Colômbia: Repressão institucionalizada sem retrocesso

Arnaldo Musa / Cubasí

O número de mortos, feridos e desaparecidos devido à repressão às manifestações de protesto na Colômbia continua a aumentar e não tem fim, como a ação de pessoas insatisfeitas com o atual governo que expressam seu descontentamento tomando as ruas.

Tudo é uma desvantagem para os manifestantes, porque o governo não é afetado em nada pelos danos aos seres humanos, justifica a ação das forças policiais, dá sinal verde aos paramilitares urbanos e pressiona as organizações sociais para que deixem de apoiar os Justas Ações judiciais contra políticas econômicas e sociais precárias, que em tempos de pandemia mal assistida fizeram com que o número de pessoas infectadas e mortas pelo COVID-19 aumentasse astronomicamente.

Do ponto de vista político, o presidente Iván Duque vem amarrando as demais organizações opositoras, controlando o Congresso, evitando que algumas medidas coercitivas sejam quebradas em benefício da oligarquia e das empresas estrangeiras, além de manter o plantio de coca e a produção de cocaína, sendo a Colômbia o maior exportador, tendo como principal mercado os Estados Unidos.

A posição de Duque é clara: apoio ao Plano Colômbia, com a ajuda das forças militares estadunidenses instaladas em território colombiano; constante assédio à vizinha Venezuela, com o envio de paramilitares e grupos sabotadores associados ao narcotráfico; e uma posição servil ao Império, que teve uma de suas manifestações ao se abster de votar contra o bloqueio norte-americano a Cuba, como o Brasil de Jair Bollonado, ambos bons pássaros de conta.

Para o analista político Moisés Ninco. a violenta repressão aos protestos na Colômbia é resultado da aliança entre o narcotráfico e as políticas das forças públicas, como a polícia.

O governo colombiano, embora tenha “lamentado” a morte de cidadãos, classificou os incidentes como acontecimentos isolados, o que “não deveria significar um estigma contra a polícia como instituição”.

Nada a dizer sobre os assassinatos de líderes políticos, sociais e indígenas, os massacres contínuos e abundantes de famílias inteiras, a zombaria constante do tratado de paz assinado há cinco anos em Havana e as “preocupações” do Alto Comissariado da ONU para o Homem Direitos.

DETONANTE

O gatilho para os protestos mais recentes foi o assassinato brutal do advogado Javier Ordóñez, 46, nas mãos de dois uniformizados. Sua morte reacendeu protestos contra a violência policial no país sul-americano, onde muitos casos semelhantes ocorreram no passado.

Vários são os problemas que obrigaram muitos a saírem às ruas da Colômbia em meio a uma repressão que causou pelo menos mais de cem mortes, saques, vandalismo, brigas e tentativas fracassadas de dispersar as massas, principalmente em Cali. e Medellín.

Em meio a uma recessão da qual este país mal saía da cabeça e com 14% de desemprego, há pouca atenção que o governo tem dado ao aumento das mortes por COVID-19, e onde as unidades de terapia intensiva hospitalar estão quase completo, relatando até quase mil mortes por dia.

Os manifestantes também protestam contra a baixa qualidade da educação e, como última gota, o fato de que o presidente Iván Duque está tentando aumentar os impostos.

As manifestações mais recentes começaram em 28 de abril com uma oposição inicial à reforma tributária que o presidente disse ser fundamental para mitigar a crise econômica do país.

As manifestações foram organizadas por sindicatos, empresários e muitas pessoas da classe média com medo de cair na pobreza com o aumento dos impostos.

A proposta do governo baixaria o patamar salarial, o que afetaria qualquer pessoa com renda mensal baixa ou média, além de aumentar as sobretaxas da gasolina e do diesel.

A Colômbia tem arrastado outros problemas, como desmatamento e restrições à participação do cidadão na decisão do Fracking, uma técnica de extração que consiste no fraturamento de rochas que contêm petróleo e gás.

“Não é possível que o presidente da Colômbia, em meio a tanta pobreza e negócios que fecharam por conta da pandemia, queira aumentar os impostos”, disse Andrés Baltazar, morador de Los Angeles, Califórnia, que é Colombiano.

“As pessoas não veem outra maneira de protestar a não ser sair, apesar de saberem que isso expõe suas vidas”, disse ele.

Categories: Politica | Etiquetas: , | Deixe um comentário

Navegação de artigos

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.

%d bloggers like this: