Biden nomeia cubano-americano de Miami como seu embaixador na OEA

Prensa Latina.– O presidente Joe Biden nomeou hoje o cubano-americano Francisco Mora de Miami como embaixador dos Estados Unidos junto à OEA, que seria uma de suas principais vozes na política para o Hemisfério Ocidental.

Mora é professor de política e relações internacionais na Florida International University, onde anteriormente dirigiu o Kimberly Green Latin American and Caribbean Center.

Anteriormente, ele atuou como subsecretário de defesa para o Hemisfério Ocidental durante o governo Barack Obama (2009-2017).

Se confirmado pelo Senado, ele sucederia Carlos Trujillo, também cubano-americano de Miami, que serviu de março de 2018 até o final do mandato de Donald Trump (janeiro de 2021).

Alguns cubano-americanos, incluindo democratas como Mora, exigem uma mão mais dura de Biden depois dos tumultos de 11 e 12 de julho na ilha.

O governo democrata, que vem revendo sua política em relação à maior das Antilhas há mais de seis meses e admitiu que qualquer mudança seria feita em consulta com os cubano-americanos no sul da Flórida, reagiu após os acontecimentos com declarações intervencionistas e retórica hostil.

O Governo de Cuba denunciou que ali ocorreram a maior parte da desordem pública e do vandalismo, incentivados desde os Estados Unidos por meio das redes sociais com o objetivo de desestabilizar.

O ministério das colônias ianques, como o líder cubano Fidel Castro chamou de Organização dos Estados Americanos (OEA), foi identificado desde sua fundação em 1948 como um instrumento a serviço da Casa Branca.

Falando na cerimônia de encerramento do Primeiro Congresso Latino-Americano da Juventude, em 6 de agosto de 1960, Fidel Castro chamou a OEA de um “instrumento para prevenir revoluções na América”.

Funcionários do atual governo solicitaram a aplicação da Carta Democrática da OEA em Cuba e, embora todas as manobras tenham falhado, esqueceram que o país caribenho foi expulso da organização em 1962 por sua projeção soberana e independente e por construir um modelo que não tem sucesso. ao gosto de Washington.

As autoridades de Havana sustentam que a OEA carece da moral e do direito de julgar e punir Cuba e que a nação antilhana não pertence nem pertencerá a esse mecanismo hemisférico.

Colômbia: Crise humanitária obriga mais de 4 mil pessoas a deixar suas casas em Antioquia

teleSUR.- Na Colômbia, a crise humanitária obriga mais de 4 mil pessoas a deixar suas casas no departamento de Antioquia, o ombudsman informou que 1.300 crianças fazem parte da população deslocada, afetada pelas ameaças de grupos armados da região.

Eles consideram a declaração intervencionista do representante da UE em Cuba

Prensa Latina – Vídeo: Canal Caribe.- O diretor de Assuntos Bilaterais do Itamaraty, Emilio Lozada, destacou hoje o caráter intervencionista da declaração do Alto Representante para a Política Externa da União Européia (UE), Josep Borrell .

Numa mensagem de vídeo publicada nas redes sociais do Ministério das Relações Exteriores da nação caribenha, o diplomata ratificou a mais enérgica rejeição dos ditos postulados, que infelizmente ecoam uma brutal campanha de comunicação política.

Lozada alertou que o objetivo dessas ações de desinformação é desestabilizar a ilha das Antilhas, e isso significa que tais operações foram gestadas nos laboratórios de mídia de Miami e foram financiadas com recursos dos Estados Unidos.

Como resultado desses atos de extrema violência ocorreram, como o atentado terrorista a que foi submetida a embaixada cubana em Paris em 26 de julho.

«Apelo à UE para que abandone definitivamente a duplicidade de critérios e avalie com objectividade o verdadeiro desenvolvimento dos acontecimentos em Cuba, onde prevalece a tranquilidade dos cidadãos e o funcionamento das instituições», sublinhou o responsável.

Da mesma forma, exortou o representante europeu a condenar nominalmente o vandalismo e os acontecimentos violentos de 11 de julho, que chama de ‘manifestações pacíficas’ e que incluem o lançamento de pedras na enfermaria pediátrica do hospital Cárdenas, em Matanzas (centro).

O diretor de Assuntos Bilaterais também afirmou que é “patético” que o texto da declaração não cite nominalmente o bloqueio econômico, comercial e financeiro dos Estados Unidos, política que há mais de seis décadas tem causado dificuldades aos cubanos. .

Ele lembrou que o cerco norte-americano experimentou um surto sem precedentes nos últimos dois anos, e que atinge também cidadãos e empresários europeus, devido ao seu profundo caráter extraterritorial.

O diplomata sublinhou que a declaração do representante da UE não corresponde à vontade expressa por ambas as partes de preservar e reforçar o acordo político para o diálogo e a cooperação, baseado nos princípios do direito internacional e na Carta das Nações Unidas.

«Antes de fazer julgamentos de valor sobre a situação interna em Cuba, a UE deve primeiro atender e resolver as violações dos direitos humanos que ocorrem nos seus próprios Estados-Membros e que sem dúvida se agravaram durante a pandemia de Covid-19», comentou.

Entre eles, citou as violentas repressões policiais que ocorreram em várias capitais europeias, bem como o tratamento desumano, degradante e discriminatório de minorias e migrantes.

IN VÍDEO: O ataque terrorista à Embaixada de Cuba na França #NoAlTerrorismoVsCuba #LetCubaLive

POR: PL28 JULIO 20210

A embaixada cubana na França publicou hoje um vídeo de um recente ataque com coquetéis molotov contra aquela sede diplomática, em meio a reclamações de políticos franceses e internacionais contra essa ação terrorista.

As imagens gravadas pelas câmeras de vigilância mostram como pelo menos uma pessoa se aproximou da Embaixada na madrugada de 26 a 27 deste mês para lançar os referidos dispositivos inflamáveis ​​que causaram danos às instalações, mas sem relatar os feridos.

Leia mais: Terrorismo em Paris: quem são os instigadores do ódio contra Cuba?

O chefe da missão diplomática de Cuba neste Estado, Elio Rodríguez Perdomo, declarou ao canal multinacional de televisão Telesur que seu país jamais aceitará interferir em seus assuntos internos.

Uma ação deste tipo contra um prédio, onde cinco menores estavam com seus pais, demonstra a laia dos agressores que são capazes de agir desta forma, declarou Rodríguez Perdomo.

Por que Cuba não é um Estado falido e o que mais preocupa os EUA? #LetCubaLive

Jorge Casals Llano – Granma – Video: Canal Caribe.- No pudieron lograr el caos precursor que necesitaban el imperio y Biden, el «globalista», el que pomposamente había anunciado «el regreso» de EE. UU. y su intención de «liderar ” o mundo; Eles precisavam (e continuam a precisar, por isso continuarão a agir) porque sabem que seus objetivos geopolíticos são inatingíveis sem “recuperar” a cada vez mais esquiva América Latina e Caribe.

Conforme relatado pela CNN dias atrás, em uma conferência de imprensa com a chanceler alemã Angela Merkel, a presidente dos Estados Unidos. uu catalogou nosso país como um “estado falido” que reprime seus cidadãos; Ele acrescentou que não considerou restaurar as remessas dos Estados Unidos. uu Cuba, por temer que o regime cubano os confiscasse; ele também disse, por exemplo, que usa uu Ele estava tentando restaurar o acesso à Internet em Cuba e que estava pronto para nos enviar vacinas contra cobiça se uma organização internacional as administrasse e garantisse que o cidadão comum (?) Tivesse acesso a elas; o presidente também afirmou que o comunismo era um “sistema falido”.

O “sistema falido”, embora dito como uma afirmação simples e sem fundamento, a expressão é ainda uma expressão ultrajante, que inclui considerar um sistema que ainda só existe em teoria como falido.

Mas, mais importante, os principais documentos das administrações Obama e Trump (Estratégia de Segurança Nacional de 2015 e 2017; Orientação Estratégica de Defesa de 2012; Estratégia de Defesa Nacional de 2018; Relatório de Estratégia Indo-Pacífico de 2019 -reip 2019, entre outros) consideram o A República Popular da China é o principal rival estratégico dos EUA. uu Isso não parece indicar que o socialismo possa ser considerado “fracassado” por aqueles que lhe atribuem a categoria de principal rival.

Além disso, em praticamente todos os meios de comunicação “livres”, ao se referir a Cuba, a ideia de um “Estado falido” foi reiterada e, em coro, se dedicaram a divulgar informações falsas sobre o suposto “surto social”. Claro, a citada imprensa nada disse sobre o bilionário financiar isso com o orçamento dos Estados Unidos. Os Estados Unidos, e durante décadas, alcançaram as chamadas ONGs, na verdade organizações criadas e instaladas principalmente em Miami, para encorajar a subversão e a tão desejada “mudança de regime” … em Cuba.

Não pode ser ignorado por nenhum observador que o “surto espontâneo” ocorreu praticamente simultaneamente em diferentes partes do país e após o período de “amolecimento” iniciado como parte da guerra de quarta geração, considerando seus promotores que a situação no país era propícia . para golpe suave como consequência de:

  1. O enfraquecimento da economia cubana como resultado das perversas medidas punitivas adotadas pelo governo Trump com o objetivo de impedir a entrada de divisas no país por todos os motivos, inclusive a exportação de serviços de toda espécie;
  2. Medidas punitivas visando impedir o fornecimento de combustíveis;
  3. A crise econômica global agravada pela pandemia, que também atinge Cuba;
  4. Ações que visam prevenir a aquisição de suprimentos médicos, inclusive os necessários à preparação de nossas vacinas candidatas.

O bom senso obriga a uma análise do “Estado falido” a que o presidente Biden insolentemente se refere quando fala de Cuba. Acho que podemos concordar, não importa o quão controversa e intencional qualquer definição a este respeito possa ser, e sem mesmo voltar às suas origens obscuras e seu uso para justificar intervenções, que por “estado falhado” pode ser entendido aquele em que há vazio de poder, não há garantia de seu funcionamento, inclusive de serviços básicos, em que suas instituições são frágeis e ilegítimas, e carecem de recursos para satisfazer as necessidades de seus cidadãos.

Alguém em sã consciência pode pensar que existe um vácuo de poder em Cuba? Sem dúvida, a resposta é não, porque muitas vezes o povo cubano mostrou que é capaz de dar a si mesmo as instituições que considera convenientes e decidiu a forma de governo que considera melhor para a democracia que livremente escolheu.

O Estado cubano não funciona? Os serviços básicos não estão funcionando em Cuba? Nem é preciso questionar a saúde mental de quem nega a qualidade desses serviços. A excelência do sistema educacional cubano e a qualidade de suas instituições, que asseguram ao país o potencial humano capaz de colaborar na formação de milhares de profissionais de outros países, de prestar atendimento médico a quem dele necessite no mundo, inclusive. Em condições excepcionais, de enfrentar com sucesso a atual pandemia, de produzir vacinas, medicamentos e inteligência em saúde para controlá-los, são elementos mais do que suficientes para esclarecer quaisquer dúvidas.

As instituições cubanas, de Educação e Saúde, não funcionam; esportes e culturais; acadêmico e científico; o econômico e financeiro, o militar, o religioso, o social …? Nenhuma opinião que negue o funcionamento das mesmas, ou que as considere frágeis ou ilegítimas, é objetiva, e só pode provir da ignorância, de mentes enfermas ou de motivação política.

Ficamos com os recursos para atender às necessidades dos cidadãos. É claro que o bloqueio não atingiu de forma alguma seu objetivo final: devolver Cuba ao rebanho imperial; No entanto, o impacto da estratégia de Lester Mallory, traçada a partir de abril de 1960, é inegável: “a privação de dinheiro e suprimentos a Cuba para reduzir seus recursos financeiros e salários reais, causa fome, desespero e a derrubada do governo”.

Apesar do fato de que quando nos comparamos com Cuba antes da Revolução e com o que foi alcançado na recuperação de nossa independência, soberania e dignidade; olhando para o caminho percorrido na eliminação de todos os tipos de discriminação e outros flagelos, e depois de notar as perdas materiais e humanas causadas pela guerra bacteriológica – que tem sido feita para nós desde a infame Operação Mongoose em 1961, e então continuou com a introdução de ferrugem da cana (1978), peste suína africana (1971, 1979, 1980), bolor azul do tabaco (1980), dengue hemorrágica (1981), conjuntivite hemorrágica (1981) – e ferindo nossos mortos, sentimo-nos satisfeitos com nossos triunfos mesmo sabendo e percebendo quanta prosperidade eles roubaram de nós.

Embora a prosperidade não se mede apenas pela abundância econômica e material, é muito mais do que isso, para ser feliz e pleno, ninguém duvida que é necessário satisfazer, em primeiro lugar, as necessidades materiais. E para nos impedir de alcançar essa satisfação, de Eisenhower, o 34º, a Biden, o 46º dos presidentes dos EUA. Os Estados Unidos, alguns republicanos e outros democratas, mantiveram e até reforçaram o bloqueio, que só ingênuos, maliciosos ou mercenários conseguem minimizar ou não conseguem ver.

Quanta prosperidade eles roubaram de nós?

Durante os mais de 60 anos de bloqueio, em dólares correntes (o simples facto de o cálculo ter de ser feito em dólares indica como é impossível minimizar os dados), o custo tem sido pouco mais de 140 mil milhões de dólares. Em “números redondos” e em 60 anos, os dados não parecem relevantes, cerca de 2,4 bilhões de dólares por ano, só que, por serem dólares com poder aquisitivo diferente, a soma e a média fazem pouco sentido. Portanto, e para ser mais preciso, é melhor fazer o cálculo considerando o ouro que poderia ter sido comprado com o que sobrou em cada ano do bloqueio, e então o valor muda significativamente (basta lembrar que desde 1971 o sistema de Bretton Woods cessou existir, com base em: 1 onça troy de ouro = $ 35, no momento em que este artigo foi escrito é de $ 1.804,84) a mais de um bilhão (nove zeros) de dólares.

Mas se o cálculo for realizado considerando o «lucro cessante», ou seja, o «lucro ou lucro não obtido … por ações de terceiros», então o cálculo deve incluir cerca de 70% que teríamos consumido (a cada ano e de forma aumentada) e cerca de 30% investido (de cada ano e também de forma aumentada); também os resultados dos investimentos realizados e das depreciações acumuladas e investidas … durante 60 anos, o que mudaria a progressão até que seguramente a aproximaria de um trilhão de dólares (milhões de milhões, desta vez de 12 zeros).

E o império pensou que seria possível aproveitar a conjuntura da soma de nossas deficiências geradas pelo bloqueio e a crise econômica, e da pandemia global, para aplicar as novas formas de guerra que já havia aproveitado com sucesso antes em outras regiões do mundo … e ele tentou desencadear o caos usando seus agentes e a inquietação existente, mas a geoestratégia falhou.

Eles não conseguiram atingir o caos precursor necessário para o império e Biden, o “globalista”, aquele que pomposamente anunciou “o retorno” dos EUA. uu e sua intenção de “liderar” o mundo; Precisavam (e continuam a precisar, por isso continuarão a agir) porque sabem que seus objetivos geopolíticos são inatingíveis sem “recuperar” a cada vez mais esquiva América Latina e Caribe, seu “quintal”, onde perderam sua posição outrora hegemônica e Cuba é encontrada, o que torna impossível reviver a Doutrina Monroe para excluir seus principais rivais geopolíticos como China, Rússia e até Irã, do continente americano.

“O Governo dos Estados Unidos é responsável pela impunidade contra Cuba”

teleSUR.- Os Estados Unidos têm uma longa história de ações terroristas contra Cuba, a última manifestação de sua desestabilizadora campanha de perseguição, perseguição e cinismo é o pagamento através das redes sociais pela prática de atos criminosos contra grupos de oposição.

Uma chave para entender a contra-ofensiva do império

Por Atilio A. Boron | Rebelion

Retirada da retaguarda estratégica dos Estados Unidos, América Latina e Caribe

Muitas pessoas intoxicadas pela “mídia de desinformação” de massa, ou pelo “assassino contratado pela mídia” (porque essas organizações com suas notícias falsas, escudos e ocultação de informações são tão letais quanto os bandidos do cartel de drogas) expressam sua renúncia, em alguns casos sua surpresa , no aumento do bloqueio decretado pelo governo dos Estados Unidos contra Cuba (e também Venezuela e Nicarágua).

As ambições de domínio que Washington tem sobre as terras ao sul do Rio Grande são vastas. Como disse o presidente mexicano López Obrador em seu discurso de 24 de julho (por ocasião do 238º aniversário do nascimento de Simón Bolívar), “a política dos últimos dois séculos, caracterizada por invasões para colocar ou remover governantes à vontade, é agora inaceitável a superpotência; digamos adeus às imposições, interferências, sanções, exclusões e bloqueios. ” Com efeito, a “inércia histórica” conduz ao intervencionismo, à desestabilização de governos dignos e bloqueios genocidas, violando os mais sagrados preceitos da injuriada legalidade internacional. E um setor importante da opinião pública naturalizou essa monstruosidade e não reagiu a ela. Esperançosamente, a corajosa denúncia de López Obrador os tornará cientes da natureza aberracional do monroísmo antigo e novo.

Mas há outras razões mais novas para a contra-ofensiva dos EUA. Por ora, me limitarei a apontar um: a liderança do império, o que alguns chamam de “estado profundo”, percebeu que os Estados Unidos não são mais a principal economia do mundo. Pode ainda, dependendo de como é medido, ser um pouco maior do que o chinês, mas em mais alguns anos, de acordo com relatórios da OCDE, o gigante asiático superará em muito a economia dos Estados Unidos. Mas esse não é o principal problema: é o fato de que a China se tornou o primeiro parceiro comercial da grande maioria dos países do planeta. A eloquente imagem que acompanha esta nota refere-se apenas ao vínculo comercial e subestima a importância do vínculo, visto que em quase todos os casos o país asiático é por sua vez o principal parceiro financeiro. Essa situação é totalmente inédita, nunca antes vista na história da economia internacional, muito menos algo que aconteceu em um período historicamente breve de apenas vinte anos. E é uma modificação que não é temporária nem temporária, mas sim estrutural e que revela, com contornos nítidos, o temido declínio do “império norte-americano”. Essa nova realidade fornece uma das chaves – não a única, como mencionamos acima, a “inércia histórica” ​​- que explica a renovada beligerância dos Estados Unidos na região.

O reforço do referido bloqueio acompanhado de um firme apoio ao “narco-governo” colombiano, o “Israel sul-americano”, que facilita às suas tropas, mercenários, narcotraficantes e paramilitares perseguir não só a vizinha República Bolivariana da Venezuela mas também a operar abertamente no Haiti e cometer um assassinato. A isso se soma a intensa pressão exercida sobre governos que relutam em obedecer às ordens da Casa Branca, como as do México, Bolívia, Argentina e agora do Peru.

Diante de uma mudança de magnitude como a ilustrada na imagem acima, a voz da ordem tem sido retirar-se da retaguarda estratégica dos Estados Unidos: América Latina e Caribe e tentar a partir daí, com uma região totalmente dominada por governos de direita, para mitigar as consequências dessa mudança abrupta na relação das forças econômicas entre os Estados Unidos e a China. Essa política tem um precedente: nos anos 70, quando Washington percebeu que seria derrotado no Vietnã, o que se fez foi semear ditaduras militares em toda a região para melhor enfrentar a tempestade. Tanto ontem como hoje a receita é a mesma: desestabilizar governos indisciplinados ou simplesmente com reivindicações de neutralidade e fortalecer os lacaios do império. Naquela ocasião alcançaram seu objetivo, mas agora é muito improvável que com a mesma política obtenham o mesmo resultado.

Cuba e os Estados Unidos: as cartas na mesa

Por Luis Manuel Arce Isaac

Parece que o presidente dos Estados Unidos Joseph Biden está em apuros com o caso de Cuba após a derrota de um grupo de manifestantes em 11 de julho em San Antonio de los Baños, projetado pela mídia e pelas redes sociais como uma grande rebelião social.

A tentativa, reproduzida em outras localidades cubanas, inclusive no leste do país, embora tenha sido reprimida em pouco tempo sem o uso da violência como testemunharam correspondentes estrangeiros naquele mesmo dia, serviu ao propósito manifesto de atrair algumas pessoas do. setores mais humildes do país, devido à escassez de alimentos, remédios e transporte público.

Alguns foram presos junto com promotores e participantes, e muitos foram liberados no mesmo dia dos eventos. Provavelmente foi assim que foi calculado por seus organizadores de Miami para melhor sustentar sua campanha internacional.

O importante para eles era que a revolta ocorresse, mesmo com um mínimo de gente, para que servisse de base para a campanha na mídia. Os acontecimentos os dimensionaram ao extremo e sem nem mesmo elaboração para disfarçar a fraude, iniciaram o bombardeio das redes e da imprensa digital com imagens que nada tinham a ver com Cuba.

Aunque fue denunciado y desmentido inmediatamente, esa parte del guión se sigue desarrollando como si nada, pero ahora sobre las versiones inventadas de represión, desaparecidos, torturas, cientos de presos y juicios amañados o sin abogados defensores, y que los “levantamientos” siguen en a ilha.

Assim, enquanto na realidade a tranquilidade voltou a Cuba no mesmo dia 11, onde é óbvio que a guarda não será baixada, continua a “revolta” interna, mas no exterior, com um aumento da guerra midiática que atinge atos criminosos. como o lançamento de coquetéis molotov contra a embaixada cubana em Paris e pedidos de armas ao embaixador dos Estados Unidos no México, para ocupar a embaixada cubana aqui.

A situação leva a decisões absurdas e é o que preocupa a comunidade internacional, porque o governo Biden caminha à beira da garganta no caso de Cuba, enquanto esses episódios de violência e ameaças não param.

Estados Unidos acaba de inventar una reunión con “países aliados del mundo” como la califica el diario conservador español El País, donde esas naciones emitieron una “declaración conjunta” como si se tratase de una cumbre del G-20 o del Consejo de Seguridad de Nações Unidas.

É claro que a “declaração” retoma os pontos centrais da campanha midiática de mentiras forjadas contra Cuba e enfatiza a suposta violação dos direitos humanos daqueles que saquearam empresas e lançaram ameaças de todos os tipos.

Quando se examina a lista de aliados “mundiais” dos Estados Unidos, ou seja, dos 19 países que acompanharam os Estados Unidos na assinatura da declaração, imediatamente emerge a verdade dessa tragicomédia interpretada por alguns governos sem credibilidade, mãos manchadas. sangue, ou satélites confessados ​​de Washington.

A lista completa dos “preocupados” com a “repressão” em Cuba é a seguinte: Áustria, Brasil, Colômbia, Croácia, Chipre, República Tcheca, Equador, Estônia, Guatemala, Grécia, Honduras, Israel, Letônia, Lituânia, Kosovo, Montenegro, Macedônia do Norte, Polônia, República da Coréia e Ucrânia. É uma brincadeira. Pior ainda, uma pena.

Como disse o chanceler cubano Bruno Rodríguez, esta declaração mostra o isolamento mundial dos Estados Unidos e contrasta com os 184 países que votaram na Assembleia Geral das Nações Unidas a favor da eliminação do bloqueio à pequena ilha caribenha.

Mas não se trata de tomar esta comédia levianamente, porque ela corre paralelamente ao desdém com que Joe Biden toma a pretensão internacional destes dias de levantar o bloqueio a Cuba, reabrir sua embaixada em Havana e revogar as 243 medidas para intensificar a guerra econômica que Donald Trump decretou.

Sua abordagem em Miami para aqueles que atiraram nele na campanha eleitoral com alto calibre para quebrar o pescoço na corrida contra Trump, ou questionaram seu triunfo e favoreceram o golpe no Capitólio, é uma virada muito séria e perigosa que o obriga a não perder de vista seus movimentos sobre Cuba.

Manter as medidas de bloqueio genocida em plena consciência, quando estas estão entre as principais causas do agravamento da pandemia Covid-19 na ilha, não é apenas desumano e criminoso, mas também covarde por ter sido entregue a um setor genocida de extrema direita O controle cubano-americano da política internacional sobre Cuba é exclusivo da Casa Branca.

Há muito mar de fundo nesta aventura anticubana de Biden e de sua vice-presidente Kamala Harris, os maiores responsáveis ​​pela guerra não convencional contra Cuba, que é, evidentemente, uma decisão institucional porque envolve os aspectos econômicos, comerciais, financeiros oficiais. e mesmo setores militares, em objetivos comuns complementares.

Os apelos do frenético e franco anti-Castro do México, e dos tímidos de Cuba, rasgam suas roupas invocando “gritos” de gente inexistente e escondendo seus verdadeiros sentimentos mercenários com demandas de aceitar “ajuda humanitária” dos Estados Unidos, como se seu país fosse a Iugoslávia ou teria remontado aos dias das canhoneiras e de James Monroe.

Cuba serviu para demonstrar o que alertam os teóricos, que a humanidade precisa de uma mudança profunda e é preciso encontrar um caminho para chegar a um mundo melhor, do qual todos estão convencidos de que é possível.

Em nosso continente, o presidente López Obrador definiu como o esgotamento de um sistema já inaceitável, imposto ao continente há mais de dois séculos, caracterizado por invasões para colocar ou destituir governantes por capricho da superpotência dos Estados Unidos, e as condições são imbatíveis. por isso os países da América caminham juntos, sem deixar ninguém para trás.

Não é uma alternativa, mas uma necessidade, daí a pretensão de deixar de lado o dilema de ingressar nos Estados Unidos ou de se opor a nós defensivamente; É hora de expressar e explorar outra opção: dialogar com os governantes dos Estados Unidos, convencê-los e persuadi-los de que uma nova relação entre os países da América é possível.

Nesse sentido, as cartas estão na mesa. Cuba mostra o seu tentando construir pontes de amor, não de ódio ou vingança, mas Biden não entende bem e parece ter cartas na manga. Mas ele tem tempo e poder para retificar. Espero encontrar vontade para fazê-lo.

Artistas e cientistas alemães se unem à convocação para remover o bloqueio contra Cuba

Mais de 60 personalidades da cultura, ciência e sociedade alemãs e 72.000 signatários apoiaram o pedido de fim do bloqueio. Foto: PL.

Na quinta-feira, o grupo Iniciativa Habana (Iniciativa Havanna) convocou personalidades da arte e da ciência na Alemanha para apoiarem a carta aberta Let Cuba live, dirigida ao presidente dos Estados Unidos, Joseph Biden.

A carta foi assinada por 400 personalidades internacionais da política, cultura e ciência.

A Iniciativa Habana está ligada há anos ao setor cultural e científico de Cuba e trabalha para levantar o bloqueio dos Estados Unidos à ilha e fortalecer os laços entre os dois países.

No final de junho, o referido grupo entregou à representação da delegação alemã na União Europeia (UE), do Ministério das Relações Exteriores e da embaixada dos Estados Unidos em Berlim uma petição iniciada em 2020 para levantar o bloqueio a Cuba.

Tal ação foi endossada por mais de 60 personalidades da cultura, ciência e sociedade da Alemanha e reuniu mais de 73.000 assinaturas de apoio, destaca um comunicado da organização solidária.

Nesse momento, a comunidade internacional reafirmou seu repúdio à cruel política dos Estados Unidos com o voto favorável de 184 países à resolução de Cuba de pôr fim a esse cerco, apresentada na Assembleia Geral das Nações Unidas.

Em recente comunicado à imprensa, o grupo informou que, durante reunião no Itamaraty, o secretário de Estado Nils Annen reiterou que este país continuará a advogar pelo fim das sanções unilaterais.

A Dra. Katrin Hansing, o cineasta Peter Weymer e o historiador Rainer Schultz entregaram o referido documento a Annen e Nora Hesse, chefe da equipe política da Comissão do Bloco Comunitário em Berlim.

Hesse agradeceu à Iniciativa Habana o seu importante trabalho político e prometeu transmitir as suas preocupações aos responsáveis ​​em Bruxelas.

Por sua vez, o Escritório de Correspondência Pública da embaixada dos Estados Unidos na capital alemã respondeu que seu governo utiliza as sanções como parte de uma política voltada para uma “Cuba próspera” e que as medidas são constantemente revisadas para verificar sua eficácia.

Washington impôs mais de 240 medidas nos últimos anos que reforçaram ainda mais o bloqueio genocida contra Cuba, especialmente em meio à pandemia covid-19 que está atingindo o mundo.

A iniciativa Habana também denunciou que protestos anteriores na ilha levaram à destruição de instituições do Estado e ao saque de shopping centers.

Afirmou também que as consequências das sanções e os efeitos da pandemia provocaram a pior crise econômica em Cuba desde a década de 1990.

Nesse sentido, fez um apelo a aderir às diversas iniciativas na Alemanha e na Europa para enviar donativos ao povo cubano.

Jornal hispânico dos EUA publica artigo sobre danos do bloqueio a Cuba

Os americanos precisam saber mais sobre o que o governo está fazendo por eles, neste caso com o bloqueio a Cuba que hoje tanto prejudica os cubanos, afirma um artigo do jornal La Opinion.

O jornal hispânico fez uma resenha dos últimos dias contra o bloqueio realizado em particular em Los Angeles, onde com o lema “Diga não à campanha de desestabilização #SOSCuba e os apelos a uma invasão militar”, exigiram residentes de origem cubana daquela cidade da Califórnia o fim da política de asfixia contra a ilha.

Vários participantes ofereceram seus pontos de vista, entre eles Luis Herrera, nascido em Nova York e de origem cubano-peruana, que disse que 60 anos de tal cerco unilateral “impuseram muito sofrimento ao povo”.

Herrera disse ao jornal local que muitos americanos ainda desconhecem a existência de um embargo (bloqueio) dos Estados Unidos contra Cuba desde os tempos da Guerra Fria.

“Eles precisam saber o que o governo está fazendo por eles em outros países, neste caso em Cuba, e os grandes danos causados ​​aos cubanos”, sublinhou ao La Opinion.

Ele lembrou que Donald Trump impôs mais restrições durante seu mandato (2017-2021) e lembrou que, como parte dessa política, se um cubano quiser solicitar um visto para viajar aos Estados Unidos, não poderá obtê-lo na embaixada de Washington. em Havana e deve realizar os trâmites em terceiros países, com os custos e as dificuldades que isso acarreta.

Ele considerou que a política de bloqueio também é um negócio que traz bons dividendos e que não poucos aproveitam nos Estados Unidos.

Ele lembrou que quando morava em Houston, queria ajudar um parente e não pôde usar o serviço de entrega de encomendas devido a limitações. Por isso, ele teve que recorrer a um intermediário em Miami, que cobrava US $ 400 para transportar sua remessa.

“As pessoas estão ganhando dinheiro com o embargo, por isso há cubano-americanos na Flórida que nunca reconhecerão os danos causados ​​e sempre culparão o Governo de Cuba”, frisou.

Assinalou que, embora pessoalmente difira no sistema ideológico do livremente escolhido em Cuba, “devemos respeitar sua determinação”.

Herrera afirmou que votou em Joe Biden porque não gostava de Trump e percebe algum desconforto porque o democrata, após chegar à presidência, afirmou que Cuba não era uma prioridade.

“Do que (Biden) está falando? Para acabar com o embargo, é necessária uma ação do Congresso, mas ele pode emitir uma ordem executiva para facilitar aos cubanos a obtenção de um visto em Havana e o retorno às políticas de (Barack) Obama ”, disse ele.

De acordo com suas declarações ao La Opinion, desiludido com a posição do atual presidente em relação a Cuba, Herrera revelou que planejava retirar-se como democrata e registrar-se como independente.

“É uma vergonha que os Estados Unidos estejam impondo medidas drásticas a um país pobre. As pessoas não são tratadas assim ”, concluiu.

(Com informações da Prensa Latina)

ONGs denunciam especulação e preços exorbitantes no mercado de vacinas anticovid.

O prêmio de preço, que varia entre os países, multiplicaria o custo básico de produção por quatro a 24, o que seria de US $ 1,2 por dose. Imagem: Getty Images.

Várias ONGs internacionais denunciaram a posição monopolística das grandes empresas farmacêuticas, que prevêem lucros multimilionários enquanto a distribuição desigual continua. Segundo a Oxfam, o monopólio das vacinas multiplica pelo menos cinco vezes o custo de vacinar o mundo contra a doença.

Em meio à pandemia, a empresa Pfizer, que fabrica uma das vacinas mais cobiçadas com a BioNTech, esfrega as mãos e prevê vendas mundiais de 33,5 bilhões de dólares em 2021.

Segundo a AFP, um grupo de ONGs internacionais, incluindo a Oxfam, denuncia que os lucros exponenciais de algumas empresas e, de outra, a falta de vacinas em países como Tunísia e Senegal, onde a epidemia se intensifica, ilustram a iniquidade de o acesso global a esses medicamentos.

Segundo a Oxfam Intermón, da Espanha, na União Européia já foram aplicadas 85 doses por 100 habitantes, enquanto na África não chegam a quatro.

No mês passado, o Imperial College de Londres já colocou em evidência em relatório as margens de lucro de empresas como Pfizer e Moderna. Ele avaliou o custo real de produção de uma dose de vacina entre 60 centavos e dois euros, enquanto os estados as compram por um preço entre 12 e 25 euros, segundo a Unicef.

Beatriz Novales, chefe da área de Programas, Advocacia e Cidadania da ONG Oxfam Intermón, denunciou o estouro de custos. “Um elemento que deve ser destacado primeiro é a falta de transparência, tanto por parte das empresas farmacêuticas em termos de preços de custo, mas também na forma como esses preços são negociados entre Estados e empresas farmacêuticas”, disse.

Os lucros da vacina Moderna acabam em paraísos fiscais, conclui pesquisa | Cubadebate

COVID-19 no mundo: OMS alerta que novas cepas estão vencendo a corrida devido ao nacionalismo da vacina | Cubadebate

Nove bilionários graças ao negócio “lucrativo” de vacinas COVID-19 | Cubadebate

“Em geral, estimamos que pode haver um estouro de custos, que varia entre os países. Isso multiplicaria o custo básico de produção por quatro a 24, o que seria $ 1,2 por dose. Temos o exemplo da União Europeia: o custo extra está estimado em 31 mil milhões de euros, o que equivale a 19% do orçamento da União Europeia ”, acrescentou.

O exemplo da Colômbia é impressionante. O país sul-americano pagaria o dobro do que os Estados Unidos pagam por uma dose da vacina Moderna contra o covid-19.

“O mecanismo global da Covax, que foi criado para facilitar o acesso e venda da vacina à maioria da população, está pagando um custo extra de cinco vezes o que seria o custo de produção”, acrescentou o gerente da Oxfam.

Em vez disso, outros laboratórios como AstraZeneca ou Johnson and Johnson vendem suas vacinas a preço de custo. Uma dose da vacina do laboratório anglo-sueco tem preço entre dois e cinco dólares, de acordo com a tabela-resumo elaborada pela Unicef, que mostra diferenças significativas de preço para cada dose vendida dependendo dos países.

No entanto, Moderna e Pfizer venceram a batalha comercial em muitos estados por causa de sua produção em massa e da eficácia de seus produtos. Para facilitar o acesso a vacinas em países emergentes e pobres, a Oxfam recomenda o levantamento de patentes de vacinas.

“Existem mais de 100 países que apoiam a liberação temporária de patentes. O bloqueio vem da União Européia, Reino Unido e Alemanha ”, destacou Novales.

No curto prazo, essa ONG defende o compartilhamento da tecnologia para que outros países e outras empresas produzam as vacinas em grande escala.

Autoridades dos EUA permitem a reabertura da fábrica de vacinas da Johnson & Johnson

As autoridades de saúde dos EUA autorizaram a fábrica da Emergent BioSolutions, afetada por problemas de contaminação, a retomar a produção da vacina COVID-19, disse a empresa na quinta-feira.

A Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos fechou a fábrica de Baltimore em meados de abril devido a problemas de contaminação que a obrigaram a descartar dezenas de milhões de doses da vacina, fabricada sob contrato com a Johnson & Johnson.

A vacina a granel foi contaminada por um ingrediente da vacina AstraZeneca, que é fabricada nas mesmas instalações.

A Emergent não disse quando a produção será retomada.

Desde abril, os inspetores do FDA analisam os vídeos da planta e das câmeras de segurança para identificar falhas no manuseio de materiais. Eles também colaboram com a empresa para resolver uma série de problemas, como deficiências nas condições sanitárias e falta de treinamento dos trabalhadores, informou a AP.

A agência também revisou os dados de produção de vacinas nos últimos meses e autorizou a distribuição de vários lotes grandes de vacinas.

A Emergent é uma das várias contratadas da J&J que produzem sua vacina a granel. A vacina concentrada é enviada para outras fábricas para as etapas finais, como diluição na proporção correta e embalagem. A vacina J&J requer uma dose única.

Falhas na fábrica de Bayview afetaram os esforços da J&J para se tornar líder na vacinação de pessoas, especialmente em áreas remotas e países pobres, já que é a única empresa farmacêutica com uma vacina licenciada que requer uma única dose e refrigeração padrão.

Problemas de produção forçaram a J&J a transportar milhões de doses de sua fábrica na Holanda para os Estados Unidos e a quebrar os compromissos, informou a AP.

Devido ao aumento das infecções, Israel aplicará uma terceira dose em pessoas com mais de 60 anos

Israel convocará seus cidadãos com mais de 60 anos para receber uma terceira dose da vacina, anunciou o primeiro-ministro Naftali Bennett em um comunicado televisivo na quinta-feira.

Dado o aumento de infecções nas últimas semanas devido à propagação da variante delta, Israel lança uma campanha de vacinação complementar começando no domingo para pessoas com mais de 60 anos que foram vacinadas há mais de seis meses, disse Bennett.

“Peço a todos os idosos já vacinados que aceitem essa dose suplementar. Protejam-se ”, declarou o primeiro-ministro.

“Poucos dias após a terceira dose, eles terão mais defesas imunológicas”, disse Bennett. “As vacinas protegem contra a mortalidade, como acontece com a vacina contra a gripe, que deve ser recebida de vez em quando”.

De acordo com a gigante farmacêutica Pfizer, que produz a vacina usada principalmente em Israel, “novos estudos mostram que uma terceira dose tem efeitos neutralizantes contra a variante delta cinco vezes maior em jovens e mais de 11 vezes em idosos”.

Aproximadamente 55% da população israelense já está totalmente vacinada graças a uma vasta campanha que começou no final de dezembro, principalmente com a vacina Pfizer.

No início de junho, as autoridades estenderam a vacinação aos jovens entre 12 e 16 anos e, a partir de 1º de agosto, às crianças entre cinco e 11 anos que correm risco de complicações graves.

Biden menciona a possibilidade da vacinação ser obrigatória nos EUA

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, não descartou nesta quinta-feira a possibilidade de o governo federal ordenar a vacinação contra o covid-19 a todos os americanos e admitiu que a Casa Branca está se consultando sobre o assunto.

Em declarações aos jornalistas após fazer um discurso no qual explicou as novas medidas de vacinação para mais de quatro milhões de funcionários federais, Biden reconheceu que gostaria que estados, empresas privadas ou escolas continuassem na linha de tornar a vacinação obrigatória.

“Gostaria de vê-los avançar nessa direção”, disse o presidente dos Estados Unidos, que garantiu que pediu ao Departamento de Justiça que determine se isso pode ser feito legalmente.

Ele afirmou que as comunidades locais podem fazer isso, assim como as empresas, acrescentando: “A questão é se o governo federal pode mandar em todo o país. Eu não sei ainda”.

É a primeira vez que Biden sugere a possibilidade de a vacinação se tornar obrigatória, em um momento em que o país sofre um agravamento das infecções pela variante delta.

A Casa Branca anunciou nesta quinta-feira que obrigará os mais de quatro milhões de trabalhadores do governo dos Estados Unidos a apresentarem comprovante de vacinação contra covid-19 caso não queiram fazer exames com regularidade, dado o avanço da variante delta no país.

(Com informações das agências)

%d bloggers like this: