medo ou porque eles recebem um e-mail intimidador do Departamento de Estado ou do Tesouro quando uma transferência é descoberta.

“No serviço externo de Cuba, por exemplo, mais de 30 bancos fecharam desde janeiro suas operações com a ilha e com nossas missões estrangeiras. Isso afetou as missões médicas cubanas e colegas que estão no exterior e não puderam receber seus salários e transferir receitas consulares ao país.

“Outro exemplo, o mais doloroso, tem a ver com a saúde. Ao privar um país de sua renda e reduzir seu poder aquisitivo, isso dificulta a aquisição de suprimentos para a fabricação de medicamentos em Cuba. Hoje a falta de antibióticos no país, de medicamentos de uso comum, inclusive hospitalar, não é segredo para ninguém, e chegamos a essa situação, sem contar o programa de vacinação. Há uma guerra contra os fornecedores cubanos neste momento e tudo isso tem a ver com a inclusão de nosso país na lista e com as 243 medidas de Trump.

Regata desde el litoral habanero contra el bloqueo de Estados Unidos a Cuba. Foto: Abel Padrón Padilla/Cubadebate.
  • A inclusão na lista afeta vários setores, Johana, mas há algum que seja ainda mais afetado pela medida?

“Se eu tivesse que destacar um setor em que teve maior peso a inclusão de Cuba na lista dos países terroristas, esse setor é o setor bancário-financeiro e comercial porque é praticamente controlado pelos bancos norte-americanos. Isso teve e terá um custo muito alto, por isso é a denúncia sustentada de Cuba. Não vamos deixar de exigir que esta medida seja retificada ”.

“Incluir-nos nessa lista também aumenta o risco-país. Qualquer um faz uma busca e diz “ah, um país terrorista, posso enfrentar sanções e ser multado”. E, embora sempre haja quem vende alguma coisa, tudo isso acaba triplicando os custos para a Ilha.

“Nenhum país, muito menos Cuba, deve ser tratado assim porque se torna um grande obstáculo para as coisas mais importantes e para as coisas mais simples e cotidianas. O que em qualquer lugar é uma transação elementar e comum, para Cuba torna-se uma operação que pode durar muitos dias ”.

  • Que implicações teria para Cuba sair da lista de países que patrocinam o terrorismo?

“Essa seria uma das medidas mais lógicas e essenciais se alguém quiser enviar um sinal de que pretende melhorar as relações e desfazer alguns dos danos e da mentira com que a política vem sendo conduzida”.

“Cuba é um país que tem sido uma contrapartida séria e profissional na luta contra o narcotráfico, o terrorismo, a lavagem de dinheiro, o enfrentamento do tráfico de pessoas e do contrabando de migrantes. Se você repentinamente nos colocar nessa lista, enviará o sinal errado. Terroristas, traficantes de drogas ficarão muito felizes quando você brincar com coisas assim. Enquanto você se diverte em apresentar um país que não é terrorista, isso envia um sinal de fraqueza e falta de seriedade às pessoas que realmente estão envolvidas no crime transnacional ”.

Imagem: Conselho de Igrejas de Cuba.
  • O fato de Biden ter sido vice-presidente do governo Obama quando Cuba foi retirada da lista pode de alguma forma afetar a posição do atual presidente sobre o assunto?

“Nós realmente não sabemos. Alguém pode pensar assim. Agora, se você me perguntasse se seria possível para Trump incluir Cuba na lista, eu sempre teria dito “sim”. Se você me perguntasse se é possível que um presidente Biden ratifique essa decisão, eu teria respondido “não”.

“Se o governo dos Estados Unidos deseja retirar Cuba da lista, pode fazê-lo com muita facilidade. Tanto o povo cubano quanto o americano concordam na aspiração de ter um relacionamento melhor, e muitos setores defendem que é hora de deixar Cuba seguir seu caminho e parar de punir o povo cubano porque os Estados Unidos não gostam de seu governo. Como você me dizia, a decisão de nos incluir em uma lista unilateral como esta fala mais mal dos Estados Unidos do que de Cuba. Os países que conhecem e têm relações com a Ilha sabem que não somos um país terrorista ”.

Segundo dados do Ministério das Relações Exteriores de Cuba, os atos terroristas cometidos pelo governo dos Estados Unidos ou perpetrados a partir desse país causaram 3.478 mortos e 2.099 pessoas com deficiência na ilha, e por trás de cada número estão famílias que sofrem.

Categories: bloqueio | Etiquetas: , , , , , , , , , | Deixe um comentário

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: