O que eles não dizem sobre #Cuba . .#CubaNoEstaSola #EliminenElBloqueoYa #PatriaOMuerte

Por Rosa Miriam Elizalde

Estamos a viver, em pleno andamento, uma guerra de informação ao estilo antigo dos falcões que sussurram ao ouvido dos presidentes dos EUA. Não começou com Biden, deve ser dito. Desde 2017 que têm vindo a martelar a falácia de uma explosão social em Cuba com a sua solução mágica, “intervenção humanitária”, enquanto Trump avançou com a sua ladainha de sanções adicionais ao bloqueio, 243 para ser exacto, que a actual administração tem mantido incólume.

Em Fevereiro de 2020, os amigos do Secretário-Geral da OEA Luis Almagro e os congressistas da Florida, entre selfie e selfie com as facas mais odiosas da direita transnacional, lançaram a campanha em redes “Crise em Cuba: repressão, fome e coronavírus”. Nessa altura, não havia um único caso de Covid19 na ilha. Também não houve, como agora, falta de alimentos ou medicamentos, apesar dos sucessivos golpes nas finanças, da pressão sobre os bancos, da perseguição aos petroleiros, do abrupto corte de remessas, do cancelamento de voos regulares a partir dos Estados Unidos e muitos mais.

Lo que no dicen de Cuba | Cubadebate

Como o escritor cubano René Vázquez Díaz recordou nestes dias, imagine o exército de funcionários do governo dos EUA que trabalharam lealmente, desde 1960, para fazer sofrer as crianças cubanas, os idosos e doentes, as mulheres e os homens de um pequeno país que nunca assaltou o seu tormento a ponto de sofrer um sofrimento indescritível. “Imagine o número maciço de funcionários públicos que, agora mais do que nunca, continuam a realizar este trabalho diário”.

Imagine por um momento quanto custou esta guerra de espectro total, operando no ciberespaço, onde ligam e cruzam toda a informação dos operacionais “em tempo real” para assegurar que a explosão social passe da promessa machista para algo que se parece com ela, sem qualquer menção à mão que abalou e embalou o berço. E sem revelar, evidentemente, que a maioria da população cubana não participou nos incidentes e não aceitará de forma alguma a “intervenção humanitária” e as bombas e fuzileiros que a acompanham.

Quando o governo apelou ao seu povo para que se defendesse, então a batida dos tambores nas redes sociais e nos meios de comunicação transnacionais deu o sinal para transformar o Presidente Miguel Díaz-Canel num criminoso. Esqueceram-se de mencionar que ele não chamou o exército para disparar contra os cidadãos, nem lhes ordenou que arrancassem os olhos, nem que usassem bastões eléctricos, nem tanques de água com ácido, nem gás lacrimogéneo, nem qualquer outra arma além do peito daqueles que sabem quem é o criminoso nesta história, como nos recordou o diplomata cubano Eugenio Martinez. E saíram para defender a Revolução, mesmo antes de Díaz-Canel explicar no domingo à tarde o que estava a acontecer e chamar para acalmar as pessoas que têm sido bombardeadas dia após dia por oceanos de informação tóxica e notícias falsas de todo o tipo através de redes sociais. Ao escrever isto, a CNN en Español apresentou uma manifestação de apoio à Revolução pelos trabalhadores no Ministério da Economia em Havana, como se fosse um protesto anti-governamental. Para a tornar mais realista, acrescentaram a canção “Libertad” do empresário de Miami Emilio Estefan.

Maitor@Mayner2012

FAKE NEWS DE CNN

No se cansan de engañar, igual lo hacian (y hacen) con Siria.

Esta imagen es de trabajadores y directivos del Ministerio de Economía de Cuba en un acto de apoyo a la Revolución. No se dejen engañar !

Imagen

O que eles não dizem sobre Cuba é que há quase dois anos que documentam a participação de empresas e sítios digitais da Florida na organização desta campanha, com financiamento do governo dos EUA. Também não falam da utilização da última geração de grandes sistemas de dados e inteligência artificial contra a ilha, tais como os utilizados para justificar o golpe na Bolívia, por exemplo, e da presença de cibertropos digitais que coordenam acções nas redes e utilizam estes sistemas de inteligência informática para gerar uma câmara de eco barulhenta contra o governo cubano.

O investigador espanhol Julián Macías Tovar mostrou como estes cibertroops organizados no Twitter amplificaram milhões de mensagens e deram instruções para o assédio coordenado de influenciadores com o objectivo de dar volume à hashtag #SOSCuba. As tácticas utilizadas, típicas das operações de guerra cibernética, destinavam-se a gerar artificialmente a ilusão de um consenso em grande escala contra o governo cubano através de uma operação de força bruta cuidadosamente planeada em plataformas sociais, que combina todas as características da guerra irregular ou híbrida desenhada pelos EUA na era da Internet, que se encontra em prática há quase 20 anos.

Lo que no dicen de Cuba

Quando em 2003 o Departamento de Defesa dos EUA declarou o ciberespaço como um novo território a conquistar, fê-lo para definir a guerra central em rede, ou operações de guerra cibernética, descritas como “condução e preparação para conduzir operações militares de acordo com princípios relacionados com a informação”. Significa perturbar, se não destruir, os sistemas de informação e comunicação, amplamente definidos para incluir também a cultura militar, da qual um adversário depende para se “conhecer”: quem é, onde está, o que pode fazer, quando o pode fazer, pelo que está a lutar, quais as ameaças a combater primeiro, etc.”.

A desinformação, fraude e manipulação não só tentam transformar os distúrbios criados nos laboratórios americanos em agitação social, mas também transformar os espectadores em cúmplices de um crime contra milhões de cubanos. Há muitas coisas que permanecem por dizer sobre Cuba, mas esta é sem dúvida a principal.

Publicado por tudoparaminhacuba

Adiamos nossas vozes hoje e sempre por Cuba. Faz da tua vida sino que toque o sulco, que floresça e frutifique a árvore luminoso da ideia. Levanta a tua voz sobre a voz sem nome dos outros, e faz com que se veja junto ao poeta o homem. Encha todo o teu espírito de lume, procura o empenamento da cume, e se o apoio rugoso do teu bastão, embate algum obstáculo ao teu desejo, ¡ ABANA A ASA DO ATREVIMENTO, PERANTE O ATREVIMENTO DO OBSTÁCULO ! (Palavras Fundamentais, Nicolás Guillen)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: