O antigo ministro Alberto Carrasquilla, a força motriz por detrás da reforma fiscal que provocou protestos na Colômbia, é nomeado co-director do Banco Central.

#Colombia #ManipulacioPolitica #BancoCentral

O controverso ex-ministro das finanças da Colômbia, Alberto Carrasquilla, foi nomeado segunda-feira como novo co-director do Banco de la República, quase quatro meses após a sua partida no meio de protestos sociais desencadeados pela sua proposta de reforma fiscal.

O presidente colombiano, Iván Duque, oficializou a nomeação do funcionário, que não só serviu duas vezes à frente do Ministério das Finanças (a primeira vez, durante o governo de Álvaro Uribe), como foi também ex-reitor da Universidade de Los Andes e excelente técnico do Banco da República.

Desta forma, o controverso ex-ministro regressa a um dos postos-chave da economia, enquanto o Executivo faz uma nova tentativa de impulsionar uma reforma fiscal através do Congresso, para estar pronto nos próximos meses.

El exministro Alberto Carrasquilla, impulsor de la reforma tributaria que desató las protestas en Colombia, es designado codirector del Banco Central

Em Maio passado, no auge dos protestos na Colômbia, Carrasquilla argumentou que a sua continuidade na pasta do Tesouro “dificultaria a construção rápida e eficaz do consenso necessário” para levar a cabo uma nova reforma fiscal. Meses mais tarde, após o fracasso da mesa de negociações e o desgaste das manifestações de rua, o antigo ministro foi nomeado para chefiar o Banco Central quando o projecto de lei já tinha sido submetido ao Congresso.

Carrasquilla substituirá Carolina Soto, que Duque reconheceu pelo seu “serviço à Colômbia e pela sua contribuição para a política monetária do país”. “Tive o prazer de a conhecer e trabalhar com ela em alturas diferentes da vida. Desejamos-lhe tudo de bom”, acrescentou.

A saída do Soto do conselho de administração do emissor surgiu na semana passada, quando foi confirmado que o seu marido, Alejandro Gaviria, concorreria como candidato à presidência da República para as eleições de 2022, depois de se demitir do cargo de reitor da Universidade de Los Andes. O funcionário, que veio para o cargo em 2018, tinha sido nomeado pelo ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos.

Reacção em redes
Apesar das credenciais que o Duque enumerou em alguns tweets, as reacções sobre essa rede social foram muito críticas à nomeação de Carrasquilla para o Banco da República, uma vez que há alguns meses o ex-ministro deixou o cargo devido a protestos de rua e a pressões da oposição, que pressionava uma moção de censura contra ele por promover uma iniciativa de reforma que contemplava o aumento do IVA sobre produtos e serviços, bem como a expansão do registo dos contribuintes, em plena crise económica grave agravada pelo impacto da pandemia da covid-19.

“A nomeação do ex-ministro Carrasquilla para o Banco da República é uma afronta, uma demonstração, por redução ao absurdo, de que o fracasso através da acumulação de soluções que não funcionam, são a chave para obter altos cargos neste governo”, escreveu o Professor Ignacio Mantilla Prada.

Embora Duque tenha retirado a reforma fiscal de Carrasquilla dias após a sua apresentação no Congresso, foi a centelha que acendeu os protestos maciços na Colômbia que foram brutalmente reprimidos pela polícia, um facto que não passou despercebido aos congressistas da oposição, como Gustavo Bolívar.

“Alberto Carrasquilla, autor da Reforma Fiscal que desencadeou o maior massacre de jovens da nossa história recente, foi nomeado co-director do Banco da República. Eles nem coram e nós nem sequer rimos”, escreveu Bolívar na sua conta do Twitter.

“Em vez de ser investigado e assumir a responsabilidade pela sua gestão catastrófica, Carrasquilla é promovido”, criticou o legislador da oposição Iván Cepeda Castro.

“A prova da independência do Dr. Carrasquilla é que ele apresentou uma reforma que quase derrubou o meu governo”, ironizou outro utilizador do Twitter.

A maioria das acusações contra Carrasquilla centram-se no fracasso da sua reforma fiscal quando era ministro, no clamor social que a sua proposta de lei provocou e na forma como o governo Duque “recompensou” com um cargo de alto nível um funcionário que deixou há menos de quatro meses, no meio de uma das crises políticas mais agudas para o presidente, um ano antes das próximas eleições presidenciais.

A libertação condicional do assassino de Robert F. Kennedy da prisão nos EUA recebe a luz verde.

#EstadosUnidos #RobertFKennedy

Uma direcção da Califórnia recomendou na sexta-feira a liberdade condicional para Sirhan Sirhan, que foi condenado em 1968 pelo assassinato de Robert F. Kennedy, irmão do antigo Presidente dos EUA John F. Kennedy.

Sirhan, 77 anos, passou mais de meio século atrás das grades. A decisão da comissão de liberdade condicional não determina a sua libertação imediata, mas abre o caminho para um período de revisão que pode demorar até três meses e que depois deve ser revisto pelo governador da Califórnia.

Condenado a prisão perpétua, Sirhan tinha tentado 15 vezes a liberdade condicional.

Esta sexta-feira, pela primeira vez, a Procuradoria Distrital de Los Angeles não se opôs ao pedido.

Robert F. Kennedy, o irmão mais novo do também assassinado John F. Kennedy, foi baleado nas primeiras horas da manhã de 6 de Junho de 1968 no Ambassador Hotel em Los Angeles depois de ter feito um discurso pela sua vitória nas primárias democráticas da Califórnia a caminho da corrida presidencial.

O então senador morreu no dia seguinte, com 42 anos de idade.

Sirhan, um nativo de Jerusalém que estava nos Estados Unidos desde 1956, foi condenado por este crime. Aos 24 anos, confessou o homicídio em tribunal, mas disse que não se lembrava de como tinha acontecido.

Foi apanhado no local do crime, ainda com a arma na mão, mas durante anos surgiram rumores de um segundo assassino.

Paul Schrade, que estava ao lado de “Bobby” Kennedy durante o tiroteio e foi ferido, é um dos que apoiou esta hipótese.

“É uma boa decisão”, disse Schrade à AFP na sexta-feira, minutos depois de a votação ter sido tornada pública.

“Estou muito grato à comissão de liberdade condicional por ter dado a Sirhan a oportunidade de ir para casa”, acrescentou ele.

Robert F. Kennedy Jr., um dos onze filhos do falecido senador, também manifestou no passado dúvidas sobre a autoria do crime.

A controvérsia sobre o caso começou no julgamento de Sirhan, quando os procuradores apresentaram um relatório de autópsia mostrando que Kennedy foi alvejado por trás. Sirhan estava na frente.

Em 2013, um juiz americano que rejeitou um dos recursos de Sihran rejeitou a versão, dizendo que a direcção da bala poderia ser explicada pelo “caos” e que Kennedy poderia ter virado a cabeça durante o tiroteio.

Extraído de CubaYes

A comissão de motins do Capitólio exige que as redes sociais entreguem os registos relacionados com violência e desinformação.

#EstadosUnidos #RedesSociales #CasaBlanca #FBI #CIA

Um dia depois de emitir intimações para uma grande quantidade de documentos de várias agências federais, incluindo a Casa Branca, o Comité House Select que investigou o ataque de 6 de Janeiro ao Capitólio dos EUA exigiu registos de 15 empresas de comunicação social.

Os pedidos exigem nas suas plataformas documentos “relacionados com a divulgação de desinformação, esforços para inverter as eleições de 2020 ou impedir a certificação dos resultados, extremismo violento doméstico, e influência estrangeira nas eleições de 2020”.

Foram enviadas cartas aos canais de extrema-direita 4chan, 8kun, Gab, Parler, Telegram e theDonald.win, assim como Facebook, Google, Snapchat, Tik-Tok, Twitter, Reddit, Twitch, YouTube e Zello.

O comité impôs um prazo de duas semanas para a informação.

As cartas solicitam relatórios internos sobre erros e desinformação nas suas respectivas plataformas relacionadas com as eleições presidenciais de 2020, bem como esforços para anular ou interferir com a certificação dos votos, a presença de grupos de QAnon e extremistas violentos nas suas plataformas, e “malignidade estrangeira” com influência para prejudicar as eleições.

O comité também solicita “todas as contas, utilizadores, grupos, eventos, fóruns de mensagens, mercados, posts, ou outros conteúdos gerados pelos utilizadores que tenham sido sancionados, suspensos, removidos, limitados, despriorizados, etiquetados, apagados, ou proibidos” para ligação a esses esforços.

Também solicita alterações à política da plataforma adoptada ou “não adoptada” para proteger contra a propagação de desinformação, desinformação e violência através das plataformas, incluindo “decisões sobre a proibição de material das plataformas e contactos com as forças da ordem e outras entidades governamentais”, entre mais de uma dúzia de outros pedidos de informação, incluindo correspondência com as forças da ordem.

As cartas seguem a primeira vaga de avisos a oito agências governamentais, incluindo os escritórios da Casa Branca, os Departamentos de Defesa e Segurança Interna, bem como o Departamento de Justiça, o FBI e as agências de inteligência.

Uma carta à Administração dos Arquivos e Registos Nacionais solicita os registos e comunicações da Casa Branca a mais de 30 membros da administração Trump, funcionários do gabinete e respectivas famílias, incluindo registos de chamadas, registos telefónicos, memorandos de reuniões e registos de visitantes à Casa Branca.

O Comité de Selecção da Câmara, presidido pelo Representante dos EUA Bennie Thompson, foi formado na sequência da oposição quase universal entre os republicanos do Congresso a um comité bipartidário para investigar o ataque. Dois republicanos, Liz Cheney e Adam Kinzinger, ambos críticos proeminentes de Trump e dos seus aliados, fazem parte do comité.

Trump respondeu a uma intimação dirigida aos seus registos da Casa Branca alegando que “o privilégio executivo será defendido”, numa declaração na quarta-feira.

Extraído de CubaYes

O número de mortos civis sobe para 12 em Cabul após o ataque americano com um carro armadilhado.

#Afganistan #EstadosUnidos #Terrorismo

O número de civis mortos após um ataque aéreo americano a um carro-bomba de uma facção estatal islâmica em Cabul, no domingo, aumentou para 12, incluindo seis crianças, informou um correspondente da Al Jazeera.

Aumenta a 12 el número de los civiles fallecidos en Kabul tras el ataque de EE.UU. contra un coche bomba

Um familiar de alguns dos mortos disse a uma jornalista local que trabalhava com a CNN que nove vítimas – juntamente com os seis menores – eram membros de uma família, com o membro mais novo a perder a sua vida aos dois anos de idade.

Os militares norte-americanos insistem que o ataque ao veículo impediu uma ameaça “iminente” ao aeroporto, mas reconhecem que poderia ter levado a uma “potencial perda de vidas inocentes”. O porta-voz do Comando Central Bill Urban disse que a destruição do carro-bomba causou “explosões poderosas” devido à presença de “uma grande quantidade de explosivos” no seu interior.

Otaola vira as costas ao Yomil. El Chivarazzi num beco sem saída.

#Cuba #RedesSociales #MafiaCubanoAnmericana #MercenariosYDelincuentes #ArtistasDelImperio

#GuerreroCubano .

#GuerreroCubano #CubaNoEsMiami #MafiaCubanoAmericana #RedesSociales #ManipulacionMediatica #MercenariosYDelincuentes

Lei da mordaça em #Cuba? O que os meios de comunicação social não lhe dizem .

#CubaNoEsMiami #RedesSociales #SiAlDecretoLey35 #ManipulacionMediatica #MercenariosYDelincuentes #MafiaCubanoAmericana

Porque é que o FMI está agora a libertar fundos multi-biliões de dólares?

#Cuba #EstadosUnidos #ElBloqueoEsReal #Covid-19 #Sanciones #CubaSalva #EEUUBloquea


Por Redacción Razones de Cuba

O Fundo Monetário Internacional (FMI) acaba de desbloquear $650 mil milhões em Direitos de Saque Especiais (DSE), uma unidade de conta que pode ser trocada por moeda estrangeira sob certas regras.
O valor de cada unidade é de 1,42 dólares. O montante exagerado aprovado pelos 24 membros do Conselho de Administração do FMI, eles próprios representantes dos países mais ricos do mundo que tomam tais decisões e dominam as reservas financeiras internacionais, é impressionante.

Este montante é uma percentagem mínima e quase ridícula do montante global das reservas monetárias de cada um destes países, mas um volume extraordinariamente elevado de recursos a serem libertados entre os 191 membros do FMI.

Alguns especialistas já falam de um gigantesco Plano Marshall global, mas esta é aparentemente uma comparação muito imprecisa porque na realidade não existe nem globalidade nem um plano concreto deste tipo nesta distribuição, mas sim uma grande dose de desigualdade e desigualdade, ou melhor, uma dolorosa demonstração do desequilíbrio financeiro, da terrível distribuição universal da riqueza e da brutal concentração do capital.

De acordo com o FMI, o objectivo desta afectação é fornecer liquidez adicional ao sistema económico mundial através do reforço das reservas internacionais dos países membros.

Pura retórica, com o objectivo de reforçar as grandes economias sob a justificação mesquinha de que a atribuição global é proporcional às respectivas quotas de membros.

Isto significa que 58% dos novos DSE vão para as economias avançadas, 38,8% para as chamadas economias emergentes e em desenvolvimento, e apenas 3,2% para a esmagadora maioria das nações de baixos rendimentos.

Expressos em dólares, destes $650 mil milhões, apenas $21 mil milhões vão para mais de uma centena de países pobres, $417 mil milhões para os ricos, e $212 mil milhões para os emergentes. Não é uma operação de salvação para um banqueiro mundial falido pelo fracasso do neoliberalismo e pelos efeitos multiplicadores da pandemia de Covid-19, mas para os ricos.

Há muitas interpretações sobre a razão pela qual o FMI tem desembolsado tanto. A mais comum é a profundidade da crise económica, que requer uma grande injecção de recursos e a activação de reservas internacionais estagnadas. Outro é beneficiar as grandes economias que irão manter quase todos estes DSE.

Ambos, para muitos especialistas, expressam um colapso da economia global que até agora não foi tão explicitamente aceite como o FMI acabou de fazer, mas afirmam que esta injecção não irá inverter a situação porque o dinheiro não irá para onde é necessário, e pode mesmo complicar ainda mais a crise.

Porque é que alguns analistas fazem esta última afirmação?

Em primeiro lugar, porque a atribuição só beneficiará todos os ricos. Por exemplo, os membros do Grupo dos Sete (G-7) manterão 43,3%, ou quase 282 mil milhões, 22 vezes o Produto Interno Bruto do Níger.

Só os Estados Unidos, 113 mil milhões de dólares, 18% do total e 40% do que o G-7 recebeu.

Face a esta realidade cruel, já há vozes a exigir que o FMI e os países ricos redistribuam estes recursos sem criar novas dívidas para os pobres, que já são impagáveis. Ainda não há qualquer reacção por parte dos grandes beneficiários.

Segundo, porque uma massa gigantesca de dinheiro tão mal distribuída poderia alimentar a inflação e fornecer reservas internacionais adicionais de que o mundo não precisa, factores que irão reproduzir imediatamente todas as condições até agora prevalecentes que levaram à crise, incluindo uma reafirmação da concentração de capital.

São tão mesquinhos que alguns republicanos no Congresso dos EUA já se opõem à proposta do Presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador de utilizar este dinheiro para pagar dívidas, porque acreditam que se esta alternativa for bem sucedida, a China beneficiará porque os seus devedores os pagarão com DSE.

De acordo com estes critérios, o Departamento do Tesouro dos EUA advertiu que se recusará a comprar DSE a qualquer país com o qual tenha actualmente sanções, como o Irão, a Síria e a Venezuela, e encorajará outros países a fazer o mesmo.

Trata-se, evidentemente, de uma manipulação grosseira de recursos que, se bem utilizada e melhor distribuída, contribuiria em muito para ultrapassar a crise global.

Está a circular nas Nações Unidas uma proposta no sentido de os países mais ricos colocarem os seus DSEs desnecessários ou em excesso num novo fundo fiduciário, para utilização por outros membros. O fundo será denominado Fundo Fiduciário para a Resiliência e Estabilidade e poderá estar pronto até ao final do ano. Esperemos que haja sanidade.

Extraído de Prensa Latina

%d bloggers like this: